Donos de academia acumulam mais de US$1 milhão em multas – e continuam a desobediência civil

3
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Quase 100.000 empresas americanas não conseguiram sobreviver à pandemia do coronavírus e as quarentenas governamentais que se seguiram. Ian Smith, o co-proprietário da Atilis Gym, estava determinado a não ser um deles.

O empresário de Nova Jersey desafia as ordens de fechamento do governador Phil Murphy há meses. Em um dia normal, centenas de pessoas vão à academia para se exercitar, e Smith estima que 84.000 pessoas treinaram no local desde que o estado impôs a quarentena em maio.

Para os clientes da academia, o desafio a quarentena de Smith trouxe benefícios. Eles conseguem manter o corpo, a mente e a alma em forma no que tem sido um ano estranho e estressante, e Smith afirma que nem um único caso COVID-19 foi rastreado até sua academia.

Para Smith e seu sócio Frank Trumbetti, no entanto, a decisão teve consequências.

“O governador Murphy tentou tudo o que podia para nos fechar. Ele prendeu meu parceiro e eu, dando-nos mais de 60 citações, algumas delas criminais. Ele nos multou em US$ 15.497,76 por dia para cada dia de operação”, disse Smith recentemente à Fox News. “Nossas multas estão totalizando mais de US$ 1,2 milhão, mas todos os dias, Frank e eu abrimos nossa academia.”

A perspectiva de enfrentar mais de um milhão de dólares em multas e acusações criminais é suficiente para convencer a maioria dos proprietários de empresas a obedecer. Não Smith.

Após sua entrevista com a Fox, ele postou um pequeno videoclipe no Twitter mostrando pessoas trabalhando em suas instalações e deixou uma mensagem simples para o governador Murphy: “Sem ciência. Sem fechamento.”

O clipe já foi visto mais de 7,7 milhões de vezes apenas no Twitter até a manhã dessa segunda-feira.

Smith não é o único empresário a desafiar as ordens de fechamento. Como escrevi antes do Dia de Ação de Graças, americanos de todos os matizes – proprietários de empresas, religiosos e até mesmo autoridades políticas – estão abraçando a tradição de desobediência civil e resistência pacífica as quarentenas que se mostraram ineficazes em retardar a transmissão do vírus.

De funcionários públicos em Beverly Hills a restaurantes em Kentucky e donos de academias em Buffalo, Nova York, os americanos começaram a resistir a ordens de fechamento que devastaram pequenas empresas e causaram o primeiro aumento da pobreza global extrema em décadas.

Um ano sombrio – com uma fresta de esperança?

A pandemia foi um dos capítulos mais difíceis e terríveis da história. Mais de 300.000 americanos morreram de ou com o vírus, de acordo com estatísticas oficiais, e as tentativas de mitigar a propagação do vírus resultaram em destruição econômica generalizada e deterioração da saúde mental.

Mas o lado bom é que os americanos estão testemunhando um renascimento da desobediência civil contra o exagero do governo. De leis sobre o cinto de segurança à educação obrigatória, à proibição de fumar em uma propriedade privada e além, nas últimas décadas os americanos obedeceram obedientemente às leis que violaram a liberdade individual na busca de um suposto bem coletivo.

As quarentenas, entretanto, lembraram aos americanos a verdadeira natureza do governo.

“A essência do governo é a força e, na maioria das vezes, essa força é usada para realizar fins malignos”, observou certa vez o falecido economista Walter Williams.

Ao cumprir as leis que parecem razoáveis ​​na busca de um bem comum, os americanos se esqueceram amplamente de que o governo é um mal – necessário?, talvez, mas que deve ser limitado e acorrentado a cada passo para evitar que se transforme em tirania.

É precisamente por isso que os fundadores dos EUA criaram um sistema fragmentado de governo que descentralizou o poder e foi fortalecido com vários freios e contrapesos.

“Um despotismo eletivo não era o governo pelo qual lutamos; mas um em que os poderes do governo deveriam ser tão divididos e equilibrados entre os vários órgãos da magistratura, de forma que ninguém pudesse transcender seus limites legais sem ser efetivamente verificado e restringido pelos outros”, escreveu Thomas Jefferson em Notas sobre o Estado da Virgínia.

Por mais estranho que possa parecer para muitos hoje, a razão de ser do governo não é criar “um mundo melhor”, mas a proteção da liberdade. Porque é somente através da proteção da liberdade que um mundo melhor será criado.

Sem dúvida, o coronavírus é uma ameaça séria e mortal. Mas é um indivíduo que deve gerencia-la, não planejadores centrais.

“Substituir o que deveria ser uma tomada de decisão privada pela tomada de decisão democrática é nada menos do que uma tirania disfarçada”, disse Williams uma vez.

Privar indivíduos saudáveis ​​da capacidade de trabalhar ou fazer comércio é tirania, mesmo que ela esteja usando um vestido.

Ian Smith vê isso, e seu desafio contra Murphy – cujas tentativas atrapalhadas de desacelerar o vírus simplesmente resultaram em Nova Jersey tendo a maior taxa de mortalidade COVID-19 dos EUA – é um ato de heroísmo.

Esperançosamente, seu ato de desobediência civil irá inspirar outros a lembrar a verdadeira natureza do homem e seus direitos naturais.

“Não nasci para ser forçado”, escreveu Henry David Thoreau, o poeta e abolicionista americano. “Vou respirar à minha própria maneira.”

No Brasil, Luciano Hang, proprietário da Havan segue firme com sua heroica desobediência civil, dando o exemplo para todos os empresários brasileiros.

 

Artigo original aqui.

3 COMENTÁRIOS

  1. Cara, que vergonha morar em um lugar onde pessoas pacíficas tem que passar por isso…
    O que esse bando de robocop do governo deve estar pensando? “se fosse um trabalhador a gente já tinha lascado no tapa”.
    Tem muita gente que pode pensar: ele faz isso porque tem dinheiro. Errado, ele tem a convicção e agressividade própria dos homens de negócio. É gente do bem. Burocratas da máfia estatal tem uma convicção exclusiva: fazer o mal.
    Espero que os liberalóides do estado mínimo tenham visto esse vídeo: a culpa é de vocês, não é do estado. Burocratas do governo são apenas homens ruins, não esperamos nada deles. Agora de vocês, fariseus da liberdade, ainda tem gente que acredita. Jesus H.D.S. está certo: o liberalismo é uma impossibilidade teórica e prática.
    O gaúcho se orgulha de ser politizado? toma aí seus bostas…