CIA admite divulgar informações falsas sobre a Ucrânia

1
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

No final do ano passado, uma pesquisa Gallup mostrou que a confiança dos americanos na grande mídia caiu para seu segundo nível mais baixo já registrado. Apenas 7% dos americanos responderam que têm “muita confiança” na mídia.

Essa perda de confiança foi merecida pela grande mídia e explica o crescimento maciço da mídia independente e vozes alternativas nas mídias sociais. A resposta ao surgimento de vozes de mídia independente tem sido uma corrida para “cancelar” qualquer voz fora da narrativa mainstream oficial.

Cidadãos da União Soviética leriam mídia manipulada como o Pravda não porque o regime reportava os fatos, mas porque a verdade estava escondida nas entrelinhas do que foi reportado e do que não foi reportado. Isso parece ser onde estamos nos EUA hoje.

Na semana passada, um artigo extraordinário apareceu, quem diria, na NBC News, relatando que a inteligência dos EUA está conscientemente fornecendo informações que não acredita serem precisas para a grande mídia dos EUA passar para o público.

Em outras palavras, o artigo relata que o “estado profundo” dos EUA admite estar ativamente engajado em mentir para o povo na esperança de poder manipular a opinião pública

De acordo com o artigo da NBC News, “vários funcionários dos EUA reconheceram que os EUA usaram a informação como arma, mesmo quando a confiança na precisão da informação não era alta. Às vezes, usou inteligência de baixa confiança para efeito dissuasor…”

Os leitores se lembrarão das manchetes chocantes de que a Rússia estava preparada para usar armas químicas na Ucrânia, que a China forneceria equipamentos militares à Rússia, que o presidente russo Putin estava sendo alimentado com desinformação por seus assessores e muito mais.

Tudo isso foi produzido pela CIA para ser repetido na mídia americana, mesmo sabendo que era falso. Era tudo, como disse um oficial de inteligência no artigo, “para tentar entrar na cabeça de Putin”.

Esse pode ter sido o objetivo, mas o que a CIA realmente fez foi entrar na cabeça do público americano, e mundial, com informações falsas destinadas a moldar a percepção pública do conflito. Eles mentiram para nos fazer propaganda em favor da narrativa do governo Biden.

Aqueles que promoveram a farsa do “Russiagate” durante os anos Trump alegaram que o objetivo da “desinformação russa” era minar a confiança dos americanos em nosso governo, mídia e outras instituições. Não é irônico que a própria CIA tenha feito mais do que os russos para minar a fé dos americanos na mídia, divulgando histórias falsas para estabelecer uma narrativa particular entre o povo americano?

Após o desastre da Baía dos Porcos, o presidente Kennedy foi citado como querendo “estilhaçar a CIA em mil pedaços e espalhá-la aos ventos”. Isso não funcionou muito bem para ele. Como o senador Chuck Schumer disse a Rachel Maddow em 2020, respondendo às críticas do presidente Trump à CIA, “deixe-me dizer: você enfrenta a comunidade de inteligência – eles têm seis maneiras a partir de domingo de se vingar de você”.

À medida que mais informações sobre as atividades da Inteligência dos EUA na tentativa de derrubar Trump aparecem, parece que, pela primeira vez, Schumer estava certo.

É hora de revisitar o desejo pós-Baía dos Porcos do presidente Kennedy. A CIA usando mentiras para manipular o povo americano em direção à guerra com a Rússia é apenas uma das milhares de razões para espalhar um milhão de pedaços dessa agência ao vento.

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorO que Lia Thomas e Covid têm em comum
Próximo artigoSobre a defesa do Estado
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007).O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

1 COMENTÁRIO

  1. Uma agência de segurança privada não tem um departamento específico para espionar e matar donos de outras agências e ameaçar o próprio patrão em caso de demissão. Se fosse o caso, tudo isso deveria ser feito de maneira ilegal e muito provavelmente, essa agência teria vida curta.

    Aliás, uma questão que também não é debatida por ninguém que julgue as agências privadas, é a questão da propriedade privada, ou seja, uma agência tem um dono. Se o livre mercado as coisas não funcionassem as agências também não funcionariam, e se transformariam em gangues. Ou seja, como dizem os libertários: se a sociedade privada faz pão sem que estejamos comendo serragem no lugar de farinha, pode fornecer serviços de justiça e segurança, sem monopólios de violência e criminalidade sempre em ascenção.