Capítulo VII – “Estática” vs. “Dinâmica”

0
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

Os admiradores da Teoria Geral de Keynes nunca se cansam de afirmar que ela é “dinâmica”. “Ajudou-nos a pensar a economia em termos dinâmicos e não estáticos”, escreve Hansen[1]. E mais uma vez:

“A Teoria Geral é algo mais do que apenas teoria estática. Keynes está sempre a pensar em termos altamente dinâmicos”.

Particularmente desde o surgimento da Teoria Geral, cresceu toda uma literatura pedante sobre “análise de período”, “análise de taxas de variação” e “análise estática-comparativa”. O último teoricamente investiga “a resposta de um sistema a mudanças em determinados parâmetros’’.

Talvez uma ou duas palavras não estariam deslocadas neste ponto sobre esta obsessão com a metodologia.

A maioria dos escritores que comparam a análise econômica “estática” com a “dinâmica” usam a palavra “estática” em um sentido depreciativo e a palavra “dinâmica” em um sentido laudatório. Esta desvalorização do “estático” e do amor da “dinâmica” precede o aparecimento da Teoria Geral em 1936. Ela existiu em muitos campos além da economia. Ela parece ter tido a sua origem na associação popular de “estática” com coisas ultrapassadas, e de “dinâmica” com a ideia de progresso. Grande parte da atual aprovação da “dinâmica” e da aversão ao “estático” pode ser atribuída, de fato, às filosofias da moda de Henri Bergson e John Dewey, desenvolvidas no início deste século.

Na economia, em todo o caso, a grande ênfase no contraste entre os dois métodos reside, em grande parte, num mal-entendido. A análise econômica, mesmo entre os primeiros economistas clássicos, foi até certo ponto dinâmica. É difícil pensar, de fato, em um exemplo importante de análise estritamente “estática”. Tal análise retrataria meramente relacionamentos econômicos em um dado instante de tempo. Seria assemelhar-se-ia a um único instante. Mesmo a análise dos economistas clássicos adiantados era muito mais próxima de um retrato de movimento. Dedicaram-se a explicar como e porque as mudanças ocorreram.

Isto aplica-se mesmo ao conceito famoso de “o estado estacionário”, não obstante as muitas confusões nesse conceito como mantido por Mill[2] e os seus antecessores. O conceito de estado estacionário não pretendia dar uma imagem da economia num instante de tempo congelado. Não era como a Urna Grega de John Keats, com a sua “ainda não resolvida noiva da quietude”, e a sua

“Amante ousada, que nunca, nunca, nunca te poderás beijar,

Ainda que ganhando perto da meta, não te entristeças;

Ela não pode desfalecer, ainda que não tenhas a tua felicidade,

Para sempre amarás, e ela será formosa!”

O conceito moderno de economia estacionária, em todo caso, é um conceito que visa a mudança, mas a mudança dentro de certas constantes. A economia estacionária é aquela que não cresce e não encolhe; que não acumula nem consome capital no balanço líquido; que não está sujeita a barreiras ou depressões; na qual os preços, salários e o tamanho relativo das indústrias não mudam; mas na qual, no entanto, os fabricantes constantemente compram novas matérias-primas à medida que vendem produtos acabados, e na qual a produção, emprego, compra e consumo seguem em frente.

Ludwig Von Mises[3] chamou mais apropriadamente a isto a “economia de rotação uniforme”. Na economia de rotação uniforme, a rodada diária e a rodada sazonal ou anual de produção, consumo e substituição de capital são repetidas sem parar. Poderíamos até chamar a isto, tomando emprestada uma frase de Nietzsche, uma economia de “eterna recorrência”. Ou poderíamos pensar simplesmente como uma economia de “fluxo uniforme”.

Em qualquer caso, nenhum bom economista moderno jamais confunde tais conceitos com descrições de qualquer economia real. Alguns dos economistas clássicos, é verdade, pensaram na economia estacionária como uma condição que algum dia seria alcançada. Ou pensaram nela como uma condição ideal. Essa era uma pura confusão de pensamento, como é também a noção, ainda muitas vezes encontrada hoje, de que um estado de “equilíbrio” econômico é necessariamente mais desejável do que um estado de “desequilíbrio”.

