Kulturkampf!

1
Tempo estimado de leitura: 19 minutos

Sim, sim, esquerdistas hipócritas podres, isto é uma guerra cultural! E já era hora! Claro que isto é típico de nossa elite progressista “intelectual” e midiática: depois de ter percorrido e capturado nossa cultura, depois de vinte e poucos anos (pelo menos!) de sua conquista cultural da América prosseguindo quase sem oposição, depois de completar sua bem-sucedida “longa marcha gramsciana” (nota: muito reverenciado stalinista italiano dos anos 1920) por nossas instituições, os esquerdistas estavam quase prontos para relaxar e nos tratar como sua província conquistada. Quando, de repente, alguns de nós provincianos sitiados começaram a revidar – revoltados, é claro, pelo discurso de Pat Buchanan na Convenção Nacional Republicana.

E então, que tormenta! Mais uma vez, desmanchando os poucos pedaços que restam do disfarce de objetividade de nossa Mídia Respeitável, os lamentos e as lamúrias estouraram em todo o país: Buchanan está “nos dividindo”, ele “expôs o lado sombrio da América” e, mais uma vez, todos se referiram à “careta” perpétua de Pat. (Quem, aliás, já viu Pat fazendo cara feia? Nenhum observador social ou figura política foi mais alegre, ou mais bem-humorado – na cara, é claro, de malícia incomparável e difamação perpétua.)

Pô, desde quando a política já nos “dividiu”? Eu pensava, e até o século XX era gloriosamente verdade, que o objetivo da política é “dividir” as pessoas, separar as pessoas por princípio e ideologia e fazê-las lutar e discutir até que uma pessoa vença, cada uma tentando obter um apoio majoritário da população. Não é esse o ponto da política democrática, de um sistema com mais de um partido político?

Não: claro que não, não na visão dos ideólogos progressistas e dos mercadores que dominam a nossa cultura. Para eles, o objetivo de ser radical na política é, de fato, dividir, e depois ganhar o controle; mas, depois que o progressismo de esquerda ganhou esse controle, então a questão é drogar o país e o sistema político, então a questão é unir todos, incluindo ambos os partidos, sob seu próprio governo, então a questão é manter todos unidos e denunciar qualquer um que exponha seus erros e pecados como terrivelmente e viciosamente “divisivos”.

É uma manobra antiga e, no entanto, parece funcionar sempre. Como disse Joe Sobran em sua coluna sindicalizada (30/8): “Os democratas são o partido dos parasitas econômicos, usando o poder tributário para permitir que um setor da população viva do outro”. Naturalmente, acrescenta Joe, “eles e seus aliados da mídia consideram a ‘divisão’ um pecado capital. O organismo parasitário não quer que o hospedeiro pense em si mesmo como uma entidade distinta, com interesses próprios. Por isso, tenta retoricamente ‘unificar’ os dois organismos no pronome indiferenciado ‘nós’.” Exatamente!

Governo e cultura

A elite progressista estava confiante de que sua monstruosa campanha de difamação havia eliminado Pat Buchanan para sempre, mas aqui estava ele, de volta, no horário nobre na noite de segunda-feira, e não apenas isso: preparando o palco, e o tom, para toda a convenção: elevar o padrão da guerra cultural de retomar nossa cultura.

E então, os esquerdistas hipócritas, liderados pela minha nada querida McLaughlin Grouper Eleanor Clift, lamuriaram satiricamente: “Como vocês conservadores que são contra o governo podem tratar a cultura como uma questão política?” Simples. É porque vocês, esquerdistas, usaram o governo massivamente para tomar conta da nossa cultura. Portanto, o governo tem que ser usado para se retirar dela. Considere os itens:

Vitimologia: o governo tem sido usado para criar um falso conjunto de “direitos” para cada grupo de vítimas designado sob o sol, a ser usado para dominar e explorar o resto de nós para o ganho especial desses grupos mimados. Estão na lista: “direitos” negros, “direitos” gays, “direitos” das mulheres, “direitos” lésbicos, “direitos” de deficientes, “direitos” hispânicos (ou mais “latinos”), “direitos da terceira idade” e assim por diante. Hillary Clinton (veja abaixo) é especialista nos “direitos” especiais de outro grupo de “vítimas”: as crianças. E em todos os casos o governo, os tecnocratas, os “terapeutas” oficiais e a maligna Nova Classe concedem a si mesmos e aos grupos de vítimas credenciados um poder cada vez maior para explorar, dominar e saquear um grupo cada vez menor de: pais homens de meia-idade, brancos, de língua inglesa, cristãos e, especialmente, heterossexuais. Guerra cultural? Ela foi lançada há décadas e os progressistas estavam quase na fase final de extermínio antes que os oprimidos finalmente acordassem.

