Devemos encontrar uma maneira de evitar que Bill Gates evite a próxima pandemia

0
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

Há dias, venho lutando para ler o perturbador novo livro de Bill Gates sobre Como prevenir a próxima pandemia, e me peguei pensando em uma pergunta mais relevante:

Como vamos explicar Gates, exatamente?

Eu sei que para muitos de vocês ele é um cúmplice conspiratório calculista. Porém, finja por um momento que ele não seja. Imagine, para fins de argumentação, que ele seja exatamente aquele ex-desenvolvedor de software obtuso, ingênuo e que se considera importante que ele parece ser. Como ele ficou assim, o que ele pensa que está fazendo e o que isso pode significar?

Lembre-se que este homem tem bilhões de dólares. Um mundo inteiro de vícios incomuns está a sua disposição: ele poderia contratar um exército mercenário para invadir algum país e se proclamar imperador-deus por toda a vida. Ele poderia se retirar para uma ilha tropical com suas substâncias favoritas que alteram a mente e um harém de jovens mulheres núbeis. Ele podia fazer as duas coisas ao mesmo tempo, além de outras coisas. Em vez disso, ele escolheu o caminho da vaidade moral, talvez o vício menos interessante de todos, fundando uma pesada fundação de doações e vagabundeando ao redor do mundo com seus peitinhos masculinos e camisas pólo mal ajustadas, pronunciando-se a todos sobre assuntos que ele mal entende.

Um leitor me chamou a atenção para um artigo de Jeffrey Tucker, que, como se vê, realizou uma análise crítica para desenvolver uma Teoria de Gates. Na Microsoft, Gates supervisionou o desenvolvimento de software mal protegido invadido por vírus de computador. Depois, observa Tucker, ele

    … começou a se envolver em outras áreas, como os novos-ricos costumam fazer. Eles frequentemente consideram-se especialmente competentes para enfrentar desafios nos quais outros falharam simplesmente por causa de seus sucessos profissionais. Além disso, neste ponto de sua carreira, ele estava cercado apenas por bajuladores que não ousariam contraria-lo.

E em que assunto ele se dedicou? Ele faria com o mundo dos patógenos o que fez na Microsoft: iria eliminá-los! Ele começou com a malária e outros problemas e eventualmente decidiu enfrentar todos eles. E qual foi a solução dele? Claro: software antivírus. O que é aquilo? São vacinas. Seu corpo é o disco rígido que ele salvaria com sua solução em estilo de software.

No início da pandemia, observei que Gates pressionava fortemente por lockdowns. Sua fundação agora financiava laboratórios de pesquisa em todo o mundo com bilhões de dólares, além de universidades e bolsas diretas para cientistas. Ele também estava investindo pesadamente em empresas de vacinas.

No início da pandemia, para ter uma ideia das opiniões de Gates, eu assisti suas palestras TED. Comecei a perceber algo surpreendente. Ele sabia muito menos do que qualquer um poderia descobrir lendo um livro sobre biologia celular da Amazon. Ele não conseguia nem dar uma explicação básica de nível de 9ª série sobre os vírus e sua interação com o corpo humano. E, no entanto, ali estava ele ensinando ao mundo sobre o patógeno vindouro e o que deveria ser feito a respeito. Sua resposta é sempre a mesma: mais vigilância, mais controle, mais tecnologia.

Depois de compreender a simplicidade de suas confusões centrais, tudo o mais que ele diz faz sentido do seu ponto de vista. Ele parece estar eternamente preso à falácia de que o ser humano é a engrenagem de uma máquina massiva chamada sociedade, que clama para que sua liderança gerencial e tecnológica se aprimore até o ponto da perfeição operacional.

Há muito a recomendar nessa visão. Ela explica coisas específicas, como o gosto de Gates por vacinas de mRNA, um equivalente genético do código de computador. Mais do que isso, porém, ela elucida o fracasso de Gates em apreciar a intratabilidade essencial de muitos problemas humanos antigos. Gates sonha em salvar a humanidade da doença e da pobreza – coisas que são tão parte do que significa ser humano, que parece um erro chamá-las de problemas em primeiro lugar. Somos seres mortais; nem todos nós podemos ser ricos; todos nós vamos morrer de alguma coisa. Gates, o desenvolvedor de software, não tem experiência com problemas como esse.

