Expondo alguns mitos sobre a guerra na Ucrânia

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Todos os americanos racionais concordam que os EUA não devem se envolver na Guerra Rússia-Ucrânia. Os neoconservadores, tendo o desmiolado Biden como seu testa-de-ferro, querem destruir a Rússia e estão dispostos a arriscar uma guerra nuclear para conseguir isto. Mas isso não nega o que acabei de dizer. Esses monstros são tudo menos racionais. Mas falar de monstros leva a outra questão. Todo mundo conhece a frase de John Quincy Adams: “Os EUA não vão ao exterior em busca de monstros para destruir”. É esta a razão pela qual os EUA devem ficar de fora da guerra na Ucrânia? Putin é um monstro, levando morte e destruição para pessoas inocentes, mas alguém cujas ações temos que ignorar porque é muito perigoso agir contra ele? As pessoas que dizem isso não entendem o que está acontecendo. Putin é um estadista racional, com legítimos interesses de segurança e o suposto herói Zelensky é um personagem duvidoso.

Por que as pessoas pensam o contrário? Uma das razões são as acusações de atrocidades russas em Bucha. Essas acusações são apenas essas ” acusações”. Alegações falsas de atrocidades muitas vezes têm sido uma maneira de inflamar as pessoas para apoiar a guerra, e as acusações de Bucha são o exemplo mais recente. Christopher Roche, que não é pró-Putin, explica por que não devemos cair nessa: “Os relatórios e fotografias que mostram um aparente massacre em Bucha, na Ucrânia, são realmente terríveis. Eles são uma reminiscência das atrocidades usadas para galvanizar a opinião ocidental durante as guerras iugoslavas da década de 1990, quando o Massacre de Srebrenica e o Cerco de Sarajevo foram gravados na consciência ocidental.

É claro que as imagens nem sempre contam toda a história. Por exemplo, para determinar se ocorreu um crime de guerra, devemos saber quem matou, por que e como. Afinal, os Estados Unidos mataram muitos milhares de iraquianos e afegãos, muitas vezes por acidente, no curso dessas guerras. Poucos nos Estados Unidos ou na Europa chamariam essas ações de crimes de guerra. Tudo isso ficou exposto depois que os Estados Unidos se auto-exoneram da aniquilação de uma família afegã por meio de um ataque com mísseis durante a retirada das forças dos EUA no ano passado. Ops.

Como qualquer crime, um crime de guerra deve envolver intenção ou pelo menos imprudência. Matar civis ou prisioneiros de guerra sem julgamento, ou humilhá-los como um ato de vingança, são indubitavelmente crimes de guerra. O abuso documentado de prisioneiros pelo comandante da República Popular de Donetsk, Givi, foi a base para uma investigação ucraniana de crimes de guerra contra ele, antes de ser assassinado em 2017.

Se civis fossem baleados e mortos propositalmente em Bucha, sem dúvida seria um crime de guerra e uma coisa terrível. Mas há razões críveis para acreditar que o chamado Massacre de Bucha não foi obra das Forças Russas, mas sim dos ucranianosmilícia local ou SBU ou alguma combinação deles – como parte de represálias brutais contra ‘sabotadores’ e ‘ colaboradores russos.

Primeiro, isso se encaixa com um padrão de forças ucranianas que violam as regras da guerra, como evidenciado por vários vídeos mostrando o fuzilamento de prisioneiros, a tortura de civis e coisas do gênero. Ao contrário das fotos em Bucha, esses vídeos mostram as próprias ações, bem como os perpetradores, coisa que até o New York Times reconheceu recentemente.

Em segundo lugar, o presidente ucraniano Voldomyr Zelenskyy fez vários discursos pedindo a punição de “sabotadores” e “traidores“, dizendo que a guerra acabará com a “desrussificação” da Ucrânia. São palavras duras, que claramente tenderiam a inflamar e encorajar os elementos mais extremistas.

Terceiro, a atmosfera na Ucrânia está propícia a crimes de guerra. Enquanto os defensores da Segunda Emenda dos EUA ficaram compreensivelmente animados com a distribuição de armas do governo ucraniano, algumas dessas armas acabaram nas mãos de criminosos e marginais. Isso não foi um mero descuido; A Ucrânia libertou deliberadamente prisioneiros com experiência de combate para permitir que eles lutassem. Não se esperaria que esse grupo fosse adepto escrupuloso das leis da guerra.