Quer mais alguns exemplos de governo na cultura? A monstruosa e inchada burocracia da escola pública, cada vez mais ampla, inculcando os jovens indefesos aos seus cuidados, não só no estatismo e na “virtude” da obediência ao Estado e às elites dominantes, mas também: contagiando-os com a cultura do niilismo, do hedonismo, do anticristianismo, reforçada pela distribuição de preservativos gratuitos passando por cima da objeção dos pais. Como até o presidente Bush observou, é um mundo “esquisito” onde as crianças não podem orar na escola voluntariamente, mas os preservativos são distribuídos coercitivamente pelo Estado. E há lições contínuas para acabar com o pensamento de ódio, com qualquer criança ou professor suspeito de pensamento de ódio submetido a sessões obrigatórias de “treinamento de sensibilidade” e “terapia” de lavagem cerebral. Cultura separada do governo? Não me faça rir.

Em minhas muitas décadas de escrita política “extremista”, provavelmente a menos controversa foi minha coluna no Los Angeles Times, “Contenha as hordas por mais quatro anos” (30 de julho), na qual defendi relutantemente, mas firmemente, Bush contra Clinton em novembro. Eu tinha pensado que era um dos meus artigos mais inócuos. Não inventei, afinal, o conceito de “o menor dos dois males”. E, no entanto, vá entender. Foi reimpresso em dezenas de jornais por todo o país, provocando um número sem precedentes de cartas raivosas, algumas publicadas anônimas.

Vituperativo? Uau! Um “sobrevivente deficiente do Holocausto” escreveu que, como tal, ele é treinado para detectar nazistas, e ele sabe, por esta coluna, que eu teria sido um comandante nazista de alto escalão em uma câmara de gás. Meu escritório em Las Vegas foi desfigurado várias vezes.

Menos frenética foi uma carta publicada protestando contra meu ataque aos “direitos lésbicos” e perguntando retoricamente: eu também me oporia ao termo “direitos judaicos”? A resposta, claro, é sim. Sou contra todos os “direitos” para grupos especiais, porque esses “direitos” são simplesmente reivindicações injustas sobre o bolso, sobre o status e sobre os sentimentos de culpa forjados de todos aqueles que não fazem parte desses grupos especialmente privilegiados. Os únicos direitos que defendo são os direitos de cada indivíduo à sua pessoa e propriedade, livres das investidas cruéis dos falsos criadores de “direitos”.

Nessa visão, não estou sendo original. Estou na tradição “lockeana radical” dos fundadores da República Americana, dos common-wealthmen, dos Revolucionários Americanos, dos antifederalistas, dos jeffersonianos, etc. Estes são os “direitos naturais” pelos quais os Pais Fundadores lutaram contra o estatismo do Império Britânico. E, como Richard Tuck deixa claro em seu excelente livro sobre Teorias dos Direitos Naturais, estes são os “direitos naturais ativos” de São Tomás de Aquino e da Ordem Dominicana, onde cada homem tem domínio sobre sua própria pessoa e propriedade livre de molestamento, contra os “direitos passivos” ou reivindicações sobre todos os outros promovidos no século XIII pelos grandes rivais dominicanos, os franciscanos. Infelizmente, enquanto a Igreja Católica ficou do lado dos dominicanos no século XIV, os “franciscanos” dos últimos dias parecem ter vencido.

Governo e Cultura: Hillary, que prometeu ser uma copresidente virtual antes de alienar milhões de pessoas, é especialista no novíssimo campo jurídico dos “direitos das crianças”. Ela é elogiada como uma teórica jurídica pioneira pelo ultraesquerdista Gary Wills na New York Review of Books. Em um mundo hillário as crianças começam com a presunção de competência e são encorajadas a administrar suas vidas sem controle dos pais ou, às vezes, até mesmo consentimento: por exemplo, em questões tão importantes como maternidade e aborto, escolaridade, cirurgia estética, tratamento de doenças venéreas ou emprego.