A mensagem fundamental de Como prevenir a próxima pandemia é que podemos interromper futuros eventos pandêmicos fazendo todas as coisas que não impediram o último evento pandêmico, apenas fazendo mais, mais rápido e mais intensamente.

Gates não se cansa da Organização Mundial da Saúde. Ele propõe expandi-la com uma divisão de 3.000 soldados de tropas de choque pandêmicas chamada equipe de Mobilização e Resposta Epidemiológica Global (Global Epidemic Response and Mobilisation). Isso não é uma piada; ele realmente quer chamá-la de GERM. Ele diz que será composta por epidemiologistas, geneticistas, especialistas farmacêuticos, pessoas de sistemas de dados, diplomatas, equipes de respostas rápidas, modeladores e Deus sabe quem mais. Essas pessoas voarão ao redor do mundo, garantindo que uma resposta idêntica seja propagada instantaneamente em todos os lugares, para que todos possamos suportar os mesmos erros catastróficos ao mesmo tempo. Um Czar Corona para cada país, enviado a partir de uma única base central.

O teste em massa é outra coisa ótima e da qual precisamos de mais. Gates quer testes caseiros baratos em todos os lugares, “para tornar mais fácil para todos fazerem o teste e obterem resultados rápidos” (p. 64). Ele também quer que os bancos de dados centrais registrem todos esses preciosos resultados de testes. Os testes de antígeno são ótimos, mas as tecnologias de teste rápido mais precisas são ainda melhores. E é claro que precisamos de mais sequenciamento genético para entender o progresso dos surtos e identificar quem está fazendo a disseminação. É uma cena direto do filme Brazil: você acorda de manhã, manda seu cotonete obrigatório pelo tubo de vácuo para teste no Ministério da Saúde, e a polícia do vírus está chutando sua porta enquanto você espera o café ferver.

Provavelmente o momento mais estranho neste louvor estendido à coleta e gerenciamento de estatísticas de doenças é o elogio que Gates reserva aos modeladores. Ele acha que a modelagem pandêmica “acabará sendo melhor do que a previsão do tempo” (p. 78), e acha que os modeladores foram injustamente difamados pela imprensa. Ele defende Neil Ferguson em particular:

    Em março de 2020, Neil Ferguson, um epidemiologista altamente respeitado do Imperial College, previu que poderia haver mais de 500.000 mortes por COVID no Reino Unido e mais de 2 milhões nos EUA ao longo da pandemia. Isso causou um grande alvoroço na imprensa, mas poucos repórteres mencionaram um ponto-chave sobre o qual Ferguson havia sido muito claro: o cenário dele que estampou todas as manchetes supunha que as pessoas não mudariam seu comportamento – que ninguém usaria máscaras ou ficasse em casa, por exemplo – mas é claro que não seria o caso na realidade. (pág. 80)

É difícil imaginar que Gates já tenha visto o artigo de Ferguson. A equipe do Imperial College estava errada sobre tudo. Eles estavam especialmente errados sobre os efeitos atenuantes que diferentes intervenções teriam, o que era o ponto principal de se preocupar com modelos justificadores de lockdowns em primeiro lugar.

Em outro momento absurdo, Gates alega que “o nível de incerteza” na modelagem da pandemia “pode ser bastante alto”. Ele lembra a estimativa de um modelador, de fevereiro de 2020, de que havia “570 casos no estado de Washington, com 90% de certeza de que estava entre 80 e 1.500. Qualquer relatório que omitiu o leque de possibilidades deixou de fora algum contexto muito importante” (p. 80). Você tem que esfregar os olhos, lendo coisas estúpidas como esta. De que serve um modelo que prevê que pode não haver muitos casos por aí, ou pode haver muitos, e como isso é melhor do que apenas adivinhar? O segredo descoberto sobre modelagem, é claro, é que ela não é nem mesmo uma tentativa séria de previsão. Os modeladores são apenas clientes do regime de contenção, encarregados de desenvolver equações científicas sofisticadas que justifiquem Intervenções Não Farmacêuticas (INFs) intrusivas. Gates até parece intermitentemente ciente disso, em um momento admitindo que o objetivo de Ferguson era “mostrar quão altos eram os riscos” (p. 80), (mas de alguma forma “não [para] levar todos ao pânico”).