Há também muitos relatos documentados de ucranianos matando uns aos outros por paranoia sobre espiões e sabotadores. É fácil ver o porquê. Há uma pequena diferença entre ucranianos e russos, e muitos no Oeste falam apenas russo, apoiaram a Rússia, ou pelo menos têm uma atitude pouco entusiasmada com o regime ucraniano. Isso alimenta a possibilidade de violência interna, que será racionalizada após o fato como a expulsão de traidores e quinta-colunas.

Quarto, a linha do tempo dos relatórios cria dúvidas reais sobre se a Rússia perpetrou o Massacre de Bucha. É amplamente reconhecido que as forças russas deixaram Bucha em 30 de março. Então, o prefeito de Bucha anunciou alegremente essa retirada em 31 de março sem qualquer menção a massacres, corpos nas ruas ou outros crimes de guerra. Finalmente, a SBU ucraniana disse que estava se movendo para Bucha em 2 de abril para realizar uma operação de “limpeza” contra sabotadores e traidores.

As fotos dos mortos só apareceram em 2 de abril, e Zelenskyy logo apareceu para fazer um tour com jornalistas internacionais. A Reuters e o New York Times também publicaram imagens de satélite Maxar aparentemente mostrando corpos nas ruas no início de 19 de março. Isso não é tão convincente quanto poderia ser; corpos deixados do lado de fora por duas semanas não estariam nas condições vistas nas fotos de 2 de abril, mas estariam significativamente decompostos. Se havia corpos na rua no início de março – sejam combatentes ou civis – eles tinham que ser pessoas diferentes dos civis mortos em exibição em 2 de abril.

Em vez disso, é uma questão de saber se as histórias de atrocidades levarão ao envolvimento dos EUA em outra guerra que não promova os interesses nacionais dos EUA. Seja o estupro da Bélgica alegado na Primeira Guerra Mundial, o genocídio no Kosovo ou as tropas iraquianas “arrancando bebês de incubadoras” no Kuwait, histórias de atrocidades escabrosas e falsas já foram usadas antes para encorajar o envolvimento ocidental em guerras desnecessárias. Assim como nas investigações criminais comuns, sempre vale a pena perguntar se a fonte tem motivos para mentir sobre a culpa.

A Rússia pediu uma investigação independente desses eventos por meio do Conselho de Segurança da ONU, mas o atual presidente, o Reino Unido, aparentemente se recusou a convocar o conselho. Por quê? Uma investigação independente não seria a melhor maneira de determinar o que aconteceu? Claro, a verdade aqui é secundária, e nem a Ucrânia nem o Ocidente teriam qualquer interesse em descobrir a extensão dos crimes de guerra ucranianos. Em vez disso, está claro que os Estados Unidos e a UE estão empenhados em prolongar a guerra para enfraquecer e punir a Rússia, embora a próxima fase pareça ser muito pior para todos os envolvidos, com o governo de Kiev pedindo a evacuação em massa do Oeste em suas comunicações mais recentes.

Por toda a tinta derramada em condenar o que está sendo chamado de Massacre de Bucha, é de se perguntar se os pedidos de julgamentos de crimes de guerra e as alegações de que o governo responsável é ilegítimo seriam retirados se não fosse Vladimir Putin e a Rússia, mas Voldomyr Zelenskyy e a Ucrânia, os responsáveis ​​por tudo o que aconteceu em Bucha. A pergunta responde a si mesma.”

As verdadeiras atrocidades estão sendo cometidas pelas forças de Zelensky, que incluem neonazistas. Os russos se lembram dos horrores da invasão alemã durante a Segunda Guerra Mundial e não querem que se repitam. Daí a exigência de Putin de que o governo ucraniano expurgue os elementos nazistas em seu governo, especialmente os encontrados no Regimento Azov. Como diz Joe Lauria. “O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky tem feito uma turnê mundial virtual com conexões de vídeo para parlamentos de todo o mundo, bem como para o Grammy Awards e o Conselho de Segurança da ONU, às vezes com resultados problemáticos.