Em toda a conversa sobre “valores familiares” nesta temporada de campanha eleitoral, um ponto é cristalino: ou os pais administram os filhos, ou o Estado os administra por meio de sua série de advogados da Nova Classe, “terapeutas” licenciados, assistentes sociais, conselheiros tutelares, especialistas em crianças e o resto, tudo em nome dos “direitos” ou “empoderamento” das crianças. Pois sabemos muito bem que crianças de 12 anos que vão à Justiça processar seus pais serão dirigidas por advogados astutos e manipuladores, e o resto da tripulação da Nova Classe.

As linhas estão claramente traçadas: os defensores dos valores familiares são os buchananitas, os schlaflyitas e os outros republicanos conservadores que querem preservar ou recuperar a tradicional família biparental como floresceu no Ocidente. Hillary e o exército de progressistas de esquerda no controle total do Partido Democrata e que constituem as elites intelectuais e midiáticas, visam perseguir o antigo sonho utópico e socialista de destruição da família, a destruição da vida privada, em nome do Estado-família universal.

O modelo é Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, romance publicado no início dos anos 1930, que captou o espírito esquerdista do nosso século: crianças criadas pelo Estado e seu exército de “ajudantes” profissionais, incentivando firmemente cada criança a se envolver em hedonismo e brincadeiras sexuais polimorficamente perversas, mantidas contentes por uma droga opiácea chamada “soma”, e mantidas dóceis e obedientes pela elite do Estado. Um cenário assustador e perceptivo – e muito mais próximo da realidade agora, sessenta anos depois.

A guerra cultural tem que ser travada, com unhas e dentes, centímetro a centímetro, quintal a quintal. Temos que retomar a cultura, e é disso que se trata a nova kulturkampf.

Depois de denunciar Hillary em seu discurso, Pat Buchanan apontou que Hillary “comparou o casamento com a instituição da escravidão” e, em seguida, denunciou a “agenda Clinton” para os Estados Unidos: que inclui “feminismo radical”, aborto sob demanda, “direitos homossexuais”, discriminação contra escolas religiosas e o envio de mulheres para o combate. Pat comentou que este “não é o tipo de mudança que a América quer. Não é o tipo de mudança que a América precisa.” E, numa conclusão estrondosa: “não é o tipo de mudança que podemos tolerar em uma nação que ainda chamamos de país de Deus”.

Que o discurso de Pat foi correto é demonstrado pela orgia de ódio que a mídia prontamente acumulou sobre ele – e por sua recepção amigável à repetição absurdamente inadequada de Reagan de seu otimismo padrão de “Morning in America“. Pois o ponto principal da nova guerra cultural é que ela está agora longe de ser Morning in America. Quando muito, o tempo é mais parecido com o velho relógio atômico desenhado pelos cientistas anti-guerra nuclear: é cinco minutos para meia-noite na América. Estamos de costas para a parede.

E assim Pat soou a trombeta: “Meus amigos, esta eleição é sobre muito mais do que quem recebe o quê. É sobre quem somos. É sobre o que acreditamos. É sobre o que defendemos como americanos. Há uma guerra religiosa em curso em nosso país pela alma da América. É uma guerra cultural… E nessa luta pela alma da América, Clinton e Clinton estão do outro lado, e George Bush está do nosso lado.” Sim! Sim!

Pat concluiu seu grande discurso – este homem que foi amplamente acusado de “odiar imigrantes” – elogiando o “povo corajoso de Koreatown”. É instrutivo que, de todas as pessoas em ambas as convenções, Pat Buchanan foi o único a mencionar um dos eventos definidores de nosso tempo, certamente de 1992 e além: os motins de Los Angeles. Pat falou sobre como as jovens tropas federais, finalmente chegando após dois dias de tumultos sangrentos, “tomaram de volta as ruas de Los Angeles, quarteirão por quarteirão”. E assim, proclamou Pat, “devemos retomar nossas cidades, e retomar nossa cultura, e retomar nosso país”. Sim, sim, sim!

