M. N. Rothbard: Economia, Ciência e Liberdade

1
Tempo estimado de leitura: 27 minutos

Murray N. Rothbard (1926–1995) passou a ocupar uma posição de influência única dentro da tradição intelectual da economia austríaca por uma combinação de três razões centrais.

Primeiro, Rothbard é o mais recente representante da corrente dominante dentro da economia austríaca.[1] Como em outras tradições intelectuais, vários ramos interconectados podem ser identificados na escola austríaca de economia. Rothbard é o mais recente expoente do principal ramo racionalista da escola austríaca, começando com o fundador da escola, Carl Menger, e continuando com Eugen von Böhm-Bawerk e Ludwig von Mises. Como Menger, Böhm-Bawerk e Mises, Rothbard é um racionalista e crítico declarado de todas as variantes do relativismo social: historicismo, empirismo, positivismo, falsificacionismo e ceticismo. Como seus predecessores reconhecidos, Rothbard defende a visão de que as leis econômicas não apenas existem, mas mais especificamente que são leis “exatas” (Menger) ou “apriorísticas” (Mises). Em contraste com as proposições das ciências naturais (empíricas), que devem ser continuamente testadas contra dados sempre novos e, portanto, nunca podem atingir mais do que validade hipotética, as proposições da economia dizem respeito a relações não hipotéticas necessárias e assumem validade apodítica. De acordo com a corrente principal austríaca, todas as leis econômicas podem ser derivadas dedutivamente de alguns fatos elementares da natureza e do homem (Menger), ou de um único axioma (Mises), ou seja, a proposição “o homem age”, que não se pode contestar sem cair em uma contradição performativa, e que é, portanto, indiscutivelmente verdadeira, e algumas suposições empíricas – e empiricamente testáveis. Como seus predecessores, Rothbard não considera necessário nem mesmo possível testar proposições econômicas estudando dados de experiência. A experiência pode ilustrar a validade de um teorema econômico, mas a experiência nunca pode refutá-lo ou falsificá-lo, porque, em última análise, sua validade repousa unicamente na validade indiscutível do axioma de ação e na validade (e correto exercício) das regras de raciocínio dedutivo e inferência lógica. Na verdade, tentar “testar empiricamente” uma lei econômica envolve um erro de categoria e é um sinal de confusão. Além disso, como Menger, Böhm-Bawerk e Mises antes dele, Rothbard adere firmemente ao individualismo epistemológico e metodológico. Apenas indivíduos agem; consequentemente, todos os fenômenos sociais devem ser explicados – reconstruídos logicamente – como o resultado de ações individuais propositadas. Toda explicação “holística” ou “organicista” deve ser rejeitada categoricamente como uma pseudo-explicação não científica. Da mesma forma, toda explicação mecanicista dos fenômenos sociais deve ser descartada como não científica. Os humanos agem sob condições de incerteza. A ideia de uma mecânica e equilíbrio social é útil apenas na medida em que nos permite apreender o que as ações não são, e em que aspecto elas são fundamentalmente diferentes e categoricamente distintas das operações de máquinas e autômatos.

Em segundo lugar, Rothbard é o mais recente e abrangente construtor de sistemas dentro da economia austríaca. Apenas entre os racionalistas existe um desejo constante por sistema e integridade. Embora tenham contribuído muito para sua fundação, nem Menger nem Böhm-Bawerk realizaram esse desiderato intelectual final. Essa façanha foi realizada apenas por Mises, com a publicação de seu monumental Ação Humana.[2] “Aqui finalmente,” Rothbard escreveu sobre o Ação Humana, “estava a economia inteira mais uma vez, mais uma vez um edifício. Não apenas isso – aqui estava uma estrutura de economia com muitos dos componentes contribuídos recentemente pelo próprio Professor Mises.” Desde então, apenas Rothbard conseguiu uma conquista semelhante com a publicação de Homem, Economia e Estado e seu volume companheiro, Poder e Mercado.[3] Como é modelado após a magnum opus de Mises, e ainda mais abrangente e completo, o que Rothbard afirmou sobre Mises e o Ação Humana pode ser dito sobre si mesmo e sobre o Homem, Economia e Estado. Na verdade, não menos autoridade do que o próprio Mises fez isso ao revisar o livro para a New Individualist Review. Mises saudou o tratado de Rothbard

como uma contribuição histórica para a ciência geral da ação humana, a praxeologia, e sua parte praticamente mais importante e até agora melhor elaborada, a economia. Doravante, todos os estudos essenciais nesses ramos do conhecimento terão que levar em conta as teorias e críticas expostas pelo Dr. Rothbard.[4]

Hoje, Ação Humana de Mises e Homem, Economia e Estado de Rothbard são as duas realizações mais importantes e definidoras da escola austríaca. Ninguém pode ser levado à sério hoje em dia, seja como estudante de economia austríaca ou como seu crítico, se não tiver lido e estudado Ação Humana e Homem, Economia e Estado.

Terceiro, Rothbard é o economista austríaco mais recente e mais sistematicamente político. Assim como o racionalismo implica o desejo de sistema e completude, também implica ativismo político. Para os racionalistas, os seres humanos são, acima de tudo, animais racionais. Suas ações e o curso da história humana são determinados por ideias (em vez de por forças evolucionárias cegas de evolução espontânea e seleção natural). As ideias podem ser verdadeiras ou falsas, mas apenas as ideias verdadeiras “funcionam” e resultam em sucesso e progresso, enquanto as ideias falsas levam ao fracasso e ao declínio. Como descobridor de ideias verdadeiras e erradicador de ideias falsas, o estudioso assume um papel crucial na história humana. O progresso humano é o resultado da descoberta da verdade e da proliferação de ideias verdadeiras – iluminismo – e, portanto, está inteiramente nas mãos do estudioso. A verdade é inerentemente prática e, ao reconhecer uma ideia como verdadeira (ou falsa), um estudioso não pode deixar de querer que seja implementada (ou erradicada) imediatamente. Por esta razão, além de perseguir suas ambições acadêmicas, Menger serviu como tutor pessoal do príncipe herdeiro austríaco Rudolf e como membro vitalício da Câmara dos Lordes austríaca (Herrenhaus). Da mesma forma, Böhm-Bawerk serviu três vezes como ministro das finanças austríaco e foi membro vitalício dos Herrenhaus. Da mesma forma, Mises foi o economista-chefe nacionalmente proeminente da Câmara de Comércio de Viena e conselheiro de muitas figuras proeminentes durante a primeira república da Áustria e, mais tarde, nos EUA, ele serviu como conselheiro da Associação Nacional de Fabricantes e várias outras organizações. Apenas Mises foi ainda mais longe. Assim como ele foi o primeiro construtor do sistema econômico, também foi o primeiro a dar ao ativismo austríaco uma expressão sistemática ao associar a economia austríaca à reforma política liberal-libertária radical (conforme apresentado em seu Liberalismo de 1927). Apenas Rothbard, que também desempenhou muitas funções de consultoria e como fundador e diretor acadêmico de várias organizações educacionais, conseguiu algo comparável. Procedendo sistematicamente além de Mises, Rothbard conseguiu – em seu A ética da Liberdade[5] – integrar (por meio do conceito de propriedade privada) uma economia austríaca livre de juízo de valores e uma filosofia política libertária (ética) como dois ramos complementares de uma teoria social grandiosa unificada, criando um movimento filosófico radical – austrolibertário.