Na quinta-feira, uma grande discussão eclodiu quando Zelensky trouxe um soldado ucraniano de ascendência grega da cidade de Mariupol, que por acaso era membro do regimento neonazista Azov. A Grécia esteve sob ocupação nazista durante a Segunda Guerra Mundial e travou uma amarga guerra partidária contra o nazismo (mais tarde traída pela Grã-Bretanha e pelos Estados Unidos).

Com Zelensky na tela, o homem, que deu apenas seu primeiro nome, disse ao Parlamento: “Falo com você como um homem de ascendência grega. Meu nome é Michael. Meu avô lutou contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial. Nasci em Mariupol e agora também estou lutando para defender minha cidade dos nazistas russos.’

Ignorar o sofrimento da Grécia sob o nazismo alemão foi um pouco pior ao trazer um nazista para falar com os legisladores gregos.

Zelensky já teve problemas antes ao se referir à história de uma nação em seus discursos aos parlamentos. Ele causou indignação em Israel por comparar o que a Ucrânia está passando hoje com o Holocausto, ignorando completamente o papel que os fascistas ucranianos desempenharam nesse Holocausto.

Em seu discurso ao Conselho de Segurança da ONU na terça-feira, Zelensky disse que a Rússia cometeu os piores crimes de guerra desde a Segunda Guerra Mundial, ignorando o crime muito maior de agressão dos Estados Unidos contra o Iraque baseado totalmente em mentiras.

Assim como os governos ocidentais e a mídia corporativa estão fazendo, a embaixada ucraniana em Atenas negou que Azov seja um regimento neonazista, apesar de ostentar a Waffen-SS Wolfsangel em seus uniformes e seu alinhamento político aberto com o nazismo.”

A campanha de Putin contra esse renascimento nazista e sua defesa das áreas russas independentes na região sitiada de Donbas merecem nossa admiração, não nossa condenação.

Vamos prestar atenção à sabedoria do grande Dr. Ron Paul, que nos adverte sobre entrar em guerra através de falsidades de atrocidades da CIA:

 Na semana passada, um artigo extraordinário apareceu, quem diria, na NBC News, relatando que a inteligência dos EUA está conscientemente fornecendo informações que não acredita serem precisas para a grande mídia dos EUA passar para o público.

Em outras palavras, o artigo relata que o “estado profundo” dos EUA admite estar ativamente engajado em mentir para o povo na esperança de poder manipular a opinião pública

De acordo com o artigo da NBC News, “vários funcionários dos EUA reconheceram que os EUA usaram a informação como arma, mesmo quando a confiança na precisão da informação não era alta. Às vezes, usou inteligência de baixa confiança para efeito dissuasor…”

Os leitores se lembrarão das manchetes chocantes de que a Rússia estava preparada para usar armas químicas na Ucrânia, que a China forneceria equipamentos militares à Rússia, que o presidente russo Putin estava sendo alimentado com desinformação por seus assessores e muito mais.

Tudo isso foi produzido pela CIA para ser repetido na mídia americana, mesmo sabendo que era falso. Era tudo, como disse um oficial de inteligência no artigo, “para tentar entrar na cabeça de Putin”.

Esse pode ter sido o objetivo, mas o que a CIA realmente fez foi entrar na cabeça do público americano, e mundial, com informações falsas destinadas a moldar a percepção pública do conflito. Eles mentiram para nos fazer propaganda em favor da narrativa do governo Biden…. É hora de revisitar o desejo pós-Baía dos Porcos do presidente Kennedy. A CIA usando mentiras para manipular o povo americano em direção à guerra com a Rússia é apenas uma das milhares de razões para espalhar um milhão de pedaços dessa agência ao vento.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. “A campanha de Putin contra esse renascimento nazista e sua defesa das áreas russas independentes na região sitiada de Donbas merecem nossa admiração, não nossa condenação.”

    A lacrosfera gosta de lidar com nazistas de mentirinha, aqueles que nem de perto são nazistas – como o Monark, para poder manter a sua narrativa. Os canalhas agem como inquisitores: atiram o sujeito no lago: se morrer afogado era nazista; se não se afogar eles dão uma paulada porque só nazista sabe nadar…

    Agora, quando surge a oportunidade, adotam os nazistas de verdade e os chamam de heróis da resistência.
    Esquerdista é tudo filho da puta, bixo.