Além disso, eu, junto com outros paleos, estou convencido de que a Velha Cultura, a cultura que permeou a América dos anos 1920 aos anos 1950, sim, a cultura dos muito ridicularizados Ozzie e Harriet e dos Waltons, que essa cultura estava em sintonia não apenas com o espírito americano, mas com a lei natural. E mais, que a cultura niilista, hedonista, ultrafeminista, igualitária e “alternativa” que nos foi imposta pelo progressismo de esquerda não só não está em sintonia, mas viola profundamente a essência dessa natureza humana que se desenvolveu não apenas na América antes dos anos 1960, mas em todo o mundo ocidental e na civilização ocidental.

Uma vez que estou convencido de que a cultura progressista-esquerdista, e agora dominante, é profundamente anti-humana, estou convencido de que remover o veneno, como disse Mel Bradford, e tirar o governo de cena, provocaria um retorno ao direito natural e à Velha Cultura com muito mais velocidade. Se as elites políticas intelectuais-midiáticas levaram vinte e cinco anos para efetivar sua própria Revolução Cultural, então deveríamos ser capazes de liderar uma contrarrevolução bem-sucedida em muito menos tempo.

Mas para isso, é claro, é preciso identificar a natureza do problema e do inimigo e, em seguida, a disposição dos líderes de se levantar e fornecer o chamado às “armas”.

Viés midiático e realidade falsa

Mas como vamos retomar a mídia? Ou melhor, como assegurar condições equitativas nesta batalha de ideias de importância vital? De muitas maneiras, a partir da simples leitura ou audição de estudos acadêmicos, sabemos que a mídia, especialmente a Mídia Respeitável, a imprensa respeitável e a TV nacional, são esmagadoramente progressistas de esquerda em ideologia. E sabemos, também, que a mídia foi, por muito tempo, tendenciosa contra conservadores e libertários e a favor do progressismo de esquerda. (Não estou falando tanto dos proprietários, que variam de levemente esquerdistas a levemente conservadores, mas dos editores, escritores, jornalistas, atores, artistas, cartunistas, etc. – a “elite cultural”.) Mas, até muito recentemente, e com exceção da campanha eleitoral de Goldwater, os meios de comunicação – exceto quando são claramente rotulados como colunistas, comentaristas ou escritores de opinião – às vezes tentavam se apegar a um ideal de objetividade e imparcialidade, para fornecer algum tipo de equilíbrio, para que o público tenha as ferramentas para fazer seus próprios julgamentos e decisões.

Isso já não é verdade. No ano passado, começando com o confronto de Anita Hill, depois o alvoroço de Rodney King, e agora com o caso de amor da mídia com Clinton e o ódio aos republicanos conservadores – a mídia deixou de lado qualquer pretensão de objetividade. O preconceito, o amor aos progressistas e o ódio aos seus inimigos, escorre da mídia por todos os poros. Veja a forma como a TV e a imprensa trataram as duas convenções. Tudo na Convenção Democrata foi enfeitado e glorificado para fazer parecer uma festa de amor de unidade e razoável “moderação”. Quaisquer notas ácidas eram minimizadas ou enterradas pela mídia.

E depois, na Convenção Republicana: tudo o que qualquer republicano disse foi imediatamente contrariado, mesmo nas manchetes, seja por alguma “refutação” democrata, seja pela falsa “correção” do próprio jornalista. Nenhuma pedra foi deixada de lado nesta busca. A mídia fez a convenção republicana parecesse desunida, dividida, capturada por “extremistas de direita”; quando a verdade é que os conservadores não foram mais dominantes nesta convenção e na plataforma deste ano do que foram durante uma geração e que Ann Stone e os seus pró-escolha tiveram apenas um apoio lamentável entre os delegados.

Muitas vezes o público, que tem uma saudável desconfiança em relação à mídia progressista, consegue enxergar através das distorções, como fez ao persistir em desacreditar a “mártir” Anita Hill. Mas como o público pode ver a verdade quando a mídia não só é sistematicamente tendenciosa, mas agora está envolvida em fingir a realidade? Um exemplo gritante: a repetição constante da fita manipulada de Rodney King pela mídia e, com as honrosas exceções da CNN e da Court-TV, não nos permitindo ver e ouvir a verdade, o outro lado da história, a fita não adulterada.

