Capítulo VIII – Renda, Poupança e Investimento

0
Tempo estimado de leitura: 21 minutos

1. Definições confusas

No Capítulo 6, “A Definição de Renda, Poupança e Investimento”, e no Capítulo 7, “os significados mais usados para poupança e investimento” estão entre os mais confusos que Keynes já escreveu. E sobre suas confusões são construídas algumas das principais falácias na Teoria Geral.

Comecemos com uma frase na página 55:

“Além disso, a demanda efetiva [itálicos de Keynes] é simplesmente o rendimento agregado (ou receitas) que os empresários esperam receber.”

Isto é um texto vago, um pensamento vago, ou ambos. Certamente a “demanda efetiva” não pode ser o que os empreendedores esperam receber, mas o que eles de fato recebem. O que eles esperam receber deve ser apenas o que eles esperam que a “demanda efetiva” seja.

Esta confusão entre expectativas e realidades, como veremos, percorre toda a Teoria Geral. No entanto, muitos Keynesianos destacam o seu tratamento das expectativas como a grande “contribuição” de Keynes, ou mesmo “revolução”, na economia.

“Este processo de trazer as antecipações para fora das entrelinhas [escreve Albert G. Hart] não está em nenhum lugar mais dramaticamente ilustrado do que no trabalho de Keynes”[1]

O próprio Keynes confessa que no seu Tratado sobre o Dinheiro ele

“não… distinguiu claramente entre resultados esperados e realizados”

Ele repetidamente falha em fazer isso também em sua Teoria Geral.

“A função da demanda agregada relaciona várias quantidades hipotéticas de emprego com as receitas que se espera que os seus produtos produzam; e a demanda efetiva é o ponto da função da demanda agregada onde ela se torna efetiva porque, tomada em conjunto com as condições de oferta, corresponde ao nível de emprego que maximiza a expectativa de lucro do empresário” (p. 55).

Particularmente como ele não se preocupou até este ponto para explicar alguns dos principais termos empregados, este é como uma escolha como uma espécie de involução e nonsense técnico que se pode encontrar em qualquer lugar. Mas a Teoria Geral é rica em tais joias, e teremos ocasião de examinar as múltiplas facetas de muitas delas antes de terminarmos. (Poupo o leitor da nota de rodapé 2, p. 55, onde ele tece equações matemáticas em já um intrincado crochê verbal).

Estamos agora prontos para proceder às definições de Keynes, respectivamente, de Renda, Poupança e Investimento, e suas razões para considerar a poupança e o investimento como iguais.

Mas antes de fazermos isso, devo chamar a atenção para a desculpa de Keynes pela “considerável confusão” (p. 61) que ele causou em seu Tratado sobre Dinheiro pelo uso dos termos lá, e para sua confissão (p. 78) de que

“a exposição em meu Tratado sobre Dinheiro é, claro, muito confusa e incompleta”

Resta agora examinar qual é a mais confusa – a exposição de Keynes e o uso dos termos em seu Tratado sobre o Dinheiro, ou sua exposição e uso dos termos na Teoria Geral.

Se Keynes deu qualquer simples definição de renda nacional nos Capítulos 6 e 7, não foi possível encontrá-la. Como veremos, o seu conceito de rendimento parece estar sujeito a alterações sem aviso prévio. Estou disposto a aceitar a palavra do Professor Hansen nesse sentido:

“O rendimento no período corrente é definido por Keynes como sendo igual ao investimento corrente mais as despesas de consumo corrente. A poupança no período corrente é, além disso, definida como igual ao rendimento corrente menos o consumo corrente”[2]

Cada uma destas palavras-chave, será notada, é aqui definida nos termos das outras. Tais definições são meramente circulares, e não em si mesmas esclarecedoras. Se nos for dito que X é igual a Y mais Z, então é claro que sabemos que Y é igual a X menos Z, e que Z é igual a X menos Y. Além disso, se sabemos que X é igual a Y mais Z e que X também é igual a Y mais W, sabemos que W é igual a Z. Mas nenhuma dessas transposições ou deduções pode nos avançar muito até que tenhamos mais conhecimento de W, X, Y ou Z.

Há duas perguntas principais a fazer relativamente à utilização dos termos e às suas definições: (1) Um determinado termo e a sua definição são claros e coerentes? (2) Um determinado conjunto de termos ou definições é mais útil, ou esclarecedor do que um conjunto mais tradicional ou do que alternativas possíveis? Vamos agora aplicar estes dois testes.

“Em meio à confusão de usos divergentes de termos [escreve Keynes, p. 61] é agradável descobrir um ponto fixo. Tanto quanto sei, todos concordaram que poupar significa o excesso de rendimento sobre a despesa de consumo”.

