H.L. Mencken: o jubiloso libertário

1

    As extorsões e opressões do governo continuarão enquanto tal fraude ilusória enganar e desarmar as vítimas – enquanto elas estiverem dispostos a engolir a teoria oficial imemorial de que protestar contra os roubos do filho ilegítimo da amante do sobrinho do secretário do arcebispo é um pecado contra o Espírito Santo. – H. L. Mencken

É típico da Kultur americana ser incapaz de compreender H. L. Mencken. E era típico de H. L. Mencken que isso não o incomodasse nem um pouco; na verdade, muito pelo contrário, pois confirmava sua avaliação de seus compatriotas. É difícil para os americanos compreender uma fusão de espirituosidade perspicaz e devoção a princípios; ou alguém é um humorista, falsificando gentilmente ou acidamente os pontos fracos de sua idade, ou então é um pensador sério e solene. Que um homem de espírito exuberante possa ser, em certo sentido, ainda mais devotado a ideias e princípios positivos é algo que poucos compreendem; quase sempre, ele é considerado um cínico puro e niilista. Este foi e ainda é o destino comum que H. L. Mencken recebe; mas não é mais do que ele alegremente esperaria receber.

Qualquer homem que seja individualista e libertário nos dias de hoje tem um abacaxi para descascar. Ele se encontra em um mundo marcado, se não dominado, pela tolice, fraude e tirania. Ele tem, se for um homem reflexivo, três cursos de ação possíveis para ele: (1) ele pode se retirar do mundo social e político para sua ocupação privada: no caso do primeiro parceiro de Mencken, George Jean Nathan, ele pode retirar-se para um mundo de contemplação puramente estética; (2) ele pode tentar mudar o mundo para melhor, ou pelo menos formular e propagar seus pontos de vista com essa esperança definitiva em mente; ou, (3) ele pode ficar no mundo, divertindo-se imensamente com este espetáculo de loucura. Seguir esse terceiro caminho requer um tipo especial de personalidade com um tipo especial de julgamento sobre o mundo. Ele deve, por um lado, ser um individualista com um senso de autoconfiança sereno e inextinguível; ele deve ser supremamente “direcionado para o interior”, sem nenhuma vergonha interior ou tremor por ir contra o julgamento do rebanho. Ele deve, em segundo lugar, ter o supremo prazer de aproveitar a vida e o espetáculo que ela oferece; ele deve ser um individualista que se preocupa profundamente com a liberdade e a excelência individual, mas que pode – a partir dessa mesma dedicação à verdade e à liberdade – desfrutar e satirizar uma sociedade que deu as costas ao melhor que pode alcançar. E ele deve, em terceiro lugar, ser profundamente pessimista sobre qualquer possibilidade de mudar e reformar as ideias e ações da vasta maioria de seus semelhantes. Ele deve acreditar que o boobus Americanus está condenado a ser o boobus Americanus para sempre. Junte essas qualidades e entremos em uma longa jornada para explicar o caminho percorrido por Henry Louis Mencken.

Claro, Mencken também tinha outras qualidades: enorme entusiasmo, um espírito brilhante, uma apreciação aguçada e erudita de muitos campos do conhecimento, um gosto pelos acontecimentos dramáticos do mundo cotidiano que o tornaram um jornalista nato. Apesar de sua paixão onívora por campos e disciplinas intelectuais, ele não tinha temperamento para moldar sistemas rigorosos de pensamento – e quantas pessoas têm? Todas essas qualidades reforçaram sua inclinação para o que ele se tornou.

Um individualista sereno e confiante, dedicado à competência e excelência e profundamente dedicado à liberdade, mas convencido de que a maior parte de seus companheiros eram irreparáveis, Mencken conquistou um papel único na história americana: ele navegou jubilosamente para a tormenta, devastando e retalhando alegremente a insensatez da mídia e a loucura que ele via ao seu redor, perfurando os balões da pompa, alegremente limpando os estábulos de Augias da hipocrisia, da tendenciosidade, do absurdo e do clichê, “arremessando”, como ele uma vez disse, “o gato morto no templo” para mostrar aos adoradores confusos do fútil que ele não seria morto ali mesmo. E no decorrer dessa tarefa, raramente empreendida em qualquer época, uma tarefa realizada exclusivamente para seu próprio prazer, ele exerceu uma enorme força libertadora sobre as melhores mentes de toda uma geração.

É característico de Mencken que uma das coisas de que mais gostava fosse uma convenção presidencial, à qual quase nunca deixava de comparecer. Aqui ele mergulhou no meio da multidão fervilhante, estridente e absurda: em toda a hilaridade, inanidade e excitação do próprio grande processo político americano, sem seu paletó, bebendo cerveja, participando de toda a diversão sem perder nada da loucura. E então ele escreveria o que viu, criticando a hipocrisia, a beatice e o absurdo concentrado de nossos governantes em ação. Ninguém verdadeiramente imerso em Mencken poderia emergir da mesma forma novamente; ninguém poderia manter a mesma fé em nossos “estadistas” ou no próprio processo político democrático, ninguém jamais poderia ser o mesmo otário para todos os tipos de charlatanismo ideológico, social e político, o mesmo adorador de tolices solenes.

A força libertadora de Mencken, é claro, não foi exercida sobre a massa dos homens, mas sobre os poucos dispersos, mas inteligentes, que podiam apreciar e ser influenciados pelo que ele tinha a dizer; em suma, como seu velho amigo e companheiro libertário, Albert Jay Nock, Mencken escreveu para (e libertou) os remanescentes que entenderiam.

O estilo é verdadeiramente o homem, e o menos importante dos atos de libertação de Mencken foi o impacto devastador de seu estilo. Um estudioso da língua inglesa – ou americana – Mencken tinha um amor pela língua, pela precisão e clareza da palavra, um profundo respeito por seu ofício, que poucos escritores possuem. Não foi uma hipérbole quando o eminente crítico e ensaísta Joseph Wood Krutch se referiu a Mencken como “o maior estilista de prosa do século XX”; isso também não foi reconhecido porque os americanos geralmente são incapazes de levar a sério um escritor espirituoso.

