Capítulo XIX – Desemprego e Taxas Salariais

0
Tempo estimado de leitura: 27 minutos

1. O desemprego é causado pelas taxas salariais

Se eu fosse levado a nomear o capítulo mais confuso e fantasioso de toda a Teoria Geral, a escolha seria difícil. Mas duvido que alguém discordaria com sucesso se eu nomeasse o Capítulo 19, sobre “Variações nos Salários Nominais”.

Sua perversidade não é, afinal, surpreendente. Pois, é aqui que Keynes se propõe a desafiar e negar o que se tornou nos últimos dois séculos os princípios mais fortemente estabelecidos na economia – a saber, que se o preço de qualquer mercadoria ou serviço for mantido muito alto (ou seja, acima do ponto de equilíbrio), alguma dessa mercadoria ou serviço permanecerá à venda. Isto é verdade para ovos, queijo, algodão, Cadillacs ou mão-de-obra. Quando as taxas salariais são muito altas, haverá desemprego. Reduzir a miríade de taxas salariais para seus respectivos pontos de equilíbrio pode não ser, por si só, um passo suficiente para a restauração do pleno emprego (pois há outros possíveis desequilíbrios a serem considerados), mas é um passo absolutamente necessário.

Esta é a verdade elementar e inescapável que Keynes, com uma incrível demonstração de sofisma, irrelevância e complexo obscurecimento, tenta refutar.

Ele começa, como é seu hábito, com a passagem estabelecida da “teoria clássica” da matéria; e, como também é seu hábito, a declara erroneamente. Então ele descobre que essa teoria é questionadora e “falaciosa”. Em seguida, ele aplica seu “próprio método de análise”.

Poupo ao leitor a citação, mas se estiver interessado em ler um argumento que supere os melhores esforços de Humpty-Dumpty em Alice no País das Maravilhas ou a complicada e desconcertante cadeia de causas de um desenho animado de Rube Goldberg, dirijo sua atenção para o longo parágrafo que começa no topo da página 261 e termina no topo da página 262. Em vez de tentar desatar este nó górdio um laço de cada vez, e chamar a atenção para cada falácia e irrelevância, que só nos tomaria sobre o terreno que já cobrimos, economizaremos tempo contornando-o por enquanto, bem como todo o capítulo e a maior parte do seu apêndice, e citando alguns parágrafos das duas últimas páginas do apêndice em que Keynes contrasta as suas próprias opiniões com as de A. C. Pigou:

“A diferença nas conclusões para as quais as diferenças acima nas suposições e na análise conduzem podem ser mostradas pela seguinte passagem importante na qual o Professor Pigou resume seu ponto de vista: ‘Com uma concorrência perfeitamente livre entre os trabalhadores e uma mão-de-obra perfeitamente móvel, a natureza da relação (ou seja, entre as taxas salariais reais para as quais as pessoas estipulam e a função de demanda de trabalho) será muito simples. Haverá sempre no trabalho uma forte tendência para que as taxas salariais estejam relacionadas com a demanda de forma que todos sejam empregados. Assim, em condições estáveis, todos serão realmente empregados. A implicação é que o desemprego que existe a qualquer momento se deve inteiramente ao fato de que as mudanças nas condições da demanda estão ocorrendo continuamente e que as resistências faccionais impedem que os ajustes salariais adequados sejam feitos instantaneamente’.[1]

Ele conclui (op. cit., p. 253) que o desemprego é principalmente resultado de uma política salarial que não se ajusta suficientemente às mudanças na função de demanda real de trabalho.

Assim, o Professor Pigou acredita que, no longo prazo, o desemprego pode ser curado por ajustamentos salariais; enquanto que eu mantenho que o salário real (sujeito apenas a um mínimo estabelecido pela desutilidade marginal do emprego) não é principalmente determinado por ‘ajustamentos salariais’ (embora estes possam ter repercussões), mas pelas outras forças do sistema, algumas das quais (em particular a relação entre a escala da eficiência marginal do capital e a taxa de juro) o Professor Pigou falhou, se eu estiver certo, em incluir no seu esquema formal (pp. 277-278).”

Há uma dupla vantagem em iniciar a nossa discussão do Capítulo 19 com esta citação. (1) Em vez de nos dar a declaração errada de Keynes, que primeiro teria de ser corrigida, da “teoria clássica” da relação das taxas salariais com o desemprego, pelo menos dá-nos a declaração de Pigou da visão “’clássica’” nas suas próprias palavras; e (2) contém a declaração mais compacta e lúcida que Keynes dá, das suas próprias opiniões sobre o assunto.

A afirmação de Pigou é a correta. A visão de Keynes é claramente incorreta, embora contenha um grão de verdade em um alqueire de erros. Este grão de verdade, pode ser adicionado, não é originalmente de Keynes.

Comecemos por ver quais são as qualificações neces­sárias na declaração de Pigou.[2]

Quando Pigou fala de “todos” serem empregados, a palavra “todos” deve ser interpretada claramente em um sentido restrito. Ele não pode estar falando da­queles que não precisam ou não querem trabalhar, ou de crianças, ou de deficientes físicos, ou de crimino­sos ou lunáticos, ou daqueles que são tão incompe­tentes, estúpidos, imprudentes, ou descuidados que destroem mais valor do que produzem, de modo que um empregador ficaria sem dinheiro mesmo que pu­desse contratá-los para nada. Por “todos” ele deve querer dizer “pessoas empregáveis que atualmente gostariam de trabalhar” e, provavelmente, seria me­lhor se ele tivesse usado essa frase.

Novamente, quando Pigou declara que “em condições es­táveis todos serão realmente empregados” ele deve ter que­rido dizer em condições de equilíbrio. Não é a estabilidade, mas a velocidade e a precisão dos ajustamentos salariais que Pigou está realmente a enfatizar. O desemprego relati­vamente “estável” é possível com um desequilíbrio “está­vel” ou congelado, como foi mostrado tanto na Grã-Breta­nha como nos Estados Unidos no período entre 1925 e 1939. (Keynes capitalizou isto, como vimos, dando-lhe o nome auto-contraditório de “equilíbrio do desemprego”). O equilíbrio que devemos ter em mente não precisa ser “estável” no sentido de estático. Ou seja, não precisa de se referir apenas ao tipo de equilíbrio postulado numa econo­mia “estacionária” ou uniformemente rotativa. Pode refe­rir-se a um equilíbrio dinâmico postulado como sendo al­cançado por ajustamentos instantâneos e precisos à condi­ções variáveis, ou sendo constantemente abordado na prá­tica numa economia de livre concorrência.

