Capítulo XX – Empregos, Dinheiro e Preços

0
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

1. Uma relação “funcional” não comprovada

Espero não o ter dito muitas vezes, mas à medida que avançamos na Teoria Geral, as confusões e as falácias vão se tornando cada vez mais densas, e a multidão chega a um ponto em que a tarefa de desembaraçar o tráfego começa a parecer totalmente desesperada.

Isso não é surpreendente. Nos Capítulos 20 e 21, por exemplo, que vamos agora considerar juntos, “Keynes aplicado à teoria do dinheiro e dos preços”, como disse um keynesiano, “as ferramentas de análise que ele tinha desenvolvido anteriormente” no livro. Mas como estas “ferramentas de análise”, como vimos, quase todas consistiram em conceitos defeituosos e confusos, uma discussão de sua suposta interação apenas aumenta a confusão. Como já analisamos essas confusões básicas, eu não preciso repetir a análise, embora possa ser necessário lembrar o leitor de tempos em tempos dessas confusões básicas em chamar a atenção para as confusões adicionais e derivadas que surgem quando esses conceitos falaciosos são feitos à base de um raciocínio adicional sobre suas supostas inter-relações.

A substância do Capítulo 20, “A Função Emprego”, não precisa nos deter por muito tempo. É um esforço para trabalhar para fora de uma série de equações matemáticas a respeito da “função do emprego”. Keynes oferece uma alegada “definição” da “função de emprego” na página 280, mas o que ele realmente nos dá é, como em outros casos, uma equação sem uma definição. Ele nos diz, no entanto, que

“o objeto da função emprego [é] relacionar a quantia da demanda efetiva, medida em termos da unidade salarial, dirigida a uma determinada empresa ou indústria, ou ao conjunto da indústria com a quantidade de emprego, cujo preço de oferta da produção irá comparar com essa quantia da demanda efetiva” (p. 280)

O leitor pode fazer o que puder com isso; mas algumas dicas provavelmente economizarão seu tempo e esforço mental. A primeira coisa que ele pode fazer é deixar de lado a frase “medida em termos de unidade salarial”. Embora Keynes tenha definido a “unidade de salário” como uma “quantidade de emprego” (p. 41), sua explicação mostrou que ele realmente a definiu como significando apenas uma quantidade de dinheiro pago às pessoas empregadas. De fato, parece significar meramente a média nacional do salário-hora médio em qualquer momento como medido nos dólares.

Mas de acordo com o princípio filosófico da navalha de Occam, de que as entidades não devem ser multiplicadas desnecessariamente, é melhor pensar em qualquer contexto do número de horas trabalhadas, ou do número de homens empregados, ou dos pagamentos salariais totais, e omitir o conceito híbrido meramente confuso de “unidades salariais”. Se estas não significam mais do que a taxa média nacional de remuneração horária, e se esta for, por exemplo, de 2 dólares, então é fácil converter os pagamentos salariais totais em total de horas trabalhadas, ou vice-versa, se soubermos uma soma ou outra. Então nós saberemos pelo menos se o que nós estamos falando aproximadamente são as horas totais trabalhadas, ou a média de salário por hora – taxas em dólares, ou pagamentos de salário totais em dólares – e nós seremos pelo menos uma etapa mais próxima à claridade do pensamento.

Quando algumas outras simplificações foram feitas, vamos descobrir que tudo o que Keynes está a falar é da relação de “demanda efetiva” (outra concepção confusa – “o rendimento agregado [ou receitas] que os empresários esperam receber” [p. 55]) para a quantidade de emprego. Mas sem uma análise mais aprofundada, que razão há para supor que esta relação é uma relação “funcional” – que existe qualquer coisa como “a função de emprego”? Keynes nunca condescende em oferecer qualquer evidência estatística de que tal “função” existe (ou, já agora, que qualquer das suas outras “funções” existe), e certamente não oferece qualquer prova dedutiva plausível de que ela existe.

Tocamos aqui em um erro econômico que há muito tempo antedata Keynes. Ele pode ser rastreado até Cournot (1838) e foi ressuscitado em sua forma moderna, principalmente por Jevons (em 1871); é a base de uma enorme literatura de “economia matemática”. Quando uma relação empírica ou presuntiva parece existir entre uma “quantidade” econômica e outra, de modo que uma parece variar proporcionalmente, ou cada vez mais, decrescentemente, ou inversamente, com outra, alguns economistas caíram no hábito de chamar a primeira de “função” da segunda. Isto sugere uma analogia matemática; e talvez pouco dano seja feito enquanto for tratada meramente como uma analogia, como uma figura de linguagem. Não é objetável dizer, por exemplo, que, outras coisas permanecendo inalteradas, a demanda por uma mercadoria (no sentido da quantidade comprada) parece variar quase como se essa demanda fosse uma função decrescente do preço da mercadoria. Mas quando colocamos isso na forma de uma expressão matemática – obtemos, por exemplo:

D = f (p)

ou usar alguma notação semelhante para defender tal relacionamento, estamos em perigo de dar um salto ilícito. Assumimos na nossa fórmula que esta relação matemática existe. Claro que podemos assumir tal relação por hipótese, mas isso nunca pode render nada melhor do que uma conclusão hipotética. Não provamos mais que uma relação existe expressando-a em uma equação matemática do que expressando a mesma suposição em palavras. Estamos apenas mais em perigo de nos enganarmos a nós mesmos, porque tornamos nossa suposição precisa, embora possa estar precisamente errada.