Esta definição, embora à primeira vista aparentemente simples e clara, ignora a imprecisão dos termos “poupança” e “rendimento”. Ambas podem ser concebidas em termos de mercadorias, ou puramente em termos de dinheiro, ou em termos de uma mistura de mercadorias e dinheiro. Se um negociante de automóveis, por exemplo, pegar 100 carros de um fabricante em um determinado ano e vender apenas 75 deles, os 25 carros dos quais ele não conseguiu se livrar podem ser considerados por alguns economistas como parte de sua “renda” e parte de suas “economias” durante esse ano. Ele próprio, no entanto, pode medir a sua renda e poupanças apenas em termos de sua posição de caixa, e considerar seus carros não vendidos como um mero infortúnio. Eles provavelmente serão levados pelo preço de custo ou em alguma outra avaliação arbitrária, mas o concessionário só vai medir a sua “renda” e “poupança” de acordo com o preço dos seus carros excedentes. Voltaremos a alguns destes pontos mais tarde.

2. Por que “poupança” equivale à “investimento”

“A nossa definição de rendimento [continua Keynes] também nos leva de imediato à definição de investimento corrente. Porque temos que referir-nos à atual adição ao valor dos bens de capital que resultou da atividade produtiva do período. Isto é, claramente, igual ao que acabamos de definir como poupança. Pois é a parte do rendimento do período que não passou para o consumo” (p. 62).

Agora é de notar aqui que Keynes não só definiu “investimento” de forma que é necessariamente igual a “poupança”, como também o definiu de forma que “investimento” e “poupança” devem ser idênticos. Ele não o admite claramente, no entanto, até doze páginas mais tarde, no início do Capítulo 7:

“No capítulo anterior, Poupança e Investimento foram tão definidos que são necessariamente iguais em quantidade, sendo, para a comunidade, em sua totalidade, apenas diferentes aspectos da mesma coisa” (p. 74)

Mas antes de chegar a esta admissão sobre a identidade, ele já fez e expandiu a sua argumentação sobre a igualdade:

“Enquanto, portanto, a quantidade de poupança é um resultado do comportamento coletivo dos consumidores individuais e do total investido por empresários individuais, estes dois montantes são necessariamente iguais, uma vez que cada um deles é igual ao excesso de rendimento sobre o consumo. Desde que seja acordado que o rendimento é igual ao valor do produto corrente, que o investimento corrente é igual ao valor da parte do produto corrente que não é consumido, e que a poupança é igual ao excesso do rendimento sobre o consumo, a igualdade de poupança e investimento segue-se necessariamente como verdadeira. Em suma:

Renda = valor da produção = consumo + investimento.

Poupança = renda – consumo.

Portanto, poupança = investimento” (p. 63).

Agora se, seguindo os símbolos usados pelos Keynesianos, deixarmos que a renda seja chamada de Y, consumo C, investimento I e poupança S, chegamos às famosas fórmulas:

Y = I + C.

S = Y – C.

Logo:

I = S.

Tudo isto é inegável – desde que definamos estes termos e símbolos como Keynes neste capítulo os define. Não podemos dizer que este uso destes termos, ou que estas definições, estão erradas. Se Keynes, de fato, tivesse explicitamente definido “poupança” e “investimento” como significando simplesmente produto não consumido (o que ele nunca fez) então não só a igualdade, mas também a identidade de “poupança” e “investimento” teriam sido óbvias.

Mas embora, repetindo, nenhum uso ou definição de palavras possa ser arbitrariamente descartado como “errado”, podemos fazer algumas perguntas sobre isso. Está de acordo com o uso comum? Ou se afasta tanto do uso comum que causa confusão –  na mente do leitor ou do próprio usuário? Ajuda ou dificulta o estudo dos problemas envolvidos? É preciso, ou vago? E finalmente, é usado ou aplicado de forma consistente?

Descobriremos, de fato, que as definições de Keynes de “poupança” e “investimento” que as tornam necessariamente iguais (e, de fato, “apenas diferentes aspectos da mesma coisa”, p. 74), criaram grandes embaraços para os keynesianos, confusões e contradições no mestre. Os constrangimentos aos keynesianos vêm não só do fato de Keynes ter previamente definido “poupança” e “investimento” de forma a torná-los geralmente desiguais (ou ocasionalmente iguais apenas por uma espécie de acidente feliz), mas também por estas definições da Teoria Geral criarem muitas dificuldades nas doutrinas keynesianas subsequentes. De fato, Keynes abandona estas definições, sem aviso ao leitor, na última parte da Teoria Geral, e volta aos seus conceitos mais antigos.

Já me referi às desculpas de uma ou duas linhas que Keynes faz (pp. 74 e 78) na Teoria Geral pelas definições e exposição “Muito confusas e incompletas” no seu Tratado sobre o Dinheiro. O que ele não aponta, no entanto, é que todo o seu conceito dos termos é diferente, e que toda a sua teoria da relação entre poupança e investimento foi radicalmente alterada. Não se trata aqui de meras diferenças de “definição” ou de “exposição”; trata-se do abandono e do repúdio de uma das principais teorias apresentadas no Tratado sobre o Dinheiro. Pois, nesse tratado Keynes explica todo o Ciclo do Crédito em termos de diferenças entre “poupança” e “investimento”.

