Capítulo 22: Lições da Recessão

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

[Reproduzido de The Free Market (julho de 1991).]

 

É oficial! Muito depois de todos nos Estados Unidos saberem que estávamos em uma recessão severa, o Departamento Nacional de Pesquisa Econômica, privado, mas semigovernamental e incrivelmente venerado, finalmente fez seu tão esperado pronunciamento: estamos em recessão desde o verão passado. Quem diria! Aqui está um exemplo instrutivo do motivo pelo qual a profissão de economista, antes reverenciada como vidente e guia científico para riqueza e prosperidade, vem caindo rapidamente na estima do público americano. Não poderia ter acontecido com um grupo mais merecedor. A atual recessão, de fato, já nos trouxe várias lições valiosas:

Lição n.º 1: Você não precisa de um economista. Um dos slogans favoritos da Nova Esquerda dos anos 1960 era: “Você não precisa de um meteorologista para lhe dizer como o vento está soprando”. Da mesma forma, está muito claro que você não precisa de um economista para lhe dizer se estamos em recessão. Então, como é que os macroespecialistas não só não podem prever o que acontecerá em seguida, eles não podem nem nos dizer onde estamos, e mal podem nos dizer onde estivemos? Para dar-lhes crédito, tenho certeza de que os professores Hall, Zarnowitz e os outros ilustres sábios do famoso Comitê de Encontros do Departamento Nacional sabem que estamos em recessão há algum tempo, talvez até desde que o conhecimento já havia sido assimilado pelo público em geral.

O problema é que o Departamento está preso em sua própria metodologia, a própria metodologia do empirismo baconiano, a coleta meticulosa de dados e pseudociência que lhe trouxe um prestígio desordenado da profissão de economista, pois toda a abordagem do Departamento aos ciclos econômicos nas últimas cinco décadas dependeu da datação do mês preciso de cada ponto de virada cíclico, picos de alta e de baixa. Portanto, não foi suficiente dizer, no outono passado, que “entramos em recessão neste verão”. Isso teria sido suficiente para o senso comum, ou para os austríacos, mas mesmo um mês fora da data exata teria causado danos irreparáveis à infinidade de manipulações estatísticas – as médias, pontos de referência, avanços, atrasos e indicadores – que constituem o maquinário analítico e, portanto, a “ciência” do Departamento Nacional. Se você quer saber se estamos em recessão, as últimas pessoas que você consultar são os economistas profissionais.

Claro, o público em geral pode ser bom em identificar onde estamos, mas eles são consideravelmente piores em análise causal, ou em descobrir como sair de problemas econômicos. Mas, novamente, a profissão de economista também não é muito boa nisso.

Lição n.º 2: Não existe uma “nova era”. Toda vez que há um longo boom, nos anos finais desse boom, a imprensa, a profissão de economista e os analistas financeiros estão repletos de pronunciamentos de que as recessões são coisa do passado e que profundas mudanças estruturais na economia, ou em conhecimento entre os economistas, trouxeram uma “nova era”. Os maus velhos tempos das recessões acabaram. Ouvimos isso pela primeira vez na década de 1920, e a culminação dessa primeira nova era foi em 1929; ouvimos de novo na década de 1960, o que levou à primeira grande recessão inflacionária do início da década de 1970; e ouvimos mais recentemente no final da década de 1980. Na verdade, o melhor indicador principal de recessão profunda iminente não são os índices do Departamento Nacional; é o florescimento da ideia de que as recessões são coisa do passado.

Mais precisamente, as recessões estarão por perto para nos atormentar enquanto houver surtos de expansão inflacionária do crédito que as tragam à existência.

Lição n.º 3: Você não precisa de um boom de estoque para ter uma recessão. Durante meses na recessão atual, vários especialistas proclamaram que não poderíamos estar em recessão porque os negócios não haviam acumulado estoques excessivos. Desculpe. Isso não fazia diferença, uma vez que os maus investimentos provocados pelo crédito bancário inflacionário não precisam necessariamente ocorrer na forma de estoque. Como muitas vezes acontece na teoria econômica, um sintoma contingente foi rotulado erroneamente como uma causa essencial.

