Como a resposta catastrófica de Trump ao Covid o fez perder a reeleição

6
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

O presidente Trump gozava nos primeiros dias de 2020 de uma posição de incrível força. No início do ano, nenhum analista sério teria dito que ele corria o risco de perder as eleições de 2020. A economia americana estava crescendo, com sólidos números de empregos, nenhuma grande crise internacional, e o presidente estava preparando uma agenda ousada para seu segundo mandato para “drenar o pântano” e reforçar suas prioridades de política interna. A fraude eleitoral sempre foi um fator potencial a ser monitorado, mas não havia nenhum esquema de votação por correspondência massivo e sem precedentes com que se preocupar.

Mas notícias vindas de Wuhan, China, indicaram que uma situação potencialmente ameaçadora estava acontecendo. Em 29 de janeiro, o presidente Trump agiu com pressa ao autorizar a criação de uma Força-Tarefa para o Coronavírus na Casa Branca. Um mês depois, a pequena força-tarefa se expandiu para incluir o vice-presidente Mike Pence como seu presidente. No que será considerado um erro catastrófico de delegação de poder, o vice-presidente decidiu nomear a Dra. Deborah Birx como coordenadora de resposta da força-tarefa. Antes da crise do COVID, Birx era mais conhecida por seu trabalho em uma vacina contra o HIV/AIDS, que não existe. Ela nunca esteve perto de ter acesso às alavancas do poder nos EUA.

A força-tarefa COVID logo cresceria para 27 membros, mas vários dos indivíduos nomeados para a força-tarefa são funcionários de gabinete e não poderiam dedicar todos os seus esforços ao coronavírus. Isso levou a uma brecha que permitiu ao Dr. Anthony Fauci, Dra. Deborah Birx, Diretor do CDC Robert Redfield, Cirurgião Geral Jerome Adams e alguns outros monopolizarem o balcão de políticas criado pela força-tarefa para a crise do coronavírus.

Com grande parte do mundo sucumbindo ao medo, pânico e histeria totais, e uma onda de novas quarentenas atingindo a Europa e outros lugares, o presidente Trump permaneceu incrivelmente equilibrado. Ao falar sobre a COVID-19, o presidente lembrou a seus colegas que a “cura não poderia ser pior do que a doença”. Havia uma chance de que os Estados Unidos se juntassem à Suécia e a um punhado de outras nações que resistiam à tendência de apertar o botão da autodestruição.

Fauci e Birx tinham outros planos e acabaram descobrindo um método diabólico para aumentar a pressão a tal ponto que o presidente finalmente concordaria com suas demandas.

Em meados de março, com a “onda europeia” em pleno andamento, os dois burocratas do governo apresentaram ao presidente modelos epidemiológicos lixo que pareciam mais uma negociação de refém do que um conselho político. Birx e Fauci garantiram a suposta ciência de um mero modelo concebido por um punhado de acadêmicos na Inglaterra, que afirmava que milhões de americanos morreriam se o presidente Trump não fechasse o país imediatamente. O coronavírus foi apresentado como uma bomba-relógio que varreria uma porcentagem significativa da nação se o presidente não agisse imediatamente. Sob enorme pressão para “fazer algo” para reagir à crise, o presidente cometeu o erro fatal de concordar com o que foi anunciado como uma política de quarentena temporária de duas semanas. Ao apertar um botão, o presidente autorizou o plano de resposta federal, e os governadores estaduais estavam instituindo o que era vendido como uma pausa de 15 dias para resguardar a capacidade hospitalar para a onda supostamente mortal que estava chegando aos Estados Unidos. Fomos informados de que depois de duas semanas, as coisas poderiam voltar ao normal e que os 30 milhões de pequenos negócios em todo o país seriam capazes de se reabrir relativamente ilesos.

Quinze dias para retardar a propagação, então, se tornou trinta dias para diminuir a propagação. A chamada crise continuou crescendo a tal ponto que os membros da força-tarefa logo não estavam nem mesmo abordando o ponto final de suas demandas políticas draconianas. O presidente, que já tinha sérias dúvidas sobre as políticas impulsionadas por Fauci, Birx, Redfield e tripulação, acabou cedendo tanto território aos burocratas da saúde pública que às vezes parecia ter entregue as chaves de sua presidência à força-tarefa.

