Por que as pessoas não confiam na vacina Covid

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Por que as pessoas acreditam em teorias da conspiração?

Michael Shermer, um cético famoso, foi forçado a admitir que uma das razões é que algumas delas são verdadeiras. Em sua pesquisa, ele descobriu que o fato de algumas teorias da conspiração serem reais alimenta a suspeita das pessoas e as torna suscetíveis à crença em outras que são muito menos confiáveis.

Somos cada vez mais levados a adotar uma postura rígida em questões que apresentam nuances. Um exemplo disso é um aparente aumento em dois campos: algumas pessoas são inteiramente contra a medicina tradicional, enquanto outras se dobram para montar uma defesa extrema dos excessos indefensáveis ​​da Big Pharma.

Remédios salvam vidas. Remédios são perigosos. Estas não devem ser declarações controversas, nem se contradizem. De acordo com os próprios números da American Medical Association, o atendimento médico tornou-se a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos[1], mas poucos defenderiam um retorno a uma época antes de termos atendimento médico moderno.[2]

Quando o governo está comprando o medicamento de qualquer maneira e essas empresas estão protegidas da responsabilidade por danos que possam ser causados ​​por esses medicamentos, é surpreendente que as pessoas não se questionem se o que está sendo oferecido a elas é seguro ou não. Uma das razões pelas quais as pessoas acreditam em teorias da conspiração sobre as Big Pharma é porque algumas delas são verdadeiras.

Um pouco da história da Pfizer

Um anúncio de 2004 da Zoloft afirmou que mais de 16 milhões de americanos foram afetados pelo transtorno de ansiedade social. Mas o problema é o seguinte: um estudo conduzido pela Pfizer (o fabricante) descobriu que os participantes superaram muito melhor a ansiedade social com “terapia de exposição”, incluindo aconselhamento com um médico de atenção primária sobre seus sintomas e dever de casa para aprender como identificar e superar hábitos e medos sociais se saíram melhor do que as pessoas que usaram seus medicamentos.[3]

Quando a Upjohn Company (agora Pfizer) desenvolveu o Minoxidil, uma droga que foi originalmente fabricada para baixar a pressão arterial, eles descobriram que ele poderia causar o recrescimento do cabelo em alguns pacientes calvos. Então, eles simplesmente trocaram o efeito comercializado pelo chamado efeito colateral, e tinham um medicamento para calvície que apenas também baixava a pressão arterial.[4]

O estudo ALLHAT (ensaio de tratamento anti-hipertensivo e hipolipemiante para prevenir ataques cardíacos) tinha como objetivo comparar a eficácia de quatro medicamentos na prevenção de complicações da hipertensão. A intenção original era que ele continuasse por quatro a oito anos, mas parte dele foi interrompido prematuramente porque os participantes designados para Cardura (fabricado pela Pfizer) estavam desenvolvendo significativamente mais complicações cardiovasculares do que aqueles que tomavam um diurético. Na época em que os resultados foram publicados no JAMA (Journal of the American Medical Association), cerca de US$ 800 milhões em Cardura estavam sendo vendidos a cada ano – mas o diurético estava se mostrando mais eficaz na prevenção de complicações de hipertensão arterial por um sétimo do custo. Aproveitando-se do fato de que a maioria dos médicos não sabia da pesquisa, a Pfizer contratou consultores de controle de danos. O American College of Cardiology (ACC) emitiu um comunicado à imprensa recomendando que os médicos “interrompessem o uso” de Cardura, mas poucas horas depois rebaixaram sua recomendação para “reavaliar”. Isso poderia ter a ver com a contribuição da Pfizer de mais de $ 500.000 por ano para o ACC?[5]

