Capítulo 38: O Poderoso Chefão, Parte II

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

[Reproduzido do Libertarian Forum 7, no. 4 (1975).]

 

O Oscar. Desde o início, ficou claro que a corrida ao Oscar de melhor filme de 1974 estava entre O Poderoso Chefão, Parte II e Chinatown. Como apontado nestas páginas (Libertarian Forum, março de 1975), O Poderoso Chefão, um filme maravilhoso, claramente merecia o prêmio. Por outro lado, o mórbido e cínico Chinatown (devidamente espetado na Libertarian Review por Barbara Branden) era o queridinho dos intelectuais avant-gardes, servindo como uma reversão “anti-herói” dos grandes filmes de detetive da década de 1940.

Parte da emoção da noite do Oscar é assistir à disputa entre os melhores filmes se intensificando à medida que os prêmios menores vão sendo recebidos. Desde o início da noite, ficou claro que Chinatown estava perdendo, pois foi derrotado em um prêmio após o outro. Infelizmente, isso significou que a performance tranquila, sutil e cheia de nuances da bela Faye Dunaway perdeu para a performance exagerada e chorosa de Ellen Burstyn, em Alice Já Não Mora Aqui, como Melhor Atriz, mas o consolo foi o claro significado de que Chinatown estava acabado. Sem dúvida, O Poderoso Chefão, Parte II abocanhou os prêmios, conquistando seu merecido triunfo como Melhor Filme e o prêmio de direção para Francis Ford Coppola.

Enquanto a justiça triunfava esplendidamente nos prêmios de Melhor Filme e Melhor Diretor, o esplêndido Al Pacino infelizmente perdeu na disputa de Melhor Ator; o mesmo aconteceu com os intelectuais que estavam torcendo pelo detetive anti-herói de Jack Nicholson, em Chinatown. Em vez disso, a velha propensão de Hollywood para o sentimentalismo barato venceu, com o grande favorito Art Carney ganhando o prêmio pelo desprezível Harry e Tonto. Felizmente, porém, o esperado sentimentalismo não triunfou para o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante. Fred Astaire, que sempre foi um péssimo ator, foi particularmente fraco, e até grotesco, em um papel menor em A Torre do Inferno; mas o boato dizia que ele venceria de qualquer maneira, em uma orgia de culpa coletiva de Hollywood por não ter lhe dado um Oscar na década de 1930 por sua dança gloriosa nos famosos filmes da época. No entanto, a justiça novamente triunfou, pois o prêmio foi para um dos melhores jovens atores dos últimos anos, o jovem padrinho “proto-Brando” de Robert DeNiro em O Poderoso Chefão, Parte II. O sentimentalismo triunfou no prêmio à Ingrid Bergman de Melhor Atriz Coadjuvante em Assassinato no Expresso do Oriente, em expiação da culpa coletiva de Hollywood por lançar Miss Bergman nas trevas exteriores trinta anos atrás por um ato de “imoralidade” pessoal que agora seria considerado positivamente quadrado e antiquado. No entanto, no caso de Miss Bergman, não houve nenhum dano, já que o dela foi provavelmente o melhor desempenho de um lote bastante ruim.

E assim, a estética clássica venceu seus inimigos avant-garde pelo terceiro ano consecutivo: nos prêmios de O Poderoso Chefão em 1973, com Golpe de Mestre exorcizando O Exorcista no ano passado e agora na vitória da Parte II. Com sorte, talvez possamos entrar nas listas com uma Parte III para 1977.