Nova York sabota a ‘legalização’ da maconha com impostos e regulamentos

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Os políticos de Nova York em breve estarão se perguntando por que as pessoas ainda estão comprando maconha no mercado negro

Os políticos que não aprendem com suas decisões estúpidas estão condenados a repeti-las, e as políticas proibicionistas parecem oferecer as lições mais duras de serem ignoradas. Repetidamente, membros do governo impõem proibições a coisas de que não gostam apenas para disponibilizar ao público vendedores ilegais. Os políticos então “legalizam” o mercado de má vontade, mas o sobrecarregam com impostos e burocracia que mantêm o mercado negro prosperando. Nova York parece estar pronta para repetir todos os erros do passado com um mercado recreativo “legal” tão obstruído que oferecerá preços pouco competitivos aos consumidores e barreiras assustadoras aos vendedores.

“Desde 1º de junho, o Conselho de Controle de Cannabis de Nova York emitiu 162 licenças de cultivo recreativo”, a Bloomberg Tax observou recentemente. “Aqueles afortunados o suficiente para obter uma das licenças de cannabis recreativa de Nova York serão forçados a enfrentar uma série de impostos estaduais e locais”.

A análise, preparada por três contadores, detalhou uma longa lista de impostos sobre vendas, impostos corporativos e “impostos sobre cannabis para uso adulto recentemente promulgados”. Dado o número de jurisdições envolvidas e a incerteza de como eles se aplicarão a empresas que não poderão abrir suas portas até o final do ano, os autores se recusaram a estimar a carga tributária final. Mas será alta, e o seu cumprimento será um jogo de adivinhação com penalidades à espera de quem cruzar seu caminho com as autoridades. Podemos apostar que muitos empresários acostumados a operar no mercado ilícito permanecerão na clandestinidade em vez de arriscar os custos e aborrecimentos da operação legal, conforme previsto pelos funcionários públicos do estado de Nova York. Afinal, a legalização técnica prejudicada por impostos e regulamentações rígidos já fracassou em outros lugares.

“O estado taxou a maconha três vezes enquanto ela vai da fazenda ao consumidor. Muitos condados e cidades impõem seus próprios impostos, em níveis variados, além dos impostos estaduais”, o Washington Post noticiou este mês sobre o sistema bizantino da Califórnia que favorece grandes operações corporativas com a capacidade de navegar pelas regras. “Além dos impostos sobre a cannabis da Califórnia temos as taxas de licenciamento e licenças regulatórias, que podem custar dezenas de milhares de dólares anualmente para os produtores, enterrando aqueles que costumavam trabalhar sem regulamentação em burocracia e faturas estaduais”.

Essa proibição explícita é apenas uma barreira legal que leva compradores e vendedores aos mercados negros parece ser uma revelação para os reguladores dos mercados de cannabis recém-legais. O fato de que impostos e regulamentações causam o mesmo efeito teve que ser redescoberto nos últimos anos por autoridades da Califórnia, Colorado, Oregon e Washington, entre outros lugares. Precisamente essa questão foi levantada para as autoridades de Nova York em uma avaliação de impacto de 2018 apresentada até hoje no site do Office of Cannabis Management do estado.

“Quanto maior a alíquota imposta, maior será o preço legal de mercado”, alerta o documento. “Por sua vez, um preço de mercado legal mais alto terá um efeito de preço maior, o que resultará em usuários menos propensos a sair do mercado não regulamentado.”

“O estado de Washington inicialmente tinha taxas de impostos mais altas e reestruturou sua tributação depois de perceber que os custos eram proibitivos. Colorado, Washington e Oregon tomaram medidas para reduzir suas taxas de impostos sobre a maconha”, acrescenta o relatório.

Regras intrusivas e restritivas também são importantes, observa a avaliação de Nova York de 2018, pois alertou contra medidas como “permitir que as localidades proíbam a venda de maconha, o que levará a um aumento da maconha comprada no mercado não regulamentado e reduzirá a quantidade do imposto arrecadado”. No entanto, os reguladores estão ocupados em vincular o ainda incipiente comércio legal de maconha à burocracia. A busca por justiça social inclui preferências por aqueles que foram prejudicados no passado por leis proibicionistas.

“Nova York é a primeira a oferecer suas licenças iniciais de dispensário apenas para empresários com condenações por maconha”, segundo o Politico. “É um movimento que visa oferecer uma vantagem às pessoas, desproporcionalmente nas comunidades negras e pardas, prejudicadas pela guerra às drogas.”

Esse é um bom sentimento, mas tenta moldar um mercado em uma forma politicamente favorecida em vez de uma expressão natural de interações humanas livres. A Califórnia oferece um estudo de caso sobre como tentar criar o mercado que os políticos desejam o torna acessível apenas para aqueles com conexões e departamentos de compliance.

“O outrora místico coração da indústria da maconha do país está morrendo, rápido, estrangulado não pela aplicação da lei, mas pelos altos impostos e regulamentações desconcertantes que esmagaram os pequenos agricultores desde que os eleitores estaduais aprovaram a legalização há quase seis anos”, o Washington Post lamentou na reportagem. “As regras e omissões estaduais também fortaleceram um mercado negro ainda próspero de maconha – que já foi o principal alvo dos reguladores estaduais – cujos produtores vendem seu produto ilegalmente através das fronteiras estaduais e ainda obtêm um preço lucrativo”.

Os reguladores de maconha recreativa de Nova York estão prestes a pisar em terreno já pavimentado com formulários do governo. Sua motivação é aparente no fato de que muitas dessas formas envolvem cobrança de impostos e extensões de controle. As autoridades expressam opiniões sobre a remoção dos ônus legais daqueles com condenações criminais por lidar com cannabis, mas estão obcecados em moldar o mercado para atender à sua visão peculiar e com o dinheiro que esperam ganhar. A avaliação de impacto de 2018 inclui gráficos coloridos que preveem receitas fiscais do primeiro ano que variam de US$248,1 milhões a US$677,7 milhões, dependendo de como as pessoas respondem a essa “manopla de impostos estaduais e locais”.

E mesmo antes de a justiça social se tornar uma prioridade para os reguladores, a avaliação de impacto de 2018 ofereceu garantias abundantes dos supostos benefícios a serem obtidos com as regras sobre limites de idade, “segurança adequada nas instalações de cultivo e distribuição”, horas de operação, requisitos de rastreamento e relatórios, conteúdo de THC e muito mais. Mas todas essas barreiras estimularão as pessoas que reclamam das regras existentes sobre a maconha medicinal a se manterem no mercado ilegal.

“Operadores e pacientes há muito reclamam de regulamentações e impostos draconianos, que tornaram a maconha medicinal menos acessível e mais cara do que as ofertas ilícitas do mercado”, o New York Times noticiou na semana passada sobre os perigos enfrentados pelo novo mercado recreativo. Como resultado, “o mercado ilícito está prosperando em Nova York, alguns deles à vista de todos”.

Isso não quer dizer que são todas más notícias. Um mercado legal com impostos altos e regulamentações excessivamente rígidas ainda é um mercado em que as pessoas não são presas e encarceradas. As regras podem ser afrouxadas para o que as pessoas vão tolerar, como tem sido em outros lugares. Mas as autoridades de Nova York ainda precisam aprender que os mercados funcionam com base nas escolhas dos participantes. Os desejos dos reguladores do governo que querem usá-los como ferramentas de engenharia social e caixas eletrônicos não importam. Os mercados de maconha prosperarão enquanto houver clientes a serem atendidos. A questão é se eles vão prosperar abertamente sob impostos e regulamentações leves, ou clandestinamente para escapar das mãos pesadas dos políticos.

 

 

 

Artigo original aqui

 

Leia também Tributar e regular a maconha? Nem, apenas descriminalize

Contra a legalização dos prostíbulos (e das drogas, do jogo, e de tudo)

O fracasso da legalização do cigarro: uma lição para o caso das drogas

Legalização da maconha vs. liberdade da maconha

Artigo anteriorComo os monarcas se tornaram servos do Estado
Próximo artigoA impossibilidade de um eleitorado informado
é ex-editor-gerente do Reason.com e atual editor colaborador.Tuccille trabalhou para o ZDNet, no New York Daily News e para empresas pontocom. Durante anos, ele editou o falecido Freedom News Daily para o Free-Market.Net. Suas colunas provocativas e muitas vezes espirituosas (diz ele) sobre tópicos como liberdades civis e excesso de governo apareceram em publicações como a Arizona Republic , o Denver Post e o Washington Times . Como resultado, ele foi citado e criticado nas páginas de publicações como o New York Times e Salon .Ele também é o autor do romance de aventura em quadrinhos High Desert Barbecue, que os críticos descreveram gentilmente como "divertido", "um romance muito polido" e "repleto de personagens simpáticos, toneladas de humor e uma boa pitada de libertarianismo por toda parte."