Finalmente, enquanto os desajustes nas taxas salariais são geralmente a principal razão do desemprego, e podem ser a única razão, outros desajustes também podem causar desemprego, incluindo desajustes entre preços particulares e (aqui está o germe da verdade keynesiana) mesmo (embora improvável) desajustes nas taxas de juros.

Suponhamos agora, por uma questão de clareza, que reformulamos o resumo de Pigou de uma forma mais satisfatória, mantendo seu próprio fraseado onde quer que seja aceitável: com uma concorrência perfeitamente livre entre trabalhadores e mão-de-obra perfeitamente móvel, sempre haverá no trabalho uma forte tendência para que as taxas salariais estejam tão relacionadas à demanda que todas as pessoas empregáveis que desejam empregos sejam empregadas. Assim, em condições de equilíbrio, todas essas pessoas serão empregadas. A implicação é que o desemprego que existe em qualquer momento se deve inteiramente ao fato de que as mudanças nas condições da demanda estão ocorrendo continuamente e que as resistências friccionais impedem que o salário adequado, o preço e outros (até mesmo a taxa de juros) ajustes sejam feitos instantaneamente.

Ora, se Keynes se tivesse se contentado em fazer isso, se tivesse se contentado em negar, na sua citação de Pigou, a implicação de que os ajustamentos salariais são os únicos ajustamentos necessários para manter ou restabelecer o pleno emprego, a sua objeção teria sido correta, ainda que não original. Mas a posição de Pigou, resumida por Keynes, de que na maioria das vezes

“o desemprego se deve principalmente a uma política salarial que não se ajusta suficientemente às mudanças na função da procura real de trabalho” (Meus itálicos, p. 278)

está correta. Keynes nega explicitamente mesmo isto. Keynes está definitivamente errado, em suma, quando afirma

“que o salário real… não é determinado principalmente por ‘ajustamentos salariais’…, mas pelas outras forças do sistema.” (Meus itálicos, p. 278)

Essas outras “forças”, é verdade, mesmo os desajustes na taxa de juros, devem ser levados em conta sempre que houver desemprego pesado. Mas eles são geralmente secundários em relação ao desemprego causado por desajustes nas taxas salariais.

2. As taxas salariais não são rendimentos salariais

Com esta doutrina positiva correta em mente, pode valer a pena examinar algumas das principais falácias que levaram Keynes às suas falsas conclusões.

Talvez a primeira e mais importante destas falácias seja a confusão habitual de Keynes entre as taxas salariais por hora e os pagamentos salariais totais. Em comum com, eu temo, a maioria de escritores na economia, ele usa o termo vago “salários” às vezes para significar taxas salariais e às vezes para significar pagamentos totais, ou renda salarial total. O leitor é raramente certo em qual destes dois sentidos radicalmente diferentes Keynes está usando a palavra; e Keynes raramente parece estar certo de si mesmo. Eu não quero dizer que ele sempre cai nessa confusão. Às vezes, a distinção é clara o suficiente em sua mente e explícita nos exemplos que ele cita. A confusão não é a menos frequente o suficiente para explicar muitas das conclusões inexplicáveis na Teoria Geral.

Esta confusão é um dos preços que os escritores de economia pagam por tentarem usar uma linguagem simples e popular. Nunca ocorre quando se discutem os preços das mercadorias. Não ocorreria sequer a um economista moderadamente competente assumir que se um empresário aumentasse o preço do seu produto em 20 por cento, o seu rendimento bruto aumentaria 20 por cento. Se um empresário individual, envolvido na produção de um produto competitivo homogêneo, como o cobre, aumentasse arbitrariamente o seu preço 20 por cento acima do dos seus concorrentes, o seu rendimento bruto, em vez de aumentar 20 por cento, provavelmente desapareceria por completo. Nenhum de seus produtos seria vendido. E mesmo que o empresário fosse um monopolista, ou se todos os empresários da mesma indústria aumentassem, uniformemente os seus preços em 20 por cento, mesmo o cidadão comum sabe que (não assumindo qualquer outra alteração na “curva” da oferta ou da procura) haveria um declínio no volume de vendas. O rendimento bruto do empresário individual não aumentaria proporcionalmente ao aumento dos preços, podendo mesmo descer abaixo do seu nível anterior. Em suma, no que diz respeito às mercadorias, não há confusão na mente popular entre preços, volume de vendas e rendimento bruto. Mas ao escrever sobre o trabalho, até mesmo muitos economistas profissionais confundem constantemente “preços” com a renda total porque chamam ambos pelo mesmo nome – “salários”.[3]

Muitos economistas (e isto deriva em parte de Keynes) apresentaram um argumento curioso ao tentarem justificar o seu duplo padrão, ou duplo conjunto de princípios econômicos, na discussão de preços e salários, respectivamente. Eles nos dizem, sem gargalhar, que “salários” não podem ser tratados como outros custos ou outros preços, porque “salários” são a renda dos trabalhadores, e se cortarmos essa renda não só estamos sendo cruéis e desumanos, mas correspondentemente reduzimos o “poder de compra” e enviamos a economia para uma espiral descendente.