A tragédia – para nós, não para o próprio Mencken – é que a maior parte dos Remanescentes também não entendeu; a maior parte de seus supostos seguidores cometeu o mesmo erro de todos os outros ao presumir que a sagacidade e o propósito sério não podem ser combinados; cegos pela inteligência, eles não perceberam os valores positivos que deveriam estar evidentes em sua obra. E então aqueles que alegremente se juntaram a Mencken zombando do comportamento típico de classe média, da Proibição e da Liga Anti-Saloon, dos puritanos e do crescimento dos anos 1920, abandonaram Mencken para se alistar nas fileiras do crescimento intensificado e nos puritanos mais extravagantes dos anos 1930. Os próprios escarnecedores dos políticos e das panaceias políticas dos anos 20, pronta e ferozmente aderiram às panaceias muito mais perniciosas dos charlatães políticos do New Deal. Os mesmos menckenianos que vislumbraram claramente a loucura da entrada dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial, rufaram os tambores ruidosamente e sem nenhum traço de humor ou hesitação pela loucura igual ou maior de nossa entrada na Segunda Guerra Mundial. O fracasso dos pretensos seguidores de Mencken em entender sua “mensagem” (um conceito que ele abominaria) certamente não deprimiu Mencken; isso apenas o confirmou em seu julgamento da omnipresença da “mediocridade das massas”. Mas foi uma calamidade para o país.

Se Mencken não era um niilista, que valores positivos ele tinha? Seus valores incluíam uma dedicação devotada ao seu ofício – ao seu trabalho como editor, jornalista, linguista. Isso, por sua vez, refletia seu individualismo radical e penetrante, com sua devoção corolária à excelência individual e à liberdade individual. Eles incluíam uma paixão ao longo da vida pela música. Eles incluíam um zelo talvez excessivo pela ciência, pelo método científico e pela ortodoxia médica; junto com o zelo pela ciência, veio um tipo mecanicista de determinismo que sem dúvida ajudou a moldar sua visão pessimista da possibilidade de mudar as ideias e ações dos homens.

O Weltanschauung penetrante individualista de Mencken deu uma consistência pouco apreciada às suas opiniões sobre muitos assuntos diferentes. Deu um sistema para suas incursões superficialmente fragmentadas em inúmeros campos. Tomemos, por exemplo, um campo supostamente “apolítico” como a música folclórica. Não é acidental que tanto a esquerda socialista quanto a direita nacionalista – esses inimigos gêmeos do individualismo – em nosso século tenham feito da canção folclórica “popular” um fetiche virtual. Mencken foi ao cerne da questão em sua crítica inimitável de Poetic Origins and the Ballad da Dra. Louise Pound:

    O livro da Dra. Pound descarta completamente a teoria sobre a qual se baseiam nove décimos de todas as discussões pedagógicas da balada e suas origens. Esta é a teoria de que as baladas familiares a todos nós … são o produto, não de autores individuais, mas de rebanhos inteiros de trovadores trabalhando juntos … em suma, que os baladistas primitivos primeiro se juntaram em um casco comunal, então começaram a murmurar e cantarolar uma melodia e, finalmente, encaixaram palavras nela. É difícil imaginar algo mais idiota e, no entanto, essa doutrina é acalentada como algo quase sagrado por multidões de professores e enfiada anualmente no crânio de inúmeros candidatos ao doutorado. A Dra. Pound prova … que as baladas realmente não se originaram dessa forma – que foram escritas, pelo contrário, por poetas individuais com talentos … e que a maioria deles viu a luz pela primeira vez, não em festas vulgares no gramado da vila, mas em festas da moda e até mesmo intelectuais em cervejarias nos salões do castelo.

A noção de que qualquer obra de arte respeitável pode ter uma origem comunal é totalmente absurda. As pessoas simples, considerando-as juntas, são tão incapazes de um impulso estético coerente quanto o são de coragem, honestidade ou honra. As catedrais da Idade Média não foram planejadas e construídas por comunidades inteiras, mas por homens individualmente; e tudo o que as comunidades tinham a ver com o negócio era fazer o trabalho árduo, com relutância e muitas vezes mal. Assim, com música folclórica, mito folclórico, balada folclórica …. Canção folclórica alemã … costumava ser creditada a um misterioso talento nativo do campesinato alemão, mas investigações científicas revelam que algumas das canções consideradas especialmente características da alma folclórica foram, na verdade, escritas pelo diretor de música da Universidade de Tubingen, o Prof. Dr. Friedrich Silcher ….

As baladas inglesas devem ser contabilizadas da mesma maneira. A Dra. Pound mostra que alguns das mais famosas delas, em suas primeiras formas, estão cheias de conceitos e frases que seriam tão incompreensíveis para o campesinato inglês da época de Elizabeth quanto a hipótese de imunidade de Ehrlich – que é uma absoluta impossibilidade imaginá-las sendo compostas por uma gangue de imbecis gritando e galopando em torno de um mastro de maio, ou mesmo reunidas solenemente em um festival de Eisteddfod ou Allgemeinesanger. Mais, ela mostra o processo de construção de baladas em nosso próprio tempo – como uma música de Paul Dresser ou Stephen Foster é emprestada pelo populacho e gradualmente degradada.[1]

O mito de Mencken como um niilista zombeteiro impregnou a crítica literária; foi com surpresa e muita admiração, então, que o eminente crítico Samuel Putnam leu a grande coleção de peças curtas de Mencken – selecionadas e editadas por ele mesmo – o Mencken Chrestomathy. Em uma crítica perspicaz, Putnam escreveu que agora era evidente que Mencken era um “anarquista conservador”. “Tory anarquista” é de fato um excelente resumo da visão de mundo de toda a vida de Mencken.

A paixão norteadora de Mencken era a liberdade individual. Para seu bom amigo Hamilton Owens, ele uma vez declarou solenemente: “Eu acredito em apenas uma coisa e essa coisa é a liberdade humana. Se um homem deve alcançar algo como a dignidade, isso só pode acontecer se homens superiores tiverem liberdade absoluta de pensar o que eles querem pensar e dizer o que eles querem dizer. Eu sou contra qualquer homem e qualquer organização que busque limitar ou negar essa liberdade… [e] o homem superior só pode ter certeza da liberdade se ela for concedida a todos homens”.[2] Em outra ocasião, ele escreveu que acreditava na liberdade individual absoluta” até o limite do insuportável e mesmo além”. Em um “Adendo aos Objetivos” escrito em particular, Mencken escreveu que “Sou um libertário extremo e acredito na liberdade de expressão absoluta … Sou contra a prisão de homens por suas opiniões ou, nesse sentido, por qualquer outra coisa”.[3] E em uma carta a um de seus biógrafos, Ernest Boyd, Mencken escreveu: “Até onde sei, acredito em apenas uma coisa: liberdade. Mas não acredito nem mesmo na liberdade o suficiente para querer forçá-la a qualquer pessoa. Ou seja, eu não tenho nada de reformador, por mais que possa reclamar contra esta ou aquela grande maldição ou mal-estar. Nesse discurso geralmente há muito mais deleite do que indignação.”[4]

O Chrestomathy contém alguns escritos brilhantes sobre o que Mencken legendou como a “natureza interna” do governo:

