Estatísticas: o calcanhar de Aquiles do governo

3
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Realmente vivemos na Era das Estatísticas. Em um país e em uma época que idolatra os dados estatísticos como super “científicos”, oferecendo-nos as chaves para todo o conhecimento, um vasto suprimento de dados de todas as formas e tamanhos é derramado sobre nós, principalmente, jorrado do governo.

Embora agências privadas e associações comerciais reúnam e divulguem algumas estatísticas, elas se limitam a necessidades específicas de setores específicos. A grande maioria das estatísticas é coletada e disseminada pelo governo. As estatísticas gerais da economia, os populares dados do “produto interno bruto” que permitem a cada economista ser um adivinho das condições econômicas, vêm do governo.

Além disso, muitas estatísticas são subprodutos de outras atividades governamentais: da Receita Federal vêm os dados fiscais, dos departamentos de seguro-desemprego vêm as estimativas dos desempregados, das alfândegas vêm os dados do comércio exterior, do Banco central fluem as estatísticas sobre os bancos, e assim por diante. E, à medida que novas técnicas estatísticas são desenvolvidas, novas divisões de departamentos governamentais são criadas para refiná-las e usá-las.

O brotar de estatísticas governamentais constitui vários males óbvios para o libertário. Em primeiro lugar, está claro que muitos recursos estão sendo canalizados para a coleta e a produção de estatísticas. Dado um mercado totalmente livre, a quantidade de trabalho, terra e recursos de capital dedicados às estatísticas diminuiriam para uma pequena fração do total atual. Estima-se que somente o governo federal gasta mais de US$ 48 milhões em estatísticas e que o trabalho estatístico emprega os serviços de mais de 10.000 funcionários civis em tempo integral do governo.[1]

Custos ocultos dos relatórios

Em segundo lugar, a maior parte das estatísticas é obtida pela coerção do governo. Isso não significa apenas que são produtos de atividades indesejáveis; também significa que o verdadeiro custo dessas estatísticas para o público americano é muito maior do que a mera quantia de dinheiro de impostos gasta pelas agências governamentais. A indústria privada e o consumidor privado devem arcar com os onerosos custos de manutenção de registros, arquivamento e coisas do gênero que essas estatísticas exigem. Não apenas isso; esses custos fixos impõem um fardo relativamente grande às pequenas empresas, que estão mal equipadas para lidar com as montanhas de burocracia. Consequentemente, essas estatísticas aparentemente inocentes prejudicam as pequenas empresas e ajudam a enrijecer o sistema de negócios americano. Uma força-tarefa da Comissão Hoover descobriu, por exemplo, que:

    Ninguém sabe quanto custa à indústria americana compilar as estatísticas que o governo exige. A indústria química sozinha relata que a cada ano gasta $ 8.850.000 para fornecer relatórios estatísticos exigidos por três departamentos do governo. O setor de serviços públicos gasta US$ 32 milhões por ano na preparação de relatórios para agências governamentais …

Todas as indústrias que usam amendoim devem relatar seu consumo ao Departamento de Agricultura … Com a intervenção da Força-Tarefa, o Departamento de Agricultura concordou que doravante apenas aqueles que consomem mais de quatro toneladas e meia por ano precisam relatar …

Se pequenas alterações forem feitas em dois relatórios, a Força-Tarefa afirma que uma única indústria pode economizar US$ 800.000 por ano em relatórios estatísticos.

Muitos funcionários da indústria privada estão ocupados com a coleta de estatísticas do governo. Isso é especialmente oneroso para as pequenas empresas. O proprietário de uma pequena loja de ferragens em Ohio estimou que 29% de seu tempo é absorvido no preenchimento de tais relatórios. Não é raro que as pessoas que lidam com o governo tenham de manter vários conjuntos de livros para atender aos diversos e diferentes requisitos das agências federais.[2]

Outras objeções

Mas há outras razões importantes, e não tão óbvias, para o libertário considerar as estatísticas do governo com consternação. Não apenas a coleta e a produção de estatísticas vão além da função governamental de defesa de pessoas e bens; não apenas os recursos econômicos são desperdiçados e mal alocados, como os contribuintes, a indústria, as pequenas empresas e o consumidor são onerados. Mas, além disso, as estatísticas são, em um sentido crucial, críticas para todas as atividades intervencionistas e socialistas do governo.

O consumidor individual, em seu dia-a-dia, tem pouca necessidade de estatísticas; por meio da publicidade, da informação de amigos e de sua própria experiência, ele descobre o que está acontecendo nos mercados ao seu redor. O mesmo se aplica à empresa. O empresário também deve avaliar seu mercado específico, determinar os preços que tem de pagar pelo que compra e cobrar pelo que vende, se envolver na contabilidade de custos para estimar seus custos e assim por diante. Mas nenhuma dessas atividades depende realmente do omnium collectum de fatos estatísticos sobre a economia ingerido pelo governo federal. O empresário, assim como o consumidor, conhece e aprende sobre seu mercado particular por meio de sua experiência diária.

