Capítulo 30: Insatisfação com o Sistema Bancário Nacional

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[Trecho de As origens do banco central americano, pág. 37-46, Instituto Rothbard.]

 

O grande empurrão anterior que o estatismo recebeu nos EUA ocorreu durante a Guerra Civil, quando o Congresso, de virtualmente partido único, após a secessão do Sul encorajou os republicanos a promulgar seu querido programa estatista sob o pretexto da guerra. A aliança das grandes empresas e do grande governo com o Partido Republicano impulsionou o imposto de renda, pesados impostos sobre produtos pecaminosos como tabaco e álcool, altas tarifas protecionistas e enormes concessões de terras e outros subsídios às ferrovias transcontinentais.

A construção excessiva de ferrovias levou diretamente às tentativas fracassadas de Morgan de fundir empresas ferroviárias e, finalmente, à criação, promovida por Morgan e pelas ferrovias por ele controladas, da Comissão de Comércio Interestadual em 1887. O resultado disso foi o longo declínio secular das ferrovias, que teve início antes de 1900. O imposto de renda foi anulado por ação do Supremo Tribunal, mas foi restabelecido durante o período progressista.

A mais intervencionista das ações da Guerra Civil foi no campo vital da moeda e do sistema bancário. A postura em direção ao dinheiro sólido, bem como ao sistema bancário livre que havia sido alcançada durante as décadas de 1840 e 1850, foi varrida por duas medidas inflacionistas perniciosas do governo republicano durante a guerra. Um deles foi o dinheiro fiduciário greenback,[1] que se depreciou pela metade no meio da Guerra Civil. Ele foi finalmente substituído pelo padrão-ouro após pressão imperativa dos democratas, mas não até 1879, catorze anos completos após o fim da guerra.

Uma segunda intervenção, e mais duradoura, foram os projetos de lei do Sistema Bancário Nacional de 1863, 1864 e 1865, que destruíram a emissão de notas bancárias por bancos credenciados pelos estados (ou “estaduais”) por meio de um imposto proibitivo, e depois monopolizaram a emissão de notas de banco nas mãos de alguns grandes “bancos nacionais” credenciados pelo governo federal, principalmente centrados em Wall Street. Em uma cartelização típica, os bancos nacionais foram obrigados por lei a aceitar as notas e depósitos à vista uns dos outros pelo valor nominal, anulando o processo pelo qual o livre mercado vinha descontando as notas e depósitos de bancos instáveis e inflacionários.

Dessa forma, o establishment do governo federal de Wall Street conseguiu controlar o sistema bancário e inflar a oferta de notas e depósitos de maneira coordenada.

Mas ainda havia problemas. O sistema bancário nacional oferecia apenas um meio-termo entre o sistema bancário livre e o sistema de banco central do governo e, no final do século XIX, os bancos de Wall Street estavam ficando cada vez mais descontentes com o status quo.

A centralização era apenas limitada e, acima de tudo, não havia um banco central governamental para coordenar a inflação e atuar como emprestador de última instância, socorrendo bancos em apuros. Assim que o crédito bancário gerou expansões, eles tiveram problemas; expansões criadas pelos bancos transformaram-se em recessões, com os bancos forçados a contrair seus empréstimos e ativos e a deflacionar para se salvarem.

Não só isso, mas após o choque inicial das leis do Sistema Bancário Nacional, os bancos estaduais cresceram rapidamente ao piramidar seus empréstimos e depósitos à vista sobre as notas dos bancos nacionais. Esses bancos estaduais, livres dos requisitos de alto capital legal que mantinham a entrada restrita nos bancos nacionais, floresceram durante as décadas de 1880 e 1890 e proporcionaram forte concorrência para os próprios bancos nacionais.

Além disso, St. Louis e Chicago, após a década de 1880, proporcionaram uma concorrência cada vez mais severa a Wall Street. Assim, os depósitos bancários de St. Louis e Chicago, que representavam apenas 16% do total de St. Louis, Chicago e Nova York em 1880, aumentaram para 33% desse total em 1912. A cidade de Nova York, que representava 24% do total nacional em 1882, subiu para 43% em 1913.

As queixas dos grandes bancos se resumiam a uma palavra: “inelasticidade”. O sistema bancário nacional, eles acusaram, não fornecia a “elasticidade” adequada da oferta monetária. Em outras palavras: os bancos não conseguiram expandir a moeda e o crédito tanto quanto desejavam, principalmente em tempos de recessão. O sistema bancário nacional não oferecia espaço suficiente para expansões inflacionárias de crédito por parte dos bancos do país.[2]

Na virada do século, a economia política dos Estados Unidos era dominada por duas agregações financeiras geralmente conflitantes: o grupo Morgan anteriormente dominante, que começou com bancos de investimento e depois se expandiu para bancos comerciais, ferrovias, e fusões de empresas de manufatura; e as forças Rockefeller, que começaram no refino de petróleo e depois se transferiram para a atividade bancária comercial, finalmente formando uma aliança com a Kuhn, Loeb Company em bancos de investimento e os interesses Harriman em ferrovias.[3]

Embora esses dois blocos financeiros geralmente entrassem em conflito um com o outro, eles estavam unidos quanto a necessidade de um banco central. Embora o eventual papel principal na formação e domínio do Federal Reserve System tenha sido assumido pelos Morgans, as forças de Rockefeller e Kuhn, Loeb estavam igualmente entusiasmadas em promover e colaborar naquilo que todos consideravam uma reforma monetária essencial.

 

_____________________________

Notas

[1] [Nota do tradutor] Greenback foi o papel-moeda de emergência emitido pelos Estados Unidos durante a Guerra Civil Americana, impresso em verde no verso. Eles estavam em duas formas: Demand Notes, emitidas em 1861-1862, e United States Notes, emitidas em 1862-1865. Uma forma de moeda fiduciária, as notas tinham curso legal para a maioria dos propósitos e carregavam promessas variadas de pagamento eventual em moeda, mas não eram apoiadas por reservas de ouro ou prata existentes.

[2] Sobre os antecedentes do Sistema Bancário Nacional e sobre a crescente infelicidade dos grandes bancos, ver Murray N. Rothbard (1984, pp. 89-94), Ron Paul e Lewis Lehrman (1982) e Gabriel Kolko (1983, pp. 139-139-139-94). 46).

[3] De fato, grande parte da história política dos Estados Unidos desde o final do século XIX até a Segunda Guerra Mundial pode ser interpretada pela proximidade de cada governo a um desses grupos financeiros às vezes cooperantes, mais frequentemente conflitantes: Cleveland (Morgan), McKinley (Rockefeller), Theodore Roosevelt (Morgan), Taft (Rockefeller), Wilson (Morgan), Harding (Rockefeller), Coolidge (Morgan), Hoover (Morgan) ou Franklin Roosevelt (Harriman–Kuhn, Loeb–Rockefeller).