“Queremos dizer por poupança… [escreve] a soma das diferenças entre os rendimentos monetários dos indivíduos e as suas despesas monetárias em consumo corrente.”[3]

Note-se aqui que ele define “poupança” especificamente em termos de rendimentos e despesas monetárias. Nas suas definições de Teoria Geral, no entanto, a moeda não é explicitamente mencionada nem na definição de poupança, nem na definição de investimento. Keynes declara, ao definir investimento na Teoria Geral:

“O investimento, assim definido, inclui, portanto, o incremento de bens de capital, seja ele composto por capital fixo, capital de giro ou capital líquido” (p. 75)

Ele então acrescenta:

“As diferenças significativas de definição… são devidas à exclusão do investimento de uma ou mais destas categorias” (p. 75).

A definição de investimento de Keynes citada na Teoria Geral, portanto, inclui ‘capital líquido’, que aparentemente significa tanto dinheiro, quanto, títulos. Mas certamente apenas acrescenta confusão ao chamar dinheiro, por exemplo, uma parte de “bens de capital”. Isto confunde o próprio Keynes à medida que avança.

Voltemos ao seu uso dos termos poupança e investimento, e à teoria que ele constrói em torno desta utilização, no seu Tratado sobre o Dinheiro. Keynes explica todo o Ciclo de Crédito em termos de “Poupança à frente do investimento ou vice-versa” (I, 178).

“Na minha teoria [escreve ele] é um grande volume de poupança que não conduz a um correspondente grande volume de investimento (não um que o faz) que é a raiz do problema.”[4]

Cem páginas mais tarde, ele é ainda mais explícito:

“Não é de estranhar que a poupança e o investimento muitas vezes não consigam manter o passo. Em primeiro lugar – como já mencionamos – as decisões que determinam respectivamente poupança e investimento são tomadas por dois conjuntos diferentes de pessoas influenciadas por diferentes motivos, cada um não prestando muita atenção ao outro.”[5]

E acrescenta, no mesmo parágrafo:

“Não há, de fato, nenhuma possibilidade de previsão inteligente destinada a equiparar poupança e investimento, a menos que seja exercida pelo sistema bancário”

E no final do capítulo, ele dá ao leitor a entender que essa diferença de efeito descreve

“a gênese e a história de vida do Ciclo do Crédito.”[6]

A distinção entre “poupança” e “investimento” é, como nunca, ainda mais acentuada no Capítulo 12 do Tratado sobre o Dinheiro:

“Esta ‘poupança’ refere-se a unidades monetárias e é a soma das diferenças entre os rendimentos da moeda dos indivíduos e as suas despesas monetárias no consumo corrente; e ‘investimento’ refere-se a unidades de bens. O objetivo deste capítulo é ilustrar melhor o significado da distinção entre estas duas coisas.

A poupança é o ato do consumidor individual e consiste no ato negativo de não gastar a totalidade do seu rendimento corrente no consumo.

O investimento, por outro lado, é o ato empresarial cuja função é tomar as decisões que determinam o montante do produto não disponível, e consiste no ato positivo de iniciar ou manter algum processo de produção, ou de retenção de bens líquidos. Mede-se pela adição líquida à riqueza sob a forma de capital fixo, capital de exploração ou capital líquido” (I, 172).

É significativo que, embora aqui Keynes defina “poupança” explicitamente em termos de “unidades monetárias” e “investimento” explicitamente em termos de “unidades de bens”, ele então introduz sub-repticiamente (ou de forma distraída) o elemento moeda em “investimento” sob a expressão “capital líquido”.

Não admira que ele próprio mais tarde tenha achado a coisa toda “muito confusa”!  Pode ser apontado aqui que na Teoria Geral Keynes usa constantemente uma palavra como “renda” sem especificar ou distinguir entre renda real e renda monetária. Isso leva a uma confusão constante. E como veremos, quando distinguimos constante e claramente entre rendimento real e rendimento monetário, a plausibilidade que as teorias keynesianas podem ter começam a desaparecer. O seu “sistema” precisa desta ambiguidade e confusão.

3. Poupança como um vilão

Note-se, também, que, nos próprios termos das suas definições no Tratado sobre o Dinheiro, Keynes consegue depreciar a poupança, ao mesmo tempo, em que elogia o investimento. A verdade é que a poupança sempre foi o vilão do melodrama keynesiano. Já em The Economic Consequences of the Peace (1920), o livro que primeiro trouxe Keynes ao mundo, encontramos passagens como esta:

“As ferrovias do mundo que [o século XIX] construíram como monumento à posteridade foram, nada menos do que, as Pirâmides do Egito, obra de um trabalho que não era livre para usufruto imediato em equivalência integral aos seus esforços.