“Ajude as pessoas a se protegerem imediatamente” é o título do Capítulo 4, onde Gates expõe o caso de manter lockdowns e outras medidas de contenção no repertório pandêmico. Ele joga fora aquela vil citação de Fauci – “Se parece que você está exagerando, você provavelmente está fazendo a coisa certa” – e se entrega ao que é agora um dos argumentos mais cansados ​​do mundo:

    A ironia das INFs é que quanto melhor elas funcionam, mais fácil é criticar as pessoas que as colocam em prática. Se uma cidade ou estado as adotar cedo o suficiente, os números de casos permanecerão baixos e os críticos acharão fácil dizer que não eram necessárias. (pág. 86)

Estas páginas são as mais repreensíveis de todo o livro. Os lockdowns têm sido um desastre absoluto; eles arruinaram milhões de vidas e causaram uma destruição econômica incalculável, e ainda assim Gates, que vive em uma casa de 6.000 metros quadrados e voa ao redor do mundo em jatos particulares, descarta esses custos com gráficos falsos e garantias vazias de que “os lockdowns têm benefícios claros para a saúde pública” (p. 88).

Em outros lugares, Gates desabafa sua frustração de que os países ricos acumularam doses de vacina às custas do terceiro mundo, mas sua miopia é tão grande que ele não consegue estabelecer a conexão óbvia – que foram precisamente seus preciosos lockdowns destrutivos que levaram ao frenesi louco de vacinação de 2021.

Não, os custos dos lockdowns permanecem fora da visão de Gates, e nisso ele não é diferente de todos os outros aposentados abastados, que nunca pensaram duas vezes antes de colocar seus vizinhos fora do negócio ou condenar crianças pequenas a oito horas de uso forçado de máscara a cada dia. Os lockdowns climáticos podem ter sido uma fantasia passageira, mas os lockdowns contra a gripe são algo em que Gates continua profundamente interessado. Ele até se pergunta se as INFs poderiam ser “emparelhadas com vacinas” para “erradicar eventualmente todas as cepas de gripe” (p. 96). Aparentemente, ninguém disse ao homem que a gripe tem reservatórios animais substanciais, dos quais salta repetidamente para os humanos.

Neste endosso estereotipado de todas as políticas malucas que foram infligidas à humanidade desde 2020, duas curiosidades se destacam. A primeira é a desilusão silenciosa, mas clara, de Gates com as vacinas de mRNA. A melhor coisa que ele pode encontrar para dizer sobre elas é que elas foram desenvolvidas rapidamente; caso contrário, ele as condena com elogios fracos, em um ponto até escrevendo que as máscaras têm sido mais eficazes. Ele sonha com vacinas novas e melhores, de fato “vacinas universais” que podem atingir múltiplos patógenos e que fornecerão “proteção total” (p. 177) após uma única dose. Ele também se pergunta sobre vacinas que podem ser aplicadas em spray nasal, como a “vacina imaginária para o vírus hipotético retratado no filme Contágio” (p. 174), e que não precisam ser mantidas frias. Apesar de todo o entusiasmo de Gates, o geek de software do mRNA, essas linhas mostram que ele está se perguntando se outra abordagem não teria sido melhor. As moléculas de mRNA decaem rapidamente em temperaturas normais, e a tecnologia para uma vacina de spray nasal de mRNA está a anos de distância.

O segundo momento excêntrico, é o sétimo capítulo de Gates, chamado “Pratique, pratique, pratique”, onde ele fantasia sobre todos os jogos de guerra pandêmicos que precisamos ter. Exercícios de mesa são ótimos; “exercícios funcionais” com “desastres simulados” são melhores; o melhor absoluto é o “exercício em grande escala” completo com atores de crise e helicópteros.

Jogos de guerra apropriados têm uma certa lógica; eles permitem que comandantes e políticos ganhem experiência em conflitos simulados e geram dados para os planejadores estudarem. Jogos de guerra pandêmicos são outra questão. Pandemias não são guerras, não há ninguém para fazer o papel do vírus e, portanto, tendem a ser pouco mais do que eventos de mídia roteirizados – o que explica por que Bill Gates gosta tanto deles. Para ele, são festas divertidas onde ele pode conhecer todas as suas pessoas favoritas e fingir conhecimento e importância. Ele teve uma grande pandemia e quer manter a emergência, mesmo que apenas virtualmente.