Na área de economia teórica, Rothbard contribuiu com dois grandes avanços além dos padrões estabelecidos pelo Ação Humana de Mises. Primeiro, Rothbard forneceu um esclarecimento sistemático da teoria da utilidade marginal e, em seguida, avançou uma nova reconstrução da economia do bem-estar e, totalmente ausente no sistema de Mises, uma teoria econômica do estado.

Construindo sobre os fundamentos de uma interpretação estritamente ordinalista da utilidade marginal apresentada por Mises já em 1912 em sua Theory of Money and Credit[6], Rothbard explicou que a palavra “marginal” na utilidade marginal não se refere a incrementos de utilidade (o que implicaria em mensurabilidade), mas sim na utilidade de incrementos de bens (e, portanto, não tem nada a ver com mensurabilidade). O bem ao qual o utilitário está vinculado e os incrementos em seu tamanho podem ser descritos em termos físicos. O bem e seus incrementos se estendem no espaço e, portanto, podem ser medidos e contados como adições quantitativas unitárias. Em distinto contraste, a utilidade ligada a um bem físico e seus incrementos físicos unitários é uma magnitude puramente intensiva. Não se estende no espaço e, portanto, é incomensurável e intratável pela contagem unitária e pelas regras da aritmética. Todas as tentativas de construir uma medida fundamental de utilidade são em vão. Como magnitude intensiva, a utilidade só pode ser tratada ordinalmente; isto é, como uma ordem de classificação em uma escala de preferência individual unidimensional (e todo fenômeno econômico, em particular o cálculo monetário e a contabilidade de custos “objetiva”, deve, em última análise, ser redutível e explicado como o resultado simples da ordem de classificação individual julgamentos). Além de sua colocação em escalas de preferência individual unidimensionais, não existe nenhuma relação quantitativa entre diferentes bens e diferentes quantidades do mesmo bem. Em particular, não existe utilidade total – concebida como adição ou integração de utilidades marginais. Em vez disso, a utilidade “total” é a utilidade marginal de uma quantidade maior de um bem e, Rothbard explicou,

existem, então, duas leis de utilidade, ambas decorrentes das condições apodícticas da ação humana: primeiro, que dado o tamanho de uma unidade de um bem, a utilidade (marginal) de cada unidade diminui à medida que a oferta de unidades aumenta; segundo, que a utilidade (marginal) de uma unidade de tamanho maior é maior do que a utilidade (marginal) de uma unidade de tamanho menor. A primeira é a lei da utilidade marginal decrescente. A segunda foi chamada de lei da utilidade total crescente. A relação entre as duas leis e entre os itens considerados em ambas é puramente de classificação, ou seja, ordinal.[7]

Graficamente, Rothbard ilustrou, a relação pode ser representada assim:[8]

Classificação em valor

3 ovos

2 ovos

1 ovo

2º ovo

3º ovo

 

Quanto mais alta for a classificação nesta escala de valor individual para ovos, maior será o valor. Pela segunda lei, 3 ovos são avaliados mais do que 2 ovos, e 2 ovos mais do que um. Pela primeira lei, o segundo ovo será classificado abaixo do primeiro na escala de valores e o terceiro abaixo do segundo. Não existe relação matemática entre, por exemplo, a utilidade marginal de 3 ovos e a utilidade marginal do terceiro ovo, exceto que a primeira é maior do que a última.

Como Lionel Robbins, influenciado por Wicksteed e Mises, primeiro explicou na economia mainstream, a partir do caráter ordinal da utilidade, segue-se logicamente que toda comparação interpessoal e intrapessoal de utilidade deve ser considerada impossível (não científica), e, portanto, toda proposta de bem-estar social envolvendo qualquer comparação é arbitrária.[9] Enquanto a economia de bem-estar convencional virou uma bagunça após a plena realização dessa conclusão, Rothbard forneceu uma reconstrução radicalmente nova estritamente ordinalista da economia de bem-estar baseada nos conceitos gêmeos de autopropriedade individual e preferência demonstrada.[10]

Autopropriedade simplesmente significa isto: cada indivíduo possui (controla) seu próprio corpo humano físico. “A natureza do homem”, explicou Rothbard, “é uma fusão de ‘espírito’ e matéria.”[11] Cada corpo humano vivo é apropriado e controlado por uma única mente e vontade independente (autônoma) – um eu ou ego. Consequentemente, enquanto estiver vivo, nos referimos a um corpo humano como uma persona (em vez de um corpus). (A economia de bem-estar mainstream também aceita o conceito de autopropriedade, mesmo que apenas implicitamente, em virtude do fato de que fala de maximizadores de utilidade individuais separados.) O conceito de preferência demonstrada está implícito no de autopropriedade. Simplesmente significa “que a escolha real revela, ou demonstra, as preferências de um homem; isto é, que suas preferências são dedutíveis daquilo que ele escolheu na ação.”[12] Cada ação envolve o uso intencional de um homem de seu corpo físico e, portanto, demonstra que ele valoriza este corpo como um bem. Além disso, ao usá-lo de uma maneira e não de outra, ele demonstra simultaneamente com cada ação o que considera o uso mais valioso desse bem no momento de sua ação. De acordo com o caráter ordinal da utilidade, as ações revelam apenas o fato existencial das ordens e classificações de preferência. Elaas não revelam nada sobre as “diferenças” ou “distâncias” das posições ou a “intensidade” da preferência, nem nunca demonstram “indiferença”. Na verdade, ambas as “diferenças” de posição e “indiferença”, ou seja, igualdade de valor, pressupõem utilidade cardinal.