Assim, esse notável sistema dependia, para o seu crescimento, de um duplo blefe ou decepção. Por um lado, as classes trabalhadoras aceitaram por ignorância ou impotência, ou foram compelidas, persuadidas ou convencidas pelo costume, convenção, autoridade e ordem bem estabelecida da sociedade a aceitar, uma situação em que poderiam chamar a si mesmas muito pouco do bolo que elas, a natureza e os capitalistas estavam cooperando para produzir. E, por outro lado, as classes capitalistas podiam chamar de suas as maiores fatias do bolo e teoricamente eram livres para consumi-las, na condição tácita subjacente de que consumiam muito pouco na prática. O dever de ‘poupar’ tornou-se nove décimos da virtude e o crescimento do bolo o objeto da verdadeira religião. Em torno do não-consumo do bolo cresceram todos aqueles instintos de puritanismo que, em outras eras, se retiraram do mundo e negligenciaram as artes da produção, bem como as do prazer. E, assim, o bolo aumentou; mas, para que fim, não foi claramente contemplado. Os indivíduos seriam exortados não tanto a abster-se, mas a adiar, e a cultivar os prazeres da segurança e da antecipação. A salvação era para a velhice ou para seus filhos; mas isso era apenas em teoria, – a virtude do bolo era que ele nunca seria consumido, nem por você, nem por seus filhos depois de você” (pp. 19-20).

Este é um exemplo típico do estilo de sátira e prosa da Escola de Bloomsbury (da qual Keynes era um membro proeminente juntamente com Lytton Strachey), mas não pode ser levada a sério como economia. O seu propósito principal é obviamente pour épater le bourgeois; ele ilustra a frivolidade e irresponsabilidade que são recorrentes no trabalho de Keynes. É obviamente absurdo, por exemplo, dizer que o trabalho “não era livre para consumir em gozo imediato o equivalente integral dos seus esforços”. Eram os capitalistas que faziam a poupança; os trabalhadores poupavam apenas na medida em que suas rendas permitiam e sua própria prudência voluntária prescrevia. O trabalho então, como agora, estava começando a receber integralmente em relação à sua contribuição marginal ao valor do produto. Não havia nenhum “blefe” e nenhum “engano”. Como resultado dessa economia, o tamanho do “bolo”, é verdade, crescia praticamente todos os anos. Mas mais “bolo” também estava sendo consumido praticamente todos os anos.

Tentei ilustrar o que estava acontecendo em meu livro “Economia em Uma Única Lição”[7]. Como resultado das economias e investimentos anuais, a produção anual total aumentou a cada ano. Ignorando as irregularidades causadas por flutuações de curto prazo, e assumindo, por uma questão de simplicidade matemática, um aumento anual da produção de 2,5 pontos percentuais, a imagem que obteríamos por um período de onze anos, digamos, seria algo como isto em termos de números de índice:

 

                                                                 TOTAL DE BENS      TOTAL DE BENS

                                 TOTAL                   DE CONSUMO             DE CAPITAL

ANO                   PRODUZIDO              PRODUZIDOS             PRODUZIDOS

Primeiro                 100                         80                           20

Segundo                 102,5                      82                           20,5

Terceiro                  105                         84                           21

Quarto                    107,5                      86                           21,5

Quinto                    110                         88                           22

Sexto                      112,5                      90                           22,5

Sétimo                    115                         92                           23

Oitavo                    117,5                      94                           23,5

Nono                      120                         96                           24

Décimo                  122,5                      98                           24,5

Décimo                  125                         100                         25

primeiro

*Isso, é claro, assume que o processo de poupar e investir já estava em andamento na mesma taxa constante

O que tentei ilustrar com esta tabela é que a produção total aumentou a cada ano por causa da economia, e não teria aumentado sem ela. A poupança foi usada ano após ano para aumentar a quantidade ou melhorar a qualidade das máquinas e outros equipamentos de capital existentes, e assim aumentar a produção de bens. Havia um “bolo” maior e maior a cada ano. Todos os anos, é verdade, nem todo o “bolo” produzido atualmente era consumido. Mas não havia nenhum constrangimento irracional ou cumulativo do consumidor. Para cada ano, um bolo maior e maior era de fato consumido; até que, no final do décimo primeiro ano em nossa ilustração, o bolo dos consumidores anuais por si só era igual ao bolo dos consumidores e produtores combinados do primeiro ano. Além disso, o equipamento de capital, a capacidade de produzir bens, foram 25% do que no primeiro ano (a minha ilustração assume, naturalmente, a igualdade de longo prazo e a identidade da poupança e do investimento).

Agora é um fato notório que no século XIX, que Keynes está aqui ridicularizando, não houve apenas uma poupança contínua, e um tremendo aumento nos bens de capital, mas um enorme aumento na população e um aumento constante nos padrões de vida dessa população. O próprio Keynes, de fato, no parágrafo seguinte das “Consequências Econômicas”, retirou tudo de volta. Ele estava apenas brincando. Mas o problema é saber, mesmo em seu Tratado sobre o Dinheiro e em sua Teoria Geral, quando ele está apenas tendo a sua pequena piada e quando ele está realmente sério. Eu suspeito que ele mesmo estava um pouco confuso sobre este ponto.

