Bitcoin e uma aula sobre o mercado de eletricidade

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Em seu desespero para encontrar uma razão para o bitcoin ser terrível-mal-destrutivo-trágico e moralmente repreensível, os autores obcecados por criptografia do blog Alphaville do Financial Times – Jemima Kelly, Jamie Powell, Izabella Kaminska – estão rapidamente ficando sem ter o que dizer.

O mais recente deles é o “FUD ambiental” – um clássico em nosso mundo de elites obcecadas pelo meio ambiente, onde qualquer coisa remotamente associada ao Clima garante a supremacia moral. Se tudo mais falhar, a culpa por associação não falhará. Então, reclame sobre o impacto ambiental da energia usada por nós usuários e pelos mineradores da rede Bitcoin.

O que há de tão estranho nessa objeção é que primeiro, esse impacto é globalmente pequeno e, segundo – quem se importa? Alguém, em algum lugar, está usando energia de maneiras que você desaprova (chocante, eu sei), para a qual a única resposta razoável deve ser “Sim, e?”

Poucas sociedades (mais) livres saem por aí policiando o uso de energia, deixando jornalistas esquerdistas do establishment decidirem sobre qual uso é permitido, o que é prejudicial e o que precisa ser eliminado. As pessoas dirigem carros, às vezes apenas porque querem, e às vezes apenas para competir para ver quem é mais rápido; as pessoas saem de férias, principalmente porque querem; as pessoas compram coisas, andam de coisas, constroem coisas, apreciam coisas, quase tudo isso usa energia e quase nunca exige permissão de seus senhores moralmente superiores. Pelo menos ainda não.

Jogar bitcoin na mistura de alguma forma muda tudo. Alguém, em algum lugar, está executando seu hardware especializado para validar a rede, quando poderia ter usado esses componentes (microprocessos, memórias flash, ventiladores, instalações de armazenamento) para, não sei, executar uma sala de servidor para hospedar todas as suas incríveis fotos do Instagram. O que há na necessidade de energia do Bitcoin que realmente irrita essas pessoas? Se você acha que o Bitcoin é um mecanismo de pagamento terrível, uma moeda abaixo da média, uma base monetária desestabilizadora ou uma grande moda financeira passageira, esses são argumentos válidos – o que a energia tem a ver com isso?

Em uma observação superficial, é um perfeito argumento “pegadinha”: se você acha que o valor agregado do Bitcoin é zero ou negativo – Kelly sente prazer em chama-lo de “uma classe de ativos destrutiva” – qualquer quantidade de energia seria um desperdício, um pesadelo climático , uma catástrofe ambiental. Afinal, muitas vezes ouvimos que esse golpe monetário consome eletricidade da mesma forma que os países de pequeno ou médio porte. Quando o New York Times usa palavras como “enormes fazendas” e “intermináveis ​​racks de computadores”, sabemos que deve ser ruim.

Como de costume, quando os jornalistas falam sobre Enormes Coisas Terríveis, devemos cavar um pouco mais fundo e sondar um pouco mais: faça aquelas perguntas irritantes – quanto? Isso é muito? Comparado com o quê?

As estimativas para o uso de eletricidade por toda a rede Bitcoin estão em todo o lugar, em parte porque ninguém sabe realmente quantos mineradores existem e que equipamento exato eles estão usando (e por questões ambientais, que fonte de eletricidade alimenta suas instalações). Estimativas baixas giram em torno de 40 TWh por ano – um pouco menos do que Massachusetts usou em 2019 – enquanto estimativas altas relatam até 100 TWh por ano – aproximadamente a geração de eletricidade da Carolina do Sul ou Louisiana. Vamos pegar o pior caso e um número convenientemente redondo de 100 TWh.

Isso é 2,5% dos 4.000 TWh de eletricidade que foram usados ​​no ano recorde dos EUA de 2018, ou menos de 0,4% da geração mundial de eletricidade em 2019. Além disso, se o uso global de eletricidade caiu 1% no ano passado por causa das medidas pandêmicas, o “economizado” poderia alimentar todo o uso atual da rede Bitcoin até 2024 (ou 2028 na estimativa mais baixa). Se o Bitcoin não existisse, é seguro dizer que nossa polícia de eletricidade de Alphaville teria encontrado algum outro usuário de eletricidade minúsculo para reclamar – talvez iluminação de Natal (7 TWh), estações de esqui (2-5 TWh) ou jogos online (75 TWh ). Talvez as redes de caixas-eletrônicos do sistema bancário global (algo em trono de 25 TWh)?

Lembre-se de que ainda estamos usando apenas eletricidade; a prestidigitação envolvida no truque mágico dos Alphavillers é associar o uso a algo “muito ruim para o meio ambiente”. Por esta mesma métrica, a geração de eletricidade usada para alimentar os computadores dos ditos autores se qualifica – assim como definitivamente o aquecimento de seus apartamentos (combustíveis fósseis?) e a eletricidade que ilumina suas casas escuras e faz funcionar seus eletrodomésticos. Embora minúsculo em proporção a milhares e milhares de mineradores que mantêm uma rede monetária descentralizada, o valor agregado de Alphaville é claramente menor que zero e, portanto, definitivamente um desperdício horrível de eletricidade.