Agora, o que é verdade nesta afirmação é verdade não só para os “salários”, mas para todos os custos e todos os preços. O custo (monetário) de todo mundo é a renda de outra pessoa. O preço do aço acabado é o custo de um fabricante de automóveis, sendo (multiplicado pela tonelagem) o rendimento do fabricante de aço. O preço do minério de ferro ou da sucata de aço é o custo da siderúrgica acabada, mas a renda da mina de ferro ou do sucateiro. Mas se as taxas salariais ou os preços do aço, ou os preços da sucata forem demasiado elevados em relação a outros preços, ou à oferta, ou procura, um aumento dessas taxas salariais ou preços não conduzirá a um aumento correspondente do rendimento total dos trabalhadores, ou dos fabricantes de aço, ou dos comerciantes de sucata; e pode facilmente conduzir a uma diminuição desse rendimento total, através do desemprego ou de uma diminuição das vendas mais do que proporcional ao aumento do preço.

Portanto, não se trata apenas de uma falácia, mas de um falso humanitarismo, e de um engano cruel, insistir sempre em aumentos salariais, quer as condições o justifiquem ou não, e resistir sempre a reduções das taxas salariais, quer as condições o exijam ou não.

3. “Elasticidade” da demanda de trabalho

Uma segunda falácia de Keynes é que, mesmo quando ele faz uma distinção explícita entre taxas salariais e renda salarial total, ele levanta a questão se a demanda por trabalho é realmente “elástica” ou não, ou se sua “elasticidade” pode ser maior que “unidade”. Agora Paul Douglas e A. C. Pigou, como já indiquei em outra conexão, tiveram independentemente, antes do surgimento da Teoria Geral, uma resposta estatística a esta pergunta, e vieram com surpreendente concordância com a conclusão de que a elasticidade da demanda por trabalho é de cerca de – 3. Isto significa que uma redução de 1 por cento nos salários pode significar um aumento de 3 por cento no emprego, se os salários tiverem anteriormente estado acima da produtividade marginal do trabalho, ou, inversamente, que um aumento de 1 por cento nos salários pode significar uma redução de 3 por cento no emprego, se os salários estiverem acima da produtividade marginal do trabalho.

Já referi que não é possível medir a “elasticidade” da demanda por trabalho (ou por qualquer outra coisa) estatística ou matematicamente. A “elasticidade” da demanda é apenas um nome enganador e infeliz para a responsividade da demanda. É obviamente impossível saber com antecedência como é que a demanda por qualquer mercadoria ou serviço responderá a uma mudança no seu preço. Há muitos fatores na situação, e esses fatores nunca podem ser assumidos como sendo exatamente os mesmos por dois meses ou minutos sucessivos.

O conceito de uma “elasticidade” mensurável da procura (ou de uma resposta previsível da procura) baseia-se no pressuposto tácito de que, quando o preço de uma mercadoria ou serviço muda, ou é alterado, a “curva” da demanda permanece exatamente onde estava. É claro que nunca se pode saber se isso é de fato verdade. Um preço pode ter subido porque a própria curva da demanda subiu, caso em que pode não haver diminuição do valor exigido. Pode até haver um aumento no montante exigido. Ou um preço pode ter descido porque a própria curva de demanda desceu – neste caso pode não haver aumento no valor exigido, e pode até haver uma diminuição no valor exigido.

Agora que a própria existência de uma “curva” de demanda (ou “escala” de demanda) é puramente hipotética, como a “inclinação” ou “forma” desta curva nunca pode ser conhecida de fato, e como nunca se pode saber exatamente quanto ela aumentou ou caiu (ou, no jargão técnico da moda, “mudou-se para a direita” ou “para a esquerda”), a “elasticidade” da demanda por qualquer mercadoria ou serviço nunca pode ser determinada comparando mudanças no montante vendido com mudanças no preço. Para estas mudanças ocorreram entre dois ou mais períodos, ou momentos de tempo, e não podemos ter qualquer garantia de que a própria “curva” de demanda tenha permanecido a mesma entre esses períodos ou momentos de tempo. A “curva” de demanda pode, entretanto, ter “deslocado” de uma posição para outra, ou alterado sua “forma”, ou podemos estar em uma “seção” diferente dela.

Há ainda outros perigos na aplicação do conceito de elasticidade-da-demanda ao trabalho. Não podemos legitimamente falar, por exemplo, da “elasticidade” da demanda por trabalho, pois esta variará com cada tipo diferente de trabalho, quase com cada empresa, e com cada conjunto diferente de condições. A capacidade de resposta do emprego de todos os trabalhadores da construção civil coletivamente às mudanças nas taxas salariais, por exemplo, pode ser muito alta, enquanto a capacidade de resposta do emprego dos trabalhadores de instalações elétricas, sozinho às mudanças em suas taxas salariais pode ser muito baixa, porque a demanda por eletricistas é uma demanda conjunta com a de outros trabalhadores da construção civil. Falar de “a” elasticidade da demanda por “trabalho”, portanto, pode ser falar de uma média quase sem sentido.

Se seus perigos e limitações são mantidos constantemente em mente, no entanto, a “elasticidade” da demanda (ou melhor, a capacidade de resposta da demanda) pode ser uma ferramenta útil de pensamento. As investigações estatísticas de Douglas e Pigou parecem levantar pelo menos uma presunção em favor de uma (geralmente) alta capacidade de resposta do emprego às mudanças nas taxas salariais.

Em qualquer caso, há a presunção mais forte possível em favor de deixar que as forças competitivas do mer­cado livre decidam a questão. Quando o desemprego existe, ele existe porque há desequilíbrio em algum lugar. O lugar mais provável é nas taxas salariais das ocupações em que o desemprego existe. Esta presun­ção é enormemente aumentada quando tais taxas sa­lariais são arbitrariamente mantidas em seu nível exis­tente pela insistência dos sindicatos de trabalhadores, o que impede que as forças competitivas do mercado livre operem nessas ocupações. E essa presunção deve ser sustentada até que a livre concorrência (para em­pregos e para trabalhadores) seja restaurada nessas ocupações ou até que os sindicatos envolvidos tenham consentido em uma redução provisória nas taxas sala­riais para ver se tal redução é seguida por um aumento no emprego.

