“Direitos trans” significa “privilégios trans” e o fim da sociedade civil

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Uma “sociedade civil” é uma comunidade de indivíduos que estão ligados entre si por interesses e atividades comuns. Os interesses comuns incluem poder andar pelas ruas com segurança (paz) e exercer direitos como a liberdade de expressão (liberdade individual). Esses interesses compartilhados permitem que atividades comuns floresçam, incluindo o comércio e a educação das crianças.

A sociedade civil só é possível porque a maioria das pessoas quer viver com segurança, proteger seus entes queridos e prosperar. Essa atitude laissez-faire costumava ser uma característica definidora dos americanos, mas uma guerra cultural planejada e bem financiada está destruindo a renomada tolerância americana. Se os interesses comuns da sociedade forem destruídos e a paz e a liberdade forem substituídas por violência e privilégio, então as atividades comuns, como comércio de livre mercado e educação, não poderão funcionar.

Um movimento captura a destruição crua dessa guerra cultural contra a sociedade civil – uma demanda por “direitos trans!” toma conta de toda a América. Mas uma forte reação contra ela também se desenvolveu, simbolizada pelo boicote à cerveja Bud Light devido ao uso pela empresa do ativista trans Dylan Mulvaney como uma nova embaixadora “mulher” de sua marca.

A mídia caracteriza essa reação como ódio antitrans de conservadores, cristãos e outros trogloditas. Mas poucas pessoas se preocupam com a orientação sexual ou de gênero de seus vizinhos. Os críticos do movimento trans estão se rebelando contra a redefinição forçada da biologia, a destruição dos esportes femininos por atletas trans, o sequestro da educação infantil, o experimento médico de crianças em transição de gênero e a intrusão de pênis em espaços exclusivos para mulheres, como banheiros, vestiários, prisões e abrigos. Os críticos não querem oprimir ninguém; eles querem um retorno à sociedade civil de paz e direitos individuais.

Para entender por que o movimento dos “direitos trans” causou tanto dano, é necessário fazer três perguntas. O que é uma pessoa “transgênero”? O que são “direitos”? O que é produzido pelas ações que o movimento realiza?

O que é uma pessoa transgênero? Aí já começam os problemas. Muitos intelectuais proeminentes hoje não conseguem nem responder à pergunta mais simples: O que é uma mulher? Este artigo usa uma definição comum: “Transgênero descreve pessoas cuja identidade de gênero não corresponde ao gênero atribuído no nascimento”. É uma das muitas categorias de gênero sendo promovidas pela justiça social. Existem até oitenta e uma categorias distintas, todas as quais são consideradas fluidas ou construídas ao longo do tempo.

Politicamente falando, o transgenerismo e as outras categorias de gênero são uma continuação da política de identidade. Esta é uma definição razoavelmente padrão de política de identidade: “A política de movimentos baseados em grupos que afirmam representar os interesses e a identidade de um grupo específico, em vez de questões políticas relacionadas a todos os membros da comunidade. A identidade do grupo pode ser baseada em etnia, classe, religião, sexo, sexualidade ou outros critérios” (grifo nosso). É uma tentativa de dividir a sociedade em grupos e categorias, todos os quais estão em guerra uns com os outros porque dizem que seus interesses são conflitantes. Como é essa guerra?

Considere um exemplo controverso: a transição de gênero. Isso é quando uma pessoa usa terapia de redesignação, reposição hormonal e cirurgia de redesignação sexual para mudar seu sexo de nascimento. Poucos argumentam contra a transição de gênero de adultos que pagam eles mesmos pelo processo. Mas o movimento trans exige a transição de gênero das crianças, muitas vezes às custas do contribuinte; ou seja, uma moleca pode se tornar um “menino” por meio de métodos que incluem cirurgia irreversível.

Há pelo menos dois pontos polêmicos aqui. Um deles é a idade mínima em que uma pessoa deve fazer a transição. A World Professional Association for Transgender Health afirma que os hormônios podem começar aos quatorze anos e algumas cirurgias aos quinze – em outras palavras, no auge da confusão sexual de um adolescente. Recentemente, uma assistente social licenciada em um centro médico infantil em Austin, Texas, foi flagrada dizendo que o centro oferecia modificação de gênero para crianças a partir dos oito anos. Em 25 de abril, o senador Ted Cruz e o deputado Chip Roy enviaram um pedido formal ao centro para obter informações sobre como a disforia de gênero é diagnosticada, como os dólares federais são gastos no processo e se os pacientes com menos de dezoito anos foram submetidos a “procedimentos médicos experimentais”.

A guerra de grupo aqui é entre o direito da criança contra o abuso físico e as demandas dos ativistas trans pelo acesso das crianças à transição. O outro ponto crítico é que as transições geralmente são realizadas sem o consentimento dos pais ou apesar das objeções dos pais. A guerra de direitos é travada aqui – ativistas trans estão usurpando os direitos tradicionais dos pais e os pais estão indignados.

