Capítulo 21: Anatomia de uma corrida bancária

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[Reproduzido de The Free Market (setembro de 1985); reimpresso em Making Economic Sense (Auburn, Alabama: Mises Institute, 1995, 2006).]

 

Foi uma cena familiar para qualquer fã de nostalgia: filas a noite toda esperando os bancos (primeiro em Ohio, depois em Maryland) abrirem. Garantias pomposas, mas mentirosas, dos banqueiros de que tudo está bem e que o povo deveria voltar para casa, uma insistência teimosa dos depositantes em sacar seu dinheiro e o consequente fechamento dos bancos pelo governo. Ao mesmo tempo, os bancos foram autorizados a continuar existindo e cobrar as dívidas que lhes eram devidas por seus mutuários.

Em outras palavras: em vez de o governo proteger a propriedade privada e impor contratos voluntários, violou deliberadamente a propriedade dos depositantes, impedindo-os de recuperar seu próprio dinheiro dos bancos.

Tudo isso foi, é claro, uma repetição do início da década de 1930: a última era de corridas massivas aos bancos. Superficialmente, a vulnerabilidade estava no fato dos bancos falidos terem sido segurados por agências de seguro de depósitos privadas ou estaduais, enquanto os bancos que resistiram facilmente à tempestade terem sido segurados pelo governo federal (FDIC para bancos comerciais; FSLIC para bancos de poupança e empréstimo).

Mas por quê? Qual é o elixir mágico possuído pelo governo federal que nem as empresas privadas, nem os estados podem possuir? Os defensores das seguradoras privadas notaram que elas estavam tecnicamente em melhor situação financeira do que o FSLIC ou FDIC, pois tinham maiores reservas por dólar de depósito segurado. Como é que as empresas privadas, tão superiores ao governo em todas as outras operações, podem ser tão deficientes nesta área? Existe algo único sobre o dinheiro que requer controle federal?

A resposta para esse enigma está nas declarações angustiadas dos bancos de poupança e empréstimo em Ohio e em Maryland, depois que o primeiro deles faliu devido a empréstimos espetacularmente insalubres. “Que pena”, reclamaram eles, “que o fracasso deste banco instável tenha arrastado os bancos sólidos para a ruína com ele!”

Mas em que sentido um banco é “sólido” quando um burburinho de colapso, uma vacilação da confiança do público, é capaz de rapidamente quebrá-lo? Em que outra indústria um mero rumor ou indício de dúvida rapidamente quebra uma empresa poderosa e aparentemente sólida? O que há no setor bancário para que a confiança do público desempenhe um papel tão decisivo e extremamente importante?

A resposta está na natureza do nosso sistema bancário, no fato de que tanto os bancos comerciais quanto os bancos de poupança (poupança mútua e poupança e empréstimo) têm se engajado sistematicamente na atividade bancária de reservas fracionárias, ou seja: eles têm muito menos caixa em mãos do que há reivindicações de caixa pendentes. Para os bancos comerciais, a fração de reserva é agora de cerca de 10%; para os bancos de investimento, é muito menos.

Isso significa que o depositante que pensa ter $10.000 em um banco está enganado; em um sentido proporcional, há apenas, digamos, $1.000 ou menos lá. No entanto, tanto o depositante de cheques quanto o depositante de poupança pensam que podem sacar seu dinheiro a qualquer momento sob demanda. Obviamente, tal sistema, considerado fraude quando praticado por outros negócios, se baseia em um truque de confiança: só pode funcionar enquanto a maioria dos depositantes não se apavorar e tentar sacar seu dinheiro. A confiança é essencial, mas também equivocada. É por isso que, quando o público percebe e começa as corridas aos bancos, elas são irresistíveis e não podem ser detidas.

Agora vemos por que a iniciativa privada funciona tão mal no negócio de seguro de depósito, pois a iniciativa privada só funciona em um negócio que seja legítimo e útil, onde as necessidades estejam sendo satisfeitas. É impossível “segurar” uma empresa, muito menos uma indústria, inerentemente insolvente. Bancos de reservas fracionárias, sendo inerentemente insolventes, não são seguráveis.

Qual é, então, a poção mágica do governo federal? Por que todos confiam no FDIC e no FSLIC, embora seus índices de reserva sejam mais baixos do que os das agências privadas e apenas tenham uma fração muito pequena do total de depósitos segurados em dinheiro para conter qualquer corrida bancária? A resposta é realmente muito simples: porque todos percebem, e percebem corretamente, que apenas o governo federal – e não os estados ou empresas privadas – pode imprimir dólares de curso forçado. Todo mundo sabe que, no caso de uma corrida aos bancos, o Tesouro dos EUA simplesmente ordenaria ao Fed que imprimisse dinheiro suficiente para resgatar qualquer depositante que quisesse. O Fed tem o poder ilimitado de imprimir dólares, e é esse poder ilimitado de inflar que está por trás do atual sistema bancário de reservas fracionárias.

Sim, o FDIC e o FSLIC “funcionam”, mas apenas porque o poder de monopólio ilimitado para imprimir dinheiro pode “funcionar” para resgatar qualquer empresa ou pessoa na Terra. Foram precisamente as corridas bancárias, por mais severas que fossem, que, antes de 1933, mantinham o sistema bancário sob controle e impediam qualquer quantidade substancial de inflação.

Mas agora as corridas bancárias – pelo menos para a esmagadora maioria dos bancos sob seguro federal de depósitos – terminaram. Estamos (e continuaremos) pagando o preço terrível de salvar os bancos: inflação crônica e ilimitada.

Acabar com a inflação requer não apenas a abolição do Fed, mas também a abolição do FDIC e do FSLIC. Finalmente, os bancos seriam tratados como qualquer empresa de qualquer outro setor. Em suma: se eles não puderem cumprir suas obrigações contratuais, eles serão obrigados a falir e liquidar. Seria instrutivo ver quantos bancos sobreviveriam se os enormes suportes governamentais fossem finalmente retirados.