Gates sabe que ele é amplamente odiado e que sua incapacidade de calar a boca tem algo a ver com isso:

    Um efeito colateral de falar… é que isso provocou mais críticas ao trabalho da Gates Foundation do que as que vinha ouvindo há anos. … Bill Gates é um bilionário não eleito – quem é ele para definir a agenda da saúde ou qualquer outra coisa? Três corolários dessa crítica são que a Fundação Gates tem muita influência, que tenho muita fé no setor privado como um motor de mudança e que sou um tecnófilo que acha que novas invenções resolverão todos os nossos problemas. (pág. 16)

Gates não tem uma resposta real para essas acusações, alegando apenas que sua fundação não funciona “em segredo”, que eles consultam “especialistas externos”. Quanto à tecnofilia, ele não se desculpa:

    A inovação é o meu martelo, e tento usá-la em cada prego que vejo. Como fundador de uma empresa de tecnologia de sucesso, acredito muito no poder do setor privado para impulsionar a inovação. Mas a inovação não precisa ser apenas uma nova máquina ou uma vacina, por mais importantes que sejam. Pode ser uma maneira diferente de fazer as coisas, uma nova política ou um esquema inteligente para financiar um bem público. (pág. 17)

A inovação, na Gateslândia, sempre funciona da mesma maneira: no começo há um problema grave, que por algum motivo ninguém notou ou se importou antes. Então, aparece um Inovador, muitas vezes uma mulher ou uma minoria racial. Este abençoado Inovador propõe uma solução simples e óbvia, que requer principalmente financiamento de subvenções. Depois disso, o problema não existe mais, e o mundo é melhor.

Assim temos a história de Bernard Olayo, que resolveu o problema do oxigênio:

    O oxigênio é um componente importante em qualquer sistema de saúde… e… países de baixa e média renda têm lutado [para fornecê-lo]. Bernard Olayo, especialista em saúde do banco mundial, está tentando fazer algo a respeito… Em 2014, Olayo criou uma organização chamada Hewatele – a palavra suaíli para “ar abundante”… Com financiamento de investidores locais e internacionais, a Hewatele construiu fábricas de oxigênio em vários dos hospitais mais movimentados do país… Ela concebeu um modelo de leiteiro: cilindros de oxigênio seriam regularmente deixados em hospitais e clínicas remotas, e cilindros vazios devolvidos para reabastecimento. Usando essa nova abordagem, a Hewatele reduziu o preço de mercado do oxigênio no Quênia em 50% e alcançou cerca de 35.000 pacientes. (pág. 119)

Ou a história de Stephaun Wallace, que está resolvendo o problema dos participantes demograficamente uniformes do estudo recrutando “um conjunto diversificado de voluntários de diferentes gêneros, comunidades, raças, etnias e faixas etárias” (p. 169). Ou a história da irmã Astridah Banda, que “não é médica, mas… é apaixonada por saúde pública” (p. 175), e que está ajudando a combater a desinformação sobre Corona na Zâmbia traduzindo orientações em inglês para os idiomas locais.

Gates gosta de encerrar suas anedotas com estatísticas que parecem boas, mas na verdade não dizem muito sobre o sucesso de suas abençoadas inovações: “O programa dela agora atinge mais de 1,5 milhão de pessoas” (p. 176), diz ele.

Problema, inovação, solução, felicidade: É assim que tudo funciona de acordo com Gates. É como Maurice Hilleman inventou a vacina contra caxumba, é como Katalin Karikó desenvolveu a tecnologia de mRNA, é como James Lind descobriu uma cura para o escorbuto:

    Em maio de 1747, um médico chamado James Lind estava servindo como cirurgião de um navio… Ele ficou horrorizado com o número de marinheiros que sofriam de escorbuto. Ninguém sabia na época o que causava o escorbuto, mas Lind queria uma cura, então ele decidiu tentar várias opções e comparar os resultados… O tratamento cítrico venceu. … Embora a marinha britânica não tornasse os cítricos uma parte obrigatória da dieta de um marinheiro por quase cinquenta anos, Lind havia encontrado a primeira evidência real de uma cura para o escorbuto. Ele também realizou o que é amplamente considerado como o primeiro ensaio clínico controlado da era moderna. (pág. 125)

Se você olhar um pouco mais fundo, porém, descobrirá que quase nada funciona como Gates afirma que funciona. Lind é um grande exemplo. O conhecimento de que o escorbuto estava relacionado à dieta e que frutas ou vegetais frescos poderiam curá-lo existia há séculos. Lind apresentou os resultados de seu experimento apenas de passagem; ele nunca promoveu os cítricos como o principal remédio, e o escorbuto continuou a atormentar os marinheiros até o século XX. Não foi a falta de disciplina nutricional que causou surtos de escorbuto, mas o problema logístico de manter estoques de alimentos frescos em longas viagens. E provar a cura das frutas cítricas não foi suficiente; sem uma compreensão mais profunda da vitamina C, a solução de Lind era incompleta e instável, fadada a ser contestada, esquecida e redescoberta repetidamente.