É evidente que o desemprego pode ser causado, numa profissão, por uma taxa salarial excessiva noutra. (Por exemplo, alguns trabalhadores da construção civil poderiam estar desempregados porque os salários [e os preços] na indústria siderúrgica eram demasiado elevados). É mesmo teoricamente concebível (para fazer todas as concessões a Keynes) que o desequilíbrio que causa o desemprego possa estar em alguma relação entre preços ou mesmo em taxas de juros.  Mas isto é altamente improvável a menos que tais preços inadequados sejam controlados de forma monopolística, ou a menos que as taxas de juro tenham sido tornadas excessivas em resultado da má gestão monetária governamental.

Outro tipo de erro que percorre o Capítulo 19 de Keynes é o seu fracasso consistente em declarar todas as suposições relevantes nas ilustrações hipotéticas que ele cria, e então chegar a uma conclusão que só poderia ser garantida com base em uma suposição (e muitas vezes autocontraditória) que ele falhou em estabelecer. Quando estamos a lidar com o desemprego, por exemplo, temos de assumir que existe uma razão para o desemprego. A razão mais provável é que as taxas salariais são demasiado elevadas, ou seja, que estão acima do ponto de equilíbrio. Pode não ser assim; mas é certamente uma das hipóteses, se não a primeira hipótese, que deve ser considerada. Keynes nunca a considera. Seus exemplos assumem tacitamente que as taxas salariais já estão no, ou mesmo abaixo, do ponto de equilíbrio. Só partindo desse pressuposto é que ele poderia chegar à conclusão, como ele faz, de que uma redução das taxas salariais significaria uma redução da renda salarial, seja por não aumentar o emprego no mínimo, seja por reduzi-lo ainda mais. Claro que se as taxas salariais já estão no ponto de equilíbrio, ou abaixo dele, seria um ato não só de injustiça, mas de pura loucura reduzi-las ainda mais. Mas se, como é enormemente mais plausível assumir, há desemprego porque os salários estão acima do ponto de equilíbrio, então a redução das taxas salariais para o ponto de equilíbrio restauraria o pleno emprego e aumentaria as folhas de pagamento e o rendimento total da comunidade.

4. Falácias da Economia Agregada

No início do Capítulo 19, Keynes professa encontrar uma grande suposição inválida no coração da “teoria clássica” de que um declínio nas taxas salariais (que estiveram acima do ponto de equilíbrio) irá restaurar o emprego. Ele afirma o argumento “clássico” de como isso vai acontecer em uma determinada “indústria”. (Ele erroneamente o afirma dando apenas um caso especial, não a teoria geral). A teoria clássica, diz ele, não tem como estender suas conclusões “em relação de uma determinada indústria para a indústria como um todo”, exceto por uma falsa “analogia” (p. 260). Portanto:

“é totalmente incapaz de responder à pergunta sobre o efeito no emprego que terá uma redução nos salários nominais” (p. 260)

Onde está o ponto? Keynes explica:

“As escalas de demanda para setores específicos só podem ser construídas com base em algum pressuposto fixo quanto à natureza das escalas de demanda e oferta de outros setores e quanto ao montante da demanda efetiva agregada. É inválido, portanto, transferir o argumento para a indústria como um todo, a menos que também transfiramos a nossa hipótese de que a demanda efetiva agregada é fixa. No entanto, esta hipótese reduz o argumento a um ignoratio elenchi. Com efeito, embora ninguém queira negar a proposição de que uma redução dos salários nominais acompanhada pela mesma demanda efetiva agregada de antes será associada a um aumento do emprego, o ponto em questão é se a redução dos salários nominais será ou não acompanhada pela mesma demanda efetiva agregada que antes medida em moeda, ou, de qualquer forma, por uma demanda efetiva agregada que não é reduzida em plena proporção com a redução dos salários da moeda (ou seja, que é um pouco mais medida em unidades salariais). (Itálicos de Keynes, pp. 259-260).

Agora, a única razão pela qual este emaranhado de argumentos merece ser notado é que os keynesianos fizeram um tremendo trabalho sobre ele, muitos dos quais, de fato, pensam que esta é a grande falha que Keynes encontrou na economia “clássica”, e a grande contribuição que ele fez para a economia. A economia “agregada” ou “agregativa”, dizem-nos eles, deslocou a economia “especial” ou “parcial”, ou “a economia da empresa”. A visão “macroscópica” deslocou a visão “microscópica”.

Todo o argumento de Keynes sobre este ponto é tão confuso que a principal dificuldade em respondê-lo é a dificuldade de descobrir exatamente qual é o argumento.

Vamos começar por olhar novamente para o termo keynesiano “demanda efetiva”. Vimos que não há necessidade do adjetivo. Ele implica que há dois tipos de demanda ­– “efetiva” e ineficaz. A demanda ineficaz poderia então somente significar o desejo desacompanhado do poder de compra monetário. Mas os economistas nunca usaram esta demanda. O termo “demanda” como usado pelos economistas sempre significou demanda efetiva, e nada mais. Inserir o adjetivo, então, não acrescenta nada além de confusão.[4]

Que tal, então, o termo “demanda agregada”? A demanda agregada pode ser pensada em dois sentidos – em termos de mercadorias ou em termos de dinheiro. Abstraindo do dinheiro, a demanda agregada por mercadorias é, em última análise, a oferta agregada de mercadorias. A oferta de uma mercadoria é a procura de outra e vice-versa. Estamos de volta à “lei de Say”. E a Lei de Say é sempre verdadeira (de fato é uma verdade) quando assumimos que os preços e a produção estão em equilíbrio. Nestas condições, a demanda agregada decorre da oferta agregada. Mas Keynes e os Keynesianos rejeitam a economia agregada no sentido em que ela é tanto verdadeira quanto útil.

Se a procura agregada é pensada em termos de moeda, então tende a mudar apenas com a oferta de moeda.

Se for inválido, como afirma Keynes, argumentar com o que acontece numa determinada “indústria” para a indústria como um todo, então não é menos inválido argumentar com o que acontece numa determinada empresa para o que acontece numa “indústria” como um todo[5]. Mas, de fato, a invalidez existe apenas na mente de Keynes e é o resultado da confusão no seu próprio pensamento.