Com base nos conceitos de autopropriedade e preferência demonstrada, e de acordo com as críticas de Pareto sobre a possibilidade de declarações de bem-estar ordinalistas significativas, Rothbard deduziu o seguinte conjunto de proposições: Se um homem usa seu corpo (“trabalho”) para estender seu controle sobre (apropriar) outras coisas dadas pela natureza (“terra” sem dono), como ele deve fazer apenas para permanecer de pé, esta ação demonstra que tais coisas também são bens para ele. Consequentemente, ele deve ter ganhado em utilidade ao se apropriar deles. Ao mesmo tempo, sua ação não torna ninguém pior, porque, ao se apropriar de recursos anteriormente sem dono, nada é tirado dos outros. Outros também poderiam ter se apropriado desses recursos, se os considerassem valiosos. No entanto, eles comprovadamente não o fizeram. Na verdade, o fato de não se apropriarem deles demonstra sua preferência por não se apropriar deles. Portanto, não se pode dizer que eles perderam qualquer utilidade por conta da apropriação feita por outro. Procedendo com base em atos de apropriação original, qualquer outro ato, seja de produção ou de consumo, é igualmente Pareto-superior por motivos de preferência demonstrada, desde que não afete a integridade física dos recursos apropriados ou produzidos com os meios apropriados por outras. O produtor-consumidor fica em melhor situação, enquanto todos os outros ficam no controle da mesma quantidade de bens de antes. Como resultado, ninguém pode ser considerado ter ficado em situação pior. Finalmente, toda troca voluntária de bens provenientes desta base é uma mudança Pareto-superior também, porque ela só pode ocorrer se ambas as partes da troca esperarem se beneficiar dela, enquanto o fornecimento de bens controlados em ação (de propriedade) por outros permanece inalterado.

Com base nessas proposições, Rothbard prosseguiu para o avanço de uma teoria austríaca do estado inteiramente nova. Enquanto todo ato de apropriação original, produção-consumo e troca (o mercado livre) aumenta sempre e necessariamente a utilidade social, nenhum ato de expropriação (a tomada unilateral não consensual de bens de seu apropriador original e produtor-consumidor) pode possivelmente fazê-lo. Obviamente, isso se aplica a todos os atos normalmente considerados criminosos, como agressão física, invasão, roubo, furto e fraude. Enquanto o criminoso controla uma quantidade maior de bens e, portanto, está em melhor situação, sua vítima controla uma quantidade correspondentemente menor de bens e fica pior; portanto, nenhum ato criminoso cumpre as restrições paretianas e nunca pode-se dizer que aumenta a utilidade social. Embora atos criminosos sejam normalmente considerados ilegais e o homem tenha permissão para se defender deles, a mesma conclusão sobre a utilidade é verdadeira para todos os atos de agentes do governo: “nenhum ato do governo pode aumentar a utilidade social.”[13] No entanto, eles são considerados legais e não é permitido defender-se deles.

A conclusão de Rothbard sobre a rejeição da instituição do governo com base na economia do bem-estar é baseada na definição padrão e não controversa do estado

como aquela organização que possui uma ou ambas (na verdade, quase sempre ambas) das seguintes características: (a) adquire sua receita por coerção física (tributação); e (b) adquire o monopólio compulsório da força e do poder de decisão final sobre uma determinada área territorial.[14]

Quanto ao seu primeiro pilar, é claro que os agentes governamentais se beneficiam de atos de tributação; do contrário, eles se absteriam deles. Com a mesma clareza, não se pode dizer que os sujeitos da tributação – os apropriadores originais – produtores dos bens tributados – se beneficiam de tais atos; caso contrário, eles pagariam a mesma quantidade de bens voluntariamente e nenhuma compulsão seria necessária.

Da mesma forma, é claro que os agentes do governo ganham em utilidade ao adquirir o monopólio territorial da tomada de decisão final (jurisdição). Mais importante, ao fazê-lo, a questão de saber se os impostos são justificados ou não torna-se discutível e é decidida desde o início a favor do governo. No entanto, com a mesma clareza, cada súdito do poder de decisão final do governo fica pior. Em virtude de seus atos de apropriação e produção originais, um homem demonstra sua preferência por exercer o controle exclusivo (jurisdição) sobre os bens apropriados e produzidos. A menos que ele os abandone, venda ou os entregue voluntariamente a outra pessoa (nesse caso, essa pessoa demonstraria sua preferência em obter controle exclusivo sobre eles), não é possível que ele tenha alterado essa avaliação. Se, ao contrário de sua preferência demonstrada de não desistir de seus bens privados e produzidos, o estado adquire o monopólio territorial da decisão final (jurisdição), isso só é possível em decorrência de um ato de expropriação. Se o governo é o tomador de decisão final, então, por implicação, nenhum homem sozinho tem controle exclusivo sobre seus próprios bens apropriados e produzidos. Com efeito, o estado assumiu a propriedade de todos os bens apropriados e produzidos por “seus” residentes, e os reduziu à categoria de inquilinos. Enquanto o campo de controle do governo é ampliado, o campo de controle de cada proprietário privado em relação às suas próprias apropriações e produtos, e seu valor, é correspondentemente reduzido. Mais importante ainda, como inquilino, ninguém pode excluir o governo do acesso aos seus bens de propriedade e produção privados; ou seja, todos ficam sem meios de defesa física diante de uma possível intervenção ou invasão governamental.

