Capítulo 29: O Movimento Progressista

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

[Trecho de As origens do banco central americano, pág. 29-35, Instituto Rothbard.]

 

O projeto de lei do Federal Reserve de 23 de dezembro de 1913 foi parte integrante da onda de legislação progressista nos níveis de governo local, estadual e federal que começou por volta de 1900. O progressismo foi um movimento bipartidário que, ao longo das duas primeiras décadas do século XX, transformou a economia e a sociedade americana, que eram de um tipo de laissez-faire, em um estatismo centralizado.

Até a década de 1960, os historiadores tinham bem estabelecido o mito de que o progressismo fora na realidade um levante de trabalhadores e agricultores que, guiados por uma nova geração de especialistas e intelectuais altruístas, superaram a feroz oposição das grandes empresas e conseguiram conter, regular e controlar o que havia sido um sistema de crescente monopólio no final do século XIX. Porém, uma geração de pesquisa e estudos agora acabou com esse mito por toda a sociedade americana politicamente organizada, e ficou muito claro que a verdade é o inverso dessa fábula banal.

Em contraste, o que realmente aconteceu foi que os negócios se tornaram cada vez mais competitivos durante o final do século XIX, e que vários interesses de grandes empresas, liderados pela poderosa casa financeira de J. P. Morgan and Company, tentaram desesperadamente estabelecer cartéis eficazes contra o livre mercado. A primeira onda desses cartéis foi no primeiro negócio de grande escala – ferrovias. Em todos os casos, a tentativa de aumentar os lucros – cortando as vendas com um sistema de cotas – e, assim, aumentar os preços ou as taxas, desmoronou rapidamente com a concorrência interna interior ao cartel, bem como com a concorrência externa de novos competidores ansiosos por miná-lo.

Durante a década de 1890, no novo campo das grandes corporações industriais, os interesses das grandes empresas tentaram estabelecer preços altos e reduzir a produção por meio de fusões e, novamente, em todos os casos, a fusão foi desmoronada pelos ventos da nova concorrência. Em ambos os conjuntos de tentativas de cartel, a J. P. Morgan and Company assumiu a liderança e, em ambos os conjuntos de casos, o mercado, prejudicado por altas barreiras de proteção e tarifas, conseguiu anular essas tentativas de cartelização voluntária.

Tornou-se claro para os interesses das grandes empresas que a única maneira de estabelecer uma economia cartelizada, uma economia que garantiria seu domínio econômico contínuo e altos lucros, seria usar os poderes do governo para estabelecer e manter cartéis por coerção. Em outras palavras: transformar a economia de um laissez-faire rústico em um estatismo centralizado e coordenado. Mas como poderia o povo americano, imerso em uma longa tradição de oposição feroz ao monopólio imposto pelo governo, concordar com esse programa? Como poderia ser engendrado o consentimento do público para a Nova Ordem?

Felizmente para os cartelistas, uma solução para esse problema incômodo estava à disposição. O monopólio poderia ser implementado em nome da oposição ao monopólio! Dessa forma, usando a retórica adorada pelos americanos, a forma da economia política poderia ser mantida, enquanto o conteúdo poderia ser totalmente revertido.

O monopólio sempre foi definido, na linguagem popular e entre os economistas, como “concessão de privilégios exclusivos” pelo governo. Então ele foi simplesmente redefinido como “grandes empresas” ou práticas competitivas de empresas, como corte de preços, de modo que as comissões regulatórias, da Comissão de Comércio Interestadual (CCI) à Comissão Federal de Comércio (CFC) e às comissões estaduais de seguros, sofreram lobby e foram compostas por homens de grandes empresas da indústria regulamentada, tudo feito em nome da contenção do “monopólio das grandes empresas” no mercado livre.

Dessa forma, as comissões regulatórias poderiam subsidiar, restringir e cartelizar em nome da “luta contra o monopólio”, bem como promover o bem-estar geral e a segurança nacional. Mais uma vez, foi o monopólio ferroviário que abriu o caminho.

Para vencer este jogo intelectual, os cartelistas precisavam do apoio dos intelectuais da nação, a classe de formadores de opinião profissionais na sociedade. Os Morgans precisavam de uma cortina de fumaça de ideologia, que estabelecesse a lógica e a apologética para a Nova Ordem. Mais uma vez, felizmente para eles, os intelectuais estavam prontos e ansiosos pela nova aliança.

O enorme crescimento de intelectuais, acadêmicos, cientistas sociais, tecnocratas, engenheiros, assistentes sociais, médicos e “guildas” profissionais de todos os tipos no final do século XIX levou a maioria desses grupos a se organizar para obter uma fatia muito maior do bolo do que eles poderiam alcançar no mercado livre. Esses intelectuais precisavam que o estado licenciasse, restringisse e cartelizasse suas ocupações, de modo a aumentar a renda dos afortunados que já atuavam nesses campos.

Em troca de servirem como apologistas do novo estatismo, o estado estava preparado para oferecer não apenas ocupações cartelizadas, mas cargos cada vez mais altos e mais confortáveis na burocracia para planejar e fazer propaganda para a sociedade recém-estatizada. E os intelectuais estavam prontos para isso, tendo aprendido em escolas de pós-graduação na Alemanha as glórias do estatismo e do socialismo organicista, de um harmonioso “caminho do meio” entre o laissez-faire todos contra todos de um lado e o marxismo proletário do outro. Um grande governo, formado por intelectuais e tecnocratas, dirigido por grandes empresas e auxiliado por sindicatos que organizam uma força de trabalho subserviente, imporia uma comunidade cooperativa para o suposto benefício de todos.