Vamos começar com uma única “indústria” e ver o que acontece. Há dois casos principais a serem considerados. O primeiro é o de uma indústria doméstica “fechada”, em que os preços são demasiado elevados porque as taxas salariais são demasiado elevadas, por conseguinte, o mercado está contraído e há desemprego. Suponhamos que as taxas salariais são reduzidas o suficiente para permitir que os preços sejam reduzidos o suficiente para restabelecer o mercado e o pleno emprego nessa indústria. Há, portanto, mais emprego nessa indústria e mais produção; portanto, mais salários totais e mais rendimento bruto; portanto, mais poder de compra para os bens de outras indústrias. Assim, o restabelecimento do emprego nessa indústria através da redução das taxas salariais (ou seja, reduzindo-as apenas o suficiente para tornar possível o reemprego) não só deixou a “demanda efetiva agregada” onde estava; aumentou-a através do aumento da demanda “efetiva” dos trabalhadores e empresários da indústria envolvida, sem fazer nada para reduzir a demanda efetiva dos trabalhadores e empresários de outras indústrias.

Deixe-nos chamar esta indústria A. Suponha, agora, que a mesma coisa acontece na indústria B. Então o aumento na demanda efetiva da indústria B para os produtos de todas as outras indústrias, incluindo A, deve adicionar ainda mais à demanda efetiva agregada. E assim, também, se nós vamos sobre considerar as indústrias C, D, E (…) N. Keynes levantou simplesmente um pseudo-problema.

O outro caso, que Keynes não considera, seria numa indústria internacional “aberta” como, por exemplo, o cobre. Aqui o preço seria fixado internacionalmente (com permissão para custos de transporte) pelo estado da oferta e da demanda internacional. A indústria de cobre americana não seria capaz de baixar o preço mundial (proporcionalmente ou talvez até significativamente) através da redução dos seus próprios salários. Mas se houvesse desemprego na indústria de cobre americana, seria (supondo que as próprias minas não fossem inferiores às de outros lugares) porque as taxas salariais eram muito altas. Teriam de ser cortadas para tornar possível o emprego e a reabertura das minas. Se um corte nos salários (proporcionalmente ou mais do que proporcionalmente) restaurar o emprego na indústria de cobre americana, no entanto, obviamente, o efeito seria aumentar a demanda efetiva dos trabalhadores e proprietários dessa indústria para os produtos de outras indústrias americanas. Novamente, o problema de Keynes torna-se um pseudo-problema, criado apenas pela sua própria confusão, e não por alguma lacuna ou elo perdido na teoria clássica.

5. O ataque às taxas salariais flexíveis

Mas o capítulo dos salários está cheio de confusões e falácias. Um dos mais incríveis é o argumento de Keynes contra permitir a flexibilidade das taxas salariais. Isto contraria tudo o que foi aprendido sobre economia e as vantagens de uma economia livre, nos últimos dois séculos:

“Supor que uma política salarial flexível é um complemento correto e adequado de um sistema que, em geral, é um sistema de laissez-faire, é o oposto da verdade. Somente em uma sociedade altamente autoritária, onde mudanças repentinas, substanciais e abrangentes poderiam ser decretadas, é que uma política salarial flexível poderia funcionar com sucesso. Pode-se imaginá-la em operação na Itália, Alemanha ou Rússia, mas não na França, Estados Unidos ou Grã-Bretanha” (p. 269)

Tal afirmação nos deixa sem fôlego. Laissez-faire sig­nifica não-ajustamento! Laissez-faire significa inflexi­bilidade! Autoritarismo significa flexibili­dade! Flexibi­lidade significa rigidez! Pensemos no livro 1984 de Geor­ge Orwell, onde a guerra é paz, a ignorância é força e a liberdade é escravidão.

Nem a aprovação implícita na citação anterior dos controles econômicos totalitários deve ser descartada como uma mera fantasia momentânea. No prefácio que Keynes escreveu em setembro de 1936 à edição alemã de sua Teoria Geral, ele tentou “vender” seu sistema à Alemanha nazista por escrito:

“A teoria da produção agregada que é o objetivo do livro seguinte pode ser muito mais facilmente aplicada às condições de um estado totalitário do que a teoria da produção e distribuição de uma dada produção sob condições de livre concorrência e de um considerável grau de laissez-faire.”[6]

Keynes, em resumo, não acredita em um mercado livre, não acredita em uma economia livre e flexível. Aos seus olhos, as próprias virtudes de uma economia livre tornam-se seus vícios:

“Exceto em uma comunidade socializada onde a política salarial é estabelecida por decreto, não há meios de assegurar reduções salariais uniformes para cada classe de trabalho. O resultado só pode ser alcançado através de uma série de mudanças graduais e irregulares, justificáveis sem critério de justiça social ou conveniência econômica” (p. 267)

“Para que as classes importantes tenham sua remuneração fixada em termos de dinheiro em qualquer caso, a justiça social e a conveniência social serão mais bem servidas se a remuneração de todos os fatores for algo inflexível em termos de dinheiro” (p. 268)

Agora, numa economia livre (não estatal, não socialista, não totalitária), os salários não se ajustam e não podem ajustar-se en bloc, como uma unidade, por uma percentagem pura, fixa, redonda e uniforme. Nem os preços se ajustam en bloc, por uma percentagem uniforme ou como uma unidade. Nem a produção se ajusta en bloc ou como unidade. Numa economia livre há literalmente milhões de preços diferentes[7], milhões de taxas salariais individuais, milhares de classes de taxas salariais, preços de centenas de milhares de mercadorias diferentes de diferentes graus e em diferentes pontos. Numa economia livre há milhões de ajustes diários de uma taxa salarial a outra, de um preço a outro, dessa taxa salarial a esse preço, desse preço a essa taxa salarial. Em uma economia livre, em suma, um número quase infinito de ajustes mútuos. É assim que funciona a economia. É assim que se mantém em equilíbrio dinâmico. É assim que se mantém o equilíbrio da produção entre milhares de diferentes bens e serviços para satisfazer as necessidades e desejos variáveis de milhões de consumidores diferentes.

