Foi há pouco tempo e nunca nem sequer aconteceu

1

O código moral do Ocidente, que já estava bastante reduzido, praticamente desapareceu sob o ataque violento dos últimos 3 anos. Um grande crime foi cometido enquanto o que restou da moralidade lutou bravamente, mas pôde causar pouco impacto. Vidas foram arruinadas, riqueza foi roubada, o livre arbítrio dizimado. O lockdown como tática parece derrotado no momento – os efeitos danosos da vacina ainda são um segredo. Existem outras boas razões para pensar que o ataque violento não acabou, que estamos no momento em uma ‘guerra falsa’ enquanto as forças inimigas se reagrupam. Inflação, energia, alimentos, vigilância são todas frentes ativas na batalha mais ampla. Dificilmente importa qual delas explodirá a seguir. Em cada caso, a batalha se resume a privilegiar as necessidades imediatas do indivíduo, sobre as percebidas, modeladas, futuras “necessidades do estado” ou mesmo as “necessidades do planeta”. A primazia do indivíduo sobre as ‘necessidades do estado’ (ou as ‘necessidades do planeta’ como uma mentira mais palatável) está sob séria e iminente ameaça. Para sobreviver, e eventualmente nos recuperar, teremos que enfrentar verdades dolorosas.

No momento, o melhor que algumas pessoas conseguem é ficar em silêncio, onde antes poderiam estar colaborando discretamente com lockdowns, máscaras, distanciamento social – que convenhamos, são eufemismos nojentos para, respectivamente, prisão, agressão e confinamento solitário.

Algumas pessoas nem estão nesse ponto. Elas ainda estão completamente inconscientes do que aconteceu com elas e do que estão fazendo com os outros. Elas são como os soldados japoneses ainda lutando no Pacífico décadas depois do fim da guerra. Para elas, um patógeno mortal está a espreita em todos os lugares; elas persistem com seus rituais, fantasias e encantamentos mágicos, o que significa falar sem parar sobre Covid e casos e variantes, usando trapos porosos imundos infestados de bactérias em seus rostos e evitando apertos de mão fazendo em seu lugar o patético aceno namaste e curvando-se. A magia delas não pode oferecer salvação, mas elas não percebem isso e é tudo que elas têm. Elas perderam qualquer capacidade de pensar por si mesmas. Por que outra razão elas diriam “Nossa, um membro de nossa congregação está com Covid, é melhor colocarmos máscaras neste domingo só para garantir”. Para garantir o quê, exatamente? Vou te dizer uma coisa – escondido no fundo de suas consciências, está o medo de que elas acidentalmente abram os olhos para a verdade e sejam expostas como o tolo (na melhor das hipóteses) ou o monstro (na pior) que elas já eram, ou tornaram-se. O que elas querem “garantir” é que essa dúvida incômoda nunca seja trazida à tona.

Algumas pessoas, como vemos começando a emergir, bastante confiantes em seu próprio histórico de comportamento ao longo de todo esse tormento, que se veem como tendo lutado ‘uma boa guerra’, têm a ousadia de começar a falar sobre perdão, passando direto por cima daqueles conceitos morais inconvenientes de confissão e justiça. Aquelas que se encaixam neste grupo também estão empregando ‘o nós real’, ou seja, afastando qualquer noção de culpa de qualquer pessoa individual, muito menos delas próprias, em vez disso falando em termos mais abstratos sobre o que ‘nós’ como sociedade temos feito de errado. Do seu ponto de vista, elas pessoalmente não têm nada para se desculpar ou expiar, mas podem ser magnânimas o suficiente para perdoar os outros, que agiram mal. Este é um espetáculo grotesco digno apenas de desprezo.

O filósofo alemão Karl Jaspers, escrevendo sobre a Alemanha após a Segunda Guerra Mundial, citado no livro de David Satter de 2012 Foi há muito tempo e nunca nem sequer aconteceu, concebeu um quarto tipo de culpa, para adicionar a três tipos mais convencionais de culpa: culpa criminal, culpa política e culpa moral. Jaspers propôs a ‘culpa metafísica’, que afeta todos aqueles que foram tocados por crimes atrozes, sejam como participantes ou não:

    Existe uma solidariedade entre os homens como seres humanos que torna cada um corresponsável por todo mal e toda injustiça no mundo, especialmente por crimes cometidos em sua presença ou com seu conhecimento… Se eu não fizer o que estiver ao meu alcance para impedi-los , eu também sou culpado. Se estive presente no assassinato de outras pessoas sem arriscar minha vida para evitá-lo, sinto-me culpado de uma forma que não é adequadamente concebível legal, política ou moralmente. O fato de eu viver depois que tal coisa aconteceu pesa sobre mim como uma culpa indelével. (Karl Jaspers)

Duvido seriamente que essas almas ‘deslumbrantes e corajosas’ que agora propõem anistia para os proponentes do lockdown possam se olhar nos olhos e se absolver de qualquer culpa metafísica em conexão com as atrocidades dos últimos 3 anos. Pelo contrário, uma breve olhada em suas contas no Twitter provavelmente mostraria exatamente o contrário.

