Entendendo a Guerra da Rússia: A Estranha Filosofia de Aleksandr Dugin

3

Os russos são “escolhidos escatologicamente”. Eles devem se opor à falsa fé, à pseudo-religião do liberalismo ocidental e à disseminação de seu mal: modernidade, cientificismo, pós-modernidade e a nova ordem mundial. Esta é a tese de Aleksandr Dugin, o proeminente filósofo russo e mentor do presidente russo Vladimir Putin. Como uma “área pivô” geográfica, a Rússia deve recuperar sua posição no coração do continente eurasiano.

Filosofia politica

A teoria política do tradicionalismo de Aleksandr Dugin quer libertar o socialismo de suas características materialistas, ateístas e modernistas. Ele chama sua abordagem de “a quarta teoria política” (2012) porque é dirigida contra as outras ideologias do comunismo, liberalismo e fascismo. Dugin, que ensina sociologia e geopolítica na Universidade Lermontov de Moscou, busca uma nova ideia política para a Rússia. Ele a encontra na identidade tradicional da região, que Dugin associa à “religião, hierarquia e família”. Como tal, sua teoria é uma “cruzada” contra a pós-modernidade, a sociedade pós-industrial, o pensamento liberal e a globalização.

Em sua terra natal, Aleksandr Dugin é um conhecido geoestrategista e mentor do atual presidente russo, Vladimir Putin. Para Dugin, os EUA são uma ameaça à cultura russa e à identidade da Rússia. Ele deixa sua posição inequivocamente clara quando declara:

Acredito firmemente que a Modernidade está absolutamente errada e a Sagrada Tradição está absolutamente certa. Os EUA são a manifestação de tudo que eu odeio – Modernidade, ocidentalização, unipolaridade, racismo, imperialismo, tecnocracia, individualismo, capitalismo.

Aos seus olhos, os EUA são “a sociedade do Anticristo”. Os Estados Unidos da América são o país sinistro e alarmante do outro lado do oceano, “sem história, sem tradição, sem raízes… o resultado de um experimento puro dos racionalistas utópicos europeus”. Ele lamenta que os EUA estejam impondo sua dominação planetária e experimentando o triunfo de seu estilo de os EUA veem as normas do progresso e da civilização.

De acordo com Dugin, os EUA negam a todos os outros “o direito ao seu próprio caminho, sua própria cultura e seu próprio sistema de valores”. Sua conclusão, portanto, é que enterrar os EUA “é nosso dever religioso”. A salvação não só da Rússia, mas de praticamente todo o continente eurasiano é o retorno à sua “Sacra Tradição”. Aos olhos de Dugin, a Rússia deve retornar à sua verdadeira identidade. Um retorno à grandeza da Rússia é uma obrigação moral. Os EUA estão impedindo o cumprimento do destino messiânico da Rússia.

Geopolítica

Na visão de Dugin, a cisão cultural tem uma contraparte geopolítica. Sua grande visão é criar um eixo Paris-Berlim-Moscou que preenchesse o buraco negro geopolítico que havia sido deixado na Eurásia após o fim da União Soviética.

Alguns dos conceitos básicos de geopolítica de Dugin remontam ao geógrafo geopolítico inglês Halford J. Mackinder e ao teórico geopolítico alemão Karl Hans Haushofer (1869-1946). Mackinder (1861-1947) apresentou sua tese de que o coração da Eurásia é o “pivô geográfico da história” em uma reunião da Royal Geographic Society já em 1904.

O prognóstico de Mackinder dizia que, embora a vasta área da Eurásia tenha sido inacessível aos navios, essa desvantagem terminará porque a Rússia está prestes a construir um sistema ferroviário abrangente. Ser inacessível aos navios não é mais uma desvantagem. Com o sistema ferroviário, o Império Russo está a caminho de pressionar “a Finlândia, a Escandinávia, a Polônia, a Turquia, a Pérsia, a Índia e a China”. No mundo em geral, uma Rússia modernizada ocuparia a posição estratégica central da Alemanha na Europa”.

Na época da apresentação de Mackinder no início do século XX, Londres já estava preocupada com a ascensão da Alemanha como uma potência industrial e se a Rússia seguisse esse caminho, um novo e potencialmente maior rival surgiria. A prevenção de qualquer aliança entre Rússia e Alemanha ganhou prioridade estratégica nos círculos de política externa do Reino Unido. O conceito de manter o equilíbrio de poder na Europa e anunciar a conquista da Rússia pela Alemanha ou vice-versa tornou-se um imperativo estratégico e motivou a Grã-Bretanha a entrar na Primeira Guerra Mundial em 1914.

