Lavagem cerebral e o novo vocabulário: 12 palavras e frases que nunca mais quero ouvir na vida

2
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Lembra-se de que, depois do 11 de setembro, criaram uma lei sórdida que formou a TSA e autorizou todos os tipos de vigilância contra o povo americano, e eles a chamaram, ironicamente, de Ato Patriota?

É claro que sabíamos então que o projeto era tudo menos patriótico, porém, não impediu que fosse aprovado e atropelado toda a Constituição. A palavra “patriota” foi pervertida por aqueles que estavam no poder, que queria que todos se rendessem as revistas inconstitucionais nos aeroportos e muitas outras invasões à nossa privacidade.

O que nos leva a outra palavra que não significa o que as pessoas pensam que significa – tudo foi feito em nome da “segurança”.

Se você assistiu a qualquer tipo de cobertura da mídia ou leu artigos, provavelmente já viu ou ouviu uma infinidade de palavras e frases que atualmente estão sendo pervertidas devido à pandemia de coronavírus. Não quanto à você, mas se eu nunca mais ouvisse as palavras “seguro” ou “novo normal”, seria uma pessoa muito mais feliz.

Se você tem a impressão que as pessoas sofrem lavagem cerebral por repetição, é porque elas sofrem. Simplesmente, esses chavões e várias outros que discutiremos estão sendo usados para doutrinar o público. Como Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do Reich da Alemanha nazista, escreveu:

“Se você contar uma mentira grande o suficiente e continuar repetindo, as pessoas acabarão acreditando. A mentira pode ser mantida apenas enquanto o Estado puder proteger o povo das consequências políticas, econômicas e/ou militares da mentira. Assim, torna-se de vital importância que o Estado use todos os seus poderes para reprimir a dissidência, pois a verdade é a inimiga mortal da mentira e, portanto, por extensão, a verdade é a maior inimiga do Estado.” (fonte)

Estamos incrivelmente divididos no momento e as palavras estão sendo a gasolina jogada na fogueira de argumentos que ocorrem online e pessoalmente, durante brigas em que uma das partes sente que a outra está sendo insensível e horrível.

Vamos dar uma olhada nesta apropriação hostil de nosso vocabulário com uma dúzia de palavras que eu gostaria que fossem eliminadas das conversas, da publicidade e da mídia.

O novo normal

Embora seja absolutamente verdade que nunca voltaremos ao normal como antes da pandemia, há um “novo normal” sendo impingido sobre nós, que é flagrantemente alimentado pelo medo. No início das quarentenas forçadas, usei essa frase algumas vezes em referência à economia. Me desculpe por isso.

O “novo normal” é usado com mais frequência para levar as pessoas a aceitarem qualquer regra inconstitucional ou indigna que os responsáveis ​​querem que achemos toleráveis, como quadrados pintados no chão em que devemos permanecer enquanto esperamos em filas espaçadas adequadamente. Você sabe como os gatos se encaixam em um quadrado desenhado no chão como se fosse uma caixa? Agora eles querem que os humanos façam isso pelo privilégio de comprar bebida ou comida.

Outras atividades bizarras “novas e normais” são medir a temperatura de alguém brandindo uma pistola de termômetro infravermelho, perambular com uma máscara nas lojas tentando evitar outros humanos como se você estivesse brincando de algum tipo de pega-pega estranho, e ficar envergonhando publicamente aqueles que não estão aterrorizados como se eles claramente odiassem pessoas idosas.

Estamos todos juntos nessa

As frases maravilhosas “’nós’ estamos todos juntos nisso” ou “estamos todos separados…. juntos nessa” foram mencionadas logo no início das quarentenas. As celebridades nos fizeram serenatas com as músicas de John Lennon. Elas fizeram vídeos de si mesmos parecendo preocupados em suas mansões, nos dizendo para não nos preocuparmos, porque “estamos juntos nisso”. Exceto, é claro, que elas ainda têm milhões de dólares no banco e o resto de nós não deveria trabalhar ou abrir nossos negócios para ganhar o dinheiro necessário para sobreviver.

De fato, todos nós devemos a essas celebridades uma dívida insondável de gratidão por nos lembrar que elas também estão “nisto juntas”.