Ao contrário do que foi dito acima, outras lições da atual recessão não são tão óbvias. Uma é:

Lição n.º 4: A dívida não é o problema crucial. A dívida privada pesada foi uma característica notável do boom da década de 1980, com grande parte da publicidade focada na emissão de títulos de alto rendimento (“junk”) para aquisições e incorporações. A dívida per se, no entanto, não é um problema econômico grave.

Quando compro um título corporativo, estou canalizando a poupança para o investimento da mesma forma que quando compro ações. Nenhuma das formas é particularmente inconsistente. Se uma empresa ou corporação emite dívidas demais em comparação com o patrimônio, isso é um erro de cálculo de seus atuais proprietários ou gerentes, e não um problema para a economia em geral. O pior que pode acontecer é que, se o endividamento for muito grande, os credores assumirão a gestão atual e colocarão em seu lugar um grupo de gestores mais eficiente. Credores, assim como acionistas, em suma, são empresários.

O problema, portanto, não é a dívida, mas o crédito, e nem todo o crédito, mas o crédito bancário financiado pela expansão inflacionária do dinheiro bancário, e não pela poupança genuína de acionistas ou credores. Em outras palavras: o problema não é a dívida, mas os empréstimos gerados por bancos de reservas fracionárias.

Lição n.º 5: não se preocupe com o Fed “empurrando uma corda”. Os adeptos da moeda sólida são uma pequena fração na profissão de economista; mas há um grande número deles na área de boletins de investimento. Por décadas, esses analistas foram divididos em dois campos em guerra: os “inflacionistas” versus os “deflacionistas”. Esses termos são usados não no sentido de defender políticas, mas na previsão de eventos futuros.

Os “inflacionistas”, entre os quais o presente autor é um, têm sustentado que o Fed, tendo se livrado de todas as restrições do padrão-ouro e se comprometido em não permitir os supostos horrores da deflação, injetará dinheiro suficiente no sistema bancário para se certificar que deflação de preços e monetária nunca ocorra.

Os “deflacionistas”, por outro lado, afirmam que, devido ao excesso de crédito e dívida, o Fed chegou ao ponto em que não pode controlar a oferta monetária, onde as adições do Fed às reservas bancárias não podem levar os bancos a expandir o crédito e a oferta monetária. Na linguagem financeira comum, o Fed estaria “empurrando uma corda”. Portanto, dizem os deflacionistas, estamos diante de uma deflação iminente, maciça e inevitável de dívida, moeda e preços.

Alguém poderia pensar que três décadas fazendo tais previsões que nunca se tornaram realidade iriam perturbar um pouco os deflacionistas, mas não, ao primeiro sinal de problemas, especialmente de uma recessão, os deflacionistas estão invariavelmente de volta, prevendo um desastre deflacionário iminente. Na última parte de 1990, a oferta de dinheiro estava estagnada, e os deflacionistas tinham certeza de que seu dia havia finalmente chegado. O crédito havia sido tão excessivo, eles alegaram, que as empresas não podiam mais ser induzidas a tomar empréstimos, não importa o quão baixa fosse a taxa de juros.

O que os deflacionistas sempre ignoram é que, mesmo no caso improvável de que os bancos não possam estimular mais empréstimos, eles sempre podem usar suas reservas para comprar títulos e, assim, empurrar dinheiro para a economia. A chave é se os bancos acumulam ou não reservas excedentes, deixando de expandir o crédito até o limite permitido pelas reservas legais. O ponto crucial é que nunca os bancos o fizeram, em 1990 ou em qualquer outro momento, salvo a única exceção da década de 1930. (A diferença era que não só estávamos em uma grave depressão na década de 1930, mas que as taxas de juros haviam sido reduzidas a quase zero, de modo que os bancos praticamente não perdiam nada por não expandir o crédito até seu limite máximo.) A conclusão deve ser que o Fed empurre com uma vara, não uma corda.

