Henry A. Kissinger

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Mas é claro que a figura dominante da política externa nos governos Nixon e Ford não era William Rogers, mas Henry A. Kissinger, que foi nomeado conselheiro de segurança nacional e logo se tornou praticamente a única força na política externa, substituindo oficialmente Rogers como secretário de Estado em 1973.

Kissinger era praticamente o “Sr. Rockefeller.” Como cientista político de Harvard, Kissinger havia sido descoberto por John J. McCloy e nomeado diretor de um grupo CRE para estudar a ameaça soviética na era nuclear. Ele logo foi nomeado diretor de um projeto especial de estudos de política externa do Rockefeller Brothers Fund e, a partir daí, tornou-se por mais de uma década o principal conselheiro pessoal de política externa de Nelson Rockefeller.

Apenas três dias antes de aceitar o cargo no governo Nixon, Rockefeller deu a Kissinger $50.000 para aliviar os encargos fiscais de seu cargo oficial. Nixon e Kissinger re-escalaram a Guerra do Vietnã bombardeando secretamente e depois invadindo o Camboja em 1969 e 1970; eles podiam ter certeza da obediência de Ellsworth Bunker, que Nixon manteve como embaixador no Vietnã do Sul até o fim da guerra.

Além da Guerra do Vietnã, o principal empreendimento de política externa do governo Nixon foi a derrubada do regime marxista de Allende pela CIA no Chile. As empresas norte-americanas controlavam cerca de 80% da produção de cobre do Chile, e o cobre era de longe o principal produto de exportação do Chile. Na eleição de 1970, a CIA canalizou US$1 milhão para o Chile em uma tentativa frustrada de derrotar Allende. O novo regime de Allende então passou a nacionalizar grandes empresas de propriedade dos EUA, incluindo Anaconda e Kennecott Copper e Chile Telephone Co., uma grande empresa de serviços públicos que era subsidiária da ITT (International Telephone and Telegraph Co.).

Sob o conselho de Henry Kissinger e da ITT, a CIA canalizou US$8 milhões para o Chile nos três anos seguintes, em uma tentativa bem-sucedida de derrubar o regime de Allende. Particularmente útil nessa tentativa foi John A. McCone, o industrial da Costa Oeste que Johnson manteve encarregado da CIA. Agora membro do conselho da ITT, McCone continuou em contato constante ao ser nomeado consultor da CIA na questão chilena. O presidente Nixon manteve o remanescente de Johnson, Richard Helms, como chefe da CIA, e a perspectiva de Helm pode ter sido influenciada pelo fato de seu avô, Gates W. McGarrah, ter sido chefe do Mechanics and Metals National Bank of New York, diretor de Bankers Trust e presidente do conselho do poderoso Federal Reserve Bank de Nova York.

Dos US$8 milhões despejados no Chile pela CIA, mais de US$1,5 milhão foi alocado ao maior jornal de oposição do Chile, El Mercurio, publicado pelo rico empresário Augustin Edwards. Edwards também foi, não por coincidência, vice-presidente da Pepsico, uma empresa liderada pelo amigo próximo do presidente Nixon, Donald M. Kendall. A transação foi acertada em uma tranquila reunião de café da manhã em Washington, organizada por Kendall, e incluindo Edwards e Henry Kissinger. Após a derrubada bem-sucedida de Allende por uma junta militar em setembro de 1973, o homem que se tornou o primeiro ministro da Economia, Desenvolvimento e Reconstrução foi Fernando Leniz, um funcionário de alto escalão do El Mercurio que também atuou no conselho da subsidiária chilena da International Basic Economy Corporation, controlada por Rockefeller.

Richard Nixon também estabeleceu, pela primeira vez, relações diplomáticas com a China comunista. Nixon foi instado a dar esse passo por um comitê de proeminentes empresários e financistas interessados ​​em promover o comércio e os investimentos na China. O grupo incluía Kendall; Gabriel Hauge, presidente da Manufacturers Hanover Trust Co.; Donald Burnham, chefe da Westinghouse; e David Rockefeller, presidente do Chase Manhattan Bank.

O primeiro enviado à China foi o veterano diplomata e figura de elite David K. E. Bruce, que se casou com uma Mellon e serviu em altos cargos diplomáticos em todos os governos desde o de Harry Truman. Depois que Bruce se tornou embaixador na OTAN, ele foi substituído por George H. W. Bush, um homem do petróleo do Texas que serviu brevemente como embaixador nas Nações Unidas. Mais importante do que as conexões de petróleo de Bush no Texas era o fato de que seu pai, o senador de Connecticut Prescort Bush, era sócio da Brown Brothers, Harriman.