Os mídias sociais fizeram até filtros para as fotos do seu perfil com essas palavras extremamente irritantes. Os artigos que nos incentivavam a nos aconchegarmos em nossas casas nos lembraram que todos, ricos ou pobres, estavam “nisto juntos” também. É que as pessoas ricas estavam “nisto juntas” em iates e ilhas particulares, enquanto o resto de nós se amontoava na cozinha nas reuniões do Zoom com nossos empregadores enquanto proibia nossos filhos de acessar qualquer coisa, para termos acesso suficiente à Internet.

Fique em casa.

Fique em casa. Apenas fique em casa.

Quantas vezes você ouviu essa frase no início da quarentena? Você provavelmente perdeu a conta quando chegou nos milhões. #FicaEmCasa era uma hashtag viral no Twitter, as pessoas finalizavam as atualizações de status das mídias sociais incentivando os outros a apenas “ficar em casa”, e todos nos disseram que se não “ficássemos em casa”, estaríamos arriscando a vida de todas as pessoas que amamos e algumas que odiamos porque íamos inconscientemente espalhar o vírus e matar pessoas.

Claramente, as únicas pessoas assintomáticas eram os desgraçados que não “ficavam em casa”. Eles eram COVID Marias e COVID Joões, espalhando impensadamente doenças para idosos e crianças com câncer, simplesmente porque não apenas “ficavam em casa”.

Para nos fazer “ficar em casa” lojas em alguns estados estabeleceram o que o governo considerava compras “essenciais” e baniram todas as outras compras, mesmo que você já estivesse na própria loja. (Daqui a pouco teremos mais sobre a palavra “essencial” abaixo.) Pessoas sem cérebro não perceberam que se você comprasse apenas alface ou um litro de leite, você não passaria seus germes. Os germes só são passados ​​quando você compra edredom ou brinquedos.

Eita. Fique em casa, seus idiotas.

Distanciamento social

Outra frase que me tira do sério quando a ouço é “distanciamento social”. Admito que sempre tive um perímetro pessoal invisível que não gosto que seja invadido, mas toda essa distância social significa que agora as lojas têm flechas dizendo a você como você qual direção você pode seguir por um corredor e os quadrados pintados no chão mencionados acima, ou Xs no chão para demarcar uma linha socialmente distanciada.

Devido ao “distanciamento social”, passamos meses sendo incapazes de visitar os entes queridos, entrar em restaurantes para comer ou entrar nos corredores das lojas de bebidas para selecionar nosso próprio uísque tão necessário. Continuaremos a nos distanciar socialmente de todas as maneiras ridículas no futuro “novo normal”, com locais que permitem apenas uma pequena parte de sua antiga capacidade de clientes dentro de cada vez.

Um metro e meio

De mãos dadas com o distanciamento social está a frase “um metro e meio”. Se alguém chegar muito perto de você na loja, você pode gritar com raiva por trás da máscara: “um metro e meio!” e é perfeitamente aceitável. Um metro e meio é o padrão ouro, a bolha protetora que mantém você “seguro” de contrair COVID 19 quando não pode “ficar em casa”.

Todos esses Xs no chão das lojas são medidos em um metro e meio de distância. As crianças que retornam à escola terão que ficar a um metro e meio de distância de outras crianças enquanto marcham pelo recreio em formação deplorável. Os escritórios estão sendo redesenhados para que todos possam ficar a um metro e meio de distância de todos os outros.

Essencial

A palavra “essencial” também foi corrompida. Se você conseguiu continuar trabalhando durante todo a quarentena, é porque era um trabalhador “essencial” fazendo um trabalho “essencial”. “Essencial” foi definido separadamente pelo governador de cada estado, variando de um lugar para outro. Minha filha, que trabalha em uma loja de artigos de beleza, inicialmente não era “essencial”, mas dentro de um mês em que as raízes de todos começaram a aparecer, ela se tornou essencial e obteve a autorização para sair de casa que comprova isso.

A palavra “essencial” também foi usada para descrever as compras que o governo considerou importantes o suficiente para você poder fazer pessoalmente e para sair de casa. Era “essencial” ir ao supermercado, ao médico, à farmácia e passear com o cachorro. No entanto, o cachorro teve que ser passeado nas ruas do bairro, com todas as outras pessoas passeando com os cães, em vez de seguir apenas uma trilha na floresta, porque as trilhas foram fechadas porque não eram essenciais.