A ideia de que os direitos de um grupo entram em conflito com os de outro é perversa porque destrói a própria base dos direitos humanos. Os direitos humanos são universais porque estão enraizados na natureza humana. Todos os seres humanos possuem os mesmos direitos no mesmo grau. Os direitos não são baseados em características secundárias como gênero; eles repousam sobre uma humanidade compartilhada. Em outras palavras, uma pessoa trans tem os mesmos direitos no mesmo grau que qualquer outra pessoa na sociedade. Nem mais nem menos.

Os “direitos” exigidos pelos ativistas trans são, na verdade, privilégios de grupo. Isso fica claro pela alegação de opressão histórica, que é usada para justificar muitas demandas. O que realmente está sendo reivindicado é a vitimização, sobre a qual se baseiam seus direitos. Para os ativistas trans manterem seu status de vitimização, no entanto, aqueles que se opõem a eles devem ser considerados opressores e inimigos sem fim. Convenientemente, essa caracterização remove a necessidade de lidar com qualquer argumento que os “inimigos” apresentem, como a necessidade de direitos humanos reais.

Mais uma vez, essa transformação é uma perversão. Se o movimento trans foi historicamente oprimido – e não discuto contra isso – então o movimento deveria valorizar os direitos individuais mais do que a pessoa média. Essas liberdades são como um indivíduo ofendido reage. Mas os ativistas trans não querem ser tratados como indivíduos iguais; eles querem ser um grupo privilegiado que impõe enormes custos à maioria da sociedade para seu grande benefício. Os direitos individuais são um obstáculo.

A transição de gênero é uma área em que a sociedade civil está sendo substituída pela guerra civil, mas há muitas outras:

  • “Mulheres” trans podendo usar locais exclusivos para mulheres, como prisões e abrigos, colocam as mulheres biológicas em risco de agressão sexual. Os estupros já estão acontecendo.
  • Os currículos trans nas escolas públicas doutrinam as crianças em detrimento do ensino de habilidades básicas para a vida, como matemática e alfabetização.
  • Um proeminente médico da Fox News alertou: “Estudantes de medicina do primeiro ano [são] expostos a uma aula de ‘cartilha de sexo e gênero’”. Isso desvia o foco dos problemas médicos; também pode prejudicar os relacionamentos com pacientes que não compartilham da ideologia woke ou não fazem parte de um grupo privilegiado. O mesmo está acontecendo nas faculdades de direito.
  • A agenda trans viola a liberdade de expressão constitucionalmente garantida de várias maneiras, desde ao forçar as escolas a usar pronomes como “todes” e até gritar alto-falantes ou atacá-la violentamente.
  • As leis draconianas de discurso de ódio estão destruindo o discurso público significativo. Um novo projeto de lei aprovado no parlamento irlandês, por exemplo, proíbe a comunicação ou a posse de material que possa incitar o ódio contra classes “protegidas”, incluindo gênero. Isso é punível com até cinco anos de prisão.
  • A demanda para incluir atletas trans no esporte feminino está destruindo todo o esporte feminino.
  • As crianças em transição que se arrependem profundamente da transição geralmente são silenciadas ou descartadas.

Uma maneira pela qual os destransicionistas são descartados é por meio de estudos e estatísticas de pouca credibilidade. Um artigo da Associated Press afirma: “Em uma revisão de 27 estudos” de cirurgias transgênero, “1%, em média, expressou arrependimento”. Se isso for verdade, é uma boa notícia. Mas é verdade? A ideologia incessante bombardeada pela academia e pelas ondas do rádio é mais um custo para a sociedade civil. Acadêmicos, jornalistas e os chamados especialistas ganharam o desprezo do público. Estudos e pesquisas se tornaram apenas mais uma frente nessa guerra de todos contra todos.

A mídia e as autoridades merecem este julgamento sumário do público. Considere como eles lidam com atos de violência. Todo ato de violência contra uma pessoa trans parece ser amplamente divulgado e condenado, como deveria ser. Mas a violência trans contra mulheres biológicas ou outras pessoas de fora parece ser ignorada ou desculpada. Mesmo o atirador trans em Nashville, que matou três crianças em idade escolar de nove anos e três adultos, é protegido por autoridades que se recusam a divulgar o manifesto do atirador. E os relatos da mídia frequentemente expressam mais preocupação com uma reação contra pessoas trans do que com as crianças mortas. A SAVE Services, uma agência que trabalha para garantir o devido processo legal e justiça nas escolas, tem uma página interessante chamada “Pare a onda de violência transgênero” onde muitos casos de violência trans são documentados. Nesse ambiente, simplesmente não é possível saber o que é verdade sobre os níveis de violência e contra quem.

Eu terminaria perguntando: pode uma violência mais geral – uma agitação civil selvagem – estar muito longe nós? Acredito que já esteja aqui.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui