Otto von Bismarck: o homem por trás do estado de bem-estar social moderno

0

O estado de bem-estar social já foi definido popularmente como “um monte de gente em pé em um círculo e cada um com as mãos no bolso do próximo”. Pessoalmente, acho que o estado de bem-estar social é um cenário em que os políticos oferecem segurança, mas acabam entregando falência financeira e moral.

Talvez as críticas mais eloquentes ao estado de bem-estar venham do economista Thomas Sowell. Em diversas oportunidades, ele o descreveu assim:

     O estado de bem-estar social é o jogo de trapaça mais antigo do mundo. Primeiro você tira o dinheiro das pessoas discretamente e depois devolve parte dele de forma extravagante. .. Ele sempre foi julgado por suas boas intenções, e não por seus maus resultados. ..Ele protege as pessoas das consequências de seus próprios erros, permitindo que a irresponsabilidade continue e floresça entre círculos cada vez mais amplos de pessoas. .. Ele não é realmente sobre o bem-estar das massas. É sobre os egos das elites.

É muita sabedoria reunida em poucas frases concisas, mas o histórico do estado de bem-estar social sempre esteve muito longe de suas promessas. Começa modestamente, depois as contas se acumulam. Para pagá-las, aumentam os déficits, impostos, dívidas e inflação. Roubando Pedro para pagar Paulo, os demagogos travam uma guerra de classes e compram votos com ela. A saúde fiscal de longo prazo de um país é sacrificada pela gratificação de curto prazo. Os incentivos são desviados da autoconfiança e da iniciativa pessoal para a dependência do poder concentrado. As pessoas se tornam menos caridosas, imaginando que o Estado cuidará das coisas que elas mesmas costumavam fazer pela metade do custo. Mais cedo ou mais tarde, se o estado de bem-estar social não for revertido, os tomadores de riqueza superam os criadores de riqueza.

E por que deveríamos esperar resultados ruins de uma prática fundamentalmente imoral enraizada na pilhagem legalizada? Nem mesmo o mundo animal é burro o suficiente para abraçá-lo, como escrevi neste artigo sobre as lições que os animais podem nos ensinar.

Então, de onde veio a ideia de que o Estado deveria ser a babá nacional, que a dependência dos políticos deveria substituir a responsabilidade pessoal e as instituições privadas?

Os estados de bem-estar social não são novos na história. A antiga República Romana degenerou em um antes de perder, não por coincidência, tanto suas liberdades quanto sua vida.

Um homem é conhecido como o Pai das versões modernas. Esse seria Otto von Bismarck (1815-1898), chanceler da Alemanha por quase 20 anos.

Coincidentemente, Bismarck nasceu no Dia da Mentira, e posteriormente acabou enganando um país inteiro com um estado de bem-estar. Ele fez isso porque amava as pessoas e só queria ajudá-las? Essa é a perspectiva ingênua e não histórica. A verdade é que ele era muito mais cínico e egoísta do que isso. Ele não era Madre Teresa.

O Chanceler de Ferro, como era conhecido em sua época, uniu 25 principados, reinos e cidades-estado separados em um Império Alemão federado em 1871. Com Guilherme I como soberano do Império, Bismarck prosseguiu nos anos subsequentes para consolidar seu próprio poder sobre a política e a sociedade alemãs. Dentro de uma década, ele viu os socialistas como uma grande e crescente ameaça. Ele decidiu que a melhor maneira de impedi-los era subornar o eleitorado antes que os socialistas possuíssem assentos suficientes no Parlamento para fazer a mesma coisa, ou pior.

Ismael Hernandez, do Freedom & Virtue Institute, observa que o assistencialismo de Bismarck foi vendido como um antídoto para a insegurança:

       A insegurança que leva os indivíduos à ação foi vista como um obstáculo e uma ameaça à dignidade humana. A insegurança cria uma sensação de desamparo e direitos foram propostos como a solução… Bismarck afirmou que o estado deveria oferecer aos pobres “uma mão amiga na angústia…. Não como esmola, mas como um direito”. Ele chamou seu sistema de Staatssozialismus, ou “socialismo de estado”.

Em 1883, Bismarck garantiu a aprovação do seguro nacional de saúde. Ele seguiu um ano depois com um seguro contra acidentes e, alguns anos depois, com um seguro por invalidez. Para seu crédito, Bismarck não introduziu monopólios governamentais nessas áreas; em vez disso, ele obrigou todos a pagar em esquemas de seguro compulsórios administrados pelo governo. Ele era um praticante da escola de pensamento de longo prazo chamada “alimentar o crocodilo para que ele coma você por último”. Os socialistas chegaram ao poder de qualquer maneira, não muito depois da morte de Bismarck em 1898, aos 83 anos.

O estado de bem-estar social moderno alemão começou não como uma visão utópica de altruísmo e compaixão, mas como nada mais do que um estratagema político para um homem manter a si mesmo e seus aliados no cargo. Foi um começo relativamente modesto para um estado de bem-estar, mas, para usar outra analogia animal, o nariz do camelo estava agora sob a tenda. As iniciativas de Bismarck transmitiram aos estatistas do bem-estar social do século XX a confiança de que eles poderiam fazer muito mais (e causar muito mais estragos no processo).

Bismarck ganhou seu apelido, o Chanceler de Ferro, por um bom motivo. Ele exigia que os outros se curvassem à sua vontade. “Ele se enfureceu e odiou até quase se matar” e “perdeu a paciência com a menor provocação”, escreve Steinberg. Para Bismarck, mentir era uma obsessão compulsiva. Exercer o poder era sua raison d’être. Se o imperador Guilherme II não tivesse insistido em sua renúncia em 1890, Bismarck teria intimidado o povo alemão até o dia de sua morte.

Em sua biografia magistral, Bismarck: A Life, o historiador Jonathan Steinberg oferece esta avaliação do legado do Chanceler de Ferro:

    Quando Bismarck deixou o cargo, o servilismo do povo alemão havia sido cimentado, uma obediência da qual eles nunca se recuperaram.

Que legado terrível para as gerações futuras!

Quão revigorante e nobre seria para um homem no cargo deixar seu povo mais livre e independente do que era quando ele assumiu o cargo pela primeira vez! Bismarck não fez isso. E nem mesmo as “coisas gratuitas” que seu estado de bem-estar fornecia eram realmente gratuitas. No final das contas, foi muito caro. A insegurança acabou sendo a menor das preocupações do povo alemão.

Nas recentes eleições de meio de mandato nos Estados Unidos, muitos candidatos que prometeram “resolver” os gastos imprudentes do governo venceram. Para cumprir essas promessas, eles não devem simplesmente “reformar” e “reestruturar” o estado de bem-estar, deixando-o essencialmente intacto para crescer novamente. Eles devem cravar uma estaca nele.

Colocar seus compatriotas no assistencialismo foi um legado imperdoável de Otto von Bismarck, e é hora de aprendermos com isso.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.