Capítulo 25: A Economia Política de Keynes

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

[Reproduzido de Dissent on Keynes: A Critical Appraisal of Keynesian Economics, Mark Skousen, ed. (Nova York: Praeger, 1992), cap. 11; reimpresso como Keynes, o Homem (Editora Konkin)]

 

Em A Teoria Geral, Keynes estabeleceu uma sociologia político-econômica única, dividindo a população de cada país em várias classes econômicas rigidamente separadas, cada uma com suas próprias leis e características comportamentais, cada uma carregando sua própria avaliação moral implícita.

Primeiro, há a massa de consumidores: muda, robótica, seu comportamento é fixo e totalmente determinado por forças externas. Na afirmação de Keynes, sua força principal é uma proporção rígida de sua renda total, ou seja, sua determinada “função de consumo”.

Em segundo lugar, há um subconjunto de consumidores, um problema eterno para a humanidade: os insuportavelmente burgueses poupadores, aqueles que praticam as virtudes puritanas sólidas da parcimônia e da hipermetropia, aqueles a quem Keynes, o suposto aristocrata, desprezou por toda a sua vida.

Todos os economistas anteriores, certamente incluindo os antepassados de Keynes, Smith, Ricardo e Marshall, elogiaram os poupadores econômicos como construtores de capital de longo prazo, portanto, como responsáveis por enormes melhorias de longo prazo no padrão de vida dos consumidores.

Mas Keynes, em um feito de prestidigitação, cortou a evidente ligação entre poupança e investimento, alegando em vez disso que os dois não estão relacionados.

Na verdade, ele escreveu, as economias são um empecilho para o sistema; eles “vazam” o fluxo de gastos, causando recessão e desemprego. Assim, Keynes, como Mandeville no início do século XVIII, foi capaz de condenar a parcimônia e a poupança; ele tinha finalmente obtido sua vingança sobre a burguesia.

Ao também cortar os retornos de juros do preço do tempo ou da economia real e tornando-os apenas um fenômeno monetário, Keynes foi capaz de defender, como um eixo de seu programa político básico, a “eutanásia da classe rentista”: ou seja, o estado expandir a quantidade de dinheiro o suficiente para reduzir a taxa de juros para zero, assim, finalmente, eliminando os odiados credores.

Deve-se notar que Keynes não queria acabar com o investimento: pelo contrário, ele sustentou que a poupança e o investimento eram fenômenos separados. Assim, ele poderia defender reduzir a taxa de juros para zero como forma de maximizar o investimento, minimizando (mesmo erradicando) a poupança.

Uma vez que ele alegou serem os juros puramente um fenômeno monetário, Keynes poderia também cortar a existência de uma taxa de juros causada pela escassez de capital. Na verdade, ele acreditava que o capital não era realmente escasso.

Assim, Keynes afirmou que sua sociedade preferida “significaria a eutanásia do rentista e, consequentemente, a eutanásia do poder cumulativo opressivo do capitalista para explorar a escassez de valor do capital”.

Mas o capital não é realmente escasso: “Os juros de hoje não recompensam nenhum sacrifício genuíno, não mais do que o aluguel da terra. O proprietário do capital pode obter juros porque o capital é escasso, assim como o proprietário do terreno pode obter aluguel porque o terreno é escasso. Mas, embora possa haver razões intrínsecas para a escassez de terras, não há razões intrínsecas para a escassez de capital.”

Portanto, “podemos mirar na prática […] em um aumento no volume de capital até que ele deixe de ser escasso, de modo que o investidor sem função [o rentista] não receberá mais um bônus.” Keynes deixou claro que ele estava ansioso para uma aniquilação gradual da “função” do rentista, em vez de qualquer tipo de revolta súbita.[1]

Keynes então chegou à terceira classe econômica, a quem ele estava um pouco melhor disposto: os investidores. Ao contrário dos consumidores passivos e robóticos, os investidores não são determinados por uma função matemática externa. Pelo contrário, são cheios de livre arbítrio e dinamismo ativo. Eles também não são um arrasto maligno nas máquinas econômicas, como são os poupadores. Eles são importantes contribuintes para o bem-estar de todos.

Mas, infelizmente, há um problema. Mesmo que dinâmicos e cheios de livre arbítrio, os investidores são criaturas erráticas de seus próprios humores e caprichos. Eles são, em suma, produtivos, mas irracionais. Eles são movidos por humores psicológicos e “espíritos animais”.