Na década de 1920, a visão geoestratégica de Karl Haushofer de um eixo de Paris, Berlim e Moscou a Tóquio ganhou forma na Alemanha e também atraiu estrategistas soviéticos. A teoria geopolítica de Dugin representa a continuação desta linha de pensamento e segue Haushofer, bem como a máxima de Mackinder: “Quem governa a Europa Oriental comanda seu coração: Quem governa seu coração comanda a Ilha-Mundo: Quem governa a Ilha-Mundo comanda o Mundo”.

Para Dugin, o conflito entre a Organização do Tratado do Atlântico Norte e o Pacto de Varsóvia durante a Guerra Fria situa-se no mesmo contexto da guerra entre Cartago e Roma. Com o fim da União Soviética e a ascensão dos Estados Unidos como a única superpotência, esse conflito histórico atingiu um novo estágio. Agora, a Rússia está sozinha contra uma OTAN ampliada. Com isso, o conflito entre a região atlântica e o coração da Eurásia caminha para um confronto.

Uma década antes de a visão de mundo geopolítica de Dugin ganhar destaque, o estrategista geopolítico americano Zbigniew Brzezinski também identificou o coração do Leste Europeu como uma região pivô. Em seu The Grand Chessboard: American Primacy and Its Geostrategic Imperatives (2016), Brzezinski explica que, para manter o papel primordial dos EUA no mundo, ela deve incluir a Alemanha e o Japão como suas fortalezas nos lados ocidental e oriental do continente euro-asiático para manter a Rússia em cheque.

Quanto à importância da posição geoestratégica da Rússia e seus vizinhos, não haveria muita diferença entre Aleksandr Dugin e Zbigniew Brzezinski. Para ambos, a Eurásia é o tabuleiro de xadrez no qual a luta pela primazia global continua a ser jogada. A diferença fundamental, no entanto, entre os Estados Unidos e a Rússia é que o colapso da União Soviética deixou os Estados Unidos na posição única de se tornar a primeira superpotência com alcance global.

Para estabelecer essa hegemonia, explica Brzezinski, a Eurásia é o “geopoliticamente axial” e a Ucrânia é um estado-pivô geopolítico. Segue-se que “sem a Ucrânia, a Rússia deixa de ser um império eurasiano…. No entanto, se Moscou recuperar o controle sobre a Ucrânia … a Rússia automaticamente recupera novamente os meios para se tornar um poderoso estado imperial, abrangendo a Europa e a Ásia.”

Crítica

É difícil entender que Dugin reivindique “tradição” e “identidade” quando, na verdade, a história russa dos séculos XIX e XX foi um desastre. Foi o apego a tradições imaginárias que lançaram as bases para que as calamidades acontecessem. Foi a resistência dos czares contra o liberalismo e o capitalismo que continuou sob os soviéticos até a atual liderança que bloqueou o progresso da Rússia.

No século XX, a Rússia experimentou uma catástrofe após a outra. A Guerra Russo-Japonesa de 1905 terminou com uma derrota humilhante e provocou revoltas violentas no país. A Primeira Guerra Mundial custou milhões de baixas e devastou a economia da Rússia. A tomada de poder bolchevique levou à sangrenta guerra civil de 1918-1921, seguida pela guerra russo-polonesa de 1919-1920. A União Soviética começou sua existência paralelamente ao estabelecimento do GULAG, a vasta rede de campos de concentração.

A industrialização forçada e a coletivização das terras agrícolas geraram o Holodomor, a fome com milhões de mortes na Ucrânia e no Cazaquistão. O regime de terror de Stalin prendeu milhões em campos de trabalho.

A Segunda Guerra Mundial de 1941-45 trouxe terríveis baixas militares e civis e foi imediatamente seguida pela Guerra Fria com sua corrida armamentista e compromissos caros em muitos países do Terceiro Mundo. A trágica guerra no Afeganistão por mais de dez anos, até 1989, deu o golpe final e levou ao colapso da União Soviética. A tentação fracassada de estabelecer uma economia de mercado não trouxe prosperidade, mas estabeleceu o capitalismo de estado oligárquico.

Igualmente problemática é a análise de Dugin da guerra e da cultura como o principal conflito entre a área atlântica e o coração da Eurásia. Para ambos os aspectos, guerra e cultura, seu conceito de “atlanticistas” contra “eurasianos” é fundamentalmente falho. As guerras entre as nações marítimas europeias marcaram a história desde os tempos da Grécia e Roma e atingiram novos patamares após a descoberta da América. Da mesma forma, as “potências terrestres” França e Alemanha invadiram a Rússia e ambas foram derrotadas pela Rússia com a ajuda dos “atlanticistas”.

