Capítulo 39: Blaxploitation

0
Tempo estimado de leitura: < 1 minute

[Reproduzido do Libertarian Forum 5, no. 5 (1973).]

 

Um dos fenômenos cinematográficos mais importantes dos últimos anos tem sido o que os críticos da esquerda liberal e os do establishment ridicularizam amargamente como filmes de “blaxploitation”. Estes são filmes emocionantes, muitas vezes deliciosos, onde detetives particulares negros e pistoleiros negros estrelam versões negras desse estilo familiar branco de filmes. De qualidade variada, filmes como Shaft, Trouble Man e Cotton Comes to Harlem transmitem uma sensação de drama e uma apreciação aguçada do jargão negro e da “inteligência das ruas”. São todos, em suma, filmes divertidos, e é típico os críticos de esquerda, insuportavelmente sérios, subirem em seus saltos neopuritanos e condená-los como “exploração” dos negros ao fazer… o quê? Ao dar-lhes filmes que eles apreciam intensamente. Qualquer um que tenha assistido a um filme de blaxploitation atestará o prazer e o entusiasmo pelo público praticamente todo negro. O público se identifica com os personagens, grita na tela, aplaude e assobia.

Mas, veja você, de acordo com nossos progressistas de esquerda, os negros devem, de alguma forma, ser protegidos da natureza supostamente “degradante” da cultura da polícia/detetives particulares nas ruas. O público negro precisa ser alimentado com filmes “enobrecedores”, embora deprimentes e chatos, como Sounder. Será que alguém consegue ser mais insuportavelmente elitista do que isto?[1]

 

_______________________

Nota

[1] Sobre o neopuritanismo sem humor de nossa esquerda atual, veja o interessante artigo de George H. Douglas, “The New Puritanism of the Youth Culture”, Modern Age (Primavera, 1973).