As postagens das metas políticas da Fauci-Birx continuaram a mudar drasticamente ao longo da primavera. Os objetivos não eram mais resuardar a capacidade hospitalar, mas transformar permanentemente a nação em um regime sanitário COVID, apesar dos dados em andamento mostrarem uma doença que não era tão ameaçadora quanto pensavam. A economia dos EUA não estava mais crescendo. Em vez disso, foi uma queda livre autoinfligida. Dezenas de milhões de americanos estavam em crise e bem no meio do que agora era um ciclo eleitoral acalorado. As políticas de coronavírus dos burocratas da saúde estavam destruindo o tecido da nação, e a presidência estava agora à disposição. O presidente não podia mais apontar para seu histórico econômico, seu regime de tempos de paz ou sua mão firme, porque todos esses pontos de discussão estavam sendo comprometidos por políticas ruins de coronavírus.

De repente, o presidente estava agora na defesiva, tendo perdido completamente a narrativa para os traficantes de pânico no governo e na mídia. A campanha de 2020 se tornará uma eleição disputada.

O presidente Trump, tendo evoluído para “Time da Razão” na política do COVID, e tendo aberto os olhos para a realidade de que o coronavírus não estava nem perto da propaganda mentirosa exagerada de destruição uma vez prometida por Fauci e Birx, queria tomar medidas para corrigir o passado.

Ele tentou recriar a narrativa e trazer de volta uma política razoável e racional, mas era tarde demais. Os EUA já havia decidido comprar a pseudociência que Fauci e Birx, entre outros, estavam vendendo para eles. Não era mais politicamente adequado simplesmente descartar sua capitulação anterior aos burocratas da saúde pública em sua força-tarefa. Fauci havia se tornado uma celebridade adorada com índices de aprovação sólidos e, infelizmente, grande parte da nação agora era propagandeada para apoiar as quarentenas desastrosas que estavam destruindo a nação.

Muitos do lado do “Time da Razão” do debate celebraram a nomeação do Dr. Scott Atlas – a pedido pessoal do presidente Trump – como um alento de ar fresco desesperadamente necessário para uma força-tarefa que estava vendendo ideias fracassadas e ciência lixo. Mas Atlas, sem nenhuma culpa, não conseguiu causar impacto na força-tarefa. Isso porque a solução estava pronta desde o início. A equipe montada pelo vice-presidente Pence, que neste ponto estava sem desculpas, publicamente recomendando uma agenda política COVID extrema de destruição econômica e social, começou a trabalhar imediatamente para se distanciar de Atlas e travou uma campanha de guerra de informação completa contra ele.

Fontes do governo Trump, que tiveram acesso em primeira mão às reuniões e conversas da Força-Tarefa do Coronavirus, deixaram claro para mim que os burocratas da saúde assumiram como missão destruir e deslegitimar Scott Atlas, que silenciosamente renunciou ao cargo no final de novembro. Fontes familiarizadas com o processo de pensamento de Atlas me disseram que ele estava incrivelmente frustrado com a devoção dos burocratas do governo às suas intervenções não farmacêuticas, como quarentenas, decretos de máscara e outras formas de devastação social e econômica. Atlas também permaneceu frustrado com o que poderia ser descrito como uma falta de intelecto geral na força-tarefa.

Surgiram e-mails mostrando que membros da Força-Tarefa da Casa Branca, como Birx, Fauci, Redfield e outros ficaram furiosos porque o Dr. Atlas chegou com um conjunto diferente de ideias, e acertadamente o perceberam como uma ameaça ao seu monopólio de campanhas pro-quarentenas COVID. Birx, por sua vez, costumava enviar e-mails por meio de canais privados para repórteres da mídia e seus colegas buscando minar as ideias apresentadas por Atlas, ao mesmo tempo que se recusava a defender suas ideias ou debater pessoalmente suas soluções.

Quando o presidente Trump decidiu repreender a força-tarefa ao pedir um rápido retorno à normalidade, o dano político já havia sido feito. A mensagem de campanha do presidente ficou presa em um lugar estranho entre tentar ter seu bolo COVID e comê-lo também, ao reconhecer que as pesquisas mudaram na direção do campo restricionista.

