In-N-Out Burger dá uma aula de liberdade ao recusar aplicar passaporte de vacina

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Quando as ordens do governo relacionadas às “vacinas” experimentais contra o coronavírus são impostas às empresas, é encorajador ver as empresas se recusando a cumpri-las. É uma satisfação ainda maior ver uma empresa comprovar seu descumprimento com uma explicação bem formulada e centrada na liberdade.

Confira abaixo a explicação que o In-N-Out Burger forneceu para o restaurante da empresa em San Francisco, recusando-se a cumprir a exigência do governo de San Francisco de que o restaurante cumprisse a autorização do passaporte de vacina da cidade:

    Como empresa, a In-N-Out Burger acredita fortemente na melhor forma de atendimento ao cliente e, para nós, isso significa servir a todos os clientes que nos visitam e fazer com que todos se sintam bem-vindos. Recusamo-nos a ser a polícia de vacinação de qualquer governo. É irracional, invasivo e inseguro forçar nossos funcionários de restaurantes a separar os clientes entre aqueles que podem ser servidos e aqueles que não podem, seja com base na documentação que eles apresentem ou por qualquer outro motivo.

Discordamos veementemente de qualquer ditame governamental que force uma empresa privada a discriminar os clientes que optam por patrocinar seus negócios. Isso é um claro exagero governamental e é intrusivo, impróprio e ofensivo.

Esperançosamente, o exemplo do In-N-Out Burger de ação ousada centrada na liberdade contra os decretos das vacinas irá inspirar muito mais empresas a tomarem medidas semelhantes.

Durante o último ano e meio, governos em todos os níveis deram grandes passos no exercício de poderes tirânicos em nome do combate ao coronavírus. O poder ganho muitas vezes é abandonado a contragosto. Serão necessários muitos indivíduos e empresas declarando corajosamente “chega” e “nunca mais” para garantir que as limitações ao poder do governo sejam respeitadas.

 

Artigo original aqui