Consequentemente, Rothbard concluiu que, se toda ação do governo se baseia na expropriação, e nenhuma expropriação pode ser considerada como um fator de aumento da utilidade social, então a economia do bem-estar deve exigir a abolição do estado. Dezenas de filósofos políticos e economistas, de Thomas Hobbes a James Buchanan e os modernos economistas de escolha pública, tentaram escapar dessa conclusão retratando o estado como o resultado de contratos e, portanto, uma instituição voluntária e promotora do bem-estar. Em resposta a tais esforços, Rothbard concordou com Joseph Schumpeter que “a teoria que constrói impostos sobre a analogia das quotas do clube ou da compra de serviços de, digamos, um médico apenas prova o quão distante esta parte das ciências sociais está dos hábitos científicos da mente.”[15] De Hobbes a Buchanan, os estatistas tentaram superar a aparente contradição na ideia de um estado” voluntário” equipado com monopólio judicial compulsório e o poder de tributar recorrendo ao recurso intelectual improvisado de acordos, contratos ou constituições “implícitos” ou “conceituais”. Rothbard explicou que todas essas tentativas tipicamente tortuosas, em última análise, apenas levam à mesma conclusão inevitável: contratos “implícitos” e “conceituais” são o oposto de contratos, ou seja, não são contratos. Consequentemente, é impossível derivar uma justificativa de economia de bem-estar para o estado. Ninguém pode – demonstravelmente – concordar em ceder permanentemente a jurisdição sobre sua pessoa e propriedade privada a outra pessoa, a menos que ele tenha vendido ou doado todos os seus bens atuais e subsequentemente cometido suicídio; da mesma forma, ninguém que está vivo pode possivelmente – demonstravelmente – celebrar um contrato que permita a outra pessoa – seu protetor – determinar para sempre unilateralmente, sem o consentimento contínuo do protegido, o tributo que o protegido deve pagar por sua proteção .

Em particular, Rothbard desprezou a ideia de um estado protetor “limitado” como autocontraditória e incompatível com a promoção da utilidade social. O governo limitado sempre tem a tendência inerente de se tornar um governo ilimitado (totalitário). Dado o princípio do governo – monopólio judicial e o poder de tributar – qualquer noção de restringir o poder do governo e salvaguardar a vida e a propriedade individuais é ilusória. Sob os auspícios do monopólio, o preço da justiça e da proteção aumentará e a qualidade da justiça e da proteção diminuirá. Uma agência de proteção financiada por impostos é uma contradição em termos – um protetor de propriedade expropriador – e resultará em mais impostos e menos proteção. Mesmo que um governo limitasse suas atividades exclusivamente à proteção de direitos de propriedade preexistentes, surgiria a questão adicional de quanta segurança produzir. Motivado (como todo mundo) por interesse próprio e pela desutilidade do trabalho, mas com o poder único de tributar, a resposta de um agente governamental será invariavelmente a mesma: maximizar os gastos com proteção – e quase toda a riqueza de uma nação pode ser consumida pelo custo da proteção – e no mesmo tempo para minimizar a produção de proteção. Além disso, um monopólio judicial levará a uma deterioração na qualidade da justiça e da proteção. Se alguém puder apelar apenas ao governo por justiça, a justiça e a proteção serão pervertidas em favor do governo, não obstante as constituições e os supremos tribunais. As constituições e os supremos tribunais são constituições e tribunais governamentais, e quaisquer limitações à ação governamental que possam conter ou encontrar são determinadas pelos agentes da própria instituição em consideração. Previsivelmente, a definição de propriedade e proteção será alterada e o âmbito de jurisdição expandido para vantagem do governo.

Em vez disso, de acordo com o “único julgamento ético” de que “mesmo os economistas mais rigorosamente wertfrei estão dispostos a se permitir . . . (de sentir) livres para recomendar qualquer mudança ou processo que aumente a utilidade social sob a Regra da Unanimidade”[16], Rothbard chegou à mesma conclusão anarquista que o economista franco-belga Gustave de Molinari chegou antes dele: defesa, proteção e serviços judiciais

teriam, portanto, de ser fornecidos por pessoas ou empresas que (a) obtiveram suas receitas voluntariamente, e não por coerção, e (b) não arrogaram – como o faz o Estado – o monopólio compulsório de proteção policial ou judicial. As empresas de defesa teriam que ser tão livremente competitivos e tão não coercitivos contra os não invasores quanto todos os outros fornecedores de bens e serviços no livre mercado. Os serviços de defesa, como todos os outros serviços, seriam comercializáveis ​​e apenas comercializáveis.[17]

Todo proprietário de propriedade privada poderia participar das vantagens da divisão do trabalho e buscar melhor proteção de sua propriedade do que aquela garantida por legítima defesa, por meio da cooperação com outros proprietários e suas propriedades. Ou seja, todos podem comprar, vender ou de outra forma contratar qualquer outra pessoa em relação aos serviços de proteção e judiciários, e ele pode, a qualquer momento, interromper unilateralmente qualquer cooperação com outras pessoas e recorrer à defesa autossuficiente ou alterar suas afiliações protetoras.

O outro grande avanço de Rothbard foi na teoria do monopólio e da competição. Também aqui Rothbard lembrou a tradição francesa da economia radical laissez-faire de Jean-Baptiste Say e seus seguidores (aos quais Molinari pertencia). A doutrina positiva de Rothbard de competição e monopólio é clara e simples (como uma teoria deveria ser). A competição é definida como uma conduta dentro da estrutura das regras descritas da ação superior de Pareto: de apropriação original, produção-consumo e troca voluntária e contrato. Mais especificamente aplicada à ação empreendedora, competição significa a existência de “entrada livre” irrestrita. Todo indivíduo tem a liberdade de usar sua própria propriedade da maneira que achar conveniente e de entrar em qualquer linha de produção que seja considerada lucrativa. Desde que essa condição de entrada livre seja atendida, concluiu Rothbard, todos os preços dos produtos e custos de produção tendem a ser preços mínimos e custos mínimos. Em distinto contraste, o monopólio e a competição monopolística são definidos pela ausência de entrada livre, ou seja, como a presença de privilégio exclusivo. O estado, definido como o monopolista territorial compulsório de jurisdição e proteção, é, portanto, o protótipo de um monopólio. Todo indivíduo – exceto os agentes do estado – está proibido de usar sua propriedade para a produção de autodefesa e justiça e, portanto, de competir com o estado. Todos os outros monopólios remontam a esse monopólio de jurisdição do Estado originário (legislação e regulamentação) como sua fonte final. Todos os outros monopólios envolvem “uma concessão de privilégio especial pelo Estado, reservando uma certa área de produção para um indivíduo ou grupo em particular”.[18] A entrada na área é legalmente restrita a outros produtores reais ou potenciais, e esta restrição é aplicada pela polícia estatal. Enquanto a livre entrada for restrita ou ausente, concluiu Rothbard, seja na produção de justiça e segurança ou de qualquer outro bem ou serviço, os preços dos produtos e os custos de produção serão mais altos do que de outra forma, ou seja, muito altos. (Assim, para Rothbard, a noção de política governamental antimonopólio ou antitruste era uma contradictio in adjecto. A concorrência exigia, em vez disso, a abolição do próprio monopólio territorial de jurisdição do estado.)