A economia “estacionária” ou “uniformemente rotativa” não é, em suma, uma descrição de qualquer estado de coisas real, ou mesmo de qualquer estado de coisas alcançável. É um conceito, uma ferramenta de pensamento, um postulado, uma construção imaginária – ou (para usar uma palavra que está cada vez mais na moda) um modelo. É necessário enquadrar tais postulados, tais construções imaginárias a fim de estudar as suas implicações e deduzir as suas consequências hipotéticas. Se quisermos estudar os efeitos de certas mudanças na economia, temos de compreender, em primeiro lugar, quais seriam as consequências se não houvesse tais mudanças. Não podemos conhecer o significado do movimento se não soubermos o significado do descanso. Não podemos compreender uma economia dinâmica complexa se não compreendermos, em primeiro lugar, uma economia estática simplificada. Este método de estabelecer postulados, construções imaginárias, modelos simplificados e estudar as suas implicações e consequências hipotéticas é a principal ferramenta da análise econômica moderna[4].

Começamos, por exemplo, por estabelecer um modelo de economia estacionária ou de rotação uniforme, e extrair as deduções e consequências que decorrem deste modelo simplificado. Em seguida, por exemplo, criamos um modelo de uma economia em mudança – uma economia em retração, ou em expansão, ou em que a dimensão relativa das empresas ou indústrias individuais está a mudar. Em seguida, talvez, estudemos uma economia em inflação e deflação. E finalmente, talvez, estudemos o ciclo econômico[5].

Por outras palavras, fazemos uma série de postulados ou construções imaginárias começando com as mais simplificadas e passando para as mais complexas e mais “realistas”. Apesar da enorme literatura recente que implica, ou afirma explicitamente, o contrário, não há diferença em espécie entre os métodos de “análise estática” e os métodos de “análise dinâmica”. Há apenas uma diferença nas hipóteses específicas feitas. A análise “estática” é um primeiro passo necessário para a análise “dinâmica”. Na análise estática assumimos que apenas uma coisa (ou um conjunto de coisas) muda e tudo o resto permanece o mesmo. Estudamos então as implicações ou consequências necessárias desta hipótese. Na análise “dinâmica” assumimos sucessivamente que duas coisas, depois três coisas, depois quatro coisas, depois n coisas mudam. As hipóteses “dinâmicas” mais complicadas não são necessariamente superiores às hipóteses “estáticas” mais simples. A adequação ou utilidade da hipótese que usamos depende principalmente do problema particular que estamos tentando resolver. À medida que complicamos as nossas hipóteses, nunca, é claro, alcançamos as complicações quase infinitas do mundo econômico real, mas as abordamos como um limite.

Muitos economistas modernos, com pressa, desprezam todos os pressupostos mais simples ou “estáticos” e imaginam que podem analisar a realidade dinâmica plena em um único salto por um conjunto suficientemente complicado de equações algébricas simultâneas. Isto é autoengano. Sem dúvida, há símbolos suficientes nos alfabetos latino e grego para circular, mas é provável que haja uma pergunta considerável sobre a determinação quantitativa dos conceitos que os símbolos representam. Mesmo depois que a solução algébrica destas complicadas hipóteses for alcançada, será muito duvidoso se os valores numéricos reais (em vez de meramente hipotéticos) podem ser anexados aos símbolos ou aos resultados.

Mas o método mais modesto, de começar com hipóteses simples e avançar passo a passo para hipóteses cada vez mais complexas, tem sido cada vez mais refinado e esclarecido, e usado com crescente consciência, cuidado e precisão, por uma longa fila de grandes economistas desde o tempo de Ricardo. O método foi desenvolvido para lidar precisamente com os problemas de uma economia “dinâmica”, para lidar precisamente com as características da “sociedade econômica em que vivemos”. É um erro acreditar que podemos saltar todos os pressupostos “estáticos” pela razão superficial de que tais pressupostos são “irreais”. Isso seria tão tolo quanto seria para um projetista de mísseis balísticos pular todos os cálculos preliminares do provável voo ou parábola de seu míssil através de um meio sem atrito, porque nenhum meio real é todo realmente sem atrito.

