Coca-Cola, favoritismo e guerra às drogas

5
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Todo mundo sabe que a fórmula original da Coca-Cola continha cocaína, mas a história menos conhecida da Coca-Cola tem outros componentes interessantes que envolvem o governo, o favoritismo e a Guerra às Drogas.

A primeira lei federal sobre drogas foi o Harrison Narcotics Act, aprovada em 1914, que criminalizou a venda não licenciada de cocaína e produtos de ópio. Mas não é por isso que a cocaína foi removida da Coca-Cola. Na verdade, o alcalóide da cocaína foi removido da fórmula da cocaína em 1903 devido às pressões da imprensa contra o uso da cocaína. Para evitar irritar e alienar uma base de consumidores, a empresa removeu o componente narcótico de seu produto.

A propósito, isso é o que nós, capitalistas, chamamos de “regulação do mercado” para todos vocês que acreditam que o governo é necessário para regular os excessos imprudentes do mercado livre. A única acusação criminal já movida contra a Coca-Cola por sua fórmula, na verdade, foi em 1911, quando o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos acreditou que a empresa estava “comercializando e vendendo uma bebida adulterada que era prejudicial à saúde porque continha um ingrediente prejudicial, ou seja, cafeína”, de acordo com o chefe do Bureau de Química.

Essa não é a parte interessante da história, no entanto. A Coca-Cola não eliminou o uso da folha de coca em sua fórmula porque era um ingrediente aromatizante necessário. No entanto, o Harrison Narcotics Act tornou a folha de coca uma substância regulamentada, e a importação dela foi estritamente regulamentada pelo governo federal, que também decidiu que uso um importador licenciado poderia dar ao produto.

Primeiros favores do governo para grandes empresas farmacêuticas

Isso resultou em duas empresas – Merck & Co., Inc. e Maywood Chemical Works – recebendo licença de monopólio para a importação de folhas de coca in natura (elas só podiam importar as matérias-primas como um meio de impedir que o processo de fabricação ocorresse em países estrangeiros). A Merck foi autorizada a importar folhas de coca do Peru e de Java com o propósito de extrair o alcalóide da cocaína e processá-lo em analgésicos. Maywood recebeu permissão para importar as folhas para extrair e destruir o alcalóide da cocaína para a produção do “Merchandise Nº5” não narcótico, que é o ingrediente aromatizante à base de folha de coca ainda usado na Coca-Cola hoje. Isso tornava cada empresa um monopólio concedido pelo governo, uma de analgésicos e a outra como o único fornecedor da Coca-Cola Company.

O favoritismo farmacêutico aumentou na década de 1930, quando o governo quis reunir suprimentos excedentes de analgésicos – tanto à base de cocaína quanto de ópio – para fornecer aos aliados de guerra. Em 1933, quando Franklin Roosevelt assinou uma ordem executiva que exigia que todos os cidadãos entregassem seu ouro de propriedade privada, os suprimentos de ouro dos EUA foram transferidos dos cofres do Tesouro para Fort Knox. Com os cofres vazios, o chefe do Bureau Federal de Narcóticos, Harry Anslinger, decidiu enchê-los de narcóticos, dando um pequeno contrato favorável à Merck & Co. Aliás, isso foi uma violação da Convenção de Genebra de 1931, que deu cotas nacionais para países pela quantidade aceitável de estoques de medicamentos que poderiam ser mantidos. O FBN excluiu os estoques de segurança nacional desses cálculos.

A licença de Maywood como importador de folha de coca pode ser ainda mais interessante, no entanto. Na década de 1930, a Coca-Cola era maciçamente popular, razão pela qual o governo dos Estados Unidos estava disposto a conceder-lhes uma exceção para a obtenção de um produto regulamentado (mesmo sem o elemento narcótico, a própria folha de coca era uma substância regulamentada). Já na década de 1930, outros concorrentes, como o S.B. A Penick Company tentou obter permissão para comprar ingredientes aromatizantes de folha de coca de Maywood, mas todos esses pedidos foram recusados ​​por Anslinger. O governo federal estava oficialmente trabalhando para suprimir potenciais concorrentes da Coca-Cola.

Com a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, a Coca-Cola estava fazendo lobby e recebendo ainda mais exceções especiais às regulamentações governamentais que seus concorrentes não desfrutavam. Em 1942, um executivo da Coca-Cola sentou-se no conselho de racionamento de açúcar e obteve isenções especiais das restrições, o que lhes permitiu abrir sessenta e quatro novas fábricas de engarrafamento, enquanto outros produtores de refrigerantes em potencial tinham dificuldade em obter ingredientes devido a restrições comerciais do governo.

Em 1949, os ativos da empresa de Maywood foram confiscados pelo governo porque ela foi fundada por um alemão – Dr. Louis Schaefer – e era propriedade do “inimigo”. As ações de Maywood seriam colocadas em leilão pelo Office of Alien Property, e o único comprador em potencial era o S.B. Penick Company, que durante anos teve negado o direito legal de comprar ingredientes aromatizantes de folha de coca. Assim, Ralph Hayes, um executivo da Coca-Cola, escreveu a Harry Anslinger pedindo intervenções para proteger seu monopólio.

Uma intrincada teia de monopólios governamentais

Esse capitalismo de compadrio impediu a nacionalização da empresa Maywood, uma vez que eles haviam cooperado com o governo durante a guerra (então o favoritismo venceu a nacionalização, neste caso). Mas o monopólio da Coca-Cola sobre os ingredientes da coca ainda era seguro.

Durante a Guerra Fria, a Coca-Cola foi auxiliada pelo governo dos Estados Unidos em sua expansão global, como forma de divulgar a empresa como um exemplo (irônico) do “capitalismo” americano e de sua superioridade em relação ao comunismo. Alemanha e França, por exemplo, tentaram impor restrições legais à expansão da Coca-Cola em seu país. Anslinger respondeu agindo pessoalmente como mediador com governos estrangeiros em nome da Coca-Cola. Ele até usou a política global de drogas como justificativa para fazer com que a Divisão de Relações Exteriores do Escritório de Assuntos Políticos “desencorajasse [os países estrangeiros] a importação de folhas de coca para o propósito [da produção de refrigerantes] tanto quanto possível.”

Em 1959, a Maywood Chemical Works foi absorvida pela Stepan Company, que mantém uma licença de monopólio sobre a importação de folhas de coca até hoje (agora produz o extrato aromatizante e o alcalóide de cocaína para fins farmacêuticos, tornando-se o único importador licenciado de folhas de coca), e a Coca-Cola continua sendo a única empresa com o privilégio de obter ingredientes aromatizantes de folha de coca não narcóticos.

Deve ficar claro que os primeiros anos da Coca-Cola demonstram que a empresa foi capaz de prosperar competitivamente em um mercado livre sem ter que recorrer a privilégios governamentais. Além disso, seus primeiros anos demonstram a adaptabilidade de uma empresa privada para responder positivamente às pressões do consumidor sem supervisão governamental, pela remoção do componente entorpecente de sua bebida onze anos antes da proibição legal da cocaína. Mas o sucesso da Coca-Cola como megaempresa que é hoje se deve, pelo menos em parte, aos privilégios especiais concedidos pelo governo durante a Segunda Guerra Mundial e à supressão de concorrentes em potencial nos primeiros anos das políticas antidrogas de Harry Anslinger. Como resultado, a Coca-Cola é o produto de favoritismo corrupto e um beneficiário único da Guerra às Drogas, e isso continua sendo verdade até hoje.

 

Artigo original aqui.

5 COMENTÁRIOS

  1. Excelente Artigo. Parabéns também pelas novas funcionalidades e melhoras no site. Ficou bem legal 🙂

    Deixo como sugestão uma melhora na tradução do termo em inglês “cronyism” ou “crony capitalism” que aqui foi traduzido como “clientelismo”. Creio que esses termos seriam melhor traduzidos como “capitalismo clientelista” ou “capitalismo de compadrio” ou ainda “favoritismo”… Isso por que no Brasil o termo “clientelismo” também significa compra de votos. Links que mostram o que falei:

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Clientelismo

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Capitalismo_clientelista

  2. Exatamente assim que eu vejo o capitalismo: empresas competentes e que sobreviveriam em qualquer mercado livre. Mas por uma questão que é impossível evitar, elas são colocadas contra a parede: crescer indefinidamente com a ajuda dos mafiosos do estado ou fechar?

    Infelizmente eu não culpo essas empresas, elas só respondem a incentivos.