Além disso, Rothbard refutou todas as teorias alternativas como sendo absurdas, não operacionais ou falsas. É um absurdo, por exemplo, definir um monopolista como alguém que tem controle sobre seu preço (um “pesquisador de preços”). Cada empresário tem controle perfeito sobre seu preço (e absolutamente nenhum controle sobre a quantidade comprada a esse preço pelos consumidores). Portanto, sob essa definição, não existe ninguém que não seja um monopolista. Da mesma forma, é um absurdo definir um monopolista como “o único vendedor de um determinado bem”, pois em um sentido objetivo, todo vendedor de cada produto é sempre o único vendedor de seu próprio produto (marca) único. Assim, todos são monopolistas com cem por cento de participação de mercado de seu próprio produto. No entanto, esta circunstância não afeta em nada que cada empreendedor deve competir em todos os momentos com todos os outros empreendedores pelos gastos do consumidor, independentemente de quão únicos ou diferentes seus bens possam ser. Por outro lado, em um sentido subjetivo, nenhum vendedor de nada pode ser estabelecido definitivamente como um monopolista. De acordo com esta interpretação, o termo “determinado bem” significa “um bem conforme definido pelos consumidores”. Assim, a determinação de se o vendedor de algo é ou não seu único vendedor, ou de quão grande é sua participação de mercado, depende da definição dos consumidores do que é esse bem; isto é, em sua classificação de objetos físicos particulares em vários grupos de bens homogêneos. Não apenas essas classificações podem mudar continuamente, mas diferentes consumidores podem classificar os mesmos objetos físicos de forma diferente. Portanto, neste sentido, o termo monopolista torna-se praticamente inútil e não operacional, e todas as tentativas de medir a participação de mercado de um produto devem ser consideradas inúteis.

Finalmente, a teoria de preço de monopólio de Mises é insustentável. Mises argumentou que

o monopólio é um pré-requisito para o surgimento de preços monopolísticos, mas não é o único pré-requisito. É necessária uma outra condição, a saber, uma certa forma da curva de demanda. A mera existência de monopólio não significa nada a esse respeito. Nem todo preço em que um monopolista vende uma mercadoria monopolizada é um preço de monopólio. Os preços de monopólio são apenas preços em que é mais vantajoso para o monopolista restringir a quantidade total a ser vendida do que expandir suas vendas até o limite que um mercado competitivo permitiria.[19]

Como Rothbard explicou, esse argumento é falacioso. Em primeiro lugar, deve-se notar que toda ação restritiva deve, por definição, ter um aspecto expansionista complementar. Os fatores de produção que o monopolista libera do emprego em alguma linha de produção A não desaparecem simplesmente. Em vez disso, eles devem ser usados ​​de outra forma: ou para a produção de outro bem de troca B, ou para uma expansão na produção do bem de consumo de lazer para seu proprietário. Assim, mesmo que existissem preços de monopólio, isso não teria implicações negativas de bem-estar social e utilidade. Do ato do monopolista de não vender, segue-se que ele deve acreditar que fica em situação melhor ao manter em vez de vender seus bens, e ninguém mais fica pior por causa de seu ato (porque todos os outros ainda controlam a mesma quantidade de bens que antes). Consequentemente, o preço de monopólio de Mises e a forma da curva de demanda enfrentada por um monopolista não podem ser operacionalmente ou conceitualmente distinguidos de qualquer outro preço e curva de demanda enfrentada por qualquer outro vendedor.

A produção, explicou Rothbard, precede a venda dos produtos finais, e os custos de produção devem ser incorridos antes que os consumidores possam demonstrar sua preferência por seus produtos. Portanto, é um absurdo, por exemplo, definir um preço de monopólio como um preço acima do custo marginal (ou de receita marginal maior do que o custo marginal) porque as curvas de custo, por um lado, e as curvas de demanda e receita, por outro, não existem. simultaneamente.

As únicas curvas que existem simultaneamente com as curvas de custo são as curvas de demanda e receita futuras estimadas empresarialmente. No entanto, ao decidir sobre a quantidade de bens a serem produzidos, cada produtor sempre define sua produção de modo a maximizar seus ganhos em dinheiro esperados, ceteris paribus. Ou seja, nos cálculos monetários que levam à decisão sobre o produto, o preço esperado e a receita marginal nunca são iguais ao custo marginal. Ninguém produzirá nada a menos que espere que seu preço exceda seu custo; e ninguém expandirá sua produção, a menos que espere que a receita marginal seja maior do que o custo marginal. Assim, todo empresário assume em seus cálculos que, no futuro, estará diante de uma curva de demanda inclinada para baixo, com trechos elásticos e inelásticos. Da mesma forma, no ponto de venda subsequente, quando todos os custos tiverem sido incorridos pelo produtor e a única demanda relevante for a dos consumidores pelos estoques existentes dos produtos produzidos, todo empresário assumirá uma curva de demanda inclinada para baixo. Ou seja, todo empresário estabelecerá seu preço em um nível tal que qualquer preço maior do que o realmente escolhido encontrará uma demanda elástica e, assim, levará a receitas de vendas mais baixas.

Se o preço de venda realmente escolhido coincidir com a estimativa original, e se o mercado estiver equilibrado a esse preço, a previsão empresarial está correta. Por outro lado, a demanda real pode diferir da projeção inicial, e um ou outro tipo de erro de previsão empresarial pode ser revelado. No ponto de venda, o empreendedor pode chegar à conclusão de que produziu por engano “muito pouco” ou “muito”. No primeiro caso, a demanda real (preços e receita) é maior do que o esperado, mas os lucros poderiam ter sido ainda maiores se a produção tivesse sido expandida ainda mais. O empresário originalmente estimou a demanda além de um ponto de produção específico como inelástica (de modo que uma produção maior levaria a uma receita total mais baixa), embora agora seja revelada como sendo elástica além desse ponto. No segundo caso, a demanda real (preços e receita) é menor do que o esperado. As perdas poderiam ter sido evitadas se menos tivesse sido produzido. O empresário estimou que a demanda além de um certo ponto de produção é elástica, de modo que uma quantidade maior poderia ser vendida por uma receita total mais alta, embora agora seja revelada como inelástica.