    Todo governo, em sua essência, é uma conspiração contra o homem superior; seu único objetivo permanente é oprimi-lo e incapacitá-lo. Se for aristocrático na organização, então procura proteger o homem que é superior apenas em lei contra o homem que é superior de fato; se for democrático, então visa proteger o homem que é inferior em todos os sentidos contra ambos. Uma de suas funções principais é arregimentar os homens pela força, torná-los tão semelhantes quanto possível e tão dependentes uns dos outros quanto possível, para buscar e combater a originalidade entre eles. Tudo o que pode ver em uma ideia original é uma mudança potencial e, portanto, uma invasão de suas prerrogativas. O homem mais perigoso, para qualquer governo, é aquele que é capaz de pensar as coisas por si mesmo, sem levar em conta as superstições e tabus prevalecentes. Quase inevitavelmente ele chega à conclusão de que o governo sob o qual vive é desonesto, insano e intolerável, e então, se ele é romântico, ele tenta mudá-lo. E mesmo que ele não seja romântico pessoalmente, ele é bem capaz de espalhar descontentamento entre aqueles que são ….

O homem médio, quaisquer que sejam seus erros, pelo menos vê claramente que o governo é algo situado fora dele e fora da generalidade de seus semelhantes – que é um poder separado, independente e muitas vezes hostil, apenas parcialmente sob seu controle e capaz de fazer-lhe um grande mal. Em seus momentos românticos, ele pode pensar nele como um pai benevolente ou mesmo como uma espécie de gênio ou deus, mas nunca pensa nele como parte de si mesmo. Em tempos de angústia, ele espera que o governo realize milagres em seu benefício; em outras ocasiões, ele o vê como um inimigo contra o qual deve travar uma batalha constante. Seria relevante o fato de que roubar o governo seja considerado em toda parte um crime de menor magnitude do que roubar um indivíduo? …

O que está por trás de tudo isso, acredito, é um profundo senso do antagonismo fundamental entre o governo e o povo que governa. É compreendido, não como um comitê de cidadãos escolhidos para realizar os negócios comunais de toda a população, mas como uma corporação separada e autônoma, principalmente dedicada a explorar a população para o benefício de seus próprios membros. Roubá-lo é, portanto, um ato quase desprovido de infâmia … Quando um cidadão comum é roubado, um homem digno é privado dos frutos de sua indústria e parcimônia; quando o governo é roubado, o pior que acontece é que certos bandidos e vagabundos têm menos dinheiro para aproveitar do que antes. A noção de que eles ganharam esse dinheiro nunca passa pela cabeça; para a maioria dos homens sensatos, pareceria ridícula. Eles são simplesmente patifes que, por acidentes de lei, têm um direito um tanto duvidoso a parte dos ganhos de seus semelhantes. Quando essa parte é diminuída pela empresa privada, o negócio é, no geral, muito mais louvável do que não.

Essa gangue é quase imune a punições. Suas piores extorsões, mesmo quando visam ao lucro privado, não acarretam penalidades determinadas de acordo com nossas leis. Desde os primeiros dias da República, menos de uma dúzia de seus membros sofreram impeachment, e apenas alguns obscuros subordinados foram colocados na prisão. O número de homens presos em Atlanta e Leavenworth por se rebelarem contra as extorsões do governo é sempre dez vezes maior do que o número de funcionários públicos condenados por oprimir os contribuintes em seu próprio benefício … Não há mais cidadãos no mundo; existem apenas súditos. Eles trabalham dia após dia para seus mestres; eles estão fadados a morrer por seus mestres quando chamados … Em algum brilhante dia amanhã, em uma ou duas épocas geológicas, a tolerância deles chegará ao fim….[5]

Mencken tinha pouca fé na capacidade das revoluções conseguirem uma deposição em nome da liberdade: “As revoluções políticas nem sempre realizam algo de valor genuíno; seu único efeito indubitável é simplesmente expulsar uma gangue de ladrões e colocar outra. Após uma revolução, é claro, os revolucionários de sucesso sempre tentam convencer os céticos de que eles realizaram grandes coisas, e geralmente enforcam qualquer homem que negue isso. Mas isso certamente não prova seu ponto.” Essa mistura de doutrina libertária e pessimismo para alcançá-la foi resumida por Mencken: “O governo ideal de todos os homens reflexivos … é aquele que deixa o indivíduo em paz – aquele que por pouco não deixa de ser governo algum. Esse ideal, creio eu, será realizado no mundo vinte ou trinta séculos depois de ter me retirado desses cenários e assumido minhas funções públicas no Inferno.”[6]

Mencken viu claramente a falácia de tratar agentes governamentais como motivados exclusivamente pelo bem-estar público:

    Esses homens, na verdade, raramente são movidos por algo que possa ser descrito racionalmente como espírito público; na verdade, não há mais espírito público entre eles do que entre tantos ladrões ou andarilhos. Seu propósito, primeiro, último e sempre, é promover sua vantagem privada e, para esse fim, e somente para esse fim, eles exercem todos os vastos poderes que estão em suas mãos … O que quer que eles busquem, seja segurança, maior conforto, mais dinheiro ou mais poder, tem que sair do estoque público e, assim, diminui as porções de todos os outros homens. Colocar um novo funcionário público para trabalhar diminui os salários de todos os assalariados da terra … Dar a um funcionário público mais poder tira algo da liberdade de todos nós ….

Mencken prossegue acrescentando, sobre a natureza do governo e as tentativas de conter suas incursões:

    É, talvez, um fato provocativo de alegria amarga que a Declaração de Direitos foi projetada para proibir para sempre dois dos crimes favoritos de todos os governos conhecidos: a apreensão de propriedade privada sem compensação adequada e a invasão da liberdade do cidadão sem causa justificável …. É um fato provocativo de alegria ainda mais amargo que a execução dessas proibições tenha sido colocada nas mãos dos tribunais, ou seja, nas mãos de advogados, ou seja, nas mãos de homens especificamente educados para descobrir desculpas legais para atos desonestos, desonrosos e anti-sociais.[7]

Uma das principais forças que mantinham a tirania governamental sem controle, Mencken apontou, era a credulidade das massas dos homens: “O Estado não é apenas força. Depende da credulidade do homem tanto quanto de sua docilidade. Seu objetivo não é apenas fazê-lo obedecer, mas também fazê-lo querer obedecer.”[8]

Às vezes o governo é útil? Mencken respondeu:

    Um médico também. Mas suponha que o querido sujeito reivindicasse o direito de, toda vez que fosse chamado para prescrever uma solução para dor de barriga ou zumbido nos ouvidos, roubar a prata da família, usasse as escovas de dente da família e reivindicasse o droit de seigneur com a empregada?[9]

