Tire sua máscara e lembre o mundo de sua humanidade

2
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

Na última sexta-feira à noite, 8 de janeiro de 2021, pela primeira vez em minha vida, orei ao meu Criador. Esta é uma declaração estranha para mim, porque sou um judeu ortodoxo que “ora” três vezes por dia. Mas eu nunca soube realmente o que isso significava até sexta à noite. Aqui está minha história de como isso aconteceu.

Eu odeio máscaras. Eu as odeio tão profundamente que é impossível colocar em palavras. Mas eu tentarei. Quando vejo uma máscara, é como um soco no estômago. Em hebraico, a palavra para alma, Neshama, é a mesma que para respiração – Neshima. Ela tem a mesma raiz. De acordo com Gênesis, quando Deus deu vida ao primeiro homem, ele soprou vida em suas narinas. A vida é respiração. É um beijo Divino do Criador.

É tão óbvio agora que as máscaras não fazem absolutamente nada em termos de saúde contra este vírus que não vale a pena repetir. O que as máscaras são – toda a sua essência – é pura desumanização. Você ordena a alguém que cubra o rosto e lhe diz para cobrir sua humanidade, para esconder sua alma. Se você não pode ver o rosto de alguém, você não pode ver o que eles estão sentindo ou pensando. Você não pode vê-los sorrir ou fechar a cara. Eles ficam em branco. Você ainda pode dizer palavras às pessoas, mas não pode realmente se comunicar.

Eu conheço a desumanização quando a vejo. Conheço bem. Quer seja uma estrela de Davi amarela em seu peito, um número tatuado em seu braço, arrancando todas as roupas e raspando sua cabeça, ou uma maldita máscara em sua alma, é tudo a mesma coisa. Seus governantes te consideram menos do que humano. Eles sempre consideraram. Agora é apenas mais óbvio. Para alguns de nós, pelo menos. Você não é uma pessoa. Você agora é simplesmente um vetor de doenças.

Eu moro em Israel. É uma bagunça completa e absoluta aqui. Estamos em nosso terceiro lockdown, nossos filhos estão se tornando cada vez mais vazios, pessoas estão cometendo suicídio pela perda de suas vidas, suas famílias e seus meios de subsistência, e Israel está supostamente “liderando o mundo” na vacinação experimental em massa contra esse nada, como se os judeus fossem mais uma vez ratos de laboratório para testar as tendências insanas do Dr. Mengele. Não, eu não sou um antivacina. Meus filhos são vacinados com o complemento padrão. Mas eu sei o que é isso. Esta é uma experimentação em massa com vidas humanas e não farei parte dela.

Deixe que os sionistas políticos se orgulhem de algo completamente maluco feito isso e divulgue isso para o mundo como se fosse algum tipo de grande realização. Eles sempre fazem isso, os sionistas políticos. Se gabar como uma criancinha mimada que simplesmente se considera uma singularidade de pura grandiosidade infinita quando não percebe que todo mundo sabe que ele não passa de um idiota.

Na sexta-feira passada, os judeus leram a primeira parte do livro do Êxodo. Em hebraico, o nome do livro é Shmot, ou simplesmente Nomes. “Estes são os nomes dos filhos de Israel que desceram ao Egito”, começa o livro. Em seguida, ele lista todos os seus nomes. Por quê? Já sabemos seus nomes desde Gênesis. A resposta é que o livro começa enfatizando sua humanidade. Seus nomes individuais como pessoas. Eles estão prestes a ser vítimas de uma vasta expansão do poder do estado e de assassinatos em massa. Eles estão prestes a ser gradualmente escravizados a ponto de serem forçados pelo estado a afogar seus próprios filhos no Nilo. Mas todos eles têm nomes pelo amor de Deus. Não se esqueça disso, começa o livro dos Nomes.

Estou trabalhando em um projeto pessoal sério agora. É um comentário libertário sobre a Torá, os Cinco Livros de Moisés, reunindo todas as fontes de liberdade relevantes dos comentaristas rabínicos medievais. Tenho enfiado notas nas margens dos meus livros sagrados. Estou chamando a obra de “Liberdade nas Tábuas”, ou em hebraico, “Herut Al HaLuchot”. Meus livros agora estão cobertos com belos realces em cores diferentes. Uma cor para pontos de economia, princípios de posse e propriedade e assim por diante. Outra cor para questões de poder do estado e pontos de filosofia política. Está indo bem, graças a Deus.