Em qualquer caso, independentemente de sua previsão original estar correta ou não, todo empresário deve subsequentemente tomar uma nova decisão de produção. Partindo do pressuposto de que consideram sua experiência passada (demanda presente) um indicativo de sua experiência futura (demanda), existem três decisões possíveis. Os empreendedores cujas previsões iniciais estavam corretas produzirão a mesma quantidade de antes. Os empreendedores que inicialmente produziram “muito pouco” agora produzirão uma quantidade maior, e os empreendedores que anteriormente produziram “muito” irão restringir as vendas atuais e a produção futura. Como, perguntou Rothbard, pode esta última resposta empresarial à superprodução anterior ser distinguida da alegada situação de “preço de monopólio” de Mises? Ele respondeu que na verdade não pode.

O preço mais alto a ser ganho com esse corte é necessariamente um “preço de monopólio”? Por que não poderia ser também um movimento de um preço subcompetitivo para um preço competitivo? No mundo real, uma curva de demanda não é simplesmente “dada” a um produtor, mas deve ser estimada e descoberta. Se um produtor produziu muito em um período e, para ganhar mais renda, produz menos no próximo período, isso é tudo o que se pode dizer sobre a ação. . . Portanto, não podemos usar “restrição de produção” como o teste de monopólio vs. preço competitivo. A passagem de um preço subcompetitivo para um preço competitivo também envolve uma “restrição” da produção desse bem, associada, é claro, a uma expansão da produção em outras linhas pelos fatores liberados. Não há como distinguir tal “restrição” e expansão do corolário da alegada situação de “preço de monopólio”. . . Mas se um conceito não possui uma fundamentação possível na realidade, então é um conceito vazio e ilusório, e não significativo. No mercado livre, não há como distinguir um “preço monopolista” de um “preço competitivo” ou um “preço subcompetitivo” ou de estabelecer quaisquer mudanças como movimentos de um para o outro. Nenhum critério pode ser encontrado para fazer tais distinções. O conceito de preço de monopólio como distinto de preço competitivo é, portanto, insustentável. Só podemos falar de preço de livre mercado.[20]

Além dessas inovações importantes, Rothbard contribuiu com muitos novos insights teóricos. Dois exemplos serão suficientes aqui. Por um lado, Rothbard utilizou o conhecido argumento misesiano sobre a impossibilidade do cálculo econômico (contabilidade de custos) sob o socialismo para demonstrar, de forma ainda mais geral, a impossibilidade de um grande cartel no mercado livre.[21]

[O] mercado livre impõe limites definidos ao tamanho da empresa, ou seja, os limites de calculabilidade do mercado. Para calcular os lucros e perdas de cada filial, uma empresa deve ser capaz de referir suas operações internas aos mercados externos para cada um dos vários fatores e produtos intermediários. Quando qualquer um desses mercados externos desaparece, porque todos são absorvidos dentro da esfera de uma única empresa, a calculabilidade desaparece, e não há como a empresa alocar racionalmente fatores para essa área específica. Quanto mais esses limites forem ultrapassados, maior será a esfera da irracionalidade e mais difícil será evitar perdas. Um grande cartel não seria capaz de alocar racionalmente os bens dos produtores e, portanto, não poderia evitar perdas graves. Consequentemente, ele nunca poderia ser realmente estabelecido e, se tentado, se separaria rapidamente.[22]

O segundo exemplo, também inspirado em Mises, é da área de teoria monetária. Mises, por sua vez, estimulado pelo trabalho de Menger, demonstrou que o dinheiro como meio de troca deve se originar como uma mercadoria (como o ouro). Rothbard complementou a teoria de Mises da origem do dinheiro – seu famoso “teorema de regressão” – com uma teoria da destruição ou restituição de dinheiro pelo governo, ou o que pode ser denominado de “teorema da progressão”. Ele demonstrou, de forma mais sucinta em seu O que o governo fez com nosso dinheiro?[23], a sequência praxeologicamente necessária de ações tomadas pelo governo a fim de alcançar – como seu objetivo final – a autonomia completa da falsificação de dinheiro. Tendo necessariamente de começar com um dinheiro-mercadoria fornecido pelo mercado, como o ouro, o governo primeiro monopolizará a cunhagem; em seguida, monopolizará a emissão de substitutos de dinheiro (títulos de dinheiro, notas bancárias resgatáveis ​​imediatas); subsequentemente, ele se envolverá em operações bancárias de reserva fracionária e emitirá substitutos de moeda em excesso do dinheiro real; e, finalmente, como resultado inevitável da crise bancária (corrida aos bancos) provocada pelo banco de reservas fracionárias, ele suspenderá o resgate de suas notas, cortará o vínculo entre papel (título) e dinheiro (ouro), confiscará todo dinheiro privadamente possuído e instituía uma moeda fiduciária pura.

No entanto, as realizações de Rothbard vão muito além de suas inovações na teoria econômica. Elas vão muito além de sua realização de integrar essas inovações em um sistema grandioso, abrangente e unificado de economia austríaca. Embora um economista por profissão, o trabalho de Rothbard engloba também filosofia política (ética) e história. Ao contrário do utilitarista Mises, que negou a possibilidade de uma ética racional, Rothbard reconheceu a necessidade de um sistema ético para complementar a economia livre de juízo de valores de modo a tornar o argumento pelo livre mercado verdadeiramente estanque. Baseando-se na teoria dos direitos naturais, em particular no trabalho de John Locke, e na tradição genuinamente americana de pensamento anarquista de Lysander Spooner e Benjamin Tucker, Rothbard desenvolveu um sistema de ética baseado nos princípios da autopropriedade e da apropriação original de recursos naturais sem dono por meio da apropriação original. Qualquer outra proposta, ele demonstrou, ou não se qualifica como um sistema ético aplicável a todos enquanto ser humano, ou não é viável, pois segui-la implicaria literalmente em morte enquanto requer um proponente sobrevivente, e assim leva à contradição performativa. O primeiro é o caso com todas as propostas que implicam conceder a A a propriedade sobre B e sobre os recursos apropriados por B, mas não dando a B o mesmo direito em relação a A. O último é o caso com todas as propostas que defendem a copropriedade universal (comunal) de todos e de tudo por todos, pois então ninguém teria permissão para fazer nada com nada antes de ter o consentimento de todos para fazer o que quisesse. E como alguém poderia consentir em algo se não fosse o proprietário exclusivo (privado) de seu corpo? Em A ética da Liberdade, sua segunda magnum opus, Rothbard deduziu todo o corpus da lei liberal-libertária – da lei dos contratos à teoria da punição – a partir desses primeiros princípios axiomáticos; e em seu Por uma Nova Liberdade[24], ele aplicou este sistema ético para um diagnóstico da época atual e apresentou uma proposta, e análise econômica, das reformas políticas necessárias para alcançar uma comunidade livre e próspera.