Mencken também tinha menos afeição pela casta militar do que pela burocracia civil:

    A casta militar não se originou como um partido de patriotas, mas como um partido de bandidos. Os chefes dos bandidos primitivos eventualmente se tornaram reis. Algo do caráter do bandido ainda se liga ao profissional militar. Ele pode lutar com bravura e altruísmo, mas o mesmo acontece com os galos de briga. Ele pode não buscar recompensas materiais, mas cães de caça também não buscam. Sua atitude mental geral é estúpida e anti-social. Foi um instinto sensato dos Pais Fundadores que os fez subordinar o establishment militar ao poder civil. Sem dúvida, o poder civil consiste em grande parte de canalhas políticos, mas eles pelo menos diferem em perspectiva e propósito dos militares ….[10]

Ninguém superou Mencken no que ele chamou de “voos utópicos” – projetos hilariantes e magníficos de reforma libertária do governo ou da sociedade em geral. Assim, em um artigo escrito em 1924, antes, como ele mesmo disse, “o New Deal afligiu o país com uma grande massa de novos direitos administrativos e funcionários públicos extra-tirânicos”, Mencken propôs uma reforma profunda em nosso sistema de direito administrativo. Ele começa dizendo que “nas monarquias imorais do continente europeu, agora felizmente abolidas pela vontade de Deus, havia, nos velhos tempos do pecado, uma forma inteligente e eficaz de lidar com os agentes públicos delinquentes”. Não apenas, ele acrescenta, eles estavam sujeitos ao direito penal comum, mas também a tribunais especiais por “crimes … peculiares aos seus cargos”. A Prússia manteve um tribunal onde qualquer cidadão era livre para apresentar queixa contra um agente público, e um agente público culpado poderia ser punido de várias maneiras – forçado a pagar indenização para um cidadão vitimado, ser destituído do cargo e/ou mandado para a prisão. “Se um juiz prussiano, naqueles dias longínquos de despotismo, tomado por um estalo de paixão kaiserliche, tivesse feito qualquer uma das coisas arrogantes e irracionais que nossos próprios juízes, federais e estaduais, fazem quase todos os dias, um cidadão ofendido o teria acionado perante o tribunal administrativo e recuperado pesadas perdas …” Além disso, a lei “especificava que os agentes públicos responsáveis ​​deveriam ser punidos, não mais brandamente do que os infratores subordinados ou comuns, mas com mais severidade. Se um policial corrupto fosse punido seis meses, um chefe de polícia corrupto pegaria dois anos. Mais, esses estatutos foram aplicados com a barbárie prussiana; e as prisões estavam constantemente cheias de agentes públicos errantes.”

Mencken acrescenta que não propõe precisamente, “é claro”, o sistema prussiano para os Estados Unidos:

    Na verdade, o esquema prussiano provavelmente se mostraria ineficaz na República, pelo menos porque envolvia a criação de uma gangue de funcionários públicos para julgar e punir outra gangue. Funcionou muito bem na Prússia antes de o país ser civilizado pela força das armas porque, como todos sabem, um oficial prussiano era treinado na ferocidade desde a infância e considerava cada homem acusado perante ele, fosse um colega oficial ou não, como culpado ipso facto; na verdade, qualquer pensamento sobre a possível inocência de um prisioneiro era abominável para ele, como um reflexo sobre a Polizei e, por inferência, sobre o trono, toda a ideia monárquica e Deus. Mas nos Estados Unidos… juiz e prisioneiro seriam frequentemente companheiros democratas ou republicanos e, portanto, ambos interessados ​​em proteger seu partido contra o escândalo e seus membros contra a perda de seus empregos.

“O que é necessário”, concluiu Mencken, “é um sistema que (a) não dependa para sua execução da boa vontade de outros funcionários públicos, e (b) que forneça punições rápidas, certas e não-pedagógicas, cada uma perfeitamente ajustada a seus crime.” O remédio proposto por Mencken prevê que qualquer

    [cidadão] … tendo investigado os atos de um funcionário público e o considerado delinquente, pode puni-lo instantaneamente e no local, e da maneira que pareça apropriada e conveniente – e que, no caso de tal punição envolver danos físicos ao funcionário público, o inquérito subsequente do grande júri ou do legista limitar-se-á estritamente à questão de saber se o funcionário público mereceu o que recebeu. Em outras palavras, proponho que não será mais malum in se um cidadão esmurrar, açoitar, chutar, enfiar o dedo no olho, cortar, ferir, machucar, mutilar, queimar, dar paulada, cacetada, esfolar ou mesmo linchar um funcionário público, e que será malum proibitum apenas na medida em que a punição exceda as sobremesas do funcionário público. O montante deste excesso, se houver, pode ser determinado muito convenientemente por um pequeno júri, visto que outras questões de culpa são agora determinadas …. Se decidir que o funcionário público merece a punição que lhe foi infligida, o cidadão que a infligiu é absolvido com honra. Se, ao contrário, decidir que a punição foi excessiva, então o cidadão é considerado culpado de agressão, desordem, homicídio, ou seja o que for, em um grau proporcional à diferença entre o que o funcionário público merecia e o que ele recebeu, e a punição por esse excesso segue no curso normal ….

As vantagens desse plano, creio eu, são patentes demais para exigir argumentos. De um só golpe, ele remove todos os impedimentos legais que agora tornam a punição de um funcionário público traidor um caso perdido … Digamos que um cidadão hoje se convença de que um certo juiz é um idiota – que seu aprendizado jurídico é inadequado, seu senso de justiça atrofiado, e sua conduta nos casos perante ele é  tirânica e contra a decência. Do jeito que as coisas estão, é impossível fazer qualquer coisa a esse respeito … Nem há nada a ganhar denunciando-o publicamente e exortando todos os bons cidadãos a votarem contra ele quando ele for candidato à reeleição, pois seu mandato pode durar dez ou quinze anos, e mesmo que expire amanhã e ele seja derrotado, as chances são boas de seu sucessor ser tão ruim quanto, ou talvez até pior.

Mas agora imagine qualquer cidadão livre para abordá-lo em tribunal aberto e o confrontasse. Ou mesmo, em casos mais graves, cortar-lhe as orelhas, atirar-lhe pela janela ou bater-lhe na cabeça com um machado. Quão muito mais atento ele estaria com seus deveres! Quão diligentemente ele se aplicaria ao estudo da lei! Quão cuidadoso ele seria com os direitos dos litigantes diante dele![11]

A preocupação de Mencken com o perigoso estado de liberdade nos Estados Unidos, e com a imunidade virtual concedida a seus opressores, nunca foi expressa com mais hilaridade ou ironia amarga do que em seu artigo sobre “A Natureza da Liberdade”, escrito no início de 1920, mas em nenhum sentido desatualizado. Seu tema é a polícia versus o cidadão individual. Ele começa com ironia: “Cada vez que um oficial da polícia, na execução de seus justos e terríveis poderes sob a lei americana, produz uma fratura exposta do occipital de algum cidadão sob sua custódia, com hemorragia, choque, coma e morte, temos um protesto débil em falsete de especialistas em liberdade humana.” “É um fato sem significado”, continua Mencken, “que esse protesto nunca seja apoiado pelo grande corpo de homens livres americanos, deixando de lado os verdadeiros herdeiros e credores da vítima? Acho que não.” Pois os simples entendem que os policiais recebem cassetetes “com o propósito de quebrar os crânios dos cidadãos comuns recalcitrantes, tanto democratas quanto republicanos”.

É claro, portanto, Mencken continuou a satirizar que essa minoria de intelectuais preocupados com a liberdade civil e os direitos individuais em relação à polícia são subversivos e antiamericanos:

    Os especialistas citados são os mesmos fanáticos que sacodem o ar com soluços toda vez que o Diretor Geral dos Correios dos Estados Unidos proíbe que um periódico seja postado porque as ideias nele não o agradam, e toda vez que algum pobre russo é deportado por ler Karl Marx, e todas as vezes que um agente da Lei Seca mata um contrabandista que resiste a seus impostos, e todas as vezes que agentes do Departamento de Justiça atiram um italiano pela janela, e todas as vezes que a Ku Klux Klan ou a Legião americana ataca um evangelista socialista. Em resumo, eles são radicais, e arranhar um com um forcado é denunciar um bolchevique. Eles são homens que desprezam as instituições americanas e são inimigos do idealismo americano ….

O que os aflige principalmente é … que … tendo dominado … os princípios teóricos estabelecidos na Declaração de Direitos, eles evoluem uma convicção apaixonada de que esses princípios são idênticos às regras da lei e da justiça, e devem ser aplicados literalmente, e sem a menor consideração pelas circunstâncias e conveniências.

Eles não perceberam, acrescentou Mencken, que a Declaração de Direitos originalmente adotada pelos Pais da República

    … era grosseira, rude, idealista, um pouco fantasiosa e transcendental. Ela especificava os direitos do cidadão, mas nada dizia sobre seus deveres. Desde então, pelos processos ordenados da ciência legislativa e pelos dispositivos ainda mais sutis e belos da arte jurídica, ela foi amassada e amadurecida em uma flexibilidade e razoabilidade muito maiores. Por um lado, o cidadão ainda retém o grande privilégio de ser membro da mais soberba nação livre já vista nesta terra. Por outro lado, como resultado de incontáveis ​​atos astutos e decisões sagazes, seus desejos e apetites naturais são mantidos sob controle louvável, e ele é assim mantido em ordem e decoro … Uma vez que se torne um policial, ele é protegido pelo legislativo e braços judiciais nos direitos e prerrogativas peculiares que acompanham seu alto cargo, incluindo especialmente o direito de prender os leigos quando quiserem, escorraça-los e assaltá-los, submetê-los a tortura e subjugar sua resistência por meio de seus cérebros. Aqueles que não sabem disso, simplesmente ignoram os princípios básicos da jurisprudência americana, visto que foram expostos inúmeras vezes pelos tribunais de primeira instância e ratificados em termos elevados pela Suprema Corte dos Estados Unidos.[12]

Os serviços devotados de Mencken à liberdade civil, sua oposição à censura como editor do American Mercury, são conhecidos demais para serem repetidos aqui. Mas menos conhecido é a dissecação minuciosa de Mencken do mito do Sr. Justice Holmes como, em suas opiniões divergentes, um grande libertário civil. Mencken enfaticamente apontou que “é impossível ver como … [as opiniões de Holmes] podem concebivelmente promover a liberdade.” Era enganoso considerar Holmes um defensor dos direitos do homem; em vez disso, ele na verdade não era mais do que um defensor dos direitos dos legisladores. Aí está, de fato, a chave para toda a sua jurisprudência. Ele acreditava que os órgãos legislativos deveriam ser livres para experimentar quase ad libitum, que os tribunais não deveriam interrompê-los até que eles ultrapassassem claramente os limites da razão, que tudo deveria ser sacrificado à sua autonomia, incluindo, aparentemente, até mesmo a Declaração de Direitos. Se isso é liberalismo, então tudo que posso dizer é que o liberalismo não é o que era quando eu era jovem.[13]

Mencken não tinha nenhum interesse particular em questões econômicas, mas via claramente que o capitalismo, consequência da liberdade individual na esfera econômica, era o sistema econômico mais produtivo e racional. Ele se opôs amargamente ao New Deal por ser tanto anti-capitalista quanto anti-libertário. Sobre o capitalismo, Mencken escreveu:

    Devemos a ele quase tudo o que hoje leva o nome geral de civilização. O extraordinário progresso do mundo desde a Idade Média não foi devido ao mero gasto de energia humana, nem mesmo aos voos do gênio humano, pois os homens trabalharam duro desde os tempos mais remotos, e alguns deles foram de intelecto insuperável. Não, foi devido à acumulação de capital. Esse acúmulo … forneceu o maquinário que gradualmente diminuiu o trabalho penoso humano e libertou o espírito do trabalhador, que antes era quase indistinguível de uma mula.[14]

Seu velho amigo, Hamilton Owens, escreve sobre a raiva veemente de Mencken por Roosevelt tirar os Estados Unidos do padrão ouro. “Com toda a veemência de que era capaz, ele insistiu que era um roubo puro e simples. Ele falou sobre entrar com uma ação judicial pessoalmente.”[15] Em correspondência com o famoso socialista Upton Sinclair, que evidentemente o manipulou com o velho e testado brometo sobre a suposta eficiência governo em gerir correios, bombeiros, serviços públicos de saúde, etc., Mencken, em vez de recuar apressadamente e ceder, como a maioria dos conservadores fazem quando confrontados com desafios semelhantes, respondeu:

    Suas perguntas são fáceis. O governo leva minha revista até você apenas contra sua vontade. Ele tentou arruinar meu negócio, [The American Mercury] e falhou apenas por um centímetro. Ele cobra muito pelos vales postais e perde muitos deles. Uma corporação de chineses idiotas poderia fazer melhor. Sua máquina de apagar incêndios é insuportavelmente cara e ineficiente. Na verdade, raramente apaga um incêndio; eles queimam até o final… O exército nada teve a ver com a descoberta da causa da febre amarela. Seus burocratas perseguiram os homens que faziam o trabalho. Eles poderiam ter feito isso muito mais rapidamente se estivessem fora do exército. Demorou anos de esforços para induzir o governo a lutar contra os mosquitos, e hoje ele faz isso muito mal.[16]

E, em uma revisão importante, mas esquecida, de As Confissões de um Capitalista, do individualista Sir Ernest Benn, Mencken escreveu que Benn

    dedica a maior parte de seu livro a provar o que a maioria dos americanos considera axiomático: que o sistema capitalista, quaisquer que sejam seus defeitos, ainda funciona melhor do que qualquer outro sistema até agora concebido pelo homem. O resto de seu espaço ele apresenta as provas de que o governo é inevitavelmente extravagante e esbanjador – que nada do que ele faz é feito de maneira tão barata e eficiente quanto a mesma coisa poderia ser feita por uma empresa privada. Não vejo nada a objetar aqui.