Um substituto para dados de mercado

Burocratas, bem como reformadores estatistas, no entanto, se encontram em um estado de coisas completamente diferente. Eles estão definidamente fora do mercado. Portanto, para entrar na situação que estão tentando planejar e reformar, eles devem obter conhecimentos que não sejam uma experiência pessoal do dia-a-dia; a única forma que esse conhecimento pode assumir são as estatísticas.[3]

As estatísticas são os olhos e os ouvidos do burocrata, do político, do reformador socialista. Somente por meio de estatísticas eles podem saber, ou pelo menos ter alguma ideia sobre o que está acontecendo na economia.[4]

Apenas por estatísticas eles podem descobrir quantos idosos têm raquitismo, ou quantos jovens têm cáries, ou quantos esquimós têm peles de foca defeituosas – e, portanto, apenas por estatísticas esses intervencionistas podem descobrir quem “precisa” do quê em toda a economia, e como muito dinheiro federal deve ser canalizado em quais direções.

O Plano Mestre

Certamente, apenas pelas estatísticas, o governo federal pode chegar a fazer uma tentativa intermitente de planejar, regulamentar, controlar ou reformar vários setores – ou impor o planejamento central e a socialização a todo o sistema econômico. Se o governo não recebesse estatísticas sobre as ferrovias, por exemplo, como poderia começar a regulamentar as tarifas, as finanças e outros assuntos das ferrovias? Como o governo poderia impor controles de preços se nem mesmo sabia quais mercadorias foram vendidas no mercado e quais preços estavam em vigor? As estatísticas, para repetir, são os olhos e os ouvidos dos intervencionistas: do reformador intelectual, do político e do burocrata do governo. Corte aqueles olhos e ouvidos, destrua aquelas diretrizes cruciais do conhecimento, e toda a ameaça de intervenção governamental é quase completamente eliminada.[5]

É verdade, claro, que mesmo privado de todo conhecimento estatístico dos assuntos da nação, o governo ainda poderia tentar intervir, tributar e subsidiar, regular e controlar. Poderia tentar subsidiar os idosos mesmo sem ter a menor ideia de quantos idosos existem e onde estão localizados; poderia tentar regular um setor sem saber quantas empresas existem ou quaisquer outros fatos básicos do setor; poderia tentar regular o ciclo econômico sem saber se os preços ou a atividade comercial estão subindo ou descendo. Ele poderia tentar, mas não iria muito longe. O caos total seria patente e evidente demais até para a burocracia e, certamente, para os cidadãos.

E isso é especialmente verdadeiro porque uma das principais razões apresentadas para a intervenção governamental é que ela “corrige” o mercado e torna o mercado e a economia mais racionais. Obviamente, se o governo fosse privado de todo o conhecimento dos assuntos econômicos, não poderia haver nem mesmo uma pretensão de racionalidade na intervenção governamental.

Certamente, a ausência de estatísticas destruiria absoluta e imediatamente qualquer tentativa de planejamento socialista. É difícil ver o que, por exemplo, os planejadores centrais do Kremlin poderiam fazer para planejar a vida dos cidadãos soviéticos se os planejadores fossem privados de todas as informações, de todos os dados estatísticos, sobre esses cidadãos. O governo nem saberia a quem dar ordens, muito menos como tentar planejar uma economia intrincada.

Assim, em toda a série de medidas que foram propostas ao longo dos anos para controlar e limitar o governo ou para revogar suas intervenções, a abolição simples e nada espetacular das estatísticas do governo seria provavelmente a mais completa e eficaz. A estatística, tão vital para o estatismo, seu homônimo, é também o calcanhar de Aquiles do Estado.

 

 

Artigo original aqui

_______________________

Notas

[1] Cf. Neil Macneil e Harold W. Metz, The Hoover Report, 1953–1955 (New York: Macmillan, 1956), pp. 90–91; Comissão de Organização do Poder Executivo do Governo, Relatório da Força-Tarefa sobre Gerenciamento de Papelada (Washington: junho de 1955); e idem, Report on Budgeting and Accounting (Washington: fevereiro de 1949).

[2] Macneil e Metz, op. cit. pp. 90–91.

[3] Sobre as deficiências das estatísticas em comparação com o conhecimento pessoal de todos os participantes utilizados no mercado livre, consulte a discussão esclarecedora em FA Hayek, Individualism and the Economic Order (Chicago: University Press, 1948), Capítulo 4. Ver também Geoffrey Dobbs, On Planning the Earth (Liverpool: KRP Pubs., 1951), pp. 77-86.

[4] Já em 1863, Samuel B. Ruggles, delegado americano no Congresso Internacional de Estatística em Berlim, declarou: “A estatística é o olhar dos estadistas, permitindo-lhes inspecionar e examinar com uma visão clara e abrangente toda a estrutura e economia da estrutura política.” Para mais informações sobre a inter-relação de estatísticas – e estatísticos – e o governo, consulte Murray N. Rothbard, “The Politics of Political Economists: Comment,” The Quarterly Journal of Economics (novembro de 1960), pp. 659-65. Veja também Dobbs, op. cit.

[5] “A política governamental depende de muito conhecimento detalhado sobre o emprego, a produção e o poder de compra da Nação. A formulação da legislação e o progresso administrativo… Supervisão… regulação… e controle… devem ser guiados pelo conhecimento de uma ampla gama de fatos relevantes. Hoje, como nunca antes, os dados estatísticos desempenham um papel importante na supervisão das atividades do governo. Os governantes não apenas fazem planos à luz de fatos conhecidos em seu campo de interesse, mas também devem ter relatórios sobre o progresso real alcançado no cumprimento de seus objetivos.” Reports on Budgeting and Accounting, op. Cit., Pp. 91-92.

3 COMENTÁRIOS