Nesta parte, encontrei um comentário assustadoramente belo de Nachmanides. Ele observa, entre outros comentaristas, a peculiaridade de Êxodo 2: 1-2. O decreto para assassinar todos os meninos israelitas já está em vigor neste momento. Os versículos dizem: “Um homem da casa de Levi foi e se casou com uma filha de Levi. Ela engravidou e deu à luz um menino, e viu que ele era bom, então o escondeu por três meses.”

Qual é a peculiaridade exatamente? Simplesmente que se trata do nascimento de Moisés, e Moisés era o terceiro filho de Yocheved e Amram de Levi, não o primeiro. Miriam foi a primeira a nascer. Aaron o segundo. Moisés era o mais jovem. Então, diante disso, este versículo não faz nenhum sentido. A explicação simples, o pshat como os rabinos o chamam, é que os nascimentos de Miriam e Aaron são simplesmente ignorados aqui porque não são relevantes para a história. Yocheved e Amram foram casados ​​antes, e isso não é exatamente puramente cronológico.

Mas existe outra possibilidade, uma explicação mais profunda, a chamada drash exegética. Ou seja, isso está realmente falando de um novo casamento de Yocheved e Amram. O que aconteceu, dizem os rabinos, é que Yocheved e Amram inicialmente se separaram em desespero quando o decreto do governo para matar todos os meninos entrou em vigor. Eles não podiam correr o risco de ter outro bebê e então se divorciaram.

É aqui que entra Nachmanides citando o Talmud. O Talmud em Tractate Sotah conta a história que Miriam, a mais velha, foi quem insistiu que seus pais voltassem e tivessem outro filho. Miriam era uma profetisa, e ela previu que seu próximo filho salvaria Israel. Mas ela não apenas insistiu. Ela fez uma pequena festa de casamento para seus pais. Ela fez um dossel de casamento e eles passaram pela cerimônia de casamento novamente. E Miriam e seu irmão Aaron, então com dois anos de idade, muito jovem ainda para entender o que estava acontecendo, dançaram e dançaram com alegria em volta de seus pais em meio a esses desespero e medo aterrorizantes e esmagadores.

Por causa dessa festa desafiadora e dessa felicidade, Israel foi redimido, diz o Talmud. Eu destaquei essa passagem com duas cores no início da semana, pensando em danças e festas desafiadoras e felicidade em meio a quarentenas do mal contra a vida.

Tenho uma tradição em minha família de dançar com meus filhos uma canção de sábado que os judeus cantam na noite de sexta-feira chamada Lecha Dodi, depois que volto da sinagoga. É um poema sobre as boas-vindas ao sábado como se ele fosse uma linda noiva e todos nós vamos nos casar com ela. É provavelmente o poema mais famoso sobre o sábado já escrito.

Então, na noite de sexta-feira passada, saí de casa e imediatamente desobedeci à lei no momento em que passei pelo portão. Eu não uso máscara, é claro. Nunca. Então vou para o único lugar onde posso sentar e orar com outros judeus sem ser incomodado por causa do meu rosto exposto, minha respiração exposta, minha alma exposta que todos podem ver e que orgulhosamente mostro a todos. É um quórum ao ar livre de judeus hassídicos Chabad Lubavitch. Não podemos mais orar em locais fechado. Eu não sou um Chabad Hasid, mas estes são os únicos que me deixam em paz sem máscara e não me olham de cara feia, Deus os abençoe.

Um Chabadnik se levanta e começa a dar um Dvar Torá, um ponto na porção da Torá. Esse judeu, noto, não estava usando máscara. Foi lindo. Ele faz uma pergunta simples. “Quem eram os que jogavam os bebês no Nilo?” Boa pergunta. Quem, na verdade, fisicamente, pegou esses meninos recém-nascidos e os jogou no rio Nilo para morrer? Ele citou o Lubavitcher Rebe, é claro, que disse que foram os pais que cometeram o terrível ato.

Por que os pais? Simples. Eles estavam fazendo um cálculo lógico. Ou eles matam seus próprios filhos ou toda sua família é assassinada pelo governo. Você realmente não pode culpá-los. Faz sentido. A mesma coisa está acontecendo agora. Estamos todos matando nossos filhos com essas quarentenas, diz ele. Faze-los sentar diante de telas o dia todo, privando-os de vida, matando-os lentamente, porque não queremos ser multados e envergonhados pelos capatazes israelenses doentios.

Até que alguém põe o pé no chão e diz “Basta!” isso não vai parar. Se você acha que a “vacina” vai fazer isso parar, você está se iludindo. E pensei em Miriam, insistindo que seus pais se casassem novamente e tivessem outro filho, e a desafiadora festa de casamento que ela deu aos pais, e como Moisés nasceu. Basta. Agradeci a ele por suas palavras. Elas eram maravilhosas. Então, começamos o culto de sexta à noite. Poucos minutos depois, estamos prestes a começar o poema de Lecha Dodi sobre a noiva do sábado.

Então, acontece que tem um cara mau que mora naquela mesma rua em que estamos orando. Esse cara é completo alucinado das máscaras. Ele se apresenta como um judeu religioso, vestido com roupas de sábado, com um chapéu e um casaco longo kaputteh e tudo mais. (Eu uso uma jaqueta de couro preta.) Esse cara chama a polícia sempre que vê alguém que não esteja usando máscara. Eu o conheço. Ele me conhece. Quando Lecha Dodi está para começar, vejo um cara andando na rua, nos olhando. A maioria no quórum usa máscaras. Então ele me vê. Eu não estou usando. Fazemos contato visual. E Lecha Dodi começa. Minha canção de casamento, que danço com meus filhos, sobre a noiva do sábado, começa.

Não sou um grande dançarino, pelo menos não em público. De repente, quase como se não fosse por minha própria vontade, sinto minhas pernas começando a dar passos em direção a esse homem. Eu não posso pará-los. Passo após passo, minhas pernas me puxam para ele inexoravelmente. Eu não sei o que estou fazendo exatamente. Eu não tenho nenhum plano. Nossos olhos ainda estão travados no contato visual. Não posso dizer o que ele está pensando, é claro, porque ele está com uma máscara.

Então começo a cantar alto enquanto Lecha Dodi continua, direto para ele. Ele começa a andar no meio da rua. Então eu o sigo, cantando mais alto. E então começo a pular. E dançando em círculos ao redor dele enquanto canto Lecha Dodi o mais alto que posso enquanto ele caminha pela rua. Eu sei que todos estão olhando para mim e todos os outros estão cantando também. Estou batendo palmas, pulando o mais alto que posso, cantando no limite dos meus pulmões junto com todos os outros torcendo por mim, embora eu seja o único dançando ao redor dele. Devo ter dado pelo menos 10 voltas ao redor do cara. Uma dança de casamento furiosa e extasiada e eu simplesmente não consigo me conter.

Ele chega em sua casa e eu paro, sentando em uma cadeira na calçada, sem fôlego. Lecha Dodi acabou e as pessoas apertam minha mão e dão tapinhas nas minhas costas. Estou me perguntando se fiz a coisa certa. Tenho dúvidas nesse momento. O que acontece agora?

Então a próxima parte do serviço noturno começa. Esta parte é chamada de Ma’ariv. Há uma parte dentro dela chamada Amidah, ou “Estar de Pé”, onde o adorador começa dando três passos à frente na presença de Deus e ora silenciosamente, os pés juntos, com todos os outros do grupo, dando três passos para trás quando termina . Durante a Amidah, é proibido falar, mover-se ou mesmo sinalizar para qualquer pessoa. A Amidah é uma conversa com Deus e deve ser concluída sem nenhuma interrupção.

Ma’ariv começa, então temos apenas alguns minutos até que a Amidah comece. Alguns minutos se passam e vejo um carro de polícia entrar na rua. Aquele demônio da máscara, vestido como um judeu religioso, obviamente violou o sábado para chamar a polícia contra mim. Um judeu religioso só pode violar o sábado quando vidas estão literalmente em jogo, veja bem.

Pouco antes de o policial sair do carro, as poucas pessoas sem máscaras rapidamente as colocam. Exceto eu. Eu nunca carrego uma. Eu sei exatamente o que está prestes a acontecer agora.

Ele caminha em minha direção. Ele está a cerca de 30 segundos de distância de mim agora. E temos cerca de 30 segundos até o início da Amidah. Meu coração está batendo forte. Eu fiz a coisa certa? Ou eu fiz algo estúpido? Eu travo o olhar com o policial. Ele chega até mim. 15 segundos.

“Coloque uma máscara”, diz ele.

Eu aceno que não. Você ainda pode acenar com a cabeça até que a Amidah comece.

“Corona!” ele fala.

Eu fico olhando para ele.

“Estou falando com você!” ele late. 10 segundos. Eu continuo olhando. Coração martelando.

“Então vá para o lado,” o policial late novamente. “Não fique perto de ninguém.” O cara ao meu lado se afasta. Eu fico completamente imóvel, olhando para o policial.

E então eu senti o que só posso descrever como um escudo Divino caindo ao meu redor, me protegendo, bloqueando o policial completamente. Eu soube naquele momento que tinha feito, e estava fazendo, exatamente a coisa certa.

O líder do grupo de oração então canta “Amém”, sinalizando que a Amidah começará agora. Dou uma última olhada no policial. Eu fecho meus olhos. E eu dou três passos em direção à presença do Deus de Israel. E pela primeira vez na minha vida, eu oro.

Quando abro os olhos, o policial se foi, e lágrimas de felicidade e alívio escorrem pelo meu rosto exposto e sem máscara.

Todos, todos os seres humanos com alma, eu te invoco, eu te imploro. Não deixe que eles o desumanizem. Não use essa estrela amarela como um escravo. Tire suas máscaras. Mostre aos desgraçados que você é um ser humano, que tem um rosto, que tem um nome, que tem uma alma e que eles não conseguirão destruir sua humanidade. E se você estiver em uma quarentena, erga-se. Vá lá fora. E dance!

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS

  1. Obviamente que eu não conheço Israel, mal saí da minha cidade até hoje. Mas vejamos o seguinte. Aquele lugar apesar das aparências, está cada vez mais se tornando secular e socialista. O tal sucesso das quarentenas e da vacinação naquele país mostram isso claramente. Deve ser um pesadelo. Esses guardas de quarteirão são um orgulho para seus modelos cubanos.

    Mas não deixa de ser curioso ler um judeu comparar a estrela de Davi ás focinheiras do demônio. Se fosse aqui no lixão brasileiro, ele já estria sendo acusado de relativizar o holocausto, e muito provavelmente, sendo chamado de nazista. É um duplo pensar bem totalitário, não se enganem. Esses mesmo censores não se incomodam nenhum um pouco em comparar a invasão do United States Capitol a noite dos Cristais (Kristallnacht) como fez aquele que um dia foi Conan, o bárbaro, em um video ou ao incêndio do Reichstag, como tem feito a mídia corporativa em geral.

    Se um protesto de cosplayers é igual aos bárbaros atos dos nazistas, então o que os nazistas fizeram foi apenas um protesto político. Tente explicar isso para alguém, e logo o nazista será você.

    Experimente também dizer que um policial “late” em sua direção (aqui seria grunhuir, pois são porcos “pigs”) . Sua vida em pouco tempo está acabada, melhor deletar o perfil das redes sociais. O mundo enlouqueceu, pois a direita que adora os robocops do governo, agora tem a companhia da esquerda. Eu nunca pensei que veria os soças apoiando um estado policial, aplaudindo a policia prender pessoas sem máscara na praia. É o melhor dos mundos para o aparelho repressivo da máfia estatal.

    Eu não frequento a minha paróquia desde que voltaram as missas (www.facebook.com/santuariogrutansralourdes/). É um lugar bonito, no meio do mato. Eu vou todo o domingo na hora da missa buscar água em uma fonte que tem lá. Mas não entro. As pessoas usam máscara e não lembra em nada “estes são os únicos que me deixam em paz sem máscara e não me olham de cara feia” do judeus relatados no texto. O mais curioso, é que quando as Igrejas foram fechadas, as missas permaneceram, por assim dizer, clandestinas. Ninguém usava máscara…

    • Excelente texto, Maurício! Sempre muito bom ver artigos como o seu, escritos com a propriedade de quem vive a vida por dentro e nao se furta a colocar sua experiência particular e expressar isso em palavras. A propósito, seria bom ver artigos seus publicados aqui nesse site. Abraços.