E Mencken imediatamente acrescenta:

    Mesmo as funções mais preciosas do governo – digamos, coletar impostos ou enforcar homens – seriam mais bem desempenhadas se o cumprimento delas fosse delegado à Ford.[17]

O grande individualista Albert Jay Nock escreveu que, embora na década de 1920 ele fosse geralmente considerado um “radical” inflamado e, na década de 1930, um amargo “reacionário”, sua filosofia política permaneceu, nessas décadas, exatamente a mesma. O mesmo pode ser dito de seu amigo Mencken, que também permaneceu, o tempo todo, individualista e libertário. Na década de 1920, Mencken direcionou seu fogo contra a tarifa e outros privilégios especiais a grupos empresariais favorecidos, contra leis e decretos contra a liberdade de expressão e outras liberdades pessoais e, especialmente, contra a monstruosa tirania da Lei Seca. Na década de 1930, Mencken direcionou seus principais ataques contra a maior ameaça à liberdade daquela época: o New Deal. Os ex-menckenitas da década de 1920 e seus recém-descobertos defensores conservadores da década de 1930, cada qual, ao acreditar que Mencken agora havia mudado da esquerda para a direita, mostraram que não entendiam nem Mencken nem os princípios da liberdade. Frequentemente, o que foi confundido com anti-capitalismo foi simplesmente uma aversão cultural e estética que Mencken sentia pela maioria dos empresários (“Babbitts”) como pessoas – uma aversão que eles compartilhavam com o homem comum – os “homens das massas” – de outras ocupações. Mas a antipatia de Mencken pelos gostos culturais dos capitalistas individuais não deve ser confundida – como ele nunca fez – com a oposição ao capitalismo como tal.

Olhando para as duas eras já em 1934, Mencken escreveu a um amigo:

    Se eu realmente acreditasse que deixei uma marca em meu tempo, acho que pularia no oceano mais próximo. Esta não é uma mera conversa extravagante. É baseada no fato de que acredito que o povo americano está mais louco hoje do que era quando comecei a escrever. Certamente, os pior rotarianos nunca inventaram nada tão absurdo quanto algumas das invenções dos grupos de especialistas do governo. Eles eram tolos inofensivos, procurando formular um substituto para o cristianismo que estava escapando deles. Mas os grupos de especialistas, pelo menos em grande parte, são fanáticos maníacos e nos levarão à ruína se não forem suprimidos logo.[18]

Um dos aspectos deliciosos de Mencken, de fato, é a constância de suas opiniões. Como ele certa vez, aos sessenta anos, escreveu alegremente a um amigo: “Em todos os assuntos conhecidos, desde a aviação até o xilofone, tenho ideias fixas e invariáveis. Elas não mudaram desde que eu tinha quatro ou cinco anos.”[19]

Em sua autobiografia charmosa, suave, afetuosa e espirituosa sobre sua vida de criança, Dias Felizes, Mencken lembra de ter absorvido suas opiniões “reacionárias” no colo de seu pai:

    Seu sistema moral, conforme tento reconstituí-lo depois de tantos anos, parece ter sido predominantemente chinês. Toda a humanidade, a seu ver, estava dividida em duas grandes raças: os que pagavam suas contas e os que não pagavam. Os primeiros eram virtuosos, apesar de qualquer evidência que pudesse ser aduzida em contrário; os últimos eram unânimes e incuráveis canalhas.

Ele tinha uma visão muito tolerante de todos os outros delitos e prevaricações. Ele acreditava que a corrupção política era inevitável sob a democracia e até argumentou, com base em sua própria experiência, que ela tinha seus usos. Uma de suas anedotas favoritas era sobre uma enorme placa oscilante que ficava pendurada do lado de fora de seu estabelecimento na rua Paca. Quando o prédio foi construído, em 1885, ele simplesmente pendurou a placa, mandou chamar o vereador do distrito e deu-lhe $20. Isso foi o pagamento total para sempre de todas as taxas de permissão e privilégio, taxas de servidão e outros custos e impostos. O vereador embolsou o dinheiro e, em troca, deveria afastar quaisquer policiais, inspetores de construção ou outros funcionários públicos que tivessem qualquer interesse legal no assunto ou tentassem obter lucro privado. Sendo um homem honrado de acordo com seus princípios, ele manteve sua barganha, e a placa balançou e rangeu com a brisa por dez anos. Mas então, em 1895, Baltimore teve uma onda de reformas, o vereador não foi reeleito e os idealistas da Prefeitura mandaram avisar que a licença para manter a placa custaria US$62,75 por ano. Ela foi retirada no dia seguinte.

Isso foi uma prova para meu pai de que a reforma era principalmente apenas uma conspiração de charlatões preênsis para multar os contribuintes. Peguei essa ideia dele e a considero até os dias de hoje. Eu também peguei sua doutrina de que a conduta privada não deve ser investigada muito de perto – com exceção, é claro, de qualquer tipo que envolva espancar um credor.[20]

A firmeza do libertarianismo de Mencken também pode ser avaliada pelas numerosas citações de autores libertários e até anarquistas desconhecidos em seu Novo Dicionário de Citações.[21] Assim, em sua seção sobre o “Estado”, a maior parte das citações é anti-Estado, e o restante é tão extremamente pró-Estado que o efeito sobre o leitor é enfaticamente irônico. Um exemplo do último é “O partido nacional-socialista é o estado – Adolf Hitler”. E as citações anti-Estado são tomadas em grande parte de fontes altamente individualistas ou anarquistas: Emerson, Max Stirner, Thoreau, Bakunin, William Graham Sumner, Kropotkin, Tolstoy e Benjamin R. Tucker. É duvidoso que alguém que não simpatize muito com esses autores (1) conheça seus escritos com tanta familiaridade e (2) “encha” essas seções com suas citações. A seção sobre “Expressão, Liberdade” é, novamente, quase exclusivamente preenchida com citações pró-liberdade de expressão, incluindo não apenas Macaulay, Jefferson, James Mill e vários juízes, mas também o individualista inglês quase anarquista, Auberon Herbert.

O desprezo de H. L. Mencken pela democracia é bem conhecido. Resultou em grande parte de sua devoção primária à liberdade individual e de sua percepção de que a maior parte dos homens – a maioria democrática – é geralmente inclinada a suprimir, em vez de defender a liberdade individual. Mencken uma vez resumiu sua visão da natureza da democracia, do homem comum e do Estado nesta definição de “democracia” de nove palavras: “A democracia é a adoração de chacais por burros.” Outras definições menckenianas: “Democracia é a teoria de que as pessoas comuns sabem o que querem e merecem conseguir por bem ou por mal.” “Se x é a população dos Estados Unidos e y é o grau de imbecilidade do americano médio, então a democracia é a teoria de que x vezes y é menor que y.” Todos os axiomas da democracia “se transformam em paradoxos retumbantes, muitos chegando a contradições absolutas em termos. A multidão é competente para governar o resto de nós – mas deve ser ela própria rigorosamente policiada. Há um governo, não dos homens, mas das leis – mas os homens são colocados em bancadas para decidir definitivamente o que a lei é e pode vir ser.”[22] Sobre a tendência inerente da democracia de suprimir a liberdade, Mencken escreveu em uma carta particular:

    Todos os apelos a qualquer amor intrínseco à liberdade de expressão são fúteis. Não existe essa paixão nas pessoas. É apenas uma aristocracia que é tolerante. As massas são invariavelmente presunçosas, desconfiadas, furiosas e tirânicas. Esta, de fato, é a objeção central à democracia: que ela impede o progresso ao penalizar a inovação e a não conformidade.[23]

O ateísmo de Mencken é, novamente, bem conhecido, mas para ele a hostilidade apaixonada foi reservada para aqueles grupos religiosos que persistiram em impor seus códigos morais por coerção sobre o resto da população. Na época de Mencken, o principal exemplo era a proibição: e, portanto, a hostilidade de Mencken era dirigida principalmente contra os metodistas e batistas. Em contraste, Mencken não tinha nenhum ânimo particular contra os católicos romanos (especialmente os segmentos não-irlandeses): “Os católicos não são proibicionistas, eles têm mais humor do que os metodistas”, ele teria dito uma vez, e aparentemente era amigo de alguns membros do clero católico.

A ligação no pensamento de Mencken entre coerção religiosa da moral, democracia, o homem comum e tirania sobre o indivíduo pode ser vista em um de seus artigos mais controversos – seu ataque violento ao fazendeiro americano:

    Os mesmos charlatães que chegam a Washington prometendo aumentar seus ganhos [do fazendeiro] e compensar suas perdas dedicam todo o tempo que sobra desse empreendimento para sobrecarregar o resto de nós com leis opressivas e idiotas, todas incubadas na fazenda. Lá, onde as vacas mugem pela noite calma, e o jarro de Peruna fica atrás do fogão, e começa o banho, como em Biarritz, com o equinócio vernal – está o reservatório de toda a legislação não sensata que faz os Estados Unidos um bufão entre as grandes nações. Foi entre os metodistas do interior, praticantes de uma teologia degradada quase ao nível do vodu, que a Lei Seca foi inventada, e foi pelos metodistas do interior … que foi aplicada ao resto de nós, para prejuízo de nossas contas bancárias, nossa dignidade e nossas vísceras. O que estava sob ela, e sob todas as outras encenações malucas de sua categoria, era nada mais nada menos do que o ódio congênito e incurável do caipira pelo homem da cidade – sua fúria símia contra todos que, a seu ver, estão tendo uma vida melhor do que ele.[24]

A visão de Mencken da hostilidade do homem comum em relação à liberdade também foi expressa em seu insight sobre a questão verdadeiramente intrigante: como a esmagadora maioria dos recrutas conseguiu se ajustar tão prontamente à escravidão da vida no exército?

    Todos, exceto uma pequena minoria deles, vieram de ambientes muito menos confortáveis ​​do que um acampamento do exército …. Com um golpe eles foram aliviados daquela incerteza preocupante sobre a subsistência que é a maldição de todos os jovens pobres e ignorantes, e também de toda necessidade de experimentar e decidir por si próprios. Eles eram alimentados e vestidos à custa da contas públicas … e podiam praticar livremente esportes e outras diversões proibidas em seus lugares de origem. Suas vidas, em resumo, não eram diferentes das dos presidiários de uma prisão bem administrada, mas com … a constante expectativa de libertação em algum dia próximo – não como tutelados por policiais intrometidos e oficiais de condicional, mas como heróis… Não apenas outra pessoa decidiu o que eles iam vestir, onde dormir, quando se levantar e quando ir para a cama, o que comer e quando: todas essas acomodações foram fornecidas para eles em abundância, e em com nenhuma despesa para si próprios. Em resumo, o peso da responsabilidade foi retirado deles por completo.

O soldado médio … encontrou no exército uma vida muito mais confortável, com muitos dos privilégios de um libertino licenciado … Se roubasse um pouco, seria um de seus privilégios como salvador da humanidade. Se ele era rude e brutal, era um sinal de seu espírito de luta. Além disso, ele poderia esperar distinção e respeito pelo resto de sua vida, com uma longa lista de privilégios especiais. Em cada comunidade nos Estados Unidos, por menor que seja, há notáveis ​​locais cuja notabilidade repousa inteiramente no fato de que uma vez foram convocados para uma guerra ou outra … Sua inteligência geral é demonstrada pelo tipo de ideias que defendem. Eles são, em sua maioria, inimigos ferrenhos da liberdade do indivíduo e são responsáveis ​​por algumas das piores corrupções da política. O mais exigente de todos os políticos é o veterano de guerra.[25]

Mencken, na verdade, foi um arqui “isolacionista” que se opôs veementemente à entrada americana na Primeira e na Segunda Guerra Mundial. Ele sempre comentou que se opunha à intervenção em ambas as guerras, mas que se os Estados Unidos tivesse que intervir, deveria ter intervindo do outro lado. Em abril de 1942, ele escreveu jocosamente a um amigo: “O verão que se aproxima promete fornecer aos homens cristãos o melhor espetáculo visto na terra desde as Cruzadas. Estou ansioso por isso com as mais ansiosas antecipações. Só espero que, se os japoneses realmente tomarem a Califórnia, eles sejam educados com você.”[26] E para seu velho amigo Harry Elmer Barnes, Mencken escreveu, em setembro de 1943, que “estou tão constituído que tenho de dizer tudo ou ficar totalmente em silêncio. Nesta guerra, como na última, parece-me mais racional guardar o que tenho a dizer até que possa ser dito livremente.”[27]