Mas tudo isto entra em conflito com as teorias simplistas de Keynes. Ele pensa em agregados, em médias, em abstrações que são construções mentais que perderam o contato com a realidade. Pensa, em suma, em nódulos. Ele lida apenas com seus próprios conceitos de nódulos como “nível” médio de salários, “nível” médio de preços, demanda agregada, oferta agregada. A produção em si é considerada como sendo dividida apenas em alguns grandes pedaços chamados “indústrias”. Por vezes, a produção é mesmo considerada como um grande bloco homogêneo. Keynes não consegue entender uma economia livre precisamente porque ela não consiste em tais pedaços. Tendo reduzido tudo a médias, ele não pode entender nenhum ajuste, ele é contra qualquer ajuste, que não é um ajuste uniforme de cada uma dessas médias, blocos, nódulos, para o outro.

Ao denunciar tal ajuste livre e flexível de preços individuais e taxas salariais e produtos como “injusto” e “impróprio”, Keynes não parece perceber que ele está por implicação aceitando como econômica e eticamente “correto” a inter-relação prévia de preços e salários. Se apenas se deve tolerar “uma redução simultânea e igual dos salários em dinheiro em todas as indústrias” (p. 264), se “uma série de mudanças graduais e irregulares” nos salários é “justificável sem critério de justiça social ou conveniência econômica” (p. 267), então deve ser porque a relação anterior entre salários e taxas salariais era precisamente o que deveria ter sido. Isto é defender o status quo com vingança!

Em resumo, Keynes forma uma teoria ridiculamente simplificada de como uma economia de livre comércio deve funcionar, e porque não funciona dessa maneira, ele a denuncia. Em seguida, ele prossegue com argumentos autocontraditórios para provar que reduzir as taxas salariais para alinhá-las mais com as realidades econômicas reduziria ou “violentamente” perturbaria os preços e a produção, e que a maneira de estabilizar a economia é recusar-se a permitir que ajustes livres ou fragmentados aconteçam (p. 269).

6. Inflação vs. ajustes fragmentados

Tendo decidido que o ajustamento parcelar das taxas salariais é injusto, Keynes decide que a melhor forma de obter uma redução uniforme das taxas salariais é através de um pequeno engano – isto é, inflando ou rebaixando a oferta monetária para aumentar os preços. Parece que

“só uma pessoa tola… preferiria uma política salarial flexível a uma política monetária flexível” (p. 268)

Também diz que:

“só pode ser uma pessoa injusta que preferiria uma política salarial flexível a uma política monetária flexível” (p. 268)

Em resumo, uma pessoa deve ser tola e injusta para não preferir a inflação (ou seja, a degradação da unidade monetária) ao ajuste das taxas salariais individuais a uma mudança nos preços ou nas condições da oferta e da procura. E uma das vantagens de uma “política monetária flexível” é que se pode assim enganar sistematicamente os credores e assim reduzir “o peso da dívida” (p. 268). E, naturalmente:

“tendo em conta a carga excessiva de muitos tipos de dívida, só pode ser uma pessoa inexperiente” (pp. 268-269)

que hesitaria em enganar os credores, pagando-os numa moeda degradada, em vez de fazer ajustamentos salariais honestos.

Porque Keynes, com seu pensamento agregado, se opõe à restauração do emprego ou do equilíbrio por pequenos, graduais e fragmentados ajustes, ele só pode defender ajustes repentinos, gerais e violentos. Ou devemos simultaneamente, argumenta ele, cortar os salários de todos por uma percentagem fixa e uniforme, de forma totalitária, ou devemos alcançar o mesmo resultado inflando a oferta monetária e aumentando o nível de preços, de modo que os salários reais de todos sejam cortados pela mesma percentagem. Mas a ironia disso é que, se apenas um pequeno ajuste específico for necessário em um setor da economia, o remédio violento que Keynes recomenda será bastante ineficaz.

Vamos assumir uma situação, por exemplo, em que todas as apostas estão em níveis de equilíbrio, exceto os salários na construção, que estão 10% acima dos níveis de equilíbrio. Haverá então provavelmente desemprego, não só nos próprios setores da construção, mas também, por exemplo, nas indústrias do aço, cimento, tijolo e madeira serrada, devido à queda da demanda dos setores da construção. E haverá algum desemprego na televisão, câmera, vestuário e outros ofícios por causa do desemprego nos ofícios de construção e a consequente queda no comércio varejista.

Toda a situação poderia ser curada apenas com um corte de 10 por cento nos salários da construção (que se apresentaria na média de toda a indústria, por exemplo, como um corte de menos de 1% nas taxas salariais). Mas tal corte apenas nos salários de construção, na teoria keynesiana, seria “gradual”, “irregular” e, portanto, “injusto” e “impróprio”. Para a teoria keynesiana não está interessado em todos os ajustes particulares. Vê-os meramente como fatores perturbadores. Consequentemente o remédio de Keynes seria um rebaixamento de 10% da unidade monetária para levantar preços e custos de vida. Em outras palavras, ele desejaria aumentar todos os preços em 10%, e cortar o salário real de todo mundo em 10%.

Mas se ele conseguisse fazer isto, o resultado não iria curar a situação. Porque, depois de todos estes ajustamentos, os salários na construção civil continuariam a ser 10 por cento demasiado elevados em termos de todos os outros salários e preços. Quando os efeitos temporários da inflação se tivessem dissipado, o desemprego voltaria, porque existiria o mesmo desajustamento dentro da estrutura salários-preço.

Comecei o último parágrafo dizendo, “se ele conseguisse fazer isto”. Eu quis dizer, se ele poderia ter sucesso em seu objetivo declarado de cortar todas as taxas salariais reais por um uniforme de 10 por cento. Mas, naturalmente, isto não é o que a inflação da oferta de dinheiro seria susceptível de fazer. A menos que a inflação fosse provocada principalmente por um aumento nos empréstimos ou subsídios à própria indústria da construção, um efeito mais provável de uma inflação monetária geral seria aumentar outros salários e preços para os trazer aproximadamente “a par”, ou seja, mais próximo do equilíbrio com os salários e preços na indústria da construção. Isto é o que aconteceria, isto é, se o esquema keynesiano funcionasse como planejado.