A fim de compreender as consequências das hipóteses dinâmicas devemos inicialmente compreender as consequências das hipóteses estáticas. O método da ciência é o do isolamento experimental ou (quando isso é impossível) “hipotético”[6]. É o método das “aproximações sucessivas”[7]. É estudar uma mudança, força ou tendência de cada vez, sempre que possível, mesmo quando costuma, ou talvez sempre, agir em combinação com outras forças, e depois estudar as combinações, interrelações e influências mútuas de todas as principais mudanças, forças ou tendências em ação.

A crença de que podemos pular todas essas tediosas preliminares e surpreender os segredos da economia real em um grande salto pelo uso de equações diferenciais simultâneas é uma dupla ilusão. Desdenha um método indispensável para abraçar um método inadequado e ilegítimo.

Mas às falácias da “economia matemática” voltaremos mais tarde.

Antes de deixarmos este tópico por enquanto, pode-se ressaltar que mesmo o conceito de “equilíbrio” (de um preço único, de um conjunto de preços, ou de toda a economia), que é comumente citado como um conceito preeminentemente “estático”, é em grande parte dinâmico[8]. É uma ferramenta mental para nos permitir estudar, não apenas um estado congelado ou um estado de repouso estável, mas as forças e tendências que estão constantemente em ação (mesmo quando frustradas por forças institucionais) para trazer um estado de desequilíbrio de volta a um estado de equilíbrio.

Os próprios termos equilíbrio e desequilíbrio, estática e dinâmica, são derivados de analogias físicas e mecânicas. Os exemplos mais frequentes escolhidos para ilustrar o significado de “equilíbrio estático” na economia são a água tendendo para seu nível, um pêndulo oscilante tendendo para um estado de repouso, ou mármores que descansam uns contra os outros, no fundo de uma bacia. Mas quando examinamos qualquer problema específico (ou mesmo essas analogias), descobrimos que estamos principalmente preocupados com o equilíbrio na economia, não como um estado de repouso, mas como um processo de movimento em direção ao repouso. Não estamos preocupados com as condições abstratas de equilíbrio alcançado (o “equilíbrio” ou “cancelamento” de forças opostas), mas com as forças que trazem uma tendência ao equilíbrio. Mas quando estamos considerando o processo pelo qual um equilíbrio é estabelecido, não estamos no campo da estática, mas da dinâmica.

O que a maioria dos economistas realmente querem dizer quando acusam outros economistas de usar uma análise meramente “estática” é que esses outros economistas consideram algum fator ou fatores importantes como dados, ou fixos, e não como desconhecidos ou variáveis. Em casos particulares, tais críticas podem ser bastante válidas. Mas se tentarmos resolver qualquer problema econômico assumindo nada como dado e tudo como variável, o mundo se torna simplesmente um caos – “uma grande, florescente e vibrante confusão”. Felizmente, o economista é normalmente capaz de fazer em pensamento o que o físico é frequentemente capaz de fazer na prática – mudar a, b, c, d, etc., um de cada vez, então talvez dois de cada vez, depois três de cada vez, para descobrir o efeito separado de cada um, bem como as suas inter-relações.

Apêndice sobre “custo do usuário”

O capítulo 6 da Teoria Geral começa com alguns parágrafos sobre o conceito de Keynes de “custo do usuário”. Ele continua a discutir o conceito geral de renda, uma discussão que é novamente interrompida por um “Apêndice sobre o custo do usuário” de oito páginas.

Este apêndice do “custo do usuário” é técnico, desnecessariamente obscuro, e uma digressão. Poucos Keynesianos dão-lhe muita análise. Alvin H. Hansen, de fato, nos diz que toda a seção sobre renda (G. T. pp. 52-61, 66-73):

“não é de grande importância para uma compreensão da Teoria Geral e pode muito bem ser omitida se o estudante assim o desejar.”[9]

Entretanto, não meramente a seção na renda, mas o “apêndice do custo do usuário” merece a discussão para a luz que em geral atribuem ao pensamento e a escrita de Keynes.

A discussão do custo do usuário, no fato, é um exemplo proeminente da exposição incrivelmente desajeitada que marca a teoria geral com a maioria de seu comprimento. Keynes começa (pp. 52-54) lançando ao leitor um conjunto complicado de símbolos algébricos arbitrários, com uma explicação inadequada do que eles representam, e quase nenhuma explicação de porque eles são necessários. Não é até a segunda metade deste apêndice que ele nos diz:

“Definimos o custo para o usuário como a redução do valor do equipamento por usá-lo em comparação com não o usar” (p. 70)

Esta definição (que de fato não foi colocada nesta forma simples e direta até agora) deveria ter sido no início da exposição. Dudley Dillard parafraseou-o ainda mais simples e compacto:

“A perda de valor resultante do uso de equipamentos em vez de não os usar é chamada de custo do usuário”[10]

A importância deste conceito para a teoria de Keynes é que o empresário é suposto ter de tomar este fator em consideração quando decide quantos homens empregar. Sem dúvidas que sim. Mas este “custo para o utilizador” é normalmente tão pequeno em comparação com os custos totais de depreciação e manutenção que devem ser incorridos em qualquer caso, que é duvidoso se desempenha um papel de real importância na determinação do volume de produção e emprego num dado momento.

O papel desempenhado por ele, de fato, é provavelmente tão pequeno que se pode questionar se é necessário um nome especial para o identificar. Mas se tal nome especial for necessário, um termo mais natural, como “custo de uso”, executaria melhor a função. Alfred Marshall, de fato, pôs este custo sob o título simples de “desgaste extra da planta”. Marshall está certo, apesar dos protestos de Keynes, quando ele faz pouco mais do que mencionar isso em uma discussão de custos primários e suplementares. A. C. Pigou também está certo quando ele assume isso:

“As diferenças na quantidade de desgastes sofridos pelos equipamentos e nos custos do trabalho não manual empregado, que estão associados a diferenças na produção, [podem ser] ignoradas, como sendo, em geral, de importância secundária”.

Keynes tenta fazer com que seu conceito de “custo do usuário” pareça importante ao incluir nele o custo das matérias-primas (digamos, libras de cobre) que são “consumidas” no processo de fabricação. Os custos de tais matérias-primas podem, naturalmente, ser decisivamente importantes. Mas é apenas confuso, não esclarecedor, misturar esses custos com o custo de usar equipamentos fixos que estão depreciando ou ficando obsoletos de qualquer forma. Quando a matéria-prima é de natureza não especializada, como na maioria das vezes é, o fabricante individual geralmente tem a opção de decidir revendê-la no mercado aberto ao invés de usá-la para fazer algum artigo acabado especializado para o qual a demanda pode ter caído.

A análise tradicional, em suma aqui, corresponde muito mais aos fatos da vida econômica e às decisões dos empresários do que a classificação mais acadêmica de Keynes. Se os keynesianos quiserem chamar o custo de utilização das matérias-primas de “custo de utilização” (o que sugeriria os fatos melhor do que “custo do usuário”) têm o direito de fazê-lo. Mas nesse caso evitaria a confusão e seria mais apropriado chamar o custo de usar o equipamento melhor que não o usar “o custo desgaste’”.

Tudo isto pode estar a fazer muito barulho sobre um assunto de muita pouca importância. Mas Keynes faz muito barulho sobre isso neste apêndice – embora o assunto não tenha nenhum papel desdobrável no resto de seu volume.

_____________________________________

Notas

[1] Alvin H. Hansen, A Guide to Keynes, p. 47 e 51

[2] Veja John Stuart Mill, Principles of Political Economy, Livro IV, Capítulo VI.

[3] Veja Human Action, (Yale University Press, 1949), especialmente pp. 245-252. Mises faz uma distinção entre a “economia em rotação uniforme” e a “economia estacionária”. Ambas sãos válidas, mas se referem a estruturas imaginárias um pouco diferentes

[4] Cf. Mises, Human Action, p. 237.

[5] Para um excelente exemplo desse procedimento, veja L. Albert Hahn, Common Sense Economics (Nova Iorque: Abelard-Schuman, 1956)

[6] Veja Philip H. Wicksteed, The Common Sense of Political Economy, 1910. (Londres: George Routledge, 1946), I, 201-205.

[7] Veja Frank H. Knight, Risk, Uncertainty and Profit, (Boston: Houghton Mifflin, 1921), p. 8.

[8] Cf. Frank Knight, The Ethics of Competition, (Londres: Allen & Unwin, 1935), p. 141. Cf. também pp. 161-185

[9] A Guide to Keynes¸(Nova Iorque: McGraw-Hill, 1953), p. 54.

[10] The Economics of John Maynard Keynes, (Nova Iorque: Prentice-Hall, 1948), p. 68.