Benjamin M. Anderson, de fato, sugeriu que a confusão de Keynes sobre todo o conceito de poupança e investimento na Teoria Geral poderia ser interpretada como decorrente de um empenho.

“Para fazer uma piada sobre os Keynesianos. Ele tinha-os excitado em seus escritos anteriores sobre a relação entre poupança e investimento. Então, em sua Teoria Geral, ele propõe a doutrina de que poupança é sempre igual a investimento. Isto torna a teologia mais difícil de entender para o devoto seguidor, e exige, além disso, um milagre pelo qual o fator perturbador do crédito bancário possa ser abolido.”[8]

Keynes certamente tem dado aos seus seguidores muita vergonha e problemas. Alvin H. Hansen, em seu Guia de Keynes, tenta habilmente salvar Keynes de si mesmo:

“Uma fonte de confusão surgiu do fracasso dos seus críticos em perceber que, embora o investimento e a poupança sejam sempre iguais, nem sempre estão em equilíbrio. Tudo isso poderia ter sido evitado se Keynes tivesse deixado claro desde o início que a igualdade entre poupança e investimento não significa que eles estejam necessariamente em equilíbrio” (p. 59).

Eles podem ser iguais, mas não estar em equilíbrio, Hansen continua a sugerir a possibilidade de algum tipo de “defasamento” ou “ajustamento defasado”. Confesso-me incapaz de seguir este argumento. Parece-me uma auto-contradição, pois parece assumir que devido a um “atraso” no “ajustamento” a poupança e o investimento nem sempre são iguais.

Paul A. Samuelson tenta salvar Keynes de si mesmo, sugerindo que “A tentativa de poupar pode diminuir a renda e realmente realizar uma poupança”. Por outro lado, “Um aumento autônomo líquido no investimento, nos títulos estrangeiros, nas despesas do governo, no consumo, resultará em um aumento da renda maior do que ele mesmo”, etc., etc., etc.

Não sei até que ponto é intencional e o quão longe vai o humor não intencional quando Samuelson sugere que as obscuridades e contradições da Teoria Geral são um embaraço maior para os anti-keynesianos e do que para os keynesianos. Mas ele realmente escreve:

“Vale a pena repetir que a Teoria Geral é um livro obscuro para que os aspirantes a anti-keynesianos devam assumir a sua posição amplamente em relação ao crédito, a menos que estejam dispostos a investir muito trabalho e correr o risco de sedução no processo”.

4. Paradoxos keynesianos

No entanto, como veremos agora, a fuga sugerida por Samuelson ao dilema keynesiano da poupança-investimento corresponde de perto à saída que o próprio Keynes tenta tomar. Mas isto só deixa Keynes em mais confusões e contradições. Há tantas destas, de fato, que seria tedioso e inútil tentar apontar mais do que algumas.

Keynes argumenta por vezes, como vimos, que poupança e investimento não só são sempre iguais como “apenas diferentes aspectos da mesma coisa”. No entanto, ele ainda mantém o seu velho hábito de deplorar a poupança ao aprovar o investimento. Por isso, deve argumentar que a poupança reduza o rendimento e o investimento aumente o rendimento – embora “sejam necessariamente iguais em quantidade” e “apenas diferentes aspectos da mesma coisa” (p. 74)!

Daqui em diante, acho impossível seguir as suas distinções, oscilações, reversões e contradições. Em uma longa seção (pp. 81-85) nos é dito:

“A prevalência da ideia de que a poupança e o investimento, tomadas em seu sentido simples, pode diferir um do outro, há de ser explicada, creio, por uma ilusão de ótica …”. (p. 81)

Segue-se uma longa explicação da natureza “bilateral” da relação de um depositante individual com o seu banco. Em seguida:

“a opinião simplista de que pode haver poupança sem investimento ou investimento sem poupança ‘genuína’” (p. 83)

É descrita como errônea:

“O erro está em proceder à inferência plausível de que, quando um indivíduo poupa, ele aumentará o investimento agregado em um montante igual. É verdade que, quando um indivíduo poupa, aumenta a sua própria riqueza. Mas a conclusão de que ele também aumenta a riqueza agregada falha em permitir na possibilidade de um ato de poupança individual poder reagir às poupanças de outrem e, consequentemente, à riqueza de outrem” (pp. 83-84)

Daqui se conclui que é

“impossível para todos os indivíduos, simultaneamente, poupar uma determinada soma. Cada uma dessas tentativas de poupar mais, reduzindo o consumo, afetará de tal forma os rendimentos que a própria tentativa necessariamente derrotará a si mesma” (p. 84).