Lembremo-nos, por exemplo, do que é exatamente uma “função”. Mais uma vez, tomo a definição:

“Se uma variável y está relacionada a uma variável x de tal forma que cada atribuição de um valor a x definitivamente determina um ou mais valores de y, então y é chamado de função de X.” (Meus itálicos)

Que um dado valor de x, em qualquer significado atribuído, definitivamente determina um ou mais valores de y, é algo que devemos provar ser verdadeiro e não algo que fazemos verdadeiro simplesmente porque o assumimos. A Seção I do Capítulo 20 sobre “A Função Emprego” consiste num conjunto de equações relativas a esta alegada função. Keynes assume que a relação funcional existe, mas nunca tenta prová-la. Não há, de fato, nenhuma razão boa para supor que qualquer relação funcional existe entre “demanda efetiva” e o volume de emprego. Tudo depende, de fato, das inter-relações entre as taxas salariais, os preços e a oferta de dinheiro. Não importa como a demanda monetária total baixa cai, o pleno emprego poderia existir no relacionamento apropriado dos salários aos preços. Não importa como a demanda monetária total elevada é empurrada, o desemprego existirá se um relacionamento impraticável existir entre as taxas salariais e os preços. Mas mesmo Keynes não parece levar muito a sério suas explorações matemáticas. No início da Seção I, ele comenta em uma nota de rodapé:

“Aqueles que (corretamente) não gostam de álgebra vão perder pouco omitindo a primeira seção deste capítulo” (p. 280).

2. Teoria geral do valor vs. teoria monetária

Como todas as outras grandes questões levantadas pelo Capítulo 20 são também levantadas pelo Capítulo 21 sobre “A Teoria dos Preços”, podemos proceder imediatamente a esta última.

Keynes abre este capítulo com um longo parágrafo que vale a pena citar na íntegra:

“Enquanto os economistas se preocupam com a chamada Teoria do Valor, eles estão acostumados a ensinar que os preços são governados pelas condições da oferta e da demanda; e, em particular, as mudanças no custo marginal e a elasticidade da oferta de curto prazo têm desempenhado um papel proeminente. Mas quando passam no volume II, ou mais frequentemente num tratado separado, para a Teoria do Dinheiro e dos Preços, já não ouvimos estes conceitos homólogos mas, inteligíveis e entramos num mundo em que os preços são governados pela quantidade de dinheiro, pela velocidade da moeda, pela velocidade de circulação relativa ao volume das transações, por acumulação, pela poupança forçada, pela inflação e deflação et hoc genus omne; e pouca ou nenhuma tentativa é feita de associar estas frases vagas às nossas antigas noções das elasticidades da oferta e da demanda. Se refletirmos sobre o que estamos sendo ensinados e tentarmos racionalizá-lo, nas discussões mais simples parece que a elasticidade da oferta deve ter se tornado zero e a demanda proporcional à quantidade de dinheiro; enquanto no mais sofisticado estamos perdidos em uma bruma onde nada está claro e tudo é possível. Todos nós nos habituamos a encontrar-nos de um lado da lua e por vezes do outro, sem saber que rota ou viagem os liga, relacionados, aparentemente, com a moda do nosso despertar e das nossas vidas sonhadoras.” (p. 292)

Esta sátira teria tido muito mais sentido se tivesse sido feita uma geração antes. Soa, de fato, suspeitosamente como uma alusão dissimulada ao próprio professor de Keynes, Alfred Marshall. Mas na época em que apareceu, em 1936, já não se aplicava, pelo menos aos pioneiros do pensamento econômico. Knut Wicksell’s Lectures on Political Economy, em dois volumes (Vol. I: General Theory, Vol. II: Money) apareceu em uma edição inglesa em 1934 e 1935. Existiam em alemão desde 1901 e 1906. Essas palestras fizeram passos gigantescos em direção a uma reconciliação e unificação da teoria do “Valor” e da teoria monetária. A “Theorie des Geldes und der Umlaufsmittel” de Ludwig von Mises, que levou esta unificação ainda mais longe, apareceu em sua primeira edição em alemão já em 1912, e em sua segunda em 1924; foi traduzida para o inglês como Theory of Money and Credit em 1934. Na América, The Value of Money, de Benjamin M. Anderson, que apareceu pela primeira vez em 1917, foi em grande parte um protesto contra a tradição e prática de colocar a teoria econômica geral e a teoria monetária em compartimentos separados. O livro de Anderson havia aparecido em uma segunda edição em 1936.

