Em defesa dos demagogos

1

[Este artigo é o capítulo 36 do livro Crestomatia rothbardiana, de Murray Rothbard]

Há muitos anos, os demagogos têm sido injustiçados. Eles não são sóbrios, não são respeitáveis, não são “cavalheiros”. No entanto, há uma grande e crescente necessidade de seus serviços. Quais foram, exatamente, as acusações levantadas contra os demagogos? São cerca de três em número.

Em primeiro lugar, eles são forças disruptivas no corpo político. Eles agitam as coisas. Em segundo lugar, eles supostamente falham em jogar o jogo ao apelar para as emoções básicas, ao invés da razão fria. Disso decorre a terceira acusação: que eles apelam para as massas do grande público com visões emocionais, extremas e, portanto, doentias. Acrescente a isso o vício do entusiasmo pouco cavalheiresco, e praticamente catalogamos os pecados da espécie demagoga.

A acusação de emocionalismo é certamente irrelevante. O problema de uma ideologia não é se ela é apresentada de maneira emocional, prática ou monótona. A questão é se a ideologia está ou não correta. Quase sempre, o demagogo é um homem que descobre que suas ideias são defendidas por apenas uma pequena minoria de pessoas, uma minoria que tende a ser particularmente pequena entre os sóbrios e respeitáveis. Convencido da verdade e da importância de suas ideias, ele vê que o grande peso da opinião pública, e particularmente dos respeitáveis formadores dessa opinião, é hostil ou indiferente a essa verdade. É de se admirar que tal situação deixe um homem emocional?

Todos os demagogos são inconformistas ideológicos, portanto, estão fadados a se emocionar com a rejeição geral e respeitável do que consideram ser a verdade vital. Mas nem todos os inconformistas ideológicos se tornam demagogos. A diferença é que o demagogo possui aquela qualidade de atração de massa que lhe permite usar a emoção para agitá-las. Ao se dirigir às massas, ele passa por cima dos respeitáveis intelectuais que ordinariamente orientam sua opinião. É esse apelo elétrico e direto às massas que dá ao demagogo seu significado vital e que o torna uma ameaça à ortodoxia dominante.

O demagogo é frequentemente acusado por seus inimigos de ser um oportunista insincero, um homem que usa cinicamente certas ideias e emoções para ganhar popularidade e poder. É quase impossível, no entanto, julgar os motivos de uma pessoa, particularmente na vida política, a menos que seja um amigo próximo. Vimos que é muito provável que o demagogo sincero seja ele próprio emotivo, enquanto instiga os outros à emoção. Finalmente, se um homem é realmente um oportunista, a maneira mais fácil de aclamação e poder é colaborar com a ortodoxia dominante, e não o contrário. O caminho do demagogo é o mais arriscado e o de menor chance de sucesso.

Faz parte da moda crer que uma ideia seja errada na proporção de seu “extremismo” e certa na medida em que for uma confusão caótica de doutrinas contraditórias. Para o meio-campista profissional, espécie sempre encontrada em abundância, o demagogo invariavelmente vem como um choque desagradável, pois é uma das qualidades mais admiráveis do demagogo obrigar os homens a pensar, alguns pela primeira vez em suas vidas. Da confusão de ideias atuais, tanto na moda quanto fora de moda, ele extrai algumas e as leva às suas conclusões lógicas, ou seja, “aos extremos”. Ele, assim, força as pessoas a rejeitar suas visões vagamente sustentadas como infundadas, ou a considerá-las corretas e persegui-las até suas consequências lógicas. Longe de ser uma força irracional, então, o mais tolo dos demagogos é um grande servo da Razão, mesmo quando está mais errado do que certo.

Um exemplo típico é o demagogo inflacionista: a “manivela monetária”. A grande maioria dos economistas respeitáveis sempre zombou da manivela sem perceber que eles não são realmente capazes de responder aos seus argumentos, pois o que o excêntrico fez foi pegar o inflacionismo do cerne da economia da moda e empurrá-lo para sua conclusão lógica. Ele pergunta: “Se é bom ter uma inflação monetária de 10% ao ano, por que não é ainda melhor dobrar a oferta monetária a cada ano?” Apenas alguns economistas perceberam que, para responder à manivela com razoabilidade, e não com ridículo, é necessário purgar a economia da moda de seus fundamentos inflacionistas.

Os demagogos provavelmente caíram em descrédito no século XIX, quando a maioria deles era socialista. Mas sua oposição conservadora, como é típico dos conservadores em todas as épocas, nunca chegou a entender a lógica da posição dos demagogos. Em vez disso, eles se contentaram em atacar o emocionalismo e o extremismo dos novatos. Com sua lógica inatacável, os demagogos socialistas triunfaram, pois o argumento sempre vencerá o preconceito puro a longo prazo. Parecia que os socialistas tinham a razão do seu lado.

Agora o socialismo é a ideologia da moda e respeitável. Os velhos argumentos apaixonados dos discursos de rua tornaram-se os clichês cansados do coquetel e da sala de aula. Qualquer demagogia, qualquer coisa que possa causar problemas ao sistema, quase certamente viria da oposição individualista. Além disso, o estado está agora no comando e, sempre que essas condições prevalecem, fica ansioso para evitar rupturas e turbulências ideológicas. Em seu rastro, os demagogos trariam “desunião” e as pessoas poderiam ser estimuladas a pensar por si mesmas, em vez de cair em uma marcha universal atrás de seus líderes ungidos. Além disso, os demagogos individualistas seriam mais perigosos do que nunca, porque agora poderiam ser equipados com argumentos racionais para refutar os clichês socialistas. A respeitável esquerda estatista, então, teme e odeia o demagogo e, mais do que nunca, ele é objeto de ataque.

É verdade que, a longo prazo, nunca seremos livres até que os intelectuais – os formadores naturais da opinião pública – tenham se convertido para o lado da liberdade. No curto prazo, no entanto, o único caminho para a liberdade é apelar às massas passando por cima dos chefes do estado e sua guarda-costas intelectual. Esse apelo pode ser feito com mais eficácia pelo demagogo – o homem rude e grosseiro do povo, que pode apresentar a verdade em uma linguagem simples, eficaz e, sim, emocional. Os intelectuais veem isso claramente, e é por isso que eles constantemente atacam todas as indicações de demagogia libertária como parte de uma “maré crescente de anti-intelectualismo”. Claro, não é anti-intelectualismo; é a salvação da humanidade daqueles intelectuais que traíram o próprio intelecto.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.