A reação de Mencken ao lançamento da bomba atômica foi compreensivelmente amarga. Dois anos após o evento, ele escreveu a Julian Boyd que

    A bomba atômica, como há muito tempo tenho anunciado, é a maior invenção que Javé já criou desde a lepra. Certamente isso deu grande glória aos físicos cristãos deste país. Tente imaginar um canibal decente jogando-a em uma cidade cheia de mulheres e crianças.[28]

Mencken estava particularmente preocupado com a supressão quase absoluta das liberdades civis que parece resultar inevitavelmente da participação na guerra, e na condução da Primeira Guerra Mundial ele viu o exemplo de sua visão preconceituosa da democracia, do Estado, da intervenção estrangeira e do homem comum. Uma das “bufonarias” mais engraçadas de Mencken foi sua proposta de condecorar luxuosamente os heróis da “frente interna” da Primeira Guerra Mundial:

    O que proponho é uma variedade da Medalha por Serviços Eminentes para civis … para marcar vários serviços à democracia … para o presidente da universidade que proibiu o ensino da língua inimiga em seu erudito bosque, tirou as obras de Goethe da biblioteca da universidade, dispensou todos os professores que não quisessem apoiar Woodrow para a primeira vaga na Trindade, assumiu a responsabilidade pela Liga de Segurança Nacional e fez duzentos discursos em salas cinematográficas para este gigante do esforço leal que não permitia nenhum americano 100% falar de qualquer coisa que não fosse a grande cruz da ordem, com um emblema de ouro em vitral, um boldrié das cores nacionais, um chapéu de plugue violeta com um raio de sol na lateral, o privilégio do plenário do Congresso, e uma pensão de $10.000 por ano ….

Palmer e Burleson partem para legislação especial. Se meros presidentes de universidade, como Nicholas Murray Butler, devem receber a grande cruz, então Palmer merece ser enrolado em ouro maleável da cabeça aos pés e polido até cegar o cosmos ….[29]

Não há espaço aqui para discutir outras contribuições notáveis ​​de Mencken – suas dissecações de Veblen, Wilson e Theodore Roosevelt, sendo a primeira pessoa a escrever livros sobre Nietzsche ou George Bernard Shaw, seu … Mas basta dizer que os Estados Unidos precisa desesperadamente de outro Mencken, e que o leitor deve considerar o acima uma amostra tentadora de menckeniana para estimulá-lo a obter mais do rico e abundante produto disponível. Não há melhor maneira de concluir do que recorrer ao nobre e comovente Credo de Mencken, escrito para uma série “O que eu Acredito” em uma revista importante:

    Acredito que nenhuma descoberta de fato, por mais trivial que seja, pode ser totalmente inútil para a raça, e que nenhuma trombeta de falsidade, por mais virtuosa que seja em sua intenção, pode ser outra coisa senão viciosa.

Eu acredito que todo governo é mau, já que todo governo deve necessariamente travar guerra à liberdade, e que a forma democrática é tão ruim quanto qualquer das outras formas ….

Acredito na completa liberdade de pensamento e expressão – tanto para o homem mais humilde quanto para o mais poderoso, e na máxima liberdade de conduta que é consistente com a vida em sociedade organizada.

Acredito na capacidade do homem de conquistar o seu mundo e de descobrir do que é feito e como funciona. Eu acredito na realidade do progresso. Eu –

Mas a coisa toda, afinal, pode ser colocada de forma muito simples. Acredito que é melhor dizer a verdade do que mentir. Acredito que é melhor ser livre do que ser escravo. E eu acredito que é melhor saber do que ser ignorante.[30]

 

Artigo original aqui

 

_______________________________

Notas

[1] H. L. Mencken. A Mencken Chrestomathy (New York: Knopf. 1949). pp. 471–72.

[2] Guy J. Forgue. ed., Letters of H. L. Mencken (New York: Knopf. 1961), p. xiii.

[3] Ibid., p. 189.

[4] Ibid., p. 281.

[5] Mencken Chrestomathy, pp. 145–48.

[6] Ibid., p. 146.

[7] H. L. Mencken, Prejudices: A Selection, ed. by James T. Farrell (New York: Vintage Books, 1958), pp. 180–82.

[8] H. L. Mencken. Minority Report: H. L. Mencken’s Notebooks (New York: Knopf. 1956). p. 217.

[9] Mencken. Prejudices, p. 187.

[10] Mencken. Minority Report. p. 217.

[11] Mencken Chrestomathy, pp. 384–387.

[12] Mencken. Prejudices. pp. 138–43. Mencken Chrestomathy, p. 259.

[13] Mencken Chrestomathy, p. 259.

[14] Ibid., p. 294.

[15] Mencken. Letters, p. xii.

[16] Ibid., p. 295.

[17] [H. L. Mencken] , “Babbitt as Philosopher,” The American Mercury (September, 1926), pp. 126–27. Para uma bibliografia definitiva dos escritos de Mencken, veja Betty Adler, comp., H. L. M.: The Mencken Bibliography (Baltimore: Johns Hopkins Press, 1961).

[18] Mencken, Letters, pp. 374–75.

[19] Ibid., p. 444.

[20] H. L. Mencken. The Days of H. L. Mencken (New York: Knopf, 1947), pp. 251–52.

[21] H. L. Mencken. A New Dictionary of Quotations: On Historical Principles from Ancient and Modern Sources (New York: Knopf, 1942).

[22] Mencken Chrestomathy, pp. 167–68.

[23] Mencken. Letters, p. 109.

[24] Mencken Chrestomathy, pp. 363–64.

[25] Ibid., pp. 93–95.

[26] Mencken, Letters, p. 463.

[27] Ibid., p. 476.

[28] Ibid., p. 501.

[29] Mencken Chrestomathy, pp. 601–05.

[30] H. L. Mencken, “What I Believe,” The Forum (Setembro, 1930), p. 139.

1 COMENTÁRIO

  1. Absolutamente fabuloso!

    Somente Rothbard – o vendedor de criancinhas, na definição de um liberal aloprado famosinho aqui da cidade, para definir corretamente Mencken como um libertário. É curioso neste sentido, que eu tenha comprado “O livro dos insultos” do Mencken há muito tempo atrás, graças a elogiosas críticas na mídia impressa do sistema sobre aquele que “destruiu a falsa moral da burguesia americana”. Ou seja, comunistas burros achavam que estavam vendendo Marx, mas estavam entregando um blend de Mises, Rothbard e Herr Hoppe…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.