Esqueça o que os “especialistas” dizem sobre deflação: ela fortalece a economia

2
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Para a maioria dos especialistas, a deflação é uma má notícia, pois gera expectativas de queda contínua dos preços, levando os consumidores a adiar a compra de bens presentes, pois esperam comprá-los a preços mais baixos no futuro. Consequentemente, isso enfraquece o fluxo geral de gastos correntes e isso, por sua vez, enfraquece a economia. A atividade econômica, acreditam os especialistas, é um fluxo circular de dinheiro. Os gastos de um indivíduo tornam-se os ganhos de outro indivíduo, e os gastos de outro indivíduo tornam-se parte dos ganhos do indivíduo anterior.

Se as pessoas ficam menos confiantes sobre o futuro decidem reduzir seus gastos, e isso enfraquece o fluxo circular de dinheiro. Uma vez que um indivíduo gasta menos, isso piora a situação de algum outro indivíduo, que por sua vez também reduz seus gastos.

De acordo com o ex-presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke,

    A deflação é, em quase todos os casos, um efeito colateral de um colapso da demanda agregada – uma queda nos gastos tão severa que os produtores precisam reduzir os preços continuamente para encontrar compradores. Da mesma forma, os efeitos econômicos de um episódio deflacionário, em sua maior parte, são semelhantes aos de qualquer outro declínio acentuado nos gastos agregados – a saber, recessão, aumento do desemprego e estresse financeiro.

Murray Rothbard, no entanto, sustentou que em um mercado livre o poder de compra crescente da moeda (mostrado pela queda dos preços) torna os bens mais acessíveis às pessoas. Ele escreveu:

um genuíno aumento no padrão de vida das pessoas decorre de investimentos em capital, o que aumenta a produtividade. E um aumento na produtividade tende a reduzir os preços (e os custos) e, por conseguinte, a distribuir os frutos da livre iniciativa para todo o público, elevando o padrão de vida de todos os consumidores. Aumentar forçadamente o nível dos preços impede essa disseminação de um padrão de vida mais elevado.

O economista Joseph Salerno acrescenta:

    Historicamente, a tendência natural na economia de mercado industrial sob uma moeda-mercadoria como o ouro tem sido que os preços gerais declinam persistentemente à medida que a acumulação de capital em curso e os avanços nas técnicas industriais levam a uma expansão contínua na oferta de bens. Assim, ao longo do século XIX e até a Primeira Guerra Mundial, uma leve tendência deflacionária prevaleceu nas nações industrializadas, à medida que o rápido crescimento da oferta de bens ultrapassou o crescimento gradual da oferta monetária que ocorreu sob o padrão ouro clássico. Por exemplo, nos EUA, de 1880 a 1896, o nível de preços no atacado caiu cerca de 30%, ou 1,75% ao ano, enquanto a renda real aumentou cerca de 85%, ou cerca de 5% ao ano.[1]

Dinheiro e dinheiro do “nada”

O dinheiro surgiu porque poderia sustentar a economia de mercado de forma mais eficiente do que o escambo. A característica distintiva do dinheiro é seu papel como meio geral de troca, evoluindo da mercadoria mais comercializável. Sobre isso Ludwig von Mises escreveu:

    Haveria uma tendência inevitável de que os menos comercializáveis ​​da série de bens usados ​​como meio de troca fossem rejeitados um a um até que, finalmente, restasse apenas uma única mercadoria, que era universalmente empregada como meio de troca; em uma palavra, dinheiro.

Todos os bens e serviços são negociados por dinheiro. Esta característica fundamental do dinheiro deve ser contrastada com outros bens. Por exemplo, os alimentos fornecem a energia necessária aos seres humanos. Os bens de capital permitem a expansão da infraestrutura que, por sua vez, permite a produção de uma maior quantidade de bens e serviços. Através do processo de seleção em andamento ao longo de milhares de anos, os indivíduos decidiram que o ouro era o padrão para o dinheiro.

Em uma economia de mercado, a função chave do dinheiro é ser o meio de troca. Por meio de dinheiro, um produto de um especialista é trocado pelo produto de outro especialista.

Alternativamente, podemos dizer que algo é trocado por dinheiro, e então o dinheiro é trocado por outra coisa, o que significa que algo é trocado por outra coisa com a ajuda do dinheiro.