Ao concordar com os pedidos de resgate iniciais de Fauci e Birx, o presidente colocou em movimento uma onda de ímpeto contra ele que ele nunca poderia parar.

Estamos agora a poucos dias de o presidente Trump ser substituído por Joe Biden, e a Força-Tarefa COVID da Casa Branca, liderada por burocratas de carreira e políticos incompetentes, continua sua missão desesperadora. Por razões que permanecem obscuras, Fauci, Birx e sua gangue permanecem na Força-Tarefa COVID e, até hoje, a Casa Branca ainda está levando o pânico corona aos estados de todo o país. A Força-Tarefa continuará viva e, para o deleite não tão oculto de seus membros, o presidente Trump não é mais presidente.

 

Artigo original aqui.

6 COMENTÁRIOS

  1. Muito interessante a análise, mas acho difícil ter sido diferente. Trump não tem formação científica e seguiu o que aparentes especialistas diziam. A certeza absoluta deles no que dizem deixa qualquer mortal comum com medo de divergir. Quem conhece ciência e percebe o logro, mesmo assim é taxado de “negacionista”. Vence a narrativa.

  2. Artigo interessante. Ás vezes eu esqueço que aqui é o Rothbard Institute. Quando eu li o título eu pensei: esses caras agora endossaram a narrativa do Covid – 19, já que o Trump chamou o coronga de gripizinha desde o início? terá sido esse o erro? Graças a Deus é sempre um susto.

    Usando a questão do coronga como comparação: o Trump perdeu a eleição com fraude ou ele perdeu a eleição da fraude?

    É possível concordar de maneira tranquila a partir do texto: Trump perdeu a eleição com fraude, não por causa da fraude. Ou seja Trump testou positivo para a fraude, mas não foi isto que o matou. O sistema democrático é muito fácil de ser fraudado, exatamente por isso ele não tem a menor credibilidade. Mesmo se eu defendesse a democracia e a máfia estatal, eu acharia mais razoável os políticos serem escolhidos por sorteio. E fraude não quer dizer somente roubar na contagem de votos, é permitir que as grandes corporações influenciem as decisões políticas que levam a possibilidade de fraude.

    Mas o sistema também não é completamente inútil também, ao menos para sinalizar para onde anda a vontade popular. Neste sentido, se não fosse o vírus, nem com fraudes em massa o Trump perderia essa. Como todo o roubo, ele tem limites. A resposta equivocada de Trump ao trazer seus inimigos para dentro da trincheira, possibilitou que o efeito rolo compressor que traria a vitória, tornasse uma eleição disputada. Aí sim, quando chegamos neste ponto, a democracia mostra que não serve para nada. Quando temos uma eleição decidida no detalhe, nem precisa de fraude nenhuma: ela já está fraudada por não representar a vontade dos eleitores.

    No geral, as pessoas ridicularizam as eleições em Cuba – pior que tem, quando os percentuais apontam mais de 99% de votos no vencedor – mesmo que a eleição seja indireta. Isso prova a consistência do sistema com ele mesmo, o que lhe garante legitimidade. Eu penso o contrário: se fosse em uma democracia do tipo ocidental, é bem provável que não houvesse fraude no sistema. Somente uma força centrífuga muito forte impulsionaria as pessoas a votarem no mesmo candidato.

    É uma pena, jamais saberemos como seria viver em um mundo sem guerras por mais 4 anos, já que os falcões voltaram para a Casa Branca. O complexo industrial militar sorri no inferno.

    • Perder por fraude também é perder. O artigo não diz que não houve fraude e diz claramente como os erros de Trump ao lidar com outra fraude, a Fraudemia, possibilitaram a ocorrência da fraude eleitoral logo no primeiro parágrafo: “A fraude eleitoral sempre foi um fator potencial a ser monitorado, mas não havia nenhum esquema de votação por correspondência massivo e sem precedentes com que se preocupar.”

  3. Certíssimo.
    Para aquele que jogava o “4x chess”, foi derrotado por falta de principios.
    Seus inimigos se agarraram no covid, e agora ele terminará preso e consequentemenete será suicidado.

    O jogo contra o establishment ou é vitória ou morte.