História do Debate do Cálculo Econômico Socialista

0
Tempo estimado de leitura: < 1 minute

Citações Iniciais

Mas o planejamento será provavelmente o método mais eficiente de alcançar qualquer conjunto de fins escolhidos porque a razão é superior ao instinto e o conhecimento à ignorância, e o professor Hayek deve admiti-lo a menos que, de fato, ele nos exorte a rejeitar em desespero as oportunidades e responsabilidades da humanidade completa. Ele pode excluir a ciência da vida econômica apenas se preferir o instinto à razão e a ignorância ao conhecimento. (Durbin, 1949:103)

 

O significado do título do presente capítulo, ‘Entre o instinto e a razão’, é literal. Eu quero chamar a atenção para aquilo que de fato se encontra entre o instinto e a razão, e que por causa disso é frequentemente ignorado precisamente porque se supõe que não existe nada entre os dois. Isso é, eu estou principalmente preocupado com a evolução cultural e moral, evolução da ordem estendida que está, de um lado…, além do instinto e frequentemente oposto a ele e que é, do outro, …. incapaz de ser criado ou projetado pela razão. (Hayek, 1988: 21)

 

Mas aqueles que clamam por “direção consciente” — e que não acreditam que qualquer coisa que evoluiu sem ser projetada … possa resolver problemas que não poderíamos resolver conscientemente — deveria se lembrar disso: o problema é precisamente como entender o escopo da nossa utilização de recursos além daquilo sob o controle de alguma mente; e, portanto, como superar a necessidade de controle consciente e como prover estímulos que farão com que os indivíduos façam coisas desejáveis sem que alguém tenha que dizer o que deve ser feito. (Hayek, 1945:88)