Será que Keynes estava ciente de tudo isso? Se sim, por que ele ignorou tudo isso no parágrafo que acabamos de citar? Não se gosta de escrever sobre ele, como Wicksell escreveu sobre Gustav Cassel, que ele ignorou aqueles que o tinham antecipado porque ele desejava “a todo custo ser estimado como um teórico original e até mesmo pioneiro”. Mas é preciso escolher entre esta explicação ou a explicação da pura ignorância. E Keynes (mesmo na Teoria Geral) faz referências (embora amplamente depreciativas) ao trabalho de Wicksell e Mises.

Mas talvez a dicotomia entre a teoria do valor geral e a teoria monetária nunca tenha sido tão nítida como o retrato satírico de Keynes assume. O progresso científico em todos os campos, é feito isolando um problema; estudando o efeito de uma força ou fator de cada vez. Nas ciências físicas isto é feito através do método de hipótese testado por experimento. Nas ciências sociais o experimento em qualquer sentido científico significativo é impossível, e o método de isolar hipóteses deve ser a principal confiança. O próprio Keynes admite isso no Capítulo 20:

“O objetivo de nossa análise é prover-nos de um método organizado e ordenado de pensar os problemas particulares; e, depois de termos chegado a uma conclusão provisória isolando os fatores complicadores um a um, temos então que voltar atrás e permitir, o melhor que pudermos, a provável interação dos fatores entre si.” (p. 297)

Este foi o método originado pelos economistas clássicos, e especificamente pelo bête noire de Keynes, Ricardo. Eles abstraíram, entre outras coisas, do dinheiro, a fim de simplificar e tornar manejável o problema do valor. Numa frase talvez infeliz de Mill, tentaram “olhar para trás do véu monetário”. Seu erro não foi em fazer isso, mas em esquecer mais tarde que haviam se abstraído do dinheiro, e que suas conclusões eram, portanto, excessivamente simplificadas e mais hipotéticas do que realistas. E quando reintroduziram o dinheiro, ou discutiram problemas monetários, cometeram o erro adicional de esquecer o que tinham aprendido quando se tinham abstraído do dinheiro. Eles falharam, em suma, em colocar os dois conjuntos de problemas juntos; ou melhor, suas soluções foram simplesmente coladas juntas, não unificadas. Os “economistas monetários” e os “economistas gerais” trabalharam em quadros de referência separados, e ambos foram perdidos pela separação.

Curiosamente, Keynes faz quase a mesma coisa. Seu próprio esforço na unificação da teoria monetária e da teoria geral dos valores, bem como da teoria “estática” e “dinâmica”, não tem sucesso. Não tem sucesso por causa de uma série de erros específicos, alguns deles espantosos.

O método geral de Keynes, no Capítulo 20, de introduzir uma série de hipóteses simplificadoras na teoria do valor e do dinheiro e dos preços e depois reintroduzir “as possíveis complicações que irão de fato influenciar os acontecimentos” é correto em princípio. Mas ele é malsucedido no resultado porque algumas de suas simplificações e complicações são as simplificações e complicações erradas, e porque alguns de seus conceitos fundamentais são enganadores ou falsos.

Ao discutir dinheiro, por exemplo, ele nos diz em itálico:

“A importância do dinheiro decorre essenci­almente do fato de ser uma ligação entre o presente e o futuro” (p. 293)

E, mais uma vez:

“O dinheiro nos seus atributos significativos são, acima de tudo, um dispositivo de ligação entre o presente e o futuro.” (p. 294)

Devo dizer, pelo contrário, que a importância do dinheiro flui essencialmente do fato de ser um meio de troca, e que seu atributo mais significativo é que ele funciona como meio de troca. No desempenho desta função, é verdade, o dinheiro serve, aliás, como um “elo” entre o presente e o futuro; mas o mesmo acontece com todo o tipo de outras coisas. O dinheiro está longe de ser único a este respeito. Pode-se duvidar se, na vida econômica, ele serve até mesmo como a principal ligação entre o presente e o futuro. Essa honra deve ser reservada preferencialmente para a taxa de juro (que não é, apesar das teorias de Keynes, um fenômeno puramente monetário). Outra ligação entre o presente e o futuro é o sistema de preços “a prazo” e “futuros” nas trocas organizadas. Todos os preços, de fato, mesmo os preços atuais de títulos e mercadorias, são elos entre o presente e o futuro, pois incorporam e refletem as antecipações dos compradores e vendedores em relação ao futuro.

É verdade que tais preços se expressam em termos de dinheiro; mas também antecipariam o futuro se fossem expressos em termos um do outro – se o preço do trigo fosse expresso em termos de algodão ou do algodão em termos de trigo. Naturalmente, os preços expressos em termos de dinheiro refletem também as antecipações relativas ao valor futuro da própria unidade monetária. Mas o dinheiro, enquanto tal, não tem uma qualidade única que reflita as antecipações em relação ao futuro. Com efeito, são as antecipações dos homens em relação ao futuro, e não os termos materiais particulares em que essas antecipações são expressas, que constituem a verdadeira “ligação” entre o presente e o futuro. Os homens atuam constantemente com os olhos no futuro; e as suas ações e valorizações expressam as suas antecipações em relação a esse futuro.