Problemas simples e diretos, do tipo que podem ser corrigidos pelo gênio de um inovador e pela beneficência da Fundação Bill e Melinda Gates, são tão raros que não há o suficiente para preencher nem mesmo o catálogo cuidadosamente escolhido de parábolas inovadoras de Gates. A maior parte do que enfrentamos são problemas complexos, difíceis e multifacetados, cujas soluções exigirão desenvolvimentos em vários campos e novos entendimentos culturais e sociais. O inovador empoderado é um mito conveniente, e essa crença persistente de que estamos apenas a um truque legal de resolver coisas como vírus é uma ilusão perigosa e destrutiva.

Gates, o engenheiro de software aposentado que não consegue distinguir entre vírus digitais e biológicos, é uma teoria específica do homem. Ao ler Como prevenir a próxima pandemia, porém, cheguei a formular outra teoria mais geral. Isto é simplesmente que, longe de ser um planejador conspiratório e calculista, Gates é um seguidor. Ele passa seus dias perseguindo burocratas, políticos e cientistas, importunando-os para reuniões, bajulando-os, perguntando-lhes o que pensar e repetindo ansiosamente tudo o que lhe dizem em prosa infantil e simplificada demais para quem quiser ouvir.

Ele adora citar nomes. Mal ele começou a escrever, ele está nos contando sobre sua “primeira ligação com Anthony Fauci”, um homem que ele “tem a sorte de conhecer… por anos… muito antes de estar na capa de revistas de cultura pop”. Gates “queria ouvir o que ele estava pensando”; ele “queria entender o que ele estava dizendo publicamente… então” ele “poderia ajudar ecoando os mesmos pontos” (p. 15). Você pode ver Gates agora, o estranho garoto de óculos na frente da classe, implorando ao professor pela resposta.

Em outro momento de descuido, Gates menciona ter participado de uma reunião em março de 2020 enquanto se sentia doente; usar máscara teria sido a coisa óbvia a fazer, dada sua fé nelas, mas “o CDC ainda não havia recomendado máscaras” (p. 110), então ele não se incomodou. Em outros lugares, Gates dá palestras a seus leitores sobre a natureza virtuosa e diligente dos burocratas médicos; ele os chama de “heróis anônimos” e adverte contra qualquer um que possa estar “falando mal” deles (p. 160). E em um posfácio bizarro sobre suas esperanças de um “futuro digital”, Gates se entusiasma com o quanto nossa nova confiança nas telas tornou mais fácil para ele manter contato com “líderes políticos”. “Pré-pandemia”, ele temia que pedir uma vídeo-chamada “teria sido visto como menos respeitoso do que se encontrar pessoalmente” (p. 238), mas agora a videoconferência é a norma, então ele se sente melhor em enviar um convite para vídeo-chamada sempre que quiser sua atenção.

Gates-o-seguidor explica o aspecto mais intrusivo de Como prevenir a próxima pandemia, ou seja, a ausência total em suas páginas de qualquer pensamento original. Gates não sabe de nada, exceto o que seu pequeno círculo de especialistas da corte lhe diz. Que as máscaras não funcionam, que a modelagem pandêmica foi um fracasso risível, que é o sistema imunológico humano e não a tecnologia que impõe as restrições finais ao potencial da vacina, que os vírus corona e influenza têm reservatórios animais maciços – ele não tem ideia sobre nada disso. Gates faz parte de um desenvolvimento ameaçador, uma nova geração de elite de baixo nível que se apresenta como líderes, enquanto segue ansiosamente todas as fontes de celebridades e autoridades que conhecem. Assim, a sociedade moderna está cada vez mais presa em perigosos ciclos de feedback que se reinforçam mutuamente, um enorme círculo da morte de formigas, um mundo de cães perseguindo seus rabos, sem ninguém no comando. Uma conspiração dirigida por Davos seria um conforto, mas nosso carro está indo para o penhasco e absolutamente ninguém está dirigindo. Isso é muito, muito pior.

Veja também:

Artigo original aqui