Esse processo é interrompido quando surge um aumento na oferta de dinheiro “do nada”. Quando o dinheiro é gerado “do nada”, nenhuma riqueza foi trocada por ele, mas o detentor do dinheiro recém-gerado agora pode trocá-lo por riqueza. Portanto, temos uma troca de nada por algo. Uma troca de nada por algo equivale a um desvio de riqueza de pessoas que produziram riqueza para os detentores do dinheiro gerado. Ressaltamos que o ato de desvio de riqueza é possibilitado pelo aumento da oferta monetária, ou seja, pela inflação da moeda.

A essência da deflação

Para estabelecer a essência da deflação, primeiro devemos entender a essência da inflação. Ao contrário do pensamento popular, a inflação não se trata de aumentos gerais nos preços dos bens e serviços. A inflação não é acionada por aumentos de salários, nem é acionada por um declínio no desemprego ou um aumento na atividade econômica (a economia “superaquecida”), como diz o pensamento popular.

Outro ponto de vista popular é que uma economia em crescimento cria uma demanda crescente por dinheiro que deve ser acomodada para evitar rupturas econômicas. Enquanto o aumento da oferta de dinheiro estiver em linha com o aumento da demanda por dinheiro, não haverá efeitos econômicos negativos. Agora, independentemente do estado da demanda por dinheiro, um aumento na oferta de dinheiro “do nada” leva a uma troca de nada por algo, o que desvia a riqueza.

Como qualquer quantia de dinheiro pode desempenhar o trabalho de um meio de troca, não há necessidade de aumentar a oferta de dinheiro para acomodar um aumento na demanda por dinheiro. De acordo com Mises:

    Os serviços que o dinheiro presta não podem ser melhorados nem reparados mudando a oferta de dinheiro. . . . A quantidade de dinheiro disponível em toda a economia é sempre suficiente para garantir para todos tudo o que o dinheiro faz e pode fazer.

Podemos concluir que o tema da inflação é o desvio de riqueza dos geradores de riqueza para os detentores do dinheiro recém-criado. O aumento da oferta de dinheiro “do nada” aciona esse desvio. O aumento da oferta de dinheiro “do nada” é tudo o que a inflação é.

Observe que a deflação surge quando o processo de desvio de riqueza é interrompido. Isso ocorre quando a oferta de dinheiro começa a declinar. Um declínio na oferta monetária, ou deflação, é uma boa notícia para a economia, já que o desvio de riqueza está parando. Também consideramos que um fator importante por trás da expansão da saída de dinheiro são os empréstimos bancários não lastreados por poupança.

Atividades improdutivas vêm do empréstimo de dinheiro falso

Quando o dinheiro emprestado é totalmente garantido pela poupança no dia do vencimento do empréstimo, ele é devolvido ao credor original. Por exemplo, Beto toma $5 emprestados e pagará na data de vencimento a soma emprestada e os juros ao banco. O banco, por sua vez, passará a João, o credor, seus $5 mais juros ajustados pelas taxas bancárias. O dinheiro faz um círculo completo e volta para o credor original. Observe que o banco aqui é apenas um facilitador; não é um credor, então o dinheiro emprestado é devolvido ao credor original.

Em contraste, quando o empréstimo se origina “do nada” e o dinheiro emprestado é devolvido na data de vencimento ao banco, isso leva a uma retirada de dinheiro da economia e a oferta de dinheiro diminui. A razão é que nunca tivemos um poupador/credor, já que esse empréstimo surgiu do nada. Observe que a poupança não garante os depósitos à vista recém-formados aqui, portanto, quando Beto paga os $5, o dinheiro sai da economia, pois não há credor original para quem o dinheiro emprestado deve ser devolvido.

Observe que o empréstimo de $5 “do nada” é um catalisador para a troca de algo por nada e fornece uma plataforma para várias atividades improdutivas que antes dessa geração de empréstimos não teriam surgido. Enquanto os bancos continuarem a expandir o crédito dessa maneira, várias atividades improdutivas continuarão a prosperar. Em algum momento, no entanto, a expansão implacável da oferta monetária desvia a riqueza, e surge uma estrutura de produção que imobiliza mais bens de consumo do que libera. (O consumo de bens de consumo final excede a produção desses bens). O fluxo positivo de poupança é interrompido e  inicia-se um declínio no conjunto de riquezas.

Consequentemente, o desempenho de várias atividades começa a se deteriorar e os empréstimos ruins começam a se acumular. Em resposta a isso, os bancos reduzem seus empréstimos e isso, por sua vez, desencadeia um declínio na oferta monetária. Um declínio na oferta de dinheiro começa a minar várias atividades improdutivas, então surge uma recessão econômica. Alguns economistas, como Milton Friedman, acreditam que, uma vez que a oferta de dinheiro comece a declinar, o banco central deve embarcar na injeção monetária para evitar uma queda econômica. Uma queda econômica não é causada pelo declínio na oferta monetária como tal, mas vem em resposta ao encolhimento da riqueza por causa das políticas monetárias complacentes anteriores. O encolhimento do pool de riqueza leva ao declínio da atividade econômica e, por sua vez, ao declínio dos empréstimos “do nada”, o que resulta no declínio da oferta monetária.

