Por que Marx amava os bancos centrais

2
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Em seu Manifesto do Partido Comunista (1848), publicado juntamente com Frederick Engels, Karl Marx clama por “medidas” – o que significa “invasões despóticas nos direitos de propriedade” –, que seriam “inevitáveis ​​como meio de revolucionar inteiramente o modo de produção”, isto é, alcançar o socialismo-comunismo. A medida número cinco de Marx diz: “Centralização do crédito nas mãos do Estado, por meio de um banco nacional com capital do Estado e um monopólio exclusivo”. Esta é uma postulação bastante perspicaz, especialmente porque na época em que Marx a formulou, metais preciosos – ouro e prata em particular – serviam como dinheiro.

Como é bem sabido, a quantidade de ouro e prata não pode ser aumentada à vontade. Como resultado, a quantidade de crédito (em termos de créditos e empréstimos de saldos monetários) não pode ser facilmente expandida de acordo com a conveniência política. No entanto, Marx pode já ter fantasiado o que seria possível uma vez que o estado fosse colocado em uma posição em que pudesse criar dinheiro por meio da expansão do crédito; onde ele usurpou e monopolizou a produção de dinheiro. Muito antes de Marx, o religioso e historiador inglês Thomas Fuller expressou elaboradamente o poder do dinheiro: “O dinheiro é o tendão do amor, assim como da guerra”.

As origens do banco central moderno

A ideia de banco central tem uma longa história. Por exemplo, o banco central sueco, o Sveriges Riksbank, foi fundado em 1668, e o banco central inglês, o Banco da Inglaterra, foi formado em 1694. As operações fraudulentas de tais instituições vieram logo à tona, o mais tardar com os escritos do economista britânico David Ricardo. Em seu ensaio de 1809 “The High Price of Bullion” ele apontou que foi o aumento na quantidade de dinheiro – na forma de notas não lastreadas em ouro – que causou um aumento geral nos preços, um efeito que conhecemos como inflação (de preços).

Infelizmente, no entanto, a percepção político-econômica de que os bancos centrais que detêm o monopólio da produção de dinheiro usariam indevidamente seu poder vez após vez, se envolveriam em favoritismos e causariam uma desvalorização anti-social da moeda não foi o bastante – até hoje – para desacreditar a ideia monstruosa de banco central. Parece que, no que diz respeito aos assuntos monetários, o conceito de Materialismo Dialético de Marx deixou uma boa impressão: o que parece formar a consciência das pessoas (não vice-versa). Isso certamente ajudou a criar o marxismo do banco central em escala mundial.

Cortando os últimos laços com a moeda-mercadoria

Em 15 de agosto de 1971, a visão de Marx tornou-se realidade: o governo dos Estados Unidos, sozinho, encerrou o resgate do dólar dos Estados Unidos em ouro físico – e assim o ouro, a moeda do mundo civilizado, foi oficialmente desmonetizado. Por meio desse coup de main, nos Estados Unidos da América, bem como em todos os outros países do mundo, foi estabelecido um papel-moeda sem lastro – ou sistema de moeda fiduciária. Desde então, todas as moedas ao redor do mundo representam moedas fiduciárias: representando a criação de moeda pela expansão do crédito em circulação, não lastreadas em poupança ou depósitos reais, monopolizada pelos bancos centrais.

O sistema de moeda fiduciária, a criação de dinheiro por meio da expansão do crédito em circulação, trouxe um novo tipo de escravidão por dívida em grande escala. Consumidores, empresas e, é claro, governos também se tornaram altamente dependentes de bancos centrais que geram quantidades cada vez maiores de crédito e dinheiro, fornecidos a taxas de juros cada vez mais baixas. Em vários países, os bancos centrais tornaram-se de fato os verdadeiros centros de poder: suas decisões de política monetária efetivamente determinam a graça e a desgraça de economias e sociedades inteiras.

Ao emitir moedas fiduciárias, criadas do nada, um pequeno grupo de banqueiros centrais, junto com seus funcionários, causa – para tomar emprestado de Friedrich Nietzsche – uma “reavaliação de valores”. A inflação monetária crônica, por exemplo, desestimula a poupança; contrair dívidas cada vez maiores é cultivado; pela manipulação descendente da taxa de juros pelos bancos centrais, as necessidades futuras são degradadas em comparação com as necessidades presentes; o favorecimento de uma espécie de “Estado Profundo” monetário vem às custas da demolição das liberdades civis e empresariais.

Um Banco Central Supranacional

Na Europa, o marxismo do banco central realizou uma façanha espantosa: 19 Estados-nação com um total de cerca de 337 milhões de pessoas renunciaram ao seu direito à autodeterminação nos assuntos monetários, submetendo-se ao ditame da política monetária de um banco central supranacional completamente fora do efetivo controle parlamentar que emite uma moeda fiduciária única, o euro. Embora o marxismo do banco central tenha sido razoavelmente bem-sucedido na Europa, sua verdadeira ponta de lança sempre foi o banco central dos Estados Unidos: o Federal Reserve (Fed).

O mundo de hoje depende do dólar americano fiduciário emitido pelo Fed mais do que nunca. Efetivamente todos as outras principais moedas são constituídas com base no dólar americano, e é o Fed que determina as condições de crédito e liquidez nos mercados financeiros internacionais. Ele efetivamente preside um cartel de banco central mundial que, se continuar desimpedido, acabará por dirigir e controlar a economia mundial por meio de seu monopólio de produção de dinheiro inatacável, removendo efetivamente um dos obstáculos mais críticos contra a tirania irrestrita do Estado.

As ideias têm consequências

Portanto, aqueles que defendem uma sociedade livre só podem esperar que algo impeça o marxismo do banco central. Isso não é de forma alguma impossível. O socialismo-comunismo não é o destino inevitável da vida social e da evolução histórica, como os marxistas gostariam que acreditássemos. O que realmente importa são as ideias ou teorias, se você quiser, pois as ideias – qualquer que seja seu conteúdo específico, de onde quer que venham, sejam elas certas ou erradas – fundamentam e impulsionam a ação humana.[1] Ludwig von Mises tinha plena consciência desse insight irrefutável:

    A sociedade humana é uma questão da mente. A cooperação social deve primeiro ser concebida, depois desejada e, então, realizada na ação. São as ideias que fazem a história, não as “forças materiais produtivas”, esses esquemas nebulosos e místicos da concepção materialista da história. Se pudéssemos superar a ideia do socialismo, se a humanidade pudesse ser levada a reconhecer a necessidade social da propriedade privada dos meios de produção, então o socialismo teria que deixar o palco. Essa é a única coisa que conta.[2]

Tendo como pano de fundo as palavras de Mises, podemos acrescentar: Uma vez que as pessoas entendam que o marxismo (e todas as suas formas particulares de socialismo) não garante um padrão de vida mais elevado e nem torna o mundo melhor ou mais justo e razoável, esta compreensão inauguraria o fim do banco central e da moeda fiduciária. Em outras palavras: se o marxismo do banco central e a moeda fiduciária prevalecerão ou serão jogados pela janela (ou jogados no vaso sanitário), será determinado pelo resultado da “batalha de ideias”. Portanto, ainda há motivos para esperança!

 

Artigo original aqui

 

_____________________________

Notas

[1] Para uma explicação detalhada, ver Mises, L. v. (1957), Teoria e História, Ludwig von Mises Institute, Auburn, US Alabama, Parte Dois, esp. Capítulo 7, pp. 102 – 158.

[2]     Mises, L. v. (1981), Socialism. An Economic and Sociological Analysis, Liberty Fund, Indianapolis, p. 461.

2 COMENTÁRIOS

  1. A diferença entre o marxista e o keynesiano na minha opinião está no fato de que:

    O marxista ele não tem problema em defender a violência e o confisco de propriedade abertamente.

    O keynesiano ele prefere a busca por métodos financeiros obscuros para a maioria das pessoas, ele prefere enganar a maioria da sociedade do que o confisco explícito.

    É uma mera questão de método. Um é um assaltante violento outro um canalha trapaceiro. Mas o objetivo final é consumir a riqueza gerada pela sociedade.

  2. Se definirmos:

    – O capitalista como aquele que trabalha pela criação de riqueza.
    – O comunista como aquele que deseja consumir a riqueza existente violando os títulos de propriedade.

    Fica claro que keynesianos são marxistas de terno e gravata. Pois ao expandir a base monetária o banco central está violando os títulos de propriedade do dinheiro das pessoas comuns e consumindo a riqueza gerada por elas.