Em suma, estamos aparentemente a compreender que, embora a poupança e o investimento sejam “necessariamente iguais” e “apenas diferentes aspectos da mesma coisa”, a poupança reduz o emprego, os rendimentos e os investimentos aumentam os empregos e os rendimentos!

Há ainda outro paradoxo keynesiano da poupança (embora sejam “necessariamente iguais” ao investimento e “apenas diferentes aspectos da mesma coisa”):

“Embora um indivíduo cujas transações são pequenas em relação ao mercado possa seguramente negligenciar que a demanda não é uma transação unilateral, não faz sentido negligenciá-la quando se trata de demanda agregada. Esta é a diferença vital entre a teoria do comportamento econômico do agregado e a teoria do comportamento da unidade individual, na qual assumimos que as alterações na própria demanda do indivíduo não afetam o seu rendimento” (p. 85).

A única maneira pela qual podemos encontrar algum sentido nesta passagem, que de outra forma seria desconcertante, é assumir que quando Keynes usa a palavra “poupança”, está a pensar apenas no ato negativo de não comprar bens de consumo; mas quando ele usa a palavra “investimento”, está a pensar apenas no ato positivo de comprar bens de capital. E ele cai neste erro primário porque esquece a sua própria insistência anterior de que “poupança” e “investimento” são “necessariamente iguais” e “apenas diferentes aspectos da mesma coisa”. Ele está, de fato, pensando em cada caso em apenas um lado da transação: “Poupar” é apenas o ato negativo de não comprar bens de consumo; “investimento” é apenas o ato positivo de comprar ou fabricar bens de capital. No entanto, estes dois atos são ambos parte do mesmo ato! O primeiro é necessário para o segundo. Uma coisa analgésica acontece apenas no domínio dos bens de consumo. Os gostos de um homem mudam, e ele muda de galinha para cordeiro. Nós não o repreendemos em nenhum momento por magoar os criadores de aves e o elogiamos no próximo por ajudar os criadores de ovelhas. Reconhecemos que o seu poder de compra foi em uma direção ao invés de outra, e que se ele não tivesse desistido do frango, não teria tido dinheiro para comprar o cordeiro. A menos que um homem se abstenha de gastar todo o seu dinheiro em bens de consumo (i.e., a menos que poupe), não terá fundos para comprar bens de investimento, ou para emprestar a outros para comprar bens de investimento.

Se eu antecipasse aqui o meu próprio argumento e conclusões posteriores, não pode haver um determinado montante de investimento líquido real numa comunidade sem um montante igual de poupança líquida real. Quando falamos em termos “reais”, poupança (líquida) e investimento (líquido) não são apenas iguais, mas poupança é investimento. Quando estamos a falar em termos monetários, no entanto, o problema é mais complicado. Em termos monetários, a poupança de hoje não é necessariamente o investimento de amanhã, e o investimento de hoje não é necessariamente a poupança de ontem; mas isto porque a oferta de moeda pode ter-se contraído ou expandido, entretanto.

Voltando ao raciocínio de Keynes. Ele enredou-se no tipo de interpretação ingênua e unilateral dos dois termos, poupança e investimento, que tantas vezes tropeçam os homens quando falam de problemas econômicos. Temos alguma confirmação disso quando Keynes escreve:

“No agregado, o excesso de renda sobre o consumo, que chamamos de poupança, não pode diferir da soma dos bens de capital que chamamos de investimento. A poupança, na verdade, é meramente residual. As decisões de consumir e as decisões de investir determinam os rendimentos”. (Meu itálico, p. 64)

Porque a poupança deve ser “meramente residual” (o que quer que isso possa significar) não posso dizer. Mas a frase que coloquei em itálico revela a subcorrente do pensamento de Keynes. Não é a produção que determina os rendimentos; não é o trabalho que determina os rendimentos; são “as decisões de consumir e as decisões de investir”!

Pode ser duro imaginar Robinson Crusoé como um Keynesiano, mas se tivesse sido, quando retornou a Inglaterra, e os repórteres o tinham entrevistado no cais, os resultados poderiam ter sido algo como isto:

“Como você contabiliza a sua grande renda quando está na ilha?” os repórteres podem ter perguntado.

“Muito simples”, Crusoé teria respondido. “Decidi consumir muito, e o que não consumia, decidi investir; e como resultado, é claro, minha renda cresceu e cresceu”.

“A sua renda não foi determinada pelo que você produziu?” um repórter intrigado poderia ter perguntado.

“Produzido? Trabalhar?” Robinson Crusoé Keynesiano teria respondido: “Que nonsense absurdo! Nós mudamos tudo isso!”