Quem financia o estudo sai por cima. As empresas costumam usar resultados positivos de testes diretos para encorajar os médicos a prescreverem seus medicamentos, em vez dos de um concorrente. Quando os autores de uma pesquisa do Journal of Psychiatry analisaram os testes, descobriram uma coisa curiosa: em cinco testes pagos pela Eli Lilly, seu medicamento Zyprexa saiu parecendo superior ao Risperdal, um medicamento fabricado pela empresa Janssen. Mas quando a Janssen patrocinou seus próprios testes, Risperdal foi o vencedor três em quatro vezes. Quando era a Pfizer financiando os estudos, seu medicamento Geodon era o melhor. Na verdade, essa tendência de o medicamento do patrocinador sair no topo foi verdade para 90% dos mais de trinta testes da pesquisa.[6]

Um artigo de 2017 observou que “os preços dos produtos farmacêuticos feitos nos Estados Unidos subiram seis vezes na última década em relação ao custo de bens e serviços em geral.”[7] Em um caso famoso, a Mylan conseguiu aumentar o preço do EpiPen em mais de 450% , ajustando pela inflação, entre 2004 e 2016 – apesar de a epinefrina em cada injeção custar apenas cerca de US$ 1 – porque eles eram o único fornecedor legal do produto.[8] Este exemplo, embora extremo, infelizmente não é excepcional. Pfizer, Biogen, Gilead Sciences, Amgem, AbbieVie, Turing Pharmaceutical, Envizo, Valeant Pharmaceuticals e Jazz Pharmaceuticals (para citar alguns) parecem ter se beneficiado com o aumento de preços ao obter poder de monopólio legalmente protegido sobre certos produtos de saúde.[9]

A vacina covid-19 fabricada pela Pfizer – tendo contornado os habituais 5 a 10 anos de testes de segurança – pode muito bem ser completamente inofensiva, mas enquanto este tipo de palhaçada continuar a ser comum no campo médico, podemos esperar que pessoas cada vez mais céticas sejam rotuladas por seus críticos como “anti-vacina”.

 

Artigo original aqui.

__________________________________

Notas

[1] Ray Sipherd, “The Third-Leading Cause of Death in US Most Doctors Don’t Want You to Know About,” CNBC, Feb. 22, 2018, http://bit.ly/100_errors.

[2] Em seu famoso relatório, To Err Is Human, o Institute of Medicine estimou que, enquanto 98.000 americanos são mortos a cada ano por erros médicos, entre 90.000 e 400.000 pacientes são feridos ou mortos pelo uso inocente de remédios. Eles receberam o remédio errado, a dose errada do remédio certo ou dois remédios que interagiram de maneira errada. Institute of Medicine, To Err is Human: Building a Safer Health System, ed. Linda T. Kohn, Janet M. Corrigan e Molla S. Donaldson (Washington, DC: National Academies Press, 2000).

[3] John Abramson, Overdosed America: The Broken Promise of American Medicine (New York: Harper Perennial, 2013), p. 232–33.

[4] Doug McGuff and Robert P. Murphy, Primal Prescription: Surviving the “Sick Care” Sinkhole (n.p.: Primal Nutrition, 2015), p. 65.

[5] Abramson, Overdosed America, p. 108–09.

[6] Shannon Brownlee, Overtreated: Why Too Much Medicine Is Making Us Sicker and Poorer (New York: Bloomsbury, 2008), p. 230.

[7] Robert Pearl, “New Checks and Balances For Big Pharma,” The Health Care Blog, May 12, 2017, http://bit.ly/New_Checks.

[8] Charles Silver and David A. Hyman, Overcharged: Why Americans Pay Too Much for Health Care (Washington, DC: Cato Institute, 2018), p. 28.

[9] Silver and Hyman, Overcharged, pp. 25–30.

1 COMENTÁRIO

  1. É curioso ver a esquerda socialista, que no passado era contra qualquer multi-nacional, levantando a bunda para qualquer laboratório vendedor de vacinas feitas de açucar… nunca pensei que chamaria esse pessoal de lacaios de indústria farmaceutica neoliberal. Depois os gados, negacionistas somos nós…