O público americano, por causa dessa mendacidade organizada, ainda acredita que Rodney King era um inocente “motorista” espancado por ser negro e, portanto, está convencido de que o veredicto do júri (que teve a oportunidade de ouvir os dois lados e ver tudo) deve ter sido um erro judiciário “racista”. E quando a mídia diz que o júri que julga os policiais era “todo branco”, como o público deve descobrir que havia um negro no júri, bem como um casal de hispânicos? E como o público pode saber a verdade quando a mídia formou uma guarda pretoriana em torno da fita Gennifer Flowers, muito prejudicial, e bruscamente descartou essa fita como “editada” sem nunca repetir o que Clinton e Gennifer disseram?

Então, como desalojar a mídia tendenciosa e falsa? A existência de novas redes de TV a cabo, como CNN, C-SPAN e Court-TV – as duas últimas em particular sendo estudiosamente objetivas e não atrapalhando a visão do público sobre a realidade – fez muito bem ao oferecer alternativas às redes. Assim como as revistas “pequenas” oferecem algumas alternativas aos jornais e revistas “respeitáveis”. Mas não são suficientes. Há que se encontrar mais formas de obter condições equitativas, de obter uma oportunidade para que a verdade rompa a cortina dos meios de comunicação social.

Woody Allen, Murphy Brown e a tramoia da arte pela arte

A hipocrisia esquerdista aparece toda vez que alguém critica a ficção ou a arte a partir de uma perspectiva de valores tradicionais. Os zombadores satirizam: eles não sabem que é só ficção? Como se a arte, a ficção, o cinema, não tivessem consequências, nenhum papel na moldagem das atitudes e valores dos que absorvem essa cultura! Dan Quayle não sabe que Murphy Brown é “apenas ficção?” e, no entanto, quão clara é a linha entre ficção e “realidade”, quando a fictícia Murphy Brown responde com raiva a Dan Quayle em seu papel “fictício” como âncora de TV; quando as apresentadoras de TV esquerdistas da vida real aparecem alegremente junto com “Murphy Brown” no programa desta última, e quando os prêmios Emmy são transformados em uma longa rodada de ataques tão óbvios a Quayle que até o crítico de TV progressista de esquerda do Los Angeles Times Howard Rosenberg ficou chocado? E quando a própria Candice Bergen exemplifica os valores esquerdistas e a política esquerdista de sua personificação “fictícia”?

E assim: sempre que conservadores e tradicionalistas atacam a arte ou ficção niilista, esquerdista ou obscena, os progressistas lançam presunçosamente o estratagema “arte pela arte”, alegando que apenas idiotas e filisteus não percebem que a arte é e deve ser totalmente separada da ética ou da política. E, no entanto, a hipocrisia se torna muito evidente sempre que os esquerdistas não gostam da arte em questão. Deixe um roteiro, ou um romance, ou uma peça, ou um filme, ou uma obra de arte, pisar em dedos progressistas muito sensíveis, e oh a indignação! Em seguida, ouvimos sobre a necessidade de expurgar a obra de arte de todos os possíveis “racismo, sexismo, homofobia”, discurso de ódio ou qualquer outro item no tesauro cada vez maior do politicamente “incorreto”. Qual o preço da “arte pela arte” então?

De fato: l’art pour l’art tem sido uma tramoia e uma farsa desde o início. Desde o início da civilização até o final do século XIX, a ideia de arte pela arte teria sido considerada absurda, pela crítica, pelo público em geral e pelos próprios artistas. Embora cada arte, é claro, tenha seus próprios critérios estéticos, esses critérios sempre estiveram intimamente entrelaçados com a ética, os valores religiosos, as visões de mundo e até mesmo diretamente com as filosofias políticas defendidas pelo artista. A definição de arte de Aristóteles na Poética: retratar o homem como ele pode ser e deve ser, é típica de toda arte e não a afirmação excêntrica de um filósofo.

Todos os artistas tiveram mensagens morais e perspectivas morais entrelaçadas em sua arte. O ápice da civilização humana: a arte e a arquitetura do Renascimento, e a arte, a arquitetura e a música do Barroco, foram dedicadas à promulgação de uma visão de mundo fortemente católica. O Renascimento foi um movimento consciente para celebrar e incorporar a teologia da Encarnação, a visão de que Jesus Cristo era totalmente humano, bem como totalmente divino, em reação contra a então difundida heresia medieval de que Jesus era apenas um espírito divino em forma de fantasma. Daí a ênfase no representacionismo tridimensional, na fidelidade à natureza, e em particular a ênfase renascentista no menino Jesus nu nas representações da Sagrada Família.