Se você vive em um mundo de médias e agregados – como Kelly, quando ela escreve que, uma vez que a maior parte da mineração está na China, onde “dois terços de toda a eletricidade é gerada pela energia do carvão” – a mineração de bitcoin deve ser realmente suja.

A mineração de bitcoins é um negócio cruel, quase inteiramente determinado pelos preços locais da eletricidade (embora os custos de financiamento e os riscos legais sejam importantes). Assim, os mineradores de bitcoin estão soberbamente posicionados para buscar e encontrar energia ociosa, e energia que não consegue encontrar seu caminho para o mercado, energia que não tem custo de oportunidade: gás natural que de outra forma teria sido queimado; capacidade hídrica que teria sido liberada; turbinas eólicas que de outra forma teriam sido desligadas ou desconectadas da rede.

Quando a ARK Invest e a Square divulgaram recentemente um relatório sobre as perspectivas de energia renovável para mineradores de bitcoin, elas ofereceram instalações de mineração próximas a energia ociosa como um suplemento para superar o problema de intermitência. “Intermitência”, disse Kelly, ridicularizando os autores por não entenderem que o bitcoin consome eletricidade sem depois trazê-la de volta: não é o mecanismo de armazenamento que resolve o problema insolúvel da energia renovável.

Um breve lembrete dos três problemas básicos das energias renováveis:

  1. elas não produzem muita eletricidade quando precisamos: noites, tardes e no hemisfério norte, inverno;
  2. elas produzem muita eletricidade quando não precisamos muito dela: dias e verão;
  3. elas produzem essa eletricidade geograficamente longe de onde precisamos: planícies rurais, costas, ilhas.

Para cada um desses problemas, o que acabamos fazendo em redes elétricas com bastante energia solar e eólica é:

  1. Ter energia de reserva cara – principalmente usinas de gás natural ou carvão – pronta para começar a produzir eletricidade quando o vento ou o sol não forem suficientes. Esta é a razão pela qual os custos de eletricidade aumentam – não diminuem – quando mais energias renováveis ​​são adicionadas à rede.
  2. Quando a energia solar e eólica estão prestes a explodir devido à superprodução, uma das duas coisas geralmente acontece: países pequenos como a Dinamarca podem exportar sua eletricidade para vizinhos maiores como Alemanha e Suécia (descarregando o problema para outra pessoa) ou as energias renováveis ​​simplesmente são desligadas. No ano passado, os preços da eletricidade no atacado caíram abaixo de zero para induzir desesperadamente os consumidores industriais a obter o excedente de eletricidade dos produtores.
  3. Nossas linhas de transmissão estão cheias: no curto prazo, voltamos a desligar as fontes intermitentes e, no longo prazo, cruzamos nosso campo com mais linhas de alumínio para acomodar o compartilhamento transcontinental do excesso de eletricidade.

Proponentes institucionais do Bitcoin como Cathy Wood da ARK Invest ou Jack Dorsey, contra quem os Alphavillers direcionam seu FUD ambiental atual, não imaginavam esses problemas. Os produtores de energia ociosa, como as usinas hidrelétricas superdimensionadas nas quatro províncias chinesas onde a maior parte da mineração aparentemente ocorre, não podem levar seus produtos ao mercado – mas podem compensar alguns de seus custos fixos vendendo-os para mineradores de bitcoin confiáveis. Wood, Dorsey e Brett Winton (diretor de pesquisa da ARK) argumentaram o caso de uma forma desajeitada, sugerindo que o bitcoin poderia ajudar a energia solar a alimentar toda a rede elétrica? sim. Eles estão, portanto, errados ao dizer que o derramamento de eletricidade excedente para mineradores voluntários ajuda a financiar a geração de eletricidade renovável (ou não renovável)? De jeito nenhum.

Pelo contrário: Nic Carter, o mestre do combate ao FUD ambiental, escreve

    “o gás natural totalmente fora da rede é totalmente diferente do consumo doméstico ou comercial de energia. Nunca seria monetizado, capturado, consumido ou entregue às famílias. Seu destino era simplesmente ser queimado ou ventilado.”

Se parte desse excesso de eletricidade – do tipo errado, no lugar errado, na hora errada – pode ser usado para minerar bitcoin e financiar as operações do fornecedor de eletricidade, isso não é uma melhoria de eficiência? A equipe global de mineradores de bitcoins aspira a energia não utilizada, encalhada e perdida do mundo, fornecendo dinheiro extra para o gerador de eletricidade marginal, seja renovável ou não. Parece bom para mim.

Devemos, de fato, ser céticos em relação a modas financeiras passageiras, a tudo na bolha de tudo. E devemos discutir sobre os muitos atributos monetários do bitcoin – principalmente porque, portanto, destacamos como funcionam outros regimes monetários. Mas as acusações ambientais das operações de mineração do Bitcoin são como bater a cabeça contra paredes de tijolos – não é uma coisa muito útil de se fazer.

Como o grande JP Koning concluiu esta semana, “Não é a necessidade de energia desses produtos que é o problema.”

 

Artigo original aqui