O que nós temos nesta frase (“as decisões para consumir e as decisões para investir entre eles determinam a renda”) é, de fato, um exemplo típico do hábito inveterado de Keynes de descrever a causalidade não só de um ponto arbitrário, mas a precedente de tudo. É verdade, naturalmente, que na vida econômica a causa e o efeito são contínuos e infinitamente recorrentes, como na cadeia da vida. Esta é a verdade expressa paradoxalmente na definição de Samuel Butler:

“Uma galinha é apenas a maneira de um ovo fazer outro ovo”

Agora esta afirmação não é falsa, filosoficamente falando, mas é confusa para o senso comum. Para fins práticos (por exemplo, para um avicultor ou alguém do ramo dos ovos) é mais útil olhar para o assunto do ponto de vista da galinha. Assim, embora o método de Keynes de tratar o consumo como uma “causa” de produção e renda não pode ser considerado totalmente errado, mas é certamente enganoso e, de fato, desastroso como a principal premissa para a política pública. A visão ortodoxa e talvez pesada de que trabalho e produção são a principal causa da renda, e tornam o consumo possível, será muito mais útil a longo prazo, e muito menos provável de levar à inebriante suposição de que a prosperidade e o pleno emprego podem ser perpetuados através dos gastos governamentais e da imprensa.

5. A poupança pode ser impressa?

Antes de abandonar este assunto, pode ser útil explorar um pouco mais as possíveis fontes das confusões de Keynes. Ele nos disse que “poupança” e “investimento” são

“necessariamente iguais em quantidade, sendo, para a comunidade, na totalidade, apenas diferentes aspectos da mesma coisa” (p. 74)

Onze páginas mais tarde, ele nos diz que certas proposições

“decorrem apenas do fato de que não pode haver um comprador sem um vendedor ou um vendedor sem um comprador” (p. 85).

Isto é um truísmo. No entanto, Keynes faz bem em declará-lo explicitamente; pois é surpreendente a frequência com que é esquecido pelos economistas, pelos jornalistas e pelos homens “práticos”. Em um dia em que o mercado de ações teve um aumento incomum, veremos manchetes como “2.000.000 de ações compradas”. Quando tiver tido uma queda incomum, as manchetes são susceptíveis de ler, em vez disso, “3.000.000 ações vendidas”. No entanto, no primeiro caso, 2.000.000 ações devem ter sido vendidas e, no segundo caso, 3.000.000 ações devem ter sido compradas. No primeiro caso, a atenção do público foi fixada pelo aumento na compra, enquanto no segundo caso a atenção do público foi fixada pela queda na venda. A diferença não é, como os jornalistas muitas vezes descuidada ou insensatamente implicam, ou afirmam, que no primeiro caso houve “mais compra do que venda”, ou no segundo “mais venda do que compra”. Em ambos os casos, a compra e a venda tinham de ser iguais. Sem dúvida, havia uma diferença na relativa urgência da compra e venda. Para colocar a questão de outra forma mais generalizada, houve uma mudança na avaliação que tanto os compradores como os vendedores colocaram nas ações. Um mercado em ascensão, por outras palavras, é um sinal não só de que os compradores estão dispostos a licitar mais do que no dia anterior, mas também de que os vendedores insistem em obter mais. O inverso é verdadeiro no que diz respeito a um mercado em queda. Se assumirmos que, na Teoria Geral, Keynes está tentando aplicar a analogia de vender e comprar à poupança e ao investimento (sendo o “poupador” aquele que deixa de lado o dinheiro, e o “investidor” aquele que o empresta ou o usa para comprar matéria-prima ou equipamento de capital), encontramos certas dificuldades. Em primeiro lugar, o “poupador” e o “investidor”, nestas definições, podem muitas vezes ser a mesma pessoa. Isso não é verdade (exceto talvez ocasionalmente para certos propósitos de contabilidade técnica) do “comprador” e do “vendedor”. Muitas vezes pode ser difícil, mesmo para um empresário individual, quando ele usa parte de sua renda líquida para comprar as matérias-primas adicionais, ou equipamentos de capital, para distinguir entre sua “poupança” e seu “investimento”. Ambos fazem parte do mesmo ato. Ambos são o mesmo ato. Pois, ele não pode comprar as matérias-primas a menos que tenha dinheiro para comprá-las; e se ele as comprar, não tem dinheiro para comprar bens para seu consumo próprio.

Mas recebemos muito pouca ajuda de Keynes, mesmo no Tratado sobre o Dinheiro, para aprender precisamente onde traçar a linha entre “poupança” e “investimento”. Se o leitor voltar, por exemplo, para a página 84, e para a citação do Capítulo 12 do Tratado sobre o Dinheiro, verá que as respectivas definições são ao mesmo tempo, nebulosas e biológicas. A poupança, dizem-nos, “é o ato do consumidor individual”, enquanto o investimento “é o ato do empresário”.

Agora, a definição de um ato, supor-se-ia, seria expressa apenas em termos do próprio ato, sem a introdução irrelevante de quem o faz. Quando um “consumidor individual” poupa, compreendemos que, ele apenas “negativamente” se abstém de gastar. No entanto, deve ser óbvio que ele também, necessariamente, investe em dinheiro ou depósitos bancários. Quando um empresário “investe” está, segundo Keynes, fazendo algo “positivo”, mesmo que seja apenas acrescentar ao seu “capital líquido” – isto é, fazendo a mesma coisa que o consumidor malicioso que simplesmente se abstém de gastar toda a sua renda!