Mas mesmo que funcionasse, o que significaria isso? Se os salários na indústria da construção constituíssem 9 por cento de todos os salários, então o remédio keynesiano, no seu melhor, envolveria aumentar 91 por cento de todos os salários do dinheiro em 10 por cento para evitar pedir aos receptores de 10 por cento dos salários do dinheiro que aceitassem um corte de 10 por cento. O remédio keynesiano, em suma, é como mudar a fechadura para evitar mudar para a chave certa, ou como ajustar o piano para o banco em vez do banco para o piano.

E mesmo assim, é improvável que seja mais que temporariamente bem-sucedido. Para novos desajustes e desequilíbrios seria quase certo que ocorreriam na maior escala de preço. Estes, sob as regras básicas keynesianas, teriam que ser corrigidos pela inflação ainda maior, e assim ad infinitum.

O que é sempre relevante para o equilíbrio econômico e o pleno emprego é a relação de taxas salariais particulares com outras taxas salariais, de preços particulares com outros preços, e de salários particulares com preços particulares; nunca de médias com médias, ou do ‘nível’ salarial com o ‘nível’ de preços. Tais médias matemáticas ou níveis médios não existem no mundo real. São construções mentais[8]; são ficções; ocultam os desajustes reais em qualquer situação econômica, ou fazem com que pareçam cancelar.

Eles realmente não cancelam, no entanto. Se usarmos um número de índice de 100 para representar cada equilíbrio da taxa salarial, respectivamente, em quatro indústrias diferentes, então se a Indústria A tem um índice de taxa salarial de 80, Indústria B de 90, Indústria C de 110, e Indústria D de 120, o seu número de índice médio seria 100. Um estatístico keynesiano, baseando-se em médias e agregados, declararia “salários” como estando em equilíbrio. No entanto, a taxa salarial de nenhuma das quatro indústrias estaria em equilíbrio. A solução, para uma restauração do equilíbrio e do pleno emprego, seria um ajustamento mútuo e múltiplo de determinadas taxas salariais. Não seria elevar todo o nível a um número de índice de 120 para não ferir os sentimentos nem perturbar os preconceitos dos líderes sindicais da Indústria D.

É importante, por último, salientar que nunca são feitos ajustamentos reais dos salários ou dos preços, para cima ou para baixo, na forma uniforme e plana simultânea em que Keynes implica que eles são feitos ou devem ser feitos.

Eu apresento, nas pp. 284 e 285**, dois gráficos preparados para uma publicação de 1948[9], pelo Conselho da Conferência Industrial Nacional. Estes mostram as mudanças da porcentagem em salário horário médio dos trabalhadores em 25 indústrias de fabricação sobre dois períodos diferentes.

Deixar-nos ver primeiramente de tudo o que aconteceu no período mais adiantado quando os salários estavam caindo. (Tabela 1). No período de 1929 a 1932, havia um declínio médio no salário por hora em todas as vinte e cinco indústrias de 15,6%. Mas o declínio foi diferente em cada um dos vinte e cinco setores, variando entre apenas 2,1% nos setores menos afetados e 29% nos mais afetados.

Vejamos o Gráfico 2, e vejamos o que aconteceu no período mais longo de 1929 a 1939, quando os salários estavam a aumentar predominantemente. Neste período, o aumento médio em todos os vinte e cinco setores industriais foi de 22 por cento. Mas o aumento foi diferente em cada um dos vinte e cinco setores, variando entre 3,6 por cento nos menos afetados e 37,1 por cento nos mais afetados. Vale a pena fazer algumas observações adicionais sobre estes gráficos. A gama de variações na remuneração horária individual é ainda maior do que os gráficos mostram. Cada uma das vinte e cinco linhas sólidas em cada gráfico é, por si só, uma média dos ganhos horários numa determinada indústria e oculta o intervalo dentro dessa indústria.

Os keynesianos serão sem dúvida rápidos a apontar que o declínio nos ganhos horários entre 1929 e 1932 não impediu (e eles vão sem dúvida argumentar que ele ainda intensificou) o declínio no emprego e na produção nesse período. Mas vários pontos podem ser feitos sobre o outro lado.

Em primeiro lugar, não há nada nos gráficos que mostre que os declínios foram maiores nas indústrias onde eram mais necessários para restaurar o emprego e a produção.

Em segundo lugar, as mudanças nos ganhos por hora são susceptíveis de ser muito maiores do que as mudanças nas taxas salariais por hora. Isto porque, quando o volume de negócios é baixo, as taxas de horas extras tendem a desaparecer, e quando o volume de negócios é alto, as taxas de horas extras tendem a se acumular. Isso dá uma impressão exagerada, em ambos os sentidos, das mudanças nas taxas salariais padrão. De fato, os ganhos horários podem mudar amplamente em qualquer direção sem qualquer mudança nas taxas salariais padrão.

Gráfico I: porcentagem das mudanças na média de ganhos horários, 25 indústrias de manufatura, 1929 a 1932. A linha quebrada representa 25 indústrias de manufatura.

Em terceiro lugar, as taxas salariais não são o único fator que rege o volume de emprego em qualquer momento. Possivelmente, de um ponto de vista puramente hipotético, existe sempre alguma taxa salarial, por muito baixa que seja, capaz de assegurar o pleno emprego em quase todas as condições. Mas, na prática, serão necessários ajustamentos suplementares. Na prática, também, nenhum ajustamento pode ser instantâneo ou suficientemente rápido para garantir sempre o pleno emprego, mesmo com taxas salariais flexíveis presumidas. Finalmente, o impressionante aumento dos ganhos horários entre 1929 e 1939 (que, naturalmente, significou um aumento ainda mais acentuado entre 1932 e 1939) certamente não eliminou o desemprego nem trouxe uma recuperação total. Pelo contrário, o período foi um período de contínuo desemprego em massa. (Nos dez anos de 1931 a 1940 houve um desemprego médio de dez milhões, ou 18,6 por cento da força de trabalho total).