Mesmo que o banco central pudesse evitar um declínio na oferta de dinheiro, como reverter para algo como jogar dinheiro de helicópteros, ele ainda não pode evitar uma queda econômica se o conjunto de riqueza estiver diminuindo. Quanto mais o banco central tenta levantar a economia corrigindo sintomas como a queda dos preços e o aumento do desemprego, piores as coisas se tornam.

Uma vez que várias atividades improdutivas podem falir e as fontes de suprimento de dinheiro “do nada” são seladas, pode-se esperar uma verdadeira expansão de riqueza a seguir. Com a expansão da riqueza e para uma dada oferta de moeda, teremos queda nos preços. Observe que quando os preços caem por causa da liquidação de atividades improdutivas e por causa da expansão da riqueza, é sempre uma boa notícia. Isso indica que mais poupança está agora disponível para geração de riqueza e, em segundo lugar, que mais riqueza é gerada.

A queda na oferta de dinheiro, que antecede a deflação de preços e uma queda econômica, é desencadeada pelas anteriores políticas monetárias frouxas do banco central, que fornecem suporte à geração de crédito sem lastro. Sem esse apoio, os bancos teriam dificuldade em oferecer um crédito não lastreado em poupança, já que alguns deles não conseguirão compensar seus cheques porque não terão dinheiro suficiente. Por meio de operações de mercado aberto, o banco central garante que haja dinheiro suficiente no sistema bancário para evitar que os bancos causem falência uns aos outros. Mais uma vez, observe que a deflação de preços e a queda na economia se devem ao declínio no conjunto de riqueza causado por políticas monetárias frouxas anteriores.

Como a deflação funciona para reduzir o desvio de riqueza dos geradores de riqueza para os não geradores de riqueza, o banco central deve conduzir políticas monetárias rígidas em vez de políticas frouxas. Políticas que mexem com os mercados financeiros sempre têm resultados ruins, uma vez que tais políticas alocam mal os recursos. Portanto, a melhor política é ter um mercado livre genuíno sem que o banco central mexa nos mercados financeiros.

Resumo e conclusão

A deflação não se trata de um declínio geral nos preços, mas surge em resposta ao declínio do conjunto de riqueza, que é causado por aumentos na oferta de dinheiro. O surgimento da deflação é sempre uma boa notícia, pois é uma resposta à liquidação de várias atividades que levam à erosão do processo de geração de riqueza.

Uma queda econômica não é causada pelo declínio na oferta monetária, mas sim por causa do encolhimento da riqueza devido a políticas monetárias complacentes anteriores. Esse pool de riqueza cada vez menor leva ao declínio da atividade econômica e, por sua vez, leva ao declínio dos empréstimos a partir do nada, o que resulta no declínio da oferta monetária. Enquanto a inflação enfraquece a geração de riqueza, a deflação acaba por fortalecer a criação de riqueza.

 

 

Artigo original aqui    

_______________________

Notas

[1] Joseph T. Salerno, “An Austrian Taxonomy of Deflation” (artigo apresentado em Boom, Bust, and the Future, 19 de janeiro de 2002, Mises Institute, Auburn, Alabama).

2 COMENTÁRIOS

  1. Excelente texto! Eu sou bastante leigo em economia, mas sei que, mesmo sem entender mas sentindo, os austríacos explicam verdadeiramente a razão dos problemas numa economia e como a visão consensual está errada. Atualmente, eu só posso ler de boca aberta esses artigos, mas estou aprendendo.

  2. Excelente artigo! a economia maistream é uma piada de mal gosto. É livro de auto ajuda para esquerdistas invejosos e políticos despreparados.

    Nós podemos ver a deflação funcionando a partir do Bitcoin. A volatilidade é das criptos é irrelevante e no geral, quem olha o Bitcoin só está preocupado que ele suba de valor. Eu vejo a questão justamente pelo lado da deflação, pois os bens e serviços estão cada vez mais baratos quando convertidos em Bitcoin. Obviamente que isso não tem as relações derivadas na produção, mas como reserva de valor nada supera o Bitcoin. Aliás, qualquer parâmetro de riqueza fora das criptos é uma ilusão. Tudo pode se desmanchar no ar com um simples botão da máfia estatal, como fizeram com a Rússia…