É impossível dar sentido às definições keynesianas. Mas vamos, apesar das próprias confusões de Keynes, persistir com sua analogia aparentemente intencional da relação de poupança e investimento com a de vender e comprar. Se comprar e vender são apenas dois lados do mesmo ato, então é obviamente bobo tratar a compra como virtuosa e a venda como perversa. Não é menos tolo tratar o investimento como virtuoso e a poupança como pecaminosa; ou argumentar, como faz Keynes, que “poupar” reduz a renda e o emprego enquanto “investir” os aumenta.

Se todos tentassem vender algo e ninguém o comprasse, simplesmente não existiriam vendas. Se de repente houvesse maior urgência em vender do que em comprar, o resultado prático seria ou um volume não reduzido de vendas a preços mais baixos, ou um volume de vendas reduzido a preços mais baixos – dependendo da vontade relativa de comprar e de outros fatores.

O mesmo se passa com a poupança e o investimento. Quando há maior urgência relativa em “poupar” do que “investir”, então o volume de poupança e investimento pode ser menor que anteriormente. De qualquer forma, as taxas de juro tenderão a descer. Mas não se segue que o declínio da urgência de investir (em algo que não seja dinheiro ou títulos de curto prazo) seja perverso, ou seja, a causa básica do desemprego e da depressão. É muito mais rentável perguntar o que causou a diminuição da urgência de investir.

Mas estamos nos adiantando ao nosso ponto atual, que tem a ver principalmente com a concepção e definição, respectivamente, de “poupança” e “investimento”. Quais são as definições mais úteis de poupança e investimento, respectivamente?

A resposta dependerá em grande medida do problema específico que estamos a tentar clarificar ou resolver. Em certos contextos não haverá necessidade de distinguir entre eles: podemos tratá-los como termos intercambiáveis, ou seja, a mesma coisa. (Isto é o que Keynes realmente faz em partes da Teoria Geral. “poupança” e “investimento” são iguais não por algum tipo de milagre contínuo; eles são iguais porque são tão definidos que significam precisamente a mesma coisa!) Em outros contextos, pode ser útil tratar a poupança como mera referência ao dinheiro, e o investimento como referência aos bens. E ainda em outros contextos, mais importante do que a distinção entre “poupança” e “investimento” será a distinção entre poupança monetária e poupança real, investimento monetário e investimento real.[9]

Keynes, como veremos, só raramente e ao acaso faz estas últimas distinções. Pelo contrário, ele muitas vezes trabalha arduamente para afastá-las. As “poupanças” que resultam meramente do aumento do crédito bancário (ou, aliás, da mera impressão de mais dinheiro fiduciário), argumenta ele:

“são tão genuínas como qualquer outra poupança” (p. 83).

Claro que se assim fosse, o problema de uma comunidade adquirir poupanças suficientes nunca existiria. Poderia simplesmente imprimi-las!

Não é difícil compreender por que é que Keynes desaprova

“a opinião simplista de que pode haver investimento sem poupança ‘genuína’” (p. 83)

Para esta visão desnecessariamente complicada expõe todo o conjunto de truques de cartão de “pleno emprego” keynesiano.

Eu disse que podemos legitimamente usar “poupança” e “investimento” com diferentes significados em diferentes contextos. Devemos ter cuidado, no entanto, é claro, que os nossos significados são sempre inequívocos e nossas definições explícitas. Primeiro, não devemos alterar significados ou definições sem aviso prévio explícito no decurso do tratamento de um problema específico.

_____________________________________

Notas

[1] In the New Economics, editado por Seymour E. Harris, (Nova Iorque: Alfred Knopf), p. 415.

[2] Alvin H. Hansen, A Guide to Keynes, p. 58.

[3] A Treatise on Money, (Nova Iorque: Harcout-Brace, 1931), I, 126.

[4] Ibid., I, 179.

[5] Ibid., I, 279.

[6] Ibid., I, 291.

[7] (Nova Iorque: Harper, 1946), p. 198.

[8] Economics and the Public Welfare, (Nova Iorque: Van Nostrand, 1949), pp. 398-399. Frank H. Knight no momento expressou dúvidas ainda maiores acerca dos ganhos em General Theory: “Eu simplesmente não consigo levar essa nova e revolucionária teoria de equilíbrio a sério, e duvido se o próprio sr. Keynes possa levar.” The Canadian Journal of Economics and Political Science, fevereiro  de 1937, p. 121.

[9] E mais importante que qualquer um desses, talvez, pois revela a escapada das confusões e contradições keynesianas nesse ponto, é a distinção entre poupança anterior e investimento subsequente. Mas essa discussão será adiada para o capítulo XVI.