O livro de Satter mencionado acima é um exame da Rússia e do passado comunista, e do fato de que não houve um exame honesto do horror daquele período. Satter argumenta que a Rússia será para sempre prejudicada por sua incapacidade de reconhecer e homenagear adequadamente as vítimas da experiência comunista. A recusa em admitir a verdade do que aconteceu é uma armadilha na qual nós mesmos corremos o risco de cair. Se o fizermos, será uma jornada longa e dolorosa de volta, e talvez não consigamos termina-la.

Evitar a armadilha, evitar os efeitos analgésicos e paliativos do aparente retorno à “normalidade” exigirá um esforço hercúleo. Estou escrevendo isso no Melbourne Cup Day, quando o resto da cidade e talvez do país, se você acredita no marketing, fica empolgado com a ‘corrida que para a nação’”. Como é reconfortante cair no abraço da cor e movimento, as histórias previsíveis de jóqueis e treinadores, puros-sangues, modas e chapéus, bêbados e festas, fantasias e ternos. É muito melhor esquecer que toda aquela merda de Covid tenha acontecido.

Mas não vai desaparecer só porque você prefere ir às corridas de cavalos.

Acho que podemos categorizar as pessoas em um espectro de negação/aceitação do que os últimos 3 anos implicaram. No extremo da negação, estão as pessoas que negam ativamente que qualquer atrocidade tenha ocorrido. Essas são aquelas sobre as quais podemos dizer ‘eu acho que você protesta demais’; sua negação ativa provavelmente é uma fachada para esconder sua culpa, da qual elas estão muito cientes. Em seguida estão aquelas que negam tudo passivamente, distraindo-se deliberadamente com outros assuntos, como a Melbourne Cup, e evitando falar sobre “isso”. No meio estão os soporíferos, aqueles que nem mesmo sabem que algo desagradável aconteceu, não têm consciência disso e não suspeitam que algo deva ser feito a respeito. Aventurando-se além do ponto de inflexão em direção à aceitação, o próximo grupo é aquele que entende visceralmente que ‘foi’ um capítulo lamentável, mas que desaparecerá na história – a turma do ‘vamos seguir em frente’. No lado da aceitação estão aqueles que pensaram sobre isso, ficaram horrorizados com isso, fizeram ou tentaram fazer algo a respeito. O mais próximo que algumas pessoas chegam é de dizer “como é bom poder ir à Melbourne Cup e se aglomerar livremente novamente”. É claro que a reflexão verdadeira deveria ser ‘quão terrível foi que eles terem a audácia de nos impedir de nos aglomerar livremente, aqueles bastardos.

Até agora, a maioria das pessoas terá encontrado uma dessas posições ao longo do espectro dentro da qual, pelo menos por enquanto, elas podem encontrar um caminho a seguir, uma maneira de continuar a vida em desespero silencioso a cada dia diante de quaisquer tarefas que tenham que encarar. Acho que será difícil para qualquer um mover-se ‘para a esquerda’ em direção ao final da negação ou ‘para a direita’ em direção ao final da aceitação. Se depois de abrir os olhos, você não pode deixar de ver o que está na frente deles, então você não pode voltar para a negação. Da mesma forma, abrir os olhos revela uma perspectiva horrível do que pode estar mais à ‘direita’ – o que mais vou descobrir que vai me assustar? Melhor não ir mais longe. A exceção a isso pode ser aqueles no final da aceitação que, embora tentando fazer algo a respeito, tentando corrigir as injustiças, eventualmente ficam sem coragem e deslizam para a esquerda em direção à multidão do ‘siga em frente’. Karl Jaspers novamente:

     Somos extremamente deficientes em falar e ouvir uns aos outros. Falta-nos mobilidade, crítica e autocrítica. Nós nos inclinamos ao doutrinismo. O que piora é que muitas pessoas não querem pensar. Elas só querem slogans e obediência. Elas não fazem perguntas e não dão respostas, exceto repetindo exercícios em frases. (Karl Jaspers)

As palavras de Jaspers ecoam alto hoje. Como podemos chegar a uma reflexão honesta sobre as atrocidades dos últimos 3 anos diante de tamanha intransigência por parte das próprias vítimas dos lockdowns e das vacinas? Parece quase que não há esperança.

Algumas conversas que precisam acontecer enfrentam obstáculos intransponíveis. Algumas mágoas são tão profundas que nem podem ser escritas, exceto talvez em um diário secreto. São as conversas entre pessoas que já foram amigas, entre pais e filhos, entre maridos e mulheres, entre chefes e funcionários; destinadas a nunca acontecer, as conversas são a chave para a reconciliação. Aqueles com pressa, aqueles que se apressam indevidamente em pedir desculpas e justiça, precisam ter isso em mente. Estamos nisso a longo prazo; raiva daqueles que julgamos ser os mais cúmplices provavelmente não dará frutos a curto prazo, e quanto mais incandescente for nossa raiva, mais rápido iremos nos esgotar. Uma palavra final de Jaspers:

    Todos nós de alguma forma perdemos o chão sob nossos pés. Somente uma fé transcendente… religiosa ou filosófica pode se manter através de todos esses desastres.

Estarei de volta à igreja no domingo. Sem máscara. Oferecendo apertos de mão.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.