Reinventar

Dependendo da empresa em que você atua, você pode ter ouvido a palavra “reinventar” até querer vomitar. As pequenas empresas estavam super ocupadas em “reinventar” para tentar não falir enquanto os empréstimos destinados a elas iam para bilionários e corporações gigantes. Você pode “reinventar” fabricando outra coisa – algo “essencial”, como desinfetante para as mãos – ou oferecendo entrega ou retirada na calçada dos seus produtos.

Algumas “reinvenções” eram apenas marketing diferente. Compre este sabão em pó, porque estamos lavando roupas para os profissionais de saúde. Compre o nosso carro, porque apoiamos trabalhadores essenciais. Compre conosco, porque é assim que mantemos nossos funcionários em segurança.

Outras “reinvenções” estavam permitindo que as pessoas trabalhassem em casa, apoiando seus clientes de maneiras diferentes e vendendo mercadorias a uma distância social apropriada, como literalmente vender novos veículos pela Internet e deixá-los na frente das casas das pessoas.

Tempos incertos ou sem precedentes

Quantos emails poderiam ter o espaço do assunto começando com “nesses tempos de incerteza” ou “nesses tempos sem precedência”?

Pelo visto, muitos. Não consigo enumerar quantos e-mails recebi, me assegurando que várias empresas estavam atentas a esses “tempos incertos”. Todos, da Victoria’s Secret ao meu provedor de Internet, me enviaram um e-mail informando como eles estavam fazendo negócios nesses “tempos sem precedentes”.

As marcas de carros tiveram anúncios publicitários sobre o motivo de você precisar de um veículo específico durante esses tempos de incerteza, porque todos nós definitivamente precisamos de um carro novo, enquanto o negócio que nos emprega está tentando se reinventar. Artigos tinham manchetes sobre como lidar com esses “tempos incertos”. Confesso que também escrevi um artigo sobre incerteza no início da crise. Mais uma vez, desculpe, eu usei essa palavra.

O uso contínuo dessa palavra deixa as pessoas ávidas para se agarrar a qualquer coisa que seja “certa”. Isso as faz querer aceitar “o novo normal” para que não precisem ser tão “incertos”. E como tudo isso é “sem precedentes”, não temos ideia do que será esse “novo normal”; portanto, pode ser qualquer coisa, não importa o quão draconiano.

Achatar a curva

Quando as quarentenas foram anunciadas em março, todo o objetivo era “achatar a curva“. Isso significava que os hospitais não ficariam sobrecarregados como os da Itália e da China. Em vez de um gráfico ir direto para a estratosfera, teríamos uma colina suave, espaçando as doenças.

Tudo virou “achatar a curva”. Você não pode “achatar a curva” com sua empresa aberta. A CBS News explicou (ao usar 4 de nossas palavras e frases insuportáveis):

As comunidades estão sendo instadas a praticar o distanciamento social, algumas escolas estão fechando, eventos esportivos e culturais estão sendo cancelados e as empresas estão pedindo aos funcionários que trabalhem em casa – mesmo que não apresentem sintomas de coronavírus. Muitos estão se perguntando por que eles estão sendo essencialmente colocados em quarentena, apesar de não estarem doentes. A resposta tem a ver com “achatar a curva” – uma resposta que pode deixar algumas pessoas confusas.

Você provavelmente já viu gráficos de “achatamento da curva” sendo usados ​​em artigos e compartilhados nas mídias sociais como uma maneira de explicar a importância de se agir energicamente para conter a propagação do coronavírus. Mas o que significa achatar a curva e como fazemos?

Sexta-feira no “CBS This Morning“, o analista médico da CBS News, Dr. Jon LaPook, explicou o que se tornou um chavão na sequência do surto.

“Realmente vale a pena fazer todo esse distanciamento social e lavar as mãos? A resposta é sim ”, disse o Dr. LaPook. “Normalmente, agora – sem nenhuma medida – a epidemia pode aumentar [acentuadamente] e diminuir. Esse número máximo de casos pode sobrecarregar o sistema e é com isso que as pessoas estão preocupadas.” (fonte)

Infelizmente, mesmo depois que a curva foi achatada em todo o país em abril, isso não era mais suficiente. Muitas pessoas ainda estão presas em casa e muitas empresas ainda não conseguem reabrir.

Seguro

A palavra mais usada em toda essa lista de vocabulário apoderado deve ser “seguro”.