Gráfico I: porcentagem das mudanças na média de ganhos horários, 25 indústrias de manufatura, 1929 a 1939. A linha quebrada representa 25 indústrias de manufatura.

 

7. Uma teoria de classe do desemprego

A preferência de Keynes pela inflação monetária geral em detrimento de ajustamentos fragmentados dos salários e dos preços é o resultado de outras falácias importantes. Ele não percebe que o governo não pode enganar os credores através da inflação se os credores tiverem pleno conhecimento prévio das intenções do governo. Ele não percebe que uma inflação planejada não pode ser gradual ou controlada, mas ficará fora de controle quando o plano for conhecido. E ele não percebe que quando os preços estão caindo porque os custos de produção estão caindo, a queda dos preços não põe em risco as margens de lucro ou o emprego.

E ligada a isso está ainda outra grande falácia. Embora Keynes tenha ridicularizado Ricardo mais do que talvez qualquer outro economista, ele próprio adotou uma primitiva teoria “ricardiana” do custo de produção dos preços, segundo a qual uma nação pode manter artificialmente seu “nível de preço” segurando seu “nível salarial” (Cf. pp. 268 e 271). Para explicar esta falácia (depois de Menger, Jevons, Böhm-Bawerk, Wicksteed, Knight, Mises) levaria muito tempo. É melhor referir os keynesianos a algum bom livro de texto moderno.

Também não vou alongar-me sobre as razões pelas quais o desemprego não é causado, como insiste Keynes, principalmente por desajustes entre a taxa de juro, a eficiência marginal do capital e o investimento. Basta salientar não apenas que a sua teoria do juro é completamente falsa, mas também que as taxas de juro são extremamente fluidas e flexíveis, que são determinadas pela plena concorrência entre mutuantes e mutuários, e não mantidas rígidas pela negociação coletiva obrigatória, monopólios sindicais e piquetes de massas.

É mais instrutivo perguntar por que Keynes apresentou esta teoria extremamente complicada e implausível. E aqui podemos ter que responder a isso, colocando-se ao lado, como ele fez, da insistência imemorial dos sindicatos de que o emprego não é causado por taxas salariais excessivas, ele teve que inventar alguma teoria sobre o que o causa. E como ele não poderia culpar os líderes sindicais, o que mais natural (e politicamente conveniente) do que culpar os prestamistas, os credores, os ricos? Como o marxismo, esta é uma teoria de classes do ciclo econômico, uma teoria de classes do desemprego. Como no marxismo, os capitalistas se tornam bodes expiatórios, com a única diferença de que os principais vilões são os emprestadores de dinheiro e não os empregadores.

E isso, suspeito eu, mais do que qualquer nova descoberta de análise técnica, é o verdadeiro segredo da tremenda moda da Teoria Geral. É o Das Kapital do século XX.

______________________________

Notas

[1] A. C. Pigou, The Theory of Unemployment, p. 252.

[2] Este livro é uma discussão acerca da visão de Keynes, não de Pigou. Os comentários aqui são feitos para opinar apenas a passagem citada, não a visão completa de Pigou em seu Theory of Unemplyment ou no seu trabalho posterior, nos quais ele revisou e refez suas antigas visões como resultado às críticas de Keynes. A chamada “conversão” de Pigou como resultado das críticas de Keynes é um dos principais motivos da moda das doutrinas keynesianas. Mas devemos ignorar esse argumentum ad hominem e nos focar aos méritos objetivos desse problema.

[3] Na minha própria discussão, eu tentei me esquivar da palavra ambígua “salários”, distinguindo constantemente entre taxas salariais por hora e folhas de pagamento totais, pagamentos salariais totais ou renda total do trabalho. Quando eu ocasionalmente utilizar a palavra “salários”, eu devo ser entendido sempre me referindo a taxas salariais por hora e nunca a folhas de pagamento totais, exceto quando for explicitamente especificado o contrário.

[4] Como nós percebemos antes, Keynes constantemente tem êxito em ser técnico e pedante sem ser preciso.

[5] O argumento de Keynes parece se esquecer que a “indústria” não é apenas um agregado, mas um agregado puramente arbitrário sem limites definidos. Como em primeiro de janeiro de 1957, por exemplo, houve pelo menos 241 empresas americanas ligadas a um ou mais processos produtores de produtos de aço. Mas 23 eram “integradas”, 60 eram “semi-integradas” e 147 eram “não integradas”. Algumas empresas, por exemplo, possuíam suas próprias minas de carvão e ferrovias e faziam seu próprio coque. Elas estavam na indústria de aço, de carvão, ferroviária ou de coque? A U.S. Steel Corporation tem uma subsidiária que constrói pontes. Ela está na indústria de aço ou de construção? Algumas empresas fazem ambos, canos de aço e canos de plástico. Elas estão na indústria de aço, na indústria de plástico ou na indústria de canos? Firmas com diversos processos, de fazer coque a congelar peixe, compram e vendem uma da outra. Então onde que a “indústria do aço” começa e termina?

[6] O texto em alemão se lê: “Trotzdem kann die Theorie der Produktion als Ganzes, die den Zweck des folgenden Buches bildet, viel leichter den Verhältnissen eines totalen Staates angepasst werden als die Theorie der Erzeugung and Verteilung einer gegebenen, unter Bedingungen des freien Wettbewerbes und eines grossen Masses von laissez-faire erstellten Produktion”

[7] Um controlador de preços encontrou, por exemplo, que existiam 350000 preços separados nos Estados Unidos para carvão. (Testemunho de Dan H. Wheeler, diretor do Bituminous Coal Division. Ouvindo acerca da extensão do Bituminous Coal Act de 1937).

[8] Cf. F. A. Hayek, Prices and Production, (Londres: George Routledge, 1935, 2ª edição, revisada), pp. 4-5, e Louis M. Spadaro, “Averages and Agreggates in Economics”, em On Freedom and Free Enterprise: Essays in Honor of Ludwig Von Mises (ed.) Mary Sennholz, (Princeton: Van Nostrand, 1956).

[9] Jules Backman e M. R. Gainsbrugh, Behavior of Wages (Nova Iorque), pp. 16, 18.