Quanto à tese de uma cisão cultural fundamental entre a Europa Ocidental e as terras russas, devemos lembrar que a Igreja Ortodoxa Russa em muitos aspectos está mais próxima do catolicismo do que a Igreja Católica está do protestantismo no Ocidente. A literatura e a música russas do século XVIII foram profundamente influenciadas pela parte ocidental da Europa e as contribuições russas repercutiram fortemente na Europa Ocidental. Não foi uma ruptura cultural que fez a Rússia adotar o marxismo em vez do capitalismo livre e os valores do liberalismo clássico. A Rússia importou as falsas ideologias do Ocidente. Ao optar pelo marxismo do Ocidente em vez do capitalismo liberal do Ocidente, a Rússia cometeu seu maior erro até agora.

Com relação à atual guerra na Ucrânia, não apenas a política externa da Rússia se tornou refém da geopolítica, mas também dos EUA. Ao perder a Ucrânia, a Rússia teme perder sua identidade junto com a chance de se tornar um player global novamente. Para os EUA, a Ucrânia é vista como o estado central para manter e expandir sua posição hegemônica global. Em ambos os países, os formuladores de política externa olham para o mapa geográfico e veem um tabuleiro de xadrez. Ambos parecem acreditar que a autoridade sobre a Ucrânia decide definitivamente seu próprio futuro.

Não seria a primeira vez na história que uma “idée fix” como a determinação geográfica dos assuntos mundiais coloca em risco a prosperidade e a paz em todos os continentes.

Conclusão

Ao seguir o caminho ideológico de Aleksandr Dugin, a Rússia cometeria outro erro trágico. Em vez de seguir as ilusões de uma tradição imaginária, a liderança russa deveria reconhecer que, a não ser com o capitalismo livre, não haverá liberdade nem prosperidade.

Historicamente, a casa da Rússia não está fora da Europa. Petersburgo e Moscou são cidades europeias. Se, no entanto, as potências ocidentais não conseguirem integrar a Rússia em um sistema de segurança comum, a Rússia se voltará para a Ásia. Com China, Índia e Irã, novas associações estão disponíveis.

Considerando o papel estratégico “pivô” da Ucrânia, tanto a Rússia quanto os EUA podem estar errados.

 

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS

  1. Mais um filósofo ambicioso espalhando por aí suas idéias equivocadas ao mesmo tempo que justifica às ambições autoritárias dos políticos e dos oligarcas.

    Querem expandir a “influência” da Russia mas no máximo irão apenas quebrar o país e anexar regiões devastadas pela guerra.

    Os políticos imperialistas americanos, enquanto isso, apenas aproveitam a chance para alienar mais às populações que dominam em nome da “causa justa”, ao mesmo tempo que se enchem de dinheiro juntamente às indústrias mais poderosas e influentes que estão lucrando horrores nessa guerra.

    Não duvido que os burocratas ucranianos estejam nadando nas riquezas enviadas para “ajuda humanitária” naquele país, não é atoa que o presidente de lá está tão ativo na demanda por dinheiro e armamentos, deve estar lucrando muito com tudo isso.

  2. Não vejo nada de absurdo nesta quarta teoria política do Dugin. Qual o problema? é autoritária? sim, mas a suposta democracia americana há mais de 200 anos vem espalhando o terror sob o mundo. No geral, o anti-americanismo costuma ser um monopólio da esquerda comunista e seus agregados. E que o final jamais foram capazes de impedir que o estado americano fosse uma nova Roma. Eu vejo um limite de agressviidade desta teoria nas mãos dos políticos russos, à região específica da eurásia. Ao contrário da democracia americana que tem a capacidade de combate 24 horas por dia em qualquer lugar do mundo.

    Se eu não fosse libertário, o caminho mais lógico é ser contra o liberalismo, fascismo e comunismo; essa quarta teoria política – ou o tradicionalismo em geral, portanto, é compatível – sem conhece-la profundamente, com um certo espírito para quem a grosso modo se considera conservador.

    Ser anti-liberal não significa ser contra as instituições de mercado, até porque, os libertários identificam os liberais como os seus inimigos preferenciais.

    Não fosse o interesse americano, esse guerra não teria passado de 15 dias…

    O professor Mueller é um grande e articulado anarcocapitalista e escreveu um excelente artigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.