Quando os investidores estão sentindo-se inspirados e quando seus espíritos animais estão altos, eles investem pesado, mas demais; excessivamente otimistas, eles gastam muito e trazem inflação.

Mas Keynes, especialmente em A Teoria Geral, não estava realmente interessado na inflação; ele estava realmente preocupado com o desemprego e a recessão, causada, em sua visão extremamente superficial, por humores pessimistas, perda de espíritos animais e, portanto, subinvestimento.

O sistema capitalista está em um estado de macroinestabilidade inerente. Talvez a economia de mercado se saia bem o suficiente no nível de micro, oferta e demanda. No mundo macro, contudo, é barco sem leme; não há mecanismo interno para evitar que seus gastos agregados sejam muito baixos ou muito altos, causando, portanto, recessão e desemprego ou inflação.

Curiosamente, Keynes chegou a essa interpretação dos ciclos econômicos como um bom Marshalliano. Ricardo e seus seguidores da Currency School acreditavam corretamente que os ciclos econômicos são gerados por expansões e contrações de crédito bancário e da oferta de dinheiro, como gerado por um banco central, enquanto seus oponentes na Banking School acreditavam que as expansões do dinheiro bancário e do crédito eram meramente efeitos passivos de booms e quebras e que a verdadeira causa dos ciclos econômicos era a flutuação na especulação empresarial e nas expectativas de lucro — uma explicação muito perto da teoria posterior de Pigou de mudanças de humor psicológico e do foco de Keynes em espíritos animais.

John Stuart Mill tinha sido um ricardiano fiel, exceto nesta área crucial. Seguindo seu pai, Mill adotou a teoria causal dos ciclos econômicos da Banking School, que foi então adotada por Marshall.[2]

Para desenvolver uma saída, Keynes apresentou uma quarta classe de sociedade. Ao contrário dos consumidores robóticos e ignorantes, este grupo é descrito como cheio de livre arbítrio, ativismo e conhecimento dos assuntos econômicos. E ao contrário dos investidores infelizes, eles não são irracionais, sujeitos a mudanças de humor e espíritos animais; pelo contrário, são extremamente racionais, bem como conhecedores, capazes de planejar o melhor para a sociedade no presente e no futuro.

Esta classe, este deus ex machina externo ao mercado, é, naturalmente, o aparato estatal, liderado por sua elite dominante natural e guiado pela versão moderna e científica dos reis filósofos platônicos.

Em suma, os líderes governamentais, guiados com firmeza e sabedoria por economistas keynesianos e cientistas sociais (naturalmente liderados pelo próprio grande homem), salvariam o dia. Na política e sociologia da Teoria Geral, todos os fios da vida e do pensamento de Keynes estão bem amarrados. E assim o Estado, liderado por seus mentores keynesianos, é capaz de administrar a economia, controlar os consumidores ajustando impostos e reduzindo a taxa de juros para zero, e, em particular, ao se engajarem em “uma socialização um tanto abrangente do investimento”, Keynes argumentou que isso não significaria total socialismo estatal, apontando que:

“ […] não é a propriedade dos instrumentos de produção que é importante para o estado assumir. Se o estado conseguir determinar a quantidade agregada de recursos destinados ao aumento dos instrumentos e determinar a taxa básica de recompensa para aqueles que os possuem, terá realizado tudo o que é necessário.”[3]

Sim, deixe o estado controlar completamente o investimento, sua quantidade e sua taxa de retorno, além da taxa de juros; em seguida, Keynes permitiria que indivíduos privados mantivessem a propriedade formal para que, dentro da matriz global de controle e domínio estatal, eles ainda pudessem manter “um amplo campo para o exercício da iniciativa privada e responsabilidade” Como Hazlitt diz:

“O investimento é uma decisão fundamental no funcionamento de qualquer sistema econômico. E o investimento do governo é uma forma de socialismo.

Só a confusão de pensamento, ou duplicidade deliberada, negaria isso, pois o socialismo, como qualquer dicionário diria aos keynesianos, significa a propriedade e o controle dos meios de produção pelo governo.

Sob o sistema proposto por Keynes, o governo controlaria todo o investimento dos meios de produção e seria dono da parte que havia investido diretamente.

É, na melhor das hipóteses, mera confusão, portanto, apresentar as panaceias keynesianas como uma alternativa de livre iniciativa ou “individualista” ao socialismo.”[4]

Havia um sistema, que tinha se tornado proeminente e elegante na Europa durante as décadas de 1920 e 1930, que foi precisamente marcado por essa característica Keynesiana desejada: propriedade privada, sujeita a controle e planejamento abrangentes do governo. Esse foi, é claro, o fascismo.

Qual é a posição de Keynes sobre o fascismo? A partir das informações dispersas agora disponíveis, não deve ser surpresa que Keynes fosse um entusiasta defensor do “espírito empreendedor” de Sir Oswald Mosley, o fundador e líder do fascismo britânico, ao pedir um abrangente “plano econômico nacional” no final de 1930.

Em 1933, Virginia Woolf estava escrevendo para uma amiga próxima que temia que Keynes estivesse no processo de convertê-la para “uma forma de fascismo”. No mesmo ano, ao pedir a autossuficiência nacional através do controle estatal, Keynes opinou que “Mussolini, talvez, esteja adquirindo seus dentes do siso”.[5] Mas a evidência mais convincente da forte inclinação fascista de Keynes foi o prefácio especial que ele preparou para a edição alemã do The General Theory. Esta tradução alemã, publicada no final de 1936, incluiu uma introdução especial para o benefício dos leitores alemães de Keynes e para o regime nazista sob o qual foi publicada.

Não surpreende que a biografia idólatra de Keynes, Life, de Harrod, não faça menção a esta introdução, embora tenha sido incluída duas décadas depois no volume sete dos Collected Writings, juntamente dos prefácios para as edições japonesa e francesa.

A introdução alemã, que apenas escassamente recebeu o benefício de comentários extensos de exegeses keynesianas, inclui as seguintes declarações de Keynes:

“No entanto, a teoria da produção como um todo, que o seguinte livro pretende fornecer, é muito mais facilmente adaptada às condições de um estado totalitário do que a teoria da produção e distribuição de uma determinada produção que foi produzida sob condições de livre concorrência e uma certa medida de laissez-faire.”[6]

 

____________________

Notas

[1] John Maynard Keynes, The General Theory of Employment, Interest and Money (Londres: Macmillan, 1936), pp. 375-76, e Henry Hazlitt, The Failure of the “New Economics”, 2ª ed. (New Rochelle, NY: Arlington House, [1959] 1973), pp. 379-84. Ver também o esclarecedor artigo de Andrew Rutten (1989). Estou em dívida com o Dr. Rutten por chamar minha atenção para este artigo.

[2] Paul Trescott, “JM Keynes como Marshalliano: Comentário”, Journal of Economic Issues 21 (1987): 452-57.

[3] Keynes, The General Theory, p. 378.

[4] Hazlitt, Fracasso da “Nova Economia”, p. 388, e Karl Brunner “A Visão Sociopolítica de Keynes”, em O Legado de Keynes, David A. Reese, ed. (San Francisco: Harper and Row, 1987), pp. 30, 38.

[5] John Maynard Keynes, “Manifesto de Sir Oswald Mosely”, National and Atheneum 13 (dezembro de 1930): 766; e Elizabeth Johnson e Harry G. Johnson, The Shadow of Keynes (Oxford: Basil Blackwell, 1978), p. 22. Sobre a relação entre Keynes e Mosely, ver Robert Skidelsky, Oswald Mosely (Nova York: Holt, Rinehart e Winston, 1975), pp. 241, 305-306; Oswald Mosely, My Life (New Rochelle, NY: Arlington House, 1968), pp. 178, 207, 237-38, 253; Colin Cross, The Fascists in Britain (Nova York: St. Martin’s Press, 1963), pp. 35-36.

[6] John Maynard Keynes, The General Theory of Empolyment, Interest and Money. The Collected Writings of John Maynard Keynes (Londres: Macmillan and Cambridge University Press, 1973), vol. 7, pág. xxvi; Hazlitt, Fracasso da “Nova Economia”, p. 277; Brunner, “A Visão Sociopolítica de Keynes”, pp. 38 e segs.; FA Hayek, Estudos em Filosofia, Política e Economia (Chicago: University Chicago Press, 1967), p. 346.