Além disso, embora antes de tudo um teórico, Rothbard também foi um historiador talentoso, e seus escritos contêm uma riqueza de informações empíricas raramente igualadas por qualquer empirista ou historicista. Na verdade, é o reconhecimento de Rothbard da economia e da filosofia política (ética) como pura teoria apriorística, e do raciocínio teórico como logicamente antecedendo e restringindo toda investigação histórica, que torna sua erudição empírica superior à da maioria dos historiadores ortodoxos, e o estabeleceu como um dos maiores historiadores “revisionistas”. Particularmente notável na área da história econômica é seu livro A grande depressão americana[25], que aplica a teoria dos ciclos econômicos de Mises-Hayek para explicar o crash do mercado de ações de 1929 e a depressão econômica subsequente. Na história política, é sua história em quatro volumes da América colonial, Conceived in Liberty[26], e no campo da história intelectual é sua monumental, embora incompleta, obra publicada postumamente da história do pensamento econômico, social e político em dois volumes, Economic Thought before Adam Smith e Classical Economics.[27] Nestes e em outros livros e incontáveis ​​artigos, Rothbard forneceu análises econômico-sociológico-políticas integradas de quase todos os episódios da história americana: do Pânico de 1819, o período Jacksoniano, a Guerra pela Independência do Sul, a Era Progressista, a Primeira Guerra Mundial e o Wilsonianismo, Hoover, FDR e a Segunda Guerra Mundial, a Reagonomia e o Clintonianismo. Por estar atento aos mínimos detalhes dos atalhos da história, Rothbard repetidamente desafiou a sabedoria comum e a ortodoxia histórica e forneceu a seus leitores uma visão do processo da história como uma luta permanente do bem contra o mal: entre a verdade e a falsidade , e entre forças de liberdade e elites de poder explorando e enriquecendo às custas de outros e encobrindo seus rastros por meio de mentiras e enganos.

Apesar dessas incríveis realizações acadêmicas, a carreira acadêmica de Rothbard, assim como a de Mises, dificilmente pode ser considerada um sucesso para os padrões convencionais. O século XX foi a era do socialismo e do intervencionismo. Escolas e universidades são instituições financiadas e controladas pelo governo; portanto, as nomeações mais eminentes vão para socialistas ou intervencionistas, enquanto os proponentes “intransigentes”, “dogmáticos” ou “extremistas” do capitalismo laissez-faire são excluídos ou relegados à periferia da academia. Rothbard não tinha ilusões a esse respeito e nunca reclamou ou pareceu amargurado com seu destino acadêmico. Sua influência não se baseou nos poderes institucionais, mas apenas no poder de suas ideias e na força da lógica.

Murray Rothbard nasceu e foi criado na cidade de Nova York como filho único de pais imigrantes. Seu pai, um químico, veio da Polônia e sua mãe, da Rússia. Ao ganhar uma bolsa de estudos, Rothbard frequentou escolas particulares e passou a estudar economia na Universidade de Columbia, onde, em 1956, recebeu seu doutorado com uma dissertação escrita sob orientação do historiador econômico Joseph Dorfman. Por mais de uma década, começando em 1949, Rothbard também participou do seminário privado de Mises na Universidade de Nova York. Depois de trabalhar vários anos para várias fundações, principalmente a William Volker Fund, Rothbard lecionou no Brooklyn Polytechnic Institute, uma escola de engenharia, de 1966 a 1986. De 1986 até sua morte, ele foi o S. J. Hall Distinguished Professor of Economics da Universidade de Nevada, Las Vegas. Como um dos dois professores de economia da Politécnica do Brooklyn, Rothbard era membro de um departamento de ciências sociais, que desempenhava apenas uma função subserviente dentro da universidade. Em Las Vegas, o departamento de economia, localizado na faculdade de administração da universidade, não oferecia um programa de doutorado. Assim, ao longo de sua carreira acadêmica, Rothbard foi impedido de reivindicar um único aluno de doutorado como seu.

A existência marginal de Rothbard na academia não o impediu de exercer influência intelectual ou atrair alunos e discípulos, no entanto. Por meio da enxurrada de suas publicações e da clareza incomparável de sua escrita, modelada a partir da de H.L. Mencken, Rothbard se tornou o criador e um dos principais agentes do movimento libertário contemporâneo, que no curso de três décadas cresceu de um punhado de proponentes em um movimento de massa genuíno (incluindo, mas estendendo-se muito além de um partido com este nome, o Partido Libertário, a uma rede ampla e complexa de grupos e associações no Congresso dos EUA e em muitas legislaturas estaduais). Naturalmente, no curso desse desenvolvimento, Rothbard e sua posição teórica não permaneceram incontestáveis ​​ou indiscutíveis. Houve altos e baixos nos alinhamentos institucionais, coalizões, rupturas e realinhamentos em sua carreira. No entanto, em associação com o Center for Libertarian Studies, sob Burton S. Blumert, e o Ludwig von Mises Institute, sob Llewellyn Rockwell, e como editor-fundador de suas bandeiras acadêmicas, o Journal of Libertarian Studies (1977) e o Review of Austrian Economics (1987), Rothbard permaneceu para além de sua morte, sem dúvida, a autoridade intelectual mais importante e altamente respeitada dentro de todo o movimento libertário, e até hoje seu austrolibertarianismo racionalista-axiomático-dedutivo fornece o referencial intelectual em referência a que não apenas tudo e todos dentro do libertarianismo são definidos, mas cada vez mais todos e tudo na política americana.

 

* Originalmente publicado em 15 Great Austrian Economists, ed. por Randall Holcombe (Auburn, Ala .: Ludwig von Mises Institute, 1999), pp. 223-41.

