Descentralização e ascensão do Ocidente: uma análise do milagre europeu

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A descentralização está há muito tempo na vanguarda das mentes dos austrolibertários. Hans-Hermann Hoppe, por exemplo, apareceu na televisão austríaca este mês compartilhando seu sonho de uma Europa “que consiste em 1.000 Liechtensteins”.

Embora baseada principalmente no raciocínio econômico, essa agenda política surgiu, pelo menos em parte, de uma celebração da historiografia sobre o “milagre europeu”, que postula que o Ocidente enriqueceu devido à existência de milhares de entidades políticas concorrentes de diferentes tamanhos e forma na Europa pré-moderna. Desde que Ralph Raico resumiu essa historiografia trinta anos atrás, a escola de pensamento do “milagre europeu” avançou com vários graus de sucesso.

O Milagre Europeu

Em 1994, Ralph Raico escreveu um ensaio sobre a então emergente escola de pensamento do “milagre europeu” na história econômica. Os estudiosos dessa escola, argumentou Raico, haviam finalmente repudiado o “materialismo histórico” dos marxistas. Ao contrário de Karl Marx e seus seguidores, eles insistiam que a mudança tecnológica e o crescimento econômico eram o resultado de certas instituições legais, políticas e ideológicas – ou a “superestrutura”, em termos marxistas – e não o contrário.

Instituições como direitos de propriedade, contenção de impostos e liberalismo, por sua vez, surgiram da anarquia política da Europa medieval. Embora culturalmente homogênea e economicamente integrada, a Europa durante séculos permaneceu uma colcha de retalhos de diferentes reinos, principados, cidades-estados e políticas eclesiásticas. Isso significava que a crescente classe média de comerciantes, artesãos e lojistas poderia levar seus negócios para outro lugar se os governantes usurpassem muito de sua riqueza produtiva. Como resultado, as autoridades políticas competiram entre si para desenvolver uma atmosfera propícia à liberdade econômica. Como Eric Jones colocou em The European Miracle, de onde Raico tirou o nome ao seu artigo:

    A descentralização política e a competição reduziram a pior arbitrariedade dos príncipes europeus. Havia muitas exceções, mas gradualmente elas se tornaram apenas isso, exceções. Enquanto isso, a liberdade de movimento entre os estados-nação oferecia oportunidades para que as “melhores práticas” se difundissem em muitas esferas, inclusive na econômica. O número de estados nunca se reduziu a um, a um único império dominante, apesar das ambições de Carlos Magno, do Habsburgo Carlos V ou de Napoleão. Em muitos estados, um longo processo na história do pensamento econômico condicionou os governantes a ouvir os acadêmicos e outros sábios. Escritores dos séculos XVII e XVIII na Europa Central e Ocidental ousaram oferecer conselhos sobre como governar, alguns dos quais foram aceitos.

A competição política, em última análise, é o que diferencia o Ocidente do resto. Os Carlos Magnos, Carlos V’s e Napoleões da Ásia foram bem-sucedidos em monopolizar o poder político, permitindo-lhes estabelecer economias de comando.

O Estado-nação

O artigo de Raico apareceu em um volume chamado The Collapse of Development Planning, editado por Peter J. Boettke. A implosão da União Soviética, sem dúvida, deixou Raico otimista de que a influência das ideologias de esquerda no campo da história econômica também entraria em colapso. No entanto, a abordagem institucional não chegou a dominar o campo. A ideia de que a ascensão do Ocidente é principalmente o resultado da exploração do trabalho ainda tem muito apoio no mundo acadêmico.[1] Narrativas históricas que explicam a Revolução Industrial através do progresso tecnológico inesperado ou fatores geográficos coincidentes também são abundantes. Além disso, os historiadores tentaram provar a eficiência das instituições antimercado pré-modernas, como as corporações de ofícios e a servidão.

Finalmente, ao Estado-nação ainda é atribuído um papel decisivo na ascensão econômica do Ocidente. Em seu Global Economic History: A Very Short Introduction, por exemplo, Robert C. Allen celebra o “modelo padrão” para o desenvolvimento econômico liderado pelos Estados-nação europeus do século XIX e pelo governo dos Estados Unidos. Influenciados por Friedrich List e Alexander Hamilton, as quatro políticas estatais supostamente “bem-sucedidas”, segundo Allen, foram investimentos em transporte e educação de massa, bancos centrais e tarifas.

Ainda assim, poucos historiadores negariam que a competição política desempenhou um papel vital no milagre europeu. Niall Ferguson, por exemplo, incluiu a competição como o primeiro de vários “aplicativos assassinos do poder ocidental” em seu popular livro de 2011 Civilization: The Six Killer Apps of Western Power. O problema é que, como a maioria dos historiadores não são libertários, eles não excluem a priori a possibilidade de que o Estado-nação possa criar riqueza. Portanto, quando a intervenção do governo e o crescimento econômico andam de mãos dadas, mesmo os institucionalistas tendem a concluir que o Estado, de alguma forma, desempenhou um papel contribuinte.

É aqui que os insights da escola austríaca de economia podem contribuir para nossa compreensão da história. A teoria econômica, de acordo com Ludwig von Mises, é “a ferramenta indispensável para a compreensão da história econômica. A história econômica não pode provar nem refutar os ensinamentos da teoria econômica. Ao contrário, é a teoria econômica que nos permite conceber os fatos econômicos do passado”.

Em suma, a economia nos permite separar o joio do trigo. Ela nos permite interpretar os fatos empíricos e concluir se A aconteceu por causa ou apesar de B. Assim como no mundo moderno, o Estado nunca esteve inteiramente ausente dos assuntos econômicos na Europa pré-moderna. Mesmo que a competição política muitas vezes induzisse um mínimo de laissez-faire, os Estados-nação também buscavam políticas mercantilistas, especialmente no início da era moderna. Essas práticas criaram interesses especiais, que poderiam levar à segmentação social, captura regulatória e redução da inovação. O brilhantismo do sistema de estados europeus é que, quando isso ocorre, o capital pode fluir facilmente para um local concorrente.

Os Países Baixos

O exemplo dos Países Baixos ilustra este ponto. Uma longa tradição erudita, muito influenciada pelo historiador belga Henri Pirenne, é construída em torno da ascensão de uma poderosa classe média de comerciantes-empresários na Idade Média. Por volta da virada do milênio, a indústria de tecidos voltada para a exportação deu origem a uma variedade de cidades ricas na Flandres histórica, como Ypres, Lille, Ghent e Bruges. Essas cidades tornaram-se um refúgio para servos e mercadores e, à medida que as cidades cresciam em tamanho e poder, eram capazes de exigir cada vez mais liberdades políticas e direitos judiciais dos senhores feudais.

À medida que o modelo foi emulado em Brabante e na Holanda, os governantes locais descobriram que era de seu interesse incentivar o comércio, pois as cidades mais ricas significavam mais receita tributária. Para atrair comerciantes estrangeiros, eles montaram feiras onde os comerciantes podiam transacionar mercadorias de todo o continente (e além) e experimentar práticas de crédito comercial. Essas feiras temporárias acabaram dando lugar a cidades permanentes que no final da Idade Média se tornaram os principais centros de comércio de longa distância do continente, onde se reuniam comerciantes da Itália, Alemanha e outros lugares.[2]

Três dessas cidades prósperas eram Bruges, Antuérpia e Amsterdã. Nessa ordem, essas foram as principais cidades comerciais do noroeste da Europa do século XIII ao XVIII. No entanto, seus períodos consecutivos de primazia econômica não foram predeterminados. A presença de um grande contingente de comerciantes internacionais e a existência de uma variedade de cidades ligadas a mesma hinterlândia combinaram-se para incentivar as cidades concorrentes a adaptar suas instituições para acomodar os comerciantes. Os magistrados da cidade muitas vezes se abstiveram de impor regras e, em vez disso, recorreram a instituições relacionadas à intermediação, resolução de conflitos e seguros que se desenvolveram espontaneamente entre a população mercantil. Isso permitiu que as melhores práticas surgissem no mercado de ideias que foram codificadas em leis locais e internacionais mais tarde.

Bruges e Antuérpia enriqueceram porque concederam privilégios especiais a mercadores de nações estrangeiras; ou seja, esses comerciantes estavam isentos das leis locais, e essa disposição criou o ambiente ideal para experimentação e adaptação institucional. Quando os acontecimentos políticos tornavam uma cidade menos atraente para fazer negócios, os comerciantes se mudavam para uma cidade concorrente; por exemplo, os mercadores transferiram suas operações de Bruges para Antuérpia no final do século XV e de Antuérpia para Amsterdã no final do século XVI. Em suma, os comerciantes estrangeiros eram privilegiados sobre os comerciantes locais nos Países Baixos do sul.

O magistrado de Amsterdã, em contraste, optou por tratar todos os comerciantes, locais ou estrangeiros, igualmente. Relativamente falando, a República Holandesa foi um farol de liberdade política, econômica e religiosa no século XVII, e a Holanda, em particular, experimentou um boom econômico na Idade de Ouro holandesa. Como os comerciantes ricos estavam mais integrados ao tecido sociopolítico do que antes, em Antuérpia e Bruges, no entanto, era menos fácil para o capital fugir para os estados concorrentes quando o aumento da interferência das guildas e as políticas de finanças públicas imprudentes tornaram investimentos de capital na República Holandesa menos lucrativos no século XVIII. Portanto, o capital fluiu para setores lucrativos, mas menos produtivos, como investimentos coloniais, comércio de escravos e empréstimos de dinheiro a reis estrangeiros. Isso acabou desacelerando o motor do crescimento econômico e permitiu que Londres ultrapassasse Amsterdã como a principal metrópole até o final do século.

 

 

Artigo original aqui

______________

Notas

[1] Pense, por exemplo, na popularidade contínua da teoria dos sistemas mundiais de Immanuel Wallerstein, que sustenta que as nações ricas criam e mantêm sua riqueza às custas das nações mais pobres.

[2] Henri Pirenne, História Econômica e Social da Europa Medieval, trad. IE Clegg (Londres: Routledge e Kegan Paul, 1936).