Após o colapso do Renascimento no maneirismo niilista e protomoderno de meados do século XVI, o barroco surgiu como expressão consciente e personificação do espírito da Contrarreforma Católica, conforme estabelecido no grande Concílio de Trento: enfrentar o ódio iconoclasta à arte religiosa e à arquitetura que permeiam o protestantismo e criar obras de arte e arquitetura que celebram o Homem, a natureza, e as belezas de Deus e do Universo criado. Para usar um vulgarismo atual, o glorioso e magnífico barroco foi uma resposta católica consciente ao protestantismo.

O embuste da arte pela arte, que permeia a cosmovisão progressista moderna, foi lançado pelos estetas do século XIX como uma camuflagem de sua própria visão mórbida, niilista, pessimista e violentamente antitradicional: os poetas franceses Baudelaire e Rimbaud, os impressionistas, dadaístas e, mais tarde, o Bloomsbury Set e o crítico literário e de arte Roger Fry. Como eles não podiam chegar a lugar algum na época defendendo abertamente seus valores niilistas e epistemologia, ou seus “estilos de vida alternativos”, eles empurraram – infelizmente com grande sucesso – a lógica de que “a arte tem suas próprias razões”.

De fato, o ataque do século XX aos valores e costumes tradicionais prosseguiu em estágios, como se estivéssemos diante de uma trama consciente e faseada. Primeiro, os progressistas de esquerda pregavam l’ art pour l’ art na estética e, como corolário, na ética, alardeavam a nova visão de que não existe ética revelada ou objetiva, que toda ética é “subjetiva”, que todas as escolhas da vida são apenas “preferências” pessoais e emotivas.

Realizada a destruição de uma ética racional ou objetiva, a esquerda passou para a atual Fase II. Tendo conseguido subverter os valores e costumes cristãos e burgueses tradicionais no Ocidente, destruindo as bases religiosas e racionais para esses valores, a esquerda passou à sua posição atual: sim, há moralidade, mas essa “moral” é totalmente o inverso da Velha Cultura: agora encontramos (1) que a “moral” é puro hedonismo: “faça o que te faz se sentir bem”, mas também, e contraditoriamente, (2) que é evidentemente profundamente imoral se envolver em todo tipo de “pensamento de ódio”, discriminação pessoal, julgamentos de demérito que podem ser interpretados como “racistas, sexistas, homofóbicos, antideficientes” ou o que quer que seja. (1) e (2) são contraditórios se “fazer o que te dá prazer” significa tornar-se um skinhead. Nesse caso, é claro, o politicamente correto deve superar o hedonismo.

Além do PC, difundiu-se o mito de que promover o hedonismo é gloriosamente “sem julgamento”, exceto, é claro, se “fazer o que te dá prazer” significa recusar-se a participar de um jogo perverso polimorfo. Se as crianças em Admirável Mundo Novo, ou na América moderna, cheia de “terapia”, não querem seguir o venerável lema da contracultura: “If it Moves, Fondle It”, (demonstre afeto por qualquer coisa), então é claro que isso mostra que as crianças são seriamente “reprimidas”, e elas são enviadas para a monstruosa anã Dra. Ruth ou para algum outro “terapeuta” que vai endireitar a criança. Não que os julgamentos morais estejam sendo feitos pelos terapeutas e conselheiros – que Deus me perdoe – mas que o comportamento das crianças está sendo suave, mas firmemente corrigido em prol de sua própria suposta “saúde mental”.

E assim, Dan Quayle tem razão. É claro que Murphy Brown, junto com inúmeras outras manifestações de nossa cultura progressista de esquerda, glorifica não a “maternidade solteira” – uma expressão que inclui a viuvez e o divórcio –, mas meninas que têm filhos fora do casamento. Vamos usar o termo “vagabundas”? Uma coisa é a compaixão pelas viúvas e divorciadas grávidas; A admiração por putas com filhos é outra. Além disso, os esquerdistas parecem achar que é particularmente ruim para Dan Quayle criticar Murphy Brown ou a elite cultural de Hollywood. Mas por que isso?

Se é OK – como claramente é – que artistas, atores, escritores, etc. critiquem políticos, por que não é certo que os políticos critiquem de volta? Por que Dan Quayle não é livre para expressar seus valores e críticas? Para fazer o que lhe dá prazer? Na verdade, Hollywood tem sido um esgoto de pensamento e expressão de esquerda desde a década de 1930 (não, não os proprietários, mas os roteiristas, atores, diretores, produtores). Está mais do que na hora de a elite cultural ser submetida a críticas, desprezos e denúncias contundentes e sistemáticos.

A eclosão do escândalo Woody-Mia durante a semana da Convenção Republicana foi uma coincidência fortuita que destacou o tema da guerra cultural. Durante décadas, Woody Allen foi a própria personificação dos valores e expressões progressistas de esquerda. Começando como uma HQ muito engraçada, os filmes de Woody se tornaram cada vez mais pretensiosos e falso-filosóficos, falando bobagens sobre religião, o significado da vida e todo o resto – tudo de uma maneira condizente com os intelectuais de esquerda igualmente pretensiosos que povoam o Upper East e West Sides, onde Woody, Mia e a maioria dos fãs de Woody vivem e se reúnem. Durante todo o tempo, a ideologia de Woody foi implicitamente esquerdista – às vezes explicitamente, como no filme pró-comunista The Front.

Mas não só isso: os arranjos de vida de Woody e Mia constituíam uma verdadeira metáfora do que são os “estilos de vida alternativos” esquerdistas: apartamentos fora do casamento, separados, Mia adotando um verdadeiro zoológico de crianças multiculturais, uma após a outra – tudo muito namoda, muito moderno, muito politicamente correto. E aí, whamo! Woody passa por cima da última linha, ou, se quiserem que seja assim, da “última fronteira” – o incesto. Bem, OK, não é incesto legal, mas certamente, moralmente, engloba o que é o incesto: criar uma criança desde cedo, como um padrasto (common law) pai, e depois aproveitar sua inocente confiança de filha para começar um caso, repleto de fotos nuas.

Tem sido quase demais para os fãs de Woody. Quer dizer que “If It Moves, Fondle It” poderia incluir incesto? Chocante! Mas afinal, por que não? Se tudo é permitido, se não há restrições religiosas ou morais no comportamento, por que não “seguir o fluxo”, por que não seguir seu coração, sentimentos, gônadas, por que não fazê-lo? Particularmente chocante para o exército de fãs progressistas de esquerda de Woody foi sua recusa obtusa em ver qualquer problema moral em seu comportamento. Ela (a quase enteada de Woody) “mudou minha vida de uma maneira positiva”. Bem, não é isso? Os personagens de filmes de Woody – claramente uma metáfora para si mesmo – sempre seguem seu coração/gônadas, mas só depois de muito lamento e pseudo-filosofar; Woody na vida real aparentemente transcendeu tudo isso para o puramente hedônico.

Eu geralmente não sou fã de Dan Quayle ou de seu supervisor William Kristol, mas Kristol foi preciso quando solicitado a comentar sobre o caso Woody Allen: “Tenho certeza de que Woody Allen é um bom democrata.” Sim. E aqui estamos: é Woody Allen, “If It Moves, Fondle It”, “famílias” alternativas como qualquer acoplamento de dois ou mais seres, versus a família tradicional, de dois pais, princípios morais e restrições, e sim, Ozzie e Harriet, os Cleavers e os Waltons. A Nova Cultura corrupta e podre, versus a gloriosa Velha que afirma a vida. Aí está a nossa Guerra Cultural, e ela não chegou cedo demais, mas bem na hora.

Mario dá piti

Eu costumava admirar Mario Cuomo, não por seus princípios ou políticas, mas por sua inteligência e sagacidade. Bom em criticar os outros, Mario não aguenta ser criticado. Sua resposta à Convenção Republicana, e ao anúncio da Kulturkampf, foi dar um piti. Participando do programa Face the Nation no domingo após a convenção de Houston, Mario era um homem enlouquecido de ódio. Ele denunciou a campanha de Bush e os republicanos com a mesma invectiva com que os progressistas de esquerda denunciaram David Duke, Pat Buchanan e H. Ross Perot.