Se ganhássemos uma moeda toda vez que ouvíssemos ou lêssemos a palavra “seguro”, já estaríamos milionários . De todas as palavras que nunca mais quero usar, “seguro” é a penúltima. A palavra já havia sido invadida de alguma maneira pelas bobagens de “espaços seguros” para onde as pessoas deveriam ir quando se sentiam vulneráveis ​​porque alguém disse algo malvado ou usava um boné MAGA perto delas.

Agora, “seguro” cruzou o Rubicão. Todo e qualquer artigo na internet é sobre permanecer “seguro”. Os letreiros da igreja querem que você fique longe do culto para ficar “seguro”. Em vez de dizer “tchau” ou “até logo”, a saudação quando alguém está saindo agora é uma imploração para “ficar em segurança”.

Algumas coisas que não tinham problema nenhum, mas que agora não são seguras, são: crianças brincando em um playground, adultos apertando a mão de outros adultos quando fazem negócios, fazendo uma caminhada, comendo à mesa de um restaurante, cortando o cabelo ou basicamente se divertindo de alguma maneira além de realizar uma call com outros que, assim como você, está “ficando em casa”.

Todos vocês conhecem a citação de Benjamin Franklin sobre segurança e liberdade. Eu nem vou citar.

Menções desonrosas: “evitar a propagação” e “lavar as mãos”

Embora não sejam usadas na mesma frequência estonteante das palavras acima, também estou cansado de ouvir sobre “conter a propagação” do coronavírus e “lavar as mãos”.

Antes de tudo, todas as empresas que me enviaram um email “incerto” ou “sem precedentes” queriam que eu soubesse o que estavam fazendo para “conter a propagação” do vírus. Toda entrevista coletiva governamental explicou com detalhadamente como seguir todas as regras resultaria em um “freio à disseminação” do COVID19. (É claro, eles também disseram que a quarentena duraria apenas duas semanas e aqui estamos finalmente saindo dessa 60 dias depois em algumas partes do país, quase o tempo que eu previ na análise que escrevi em março quando um monte de leitores disse que eu estava maluco e cancelaram sua inscrição de raiva, deixe-me observar também que a quarentena ainda não foi completamente cancelada em várias partes altamente povoadas do país.)

E eu já estava lavando minhas mãos, muito obrigado. Se você precisa ser instruído a lavar as mãos quando adulto, claramente perdeu algumas lições importantes da infância.

É assim que é uma lavagem cerebral.

Se você já se perguntou como seria fazer uma lavagem cerebral em alguém, é assim que se faz. Ter as mesmas palavras repetidas muitas vezes, palavras que costumavam significar alguma coisa, até que também começam a sair da sua boca. Quando você ouve essas frases de forma consistente e o oposto delas é usado para incitar o medo irracional, isso é lavagem cerebral.

Não estou sendo uma maluca paranoica e usando papel alumínio na cabeça quando digo que somos todos os alvos de uma operação de mídia de massa para nos fazer aceitar esse “novo normal” ultrajante e draconiano. Quando você ouve as coisas repetidas vezes, quando ouve um script vindo da mídia convencional, da mídia social, do seu vizinho idiota que denuncia crianças brincando no playground e quando todos os outros artigos têm uma ou mais dessas palavras no título, existe uma agenda.

E essa agenda resultará na perda de mais liberdade e na adição de mais vigilância. (Alguém está procurando um trabalho de rastreamento de contatos?)

Não estou dizendo que esse vírus não era real ou que não era uma ameaça à saúde pública. Isso foi. O fato de as coisas não terem ficado tão ruins quanto o previsto não significa que as medidas tomadas foram totalmente desnecessárias – significa que elas funcionaram. Mas isso não significa que essas medidas precisam ser continuadas para todo o sempre.

No entanto … como em todas as coisas, quando o governo obtém um pouco de poder e controle extras, ele se torna mais ganancioso. Eles não deixaram essa crise ser desperdiçada, e não esperaram nem um segundo para planejar como tornar todo esse absurdo permanente.

Uma população medrosa e doutrinada é fácil de controlar.

 

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS

  1. Verdadeiro, eu não aguento mais ouvir esses chavões idiotas! eu pesquisei e sei que esse vírus não é tão mortal como nos fazem acreditar, pois ataca o sangue, é só tomar remédios que já existem, claro só isolando os doentes crônicos, o resto tem que trabalhar!