Como o bitcoin pode destruir o socialismo na Venezuela

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Entre hiperinflação, operações petrolíferas paralisadas e tensões cada vez mais profundas com os Estados Unidos, é seguro dizer que a Venezuela está em crise e são os venezuelanos comuns os que mais sofrem.

A hiperinflação significa que muitos venezuelanos são forçados a usar dólares do mercado negro para comprar mercadorias. No entanto, há esperança no horizonte. Criptomoedas como o Bitcoin podem ajudar os venezuelanos a sair da crise criada pelo próprio governo e prosperar.

Um bolívar derretendo causou desastre econômico

O uso de criptos na Venezuela foi impulsionado por um colapso econômico catastrófico. Desde 2013, o valor do bolívar venezuelano perdeu mais de 200.000% em valor em comparação com o dólar dos EUA. Isso levou à disparada dos preços. Esta situação piorou significativamente com o agravamento das sanções americanas e o aumento do desemprego.

Isso levou a um aumento da emigração e, portanto, a um aumento nas remessas enviadas de volta para o país. A Ecoanalítica estimou que em 2019 cerca de US$ 4 bilhões fluíram de volta para a Venezuela do exterior e que houve outros US$ 1,5 bilhão em saques de contas em bancos estrangeiros. No entanto, essas remessas geralmente perdem muito valor se enviadas pelos meios tradicionais, e cada dólar conta em um país que enfrenta a escassez de quase todas as necessidades.

Os venezuelanos recorreram à criptomoeda para sobreviver

Diante desses problemas, os venezuelanos se voltaram para o Bitcoin e outras criptomoedas. Ao contrário dos dólares americanos, o Bitcoin (BTC) pode ser comprado digitalmente e diretamente usando as trocas Peer2Peer (P2P). É um ativo que pode ser adquirido em qualquer parte do mundo.

Isso permitiu que os venezuelanos convertessem digitalmente remessas ou contas bancárias estrangeiras em criptomoedas. Tem a vantagem de ser mais estável do que o bolívar local. Na verdade, recentemente, o valor das principais criptomoedas tem aumentado.

A Venezuela é um dos países que mais rapidamente adotaram a criptomoeda no mundo. Normalmente, os venezuelanos não mantêm a criptomoeda como uma proteção de longo prazo contra a inflação. Em vez disso, eles o estão usando para comprar alimentos, suprimentos médicos e compras do dia-a-dia.

Para se adaptar a isso, os comerciantes na Venezuela começaram a aceitar diretamente pagamentos em BTC. Um acordo entre a criptomoeda panamenha Cryptobuyer e a processadora de pagamentos venezuelana Mega Soft criou cerca de 20.000 terminais de ponto de venda no país sul-americano.

No entanto, mesmo com esses serviços, o Bitcoin pode ser difícil de usar e muitos venezuelanos optaram por soluções de custódia como o AirTM. Essa carteira permite que os venezuelanos gastem seu Bitcoin dentro de uma rede, tornando mais fácil enviar e receber criptomoedas.

Isso é particularmente útil para freelancers e torna mais fácil para os venezuelanos fazer compras no exterior. Sem o Bitcoin e as empresas privadas que oferecem serviços relacionados, seria extremamente difícil para muitos venezuelanos viverem.

O governo venezuelano está tentando tomar o controle da Revolução Cripto

A criptomoeda é uma tábua de salvação para muitos venezuelanos, mas é uma dor de cabeça para o governo de Nicolás Maduro. Um dos principais pontos positivos do Bitcoin é que ele fornece uma maneira para os cidadãos se envolverem no comércio e em transações sem a interferência do governo. Isso permite que um mercado negro se forme fora do controle do governo, o que poderia enfraquecer seu controle sobre a população.

Para combater isso, o governo tomou medidas para criar uma criptomoeda nacionalizada. A primeira tentativa foi criar o Petro em 2018. Essa moeda estava ligada ao petróleo venezuelano e fornecia uma alternativa aprovada pelo estado a outras criptomoedas. O governo impulsionou avidamente a criptomoeda e tornou obrigatórios os pagamentos de passaportes e outros serviços do governo em Petro.

Apesar deste apoio, o Petro caiu. Muitos estavam preocupados com relatos de que o petróleo venezuelano que supostamente lastreava a moeda não existia e que o verdadeiro patrocinador era a operadora petrolífera estatal endividada PDVSA. Além disso, o Petro contou com apoio externo limitado dos aliados da Venezuela. Como os venezuelanos estavam relutantes em adotar a criptomoeda, o Petro está praticamente morto.

Governo venezuelano por trás das criptomoedas

No entanto, o governo venezuelano não abandonou suas ambições de criptomoeda. Ele percebeu que pode tirar proveito da natureza privada das criptomoedas para contornar as sanções internacionais.

Em setembro, Maduro anunciou que seu governo começaria a usar criptomoedas para o comércio doméstico e internacional. Parece que o governo planeja fazer experiências mantendo Bitcoin e Ethereum para ajudar a substituir suas estáticas reservas de óleo.

Por trás deste anúncio, o governo venezuelano introduziu uma nova plataforma DeFi chamada BDVE que supostamente permitirá que os cidadãos venezuelanos troquem tokens ERC20 sem custódia. No entanto, muitos observadores estão céticos sobre as alegações do governo de que ela é descentralizado e o processo de registro exige que os usuários revelem suas identidades.

Poderia a Crypto marcar o fim do socialismo na Venezuela?

Embora pareçam tentativas desesperadas de um governo de retomar o controle, a adoção da criptomoeda pelo governo venezuelano pode ser um sinal de mudança positiva. Se continuar com as tentativas de construir plataformas apoiadas pelo estado, isso irá apresentar a mais venezuelanos a ideia da criptomoeda e pode aumentar ainda mais o uso da criptomoeda.

A Glasnost e a Perestroika trouxeram as liberdades que eventualmente desencadearam o colapso da União Soviética. Podemos estar testemunhando o início de um fenômeno semelhante na Venezuela. É inteiramente plausível que as liberdades econômicas apoiadas pelo estado na forma de criptomoeda ajudem a enfraquecer o controle do governo sobre seus cidadãos e, inadvertidamente, introduza políticas econômicas mais libertárias ao enfraquecer o controle do estado.

Em qualquer caso, o aumento do acesso à criptomoeda só pode ser positivo para os venezuelanos. Um meio de pagamento e transferência mais líquido e estável contribuiria para mitigar as decisões desastrosas do governo socialista na nação sul-americana.

Com alguma sorte, as moedas descentralizadas poderiam ajudar a quebrar o domínio do Estado e permitir que os venezuelanos finalmente respirassem livremente.

 

Artigo original aqui.