Além disso, no início deste ano, a oferta monetária voltou a aumentar, pondo fim, pelo menos por enquanto, aos alertas e especulações deflacionistas.

Lição n.º 6: Os bancos podem entrar em colapso. Curiosamente, há um possível cenário de deflação, mas nenhum em que os deflacionistas já tenham manifestado interesse. Houve, nos últimos anos, uma mudança vital e necessariamente permanente na opinião americana. É permanente porque implica a perda da inocência. O público americano, desde 1933, caiu totalmente na propaganda de todos os economistas do establishment, de keynesianos a friedmanitas, de que o sistema bancário é seguro, SEGURO, por causa do seguro de depósito federal.

O colapso e a destruição dos bancos de poupança e empréstimo, apesar de seu “seguro de depósito” pelo governo federal, acabou com o mito do seguro para sempre e pôs em dúvida a solidez do último refúgio do seguro de depósito, o FDIC. Agora é amplamente conhecido que o FDIC simplesmente não tem dinheiro para segurar todos esses depósitos e que, na verdade, está caminhando rapidamente para a falência.

A sabedoria convencional agora sustenta que o FDIC será sustentado pelo resgate do contribuinte e que será salvo. Mas não importa: o conhecimento de que os bancos comerciais podem falir foi guardado por todos os americanos para referência futura. Mesmo que o público possa ser mimado e o FDIC remendado para esta recessão, eles sempre podem se lembrar desse fato em alguma crise futura, e então todo o castelo de cartas de reservas fracionárias desmoronará em uma corrida bancária gigante e purificadora. Para compensar tal corrida, nenhum resgate do contribuinte seria suficiente.

Mas isso não seria deflacionário? Quase, mas não exatamente. Porque os bancos ainda podem ser salvos por uma impressão maciça e hiperinflacionária de dinheiro pelo Fed, e quem apostaria contra esse resgate de emergência?

Lição n.º 7: Não existe um “ciclo Kondratieff”, de jeito nenhum, de jeito nenhum. Há entre muitas pessoas, incluindo alguns dos melhores analistas que emitem boletins informativos sobre investimentos em dinheiro vivo, uma devoção inexplicável à ideia de um inevitável “ciclo Kondratieff” de cinquenta e quatro anos de expansão e contração. É universalmente aceito que o último pico de baixa de Kondratieff foi em 1940. Como se passaram cinquenta e um anos desde aquela baixa, e ainda estamos esperando pelo pico de alta, deve ficar totalmente claro que tal ciclo não existe.

A maioria dos kondratieffistas previu com confiança que o pico de alta ocorreria em 1974, precisamente cinquenta e quatro anos após o pico de alta anterior, geralmente aceito como sendo em 1920. Sua alegria pela recessão de 1974, no entanto, azedou com a rápida recuperação. Em seguida, tentaram resgatar a teoria por analogia com o suposto “platô” da década de 1920, para que o pico visível, ou contração, ocorresse nove ou dez anos após o pico, como 1929 sucedeu 1920.

Os kondratieffistas de lá recuaram em 1984 como a data preferida do início da contração profunda. Nada aconteceu, é claro; e, agora, sete anos depois, estamos no último suspiro da doutrina Kondratieff. Se a recessão atual não se transformar, como sustentamos, em uma profunda espiral deflacionária, e a recessão terminar, simplesmente não haverá mais tempo para qualquer ciclo plausível de algo próximo de cinquenta e quatro anos. Os adeptos de Kondratieffist, é claro, nunca desistirão, assim como outros videntes e observadores de bolas de cristal; mas, presumivelmente, seu mercado finalmente acabará.