Os republicanos, disse Mario, são “nazistas”. Por que? Entenda: porque “os nazistas usaram a palavra ‘cultura'”. Imbecille total. Mario está afirmando que apenas nazistas já usaram a palavra ou o conceito de “cultura”? Todos os antropólogos, sociólogos, críticos literários, observadores sociais são “nazistas”? Não só isso: Mario estava frenético demais para lembrar que os nazistas, quando muito, odiavam a palavra quase tanto quanto ele. Afinal, foi um jovem romancista nazista quem fez a famosa observação: “Toda vez que ouço a palavra ‘cultura’, procuro meu rifle”.

Também Mario afirmou que a convenção republicana era “racista”. Como assim? Porque muitos dos oradores atacaram Nova Iorque. “Por que eles atacam Nova York o tempo todo?”, perguntou Mario, respondendo à sua própria pergunta com: “Porque quando você vê Nova York, você vê todas aquelas cores diferentes, toda aquela etnia, todas aquelas pessoas pobres”.

Sim, Mario, e você também vê uma verdadeira fossa de crime e assalto e sujeira e vício em drogas e lixo, em meio ao governo municipal mais socialista do país. Como alguém poderia criticar Nova York? Basta olhar ao seu redor, Mario. Nossa outrora maravilhosa cidade foi tomada pela escória, com a ajuda de você e seus amigos.

Não contente com tudo isso, Mario também afirmou que a Convenção Republicana era “antissemita”. Que? Como você consegue dizer isso? Porque Newt Gingrich atacou Woody Allen e disse que a cláusula da plataforma de valores da família democrata era uma “tábua de Woody Allen”. E por que alguém em sã consciência criticaria Woody Allen nos dias de hoje? Porque, opinou Mario, Gingrich estava atacando “caras judeus baixinhos”. A vitimologia corre solta! Pô, Mario, como um cara judeu baixinho, eu não sinto que Gingrich estava usando Woody Allen como codinome para me atacar! Na verdade, Woody Allen é de fato uma excelente metáfora para o Partido Democrata e para toda a nossa cultura dominada pelos progressistas de esquerda.

Além disso, Mario afirmou que a Convenção Republicana era “anti-italiana”. Hein? Ele disse que em toda a convenção havia “camisetas de italianos comparados com a máfia”. Errado, Mario, não havia essas camisetas. Havia, no entanto, um pôster satírico de um filme, “Slick Willie”, com Teddy Kennedy como “o acompanhante” e Mario como “o Poderoso Chefão”. Que coisa, não aguenta piada, Mario? Se você se lembra, Mario, não foi um republicano, mas seu próprio porta-estandarte amado, Slick Willie, que disse a Gennifer naquela fita que você “age como um membro da máfia”.

No início, Mario iria fazer os contribuintes de Nova York pagarem a conta de sua viagem a Washington para fazer seus comentários ultrajantes e odiosos no Face the Nation, mas, depois de uma tempestade de protestos, ele finalmente concordou em pagar por isso de seu bolso de campanha.

O piti de Mario deveria ter sido notícia em todos os veículos de comunicação do país. E, no entanto, até onde sei, a notícia apareceu em apenas um lugar: em um artigo de Fred Dicker no animado tabloide The New York Post (24 de agosto). E é isso. Além dessa fonte, a mídia, mais uma vez, falsificou a realidade ao suprimir esse item e proteger seus próprios heróis, dos quais Mario é uma estrela.

Eu costumava pensar que Mario Cuomo era inteligente e engraçado. Ele ainda é inteligente, eu acho, mas não é mais engraçado. Ele é uma vergonha nacional. Queremos esse pulha na Suprema Corte? Porque é isso que teremos se os tipos esquerdistas, libertários de esquerda, neoconservadores e míopes conseguirem o que querem, e Slick Willie se tornar presidente.

Incomodar Bush não é uma grande pedida, mas continuar minando o presidente de agora até o dia da eleição significa que, seja qual for a sua intenção, você é objetivamente pró-Clinton e que está ajudando um futuro governo Clinton a cavar a sepultura da liberdade, do livre mercado e do que resta da cultura tradicional americana.

 

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui