Jordan Peterson sobre economia austríaca: os mercados livres são “profundamente equitativos”

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Jordan Peterson é um psicólogo, conferencista e intelectual canadense com uma vantagem comparativa em enfurecer as elites do establishment de esquerda. Essa é uma característica valiosa por si só, mas as contribuições mais profundas de Peterson para a vida cultural e intelectual nas décadas de 2010 e 2020 estão em suas palestras no YouTube, livros (principalmente 12 regras para a vida e o recente Além Da Ordem) e palestras públicas que atraíram milhões de pessoas para conversas profundas sobre histórias bíblicas. É seguro dizer que suas palavras influenciaram e inspiraram inúmeras pessoas, melhorando a vida de uma das demografias mais negligenciadas e ridicularizadas do Ocidente hoje: homens jovens, brancos e da classe trabalhadora.

A conexão com a economia e os regimes monetários austríacos não é óbvia, mas está lá. Alguns anos atrás, Jonathan Newman refletiu que a série de palestras de Peterson Maps of Meaning “apresenta uma estrutura para a ação humana com muitas semelhanças com a de Mises e Rothbard”. Com trechos do trabalho de Jordan Peterson, Ludwig von Mises e Murray N. Rothbard lado a lado, vemos a notável semelhança em como esses intelectuais veem coisas como avaliação subjetiva, a incerteza do futuro e o papel da ação como demonstração de preferência.

No ano passado, Peterson entrevistou Bob Murphy e Saifedean Ammous explicitamente para tentar aprender sobre a Escola Austríaca e sobre bitcoin. Antes disso, ele teve uma conversa de noventa minutos com quatro grandes personalidades do bitcoin para aprender mais sobre dinheiro sólido e o sistema monetário atual. Após a conversa com Ammous, Peterson anunciou que havia adquirido bitcoin para si mesmo.

No início de abril, na principal conferência de bitcoin organizada pela empresa dona da Bitcoin Magazine, BTC Media, Peterson foi entrevistado por Tuur Demeester por quase uma hora e fez uma defesa do capitalismo. Claramente, Peterson absorveu muito do pensamento austríaco ao qual foi exposto no ano passado.

Mercados, cálculo e necessidades existenciais

Peterson se descreveu “como alguém que considera o livre mercado uma necessidade existencial”.

Os mercados são o mecanismo muito calculista que agrega os valores dos indivíduos em um todo descentralizado. Ninguém é responsável pela produção de pão de Londres, mas qualquer pessoa naquela cidade com vontade de comer um sanduíche pode facilmente adquirir um. É a função empreendedora dos empresários de uma economia que torna isso possível. Guiados pelos preços dos insumos, uma estimativa do que os consumidores pagariam pelo produto e o fascínio do lucro que poderia seguir, os empresários colocam sua riqueza em risco. Com a própria pele em jogo, os empresários fornecem valor aos outros. Se esses outros não virem o valor do que uma empresa produziu ou não apoiarem as palavras com ações monetárias, essas empresas não serão selecionadas em um mercado livre.

“A maneira mais apropriada de entender algo é experimentá-lo”, disse Peterson, e é isso que é empreendedorismo. Ele discutiu longamente os problemas de um empreendedor ao levar um produto ao mercado, como pensar em preços e lucro como guia para validar o valor trazido aos consumidores. A ética fundamental do capitalismo segue:

    Em um sistema de livre mercado, você tem que oferecer às pessoas que poderiam escolher de outra forma – livremente – algo que elas valorizam – livremente – então você tem que entregá-lo, e ele tem que funcionar de forma confiável. Tudo isso é ético…. Se eu não fizer isso, desenvolverei uma reputação muito ruim muito, muito rapidamente.

Seu conselho para aqueles que se aventuram em empreendimentos empresariais é não “ficar na defensiva quanto à ética de seu empreendimento capitalista”:

    Você deve estar na ofensiva, alegando, francamente, que o que você está fazendo é profundamente ético – que você está oferecendo a pessoas livres, clientes livres, a opção de fazer escolhas livres sobre o que eles valorizam. Tipo: o que há de errado com isso?

A plateia aplaudiu ruidosamente em aprovação. Administrar um negócio é ético; o capitalismo é direcionado para fornecer valor para seus semelhantes. O que, de fato, há de errado com isso?

A inclinação para o totalitarismo

Terceiros não podem fazer julgamentos de valor em nome de outros. A economia austríaca mantém a avaliação individual subjetiva de meios e fins em tão alta consideração que é considerada um axioma fundamental do edifício praxeológico.

Peterson parece ter abraçado essa visão austríaca, se unindo contra as propostas políticas intervencionistas e cutucou os tipos de propostas políticas para que os consumidores ajam (mais) de acordo com o interesse de alguma entidade governante. Peterson admite que seria bom que agências governamentais ou grandes corporações orientassem nosso comportamento dessa forma se pudessem estar certas em suas avaliações – o que ele rapidamente objeta que elas nunca poderiam estar. Você não pode fazer julgamentos de valor para outras pessoas:

    Um dos axiomas fundamentais, em certo sentido, de um sistema de livre mercado é que a única maneira de calcular adequadamente o valor do horizonte emergente do futuro é por amostragem – e talvez somando – a livre escolha de uma multidão de agentes livres. Não existe uma forma de planejamento central que, mesmo em princípio, possa substituir isso.

Em vez disso, o que todo o sistema de mercado econômico faz é usar

    o conjunto de escolhas que todos fazem como o mecanismo que valoriza as coisas novas à medida que surgem. Os apoiadores de planejamento central, eles acham que podem simplesmente passar por cima disso e salvar o planeta, digamos…. Eles acham que podem subordinar esse mecanismo computacional a algum tipo de algoritmo ético ou procedimental.

… não há forma de planejamento central, mesmo em princípio, que possa substituir … o sistema de livre mercado.

Mais nefastamente, sempre que tentamos, como fizemos extensivamente durante o século XX marcado pelo grande governo, o resultado foi horrível. A evidência do século XX, afirma Peterson, é que

    assim que você subordina os mecanismos de livre mercado aos dogmas éticos do planejamento central, você afeta catastroficamente o sistema econômico de maneira prejudicial, mas desestabiliza toda a sociedade e a inclina para o totalitarismo. Ainda não aprendemos isso, porque sempre há uma nova geração de pessoas que pensam que são inteligentes o suficiente para planejar o mundo.

Para todos os aspirantes a planejadores centrais: apesar de suas credenciais, você não é inteligente o suficiente para planejar o mundo. Então, por favor, pare de tentar.

O que separa os economistas austríacos dos não-austríacos, na visão de Peterson, é a humildade em aceitar que controlar um sistema caótico e complexo não é uma opção. Qualquer processo complexo terá correções – consequências não intencionais. Referenciando explicitamente áreas tão diversas como resgates bancários, ciclo econômicos e incêndios florestais, ele aponta para uma verdade maior: os não-austríacos “pensam que podem suavizar essas correções e os austríacos acham que você deveria deixar as correções acontecerem o mais localmente possível.”

Mais importante – apenas deixe-os em paz. Não porque aqueles que sofrem por causa de falências ou crises financeiras não sejam dignos de ajuda, mas porque “suas tentativas de suavizar as correções vão realmente amplificá-las e torná-las piores”.

Jordan Peterson percorreu um longo caminho em sua jornada austríaca.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Muito legal esse artigo. Eu sepre achei curioso que um sujeito inteligente com Jordan tenha levado tanto tempo para entrevistar um austríaco e en passant, adquirir alguma ética libertária. Isso talvez tenha a ver com a sua conversão religiosa, não sei. Mas o fato é que esse processo de um intelectual brilhante rumo ao libertarianismo a partir de uma tradição conservadora é aquilo com que talvez sonhe Herr Hoppe, que sabe que não se faz um movimento amplo com idéias austríacas – os fracassados e nanicos liberais são isso, mas é preciso acrescentar libertárias, o que requer um amplo conhecimento de história, sociologia e religião. O modelo é sem dúvida Rothbard e exatamente por isso que ele é o fundador deste amplo movimento de ressurreição das idéias da liberdade.

    A minha conversão ao austro-libertarianismo foi como Paulo. Não cheguei a passar por nenhum erro teórico de esquerda por exemplo, apesar de ter vindo do liberalismo.

    “Eles acham que podem subordinar esse mecanismo computacional a algum tipo de algoritmo ético ou procedimental.”

    A onda do estatista-comunista vai por aí mesmo. Os canalhas acham que podem fazer todos os cálculos econômicos que somente um mercado livre é capaz. Eles levam a sério isso. Consideram que refutaram Mises. São discípulos pertubados de Lange, que teve a cara de pau de dizer que poderia resolver ele mesmo o problema da escassez. No final, são todos lunáticos e perigosos.

    O Olavo de Carvalho disse uma vez mais ou menos isso: “eu não sei se o Jordan Peterson leu todos os livros de psicologia que existem no mundo, mas pelo o que ele diz, parece ter lido”

    Nos meus raros encontros com a canalha estatista-comunista é curioso observar que a conversa começa com esses caras imaginando um leitor de artigos do MIMIMises Brasil ou de Hayek, ou qualquer coisa que passe pela cabeça deles. Quando eu descarrego a minha .50 rothbardeana e minhas granadas de fragmentação hoppeanas como inspiração – mas que vai muito além disso, todos sem excessão, entram em dissonância cognitiva grave. Certa vez só não furei o moleton deum candidato do laranjinha porque estava atrasado para um encontro. E tinha muita testemunha, obviamente… A diferença são padrões de leitura. Isso faz muita diferença.