_______________________

Notas

[1] Entre a academia em geral, atualmente Friedrich A. Hayek é de longe o economista austríaco mais proeminente. Vale a pena enfatizar, então, que Hayek não é um representante da corrente principal racionalista da economia austríaca, nem Hayek afirma o contrário. Hayek segue a tradição intelectual do empirismo e ceticismo britânicos e é um oponente explícito do racionalismo continental defendido por Menger, Böhm-Bawerk, Mises e Rothbard. Sobre este tópico veja mais Joseph Salerno, “Ludwig von Mises as Social Rationalist,” Review of Austrian Economics 4 (1990): 26-54; Je ff rey M. Herbener, “Introduction,” in idem, ed., The Meaning of Ludwig von Mises (Boston: Kluwer Academic Publishers, 1993); Hans-Hermann Hoppe, “Einführung: Ludwig von Mises und der Liberalismus,” em Ludwig von Mises, Liberalismus (Santo Agostinho: Academia Verlag, 1993); idem, “F. A. Hayek on Government and Social Evolution, ”Review of Austrian Economics 7, no. 1 (1994): 67–93, reimpresso como capítulo 20 aqui; idem, “Die österreichische Schule und ihre Bedeutung für die moderne Wirtschaftswissenschaft”, em Hoppe, Kurt Leube, Christian Watrin, e Joseph Salerno, eds., Ludwig von Mises’s “Die Gemeinwirtschaft” (Düsseldorf, 1996: Verlag Wirtschaft und Finanzeldorf, 1996); Murray N. Rothbard, “The Present State of Austrian Economics,” in idem, The Logic of Action, vol. 1 (Cheltenham, Reino Unido: Edward Elgar, 1997).

[2] Ludwig von Mises, Ação Humana: Um Tratado de Economia, 3ª rev. ed. (Chicago: Contemporary Books, 1949).

[3] Murray N. Rothbard, Man, Economy, and State (Princeton, N.J .: D. Van Nostrand, 1962); idem, Power and Market (Menlo Park, Calif .: Institute for Humane Studies, 1970).

[4] Ludwig von Mises, “A New Treatise on Economics”, The New Individualist Review 2, não. 3 (1962): 39–42.

[5] Murray N. Rothbard, The Ethics of Liberty (Atlantic Highlands, N.J .: Humanities Press, 1982).

[6] Ludwig von Mises, The Theory of Money and Credit, trad. por H. E. Batson (India-napolis, Ind .: Liberty Fund, 1980 [1912]).

[7] Rothbard, Man, Economy, and State, pp. 270-71; ênfase no original.

[8] Murray N. Rothbard, The Logic of Action, vol. 1 (Cheltenham, U.K .: Edward Elgar, 1997), p. 222.

[9] Ver Lionel Robbins, The Nature and Signicance of Economic Science (Londres: Macmillan, 1932), cap. 6. A impossibilidade de comparações de utilidade inter e intrapessoal não implica que dois indivíduos ou períodos de tempo não possam ser comparados objetivamente, é claro. Na verdade, todo indivíduo pode determinar objetivamente se seu suprimento quantitativo de qualquer bem em particular aumentou, diminuiu ou permaneceu o mesmo. E se sua oferta de um bem aumentou (diminuiu) enquanto a oferta de seus outros bens permaneceu a mesma, certamente pode-se dizer objetivamente que este indivíduo está em situação melhor (pior) e atingiu uma classificação superior (inferior) em sua escala de valor individual. Da mesma forma, todo indivíduo que participa de uma economia monetária pode determinar objetivamente se o valor monetário de seus ativos aumentou, diminuiu ou permaneceu constante.

[10] As contribuições de Rothbard para a economia do bem-estar estão espalhadas por todo o seu corpo de trabalho. Elas começam com seu ensaio de 1956 “Reconstruindo a Economia de Bem-estar e de Utilidade” e chegam à sua conclusão em 1982 com sua A ética da Liberdade. Veja também Hans-Hermann Hoppe, “review of Man, Economy, and Liberty,” Review of Austrian Economics 4 (1990): 257–58; idem, The Economics and Ethics of Private Property (Boston: Kluwer Academic Publishers, 1993), pp. 232-33; Je ff rey Herbener, “The Pareto Rule and Welfare Economics,” Review of Austrian Economics 10, no. 1 (1997): 70–106.

[11] Rothbard, A ética da Liberdade, p. 31

[12] Rothbard, Logic of Action, vol. 1, pág. 212.

[13] Ibidem, p. 243.

[14] Rothbard, A ética da Liberdade, p. 171

[15] Rothbard, Logic of Action, vol. 1, pág. 247.

[16] Rothbard, The Logic of Action, vol. 1, pág. 244.

[17] Rothbard, Power and Market, p. 2

[18] Rothbard, Man, Economy, and State, p. 591.

[19] Mises, Ação Humana, p. 359.

[20] Rothbard, Man, Economy, and State, pp. 607, 614, ênfase no original. 21. Ibid., Pp. 544–50.

[21] Ibid., pp. 544–50.

[22] Rothbard, Man, Economy, and State, p. 585.

[23] Murray N. Rothbard, O que o governo fez com nosso dinheiro? (Auburn, Ala .: Ludwig von Mises Institute, 1990).

[24] Murray N. Rothbard, For a New Liberty (Nova York: Macmillan, 1973).

[25] Murray N. Rothbard, America’s Great Depression (New York: Richardson and Snyder, 1983).

[26] Murray N. Rothbard, Conceived in Liberty, 4 vols. (New Rochelle, N.Y .: Arlington House, 1975).

[27] Em 1998, o jornal que Rothbard fundou tornou-se o Quarterly Journal of Austrian Economics, publicado pela Transaction Publishers.

1 COMENTÁRIO

  1. Obrigado pela excelente tradução!

    Sem Rothbard eu jamais teria deixado de ser um liberalóide randiano do estado mínimo. Eu já havia lido Menger, Böhm-Bawerk, Mises, Hayek e até mesmo o próprio Rotbard, um livrinho inofensivo chamado “esquerda e direita” – no sentido que o IL publicou. Mas foi a partir da ampla publicação de seus textos pelo Instituto Rothbard é que a ficha caiu de verdade…

    “Hayek segue a tradição intelectual do empirismo e ceticismo britânicos e é um oponente explícito do racionalismo continental defendido por Menger, Böhm-Bawerk, Mises e Rothbard”

    Exatamente essa diferença é que explica porque o liberalecos fazem de conta que a escola austro-libertária não existe. Eles podem estufar o peito para falar em economia austríaca, mas ignoram completamente o que Murray Fucking Rothbard fez, nas palavras de Herr Hoppe:

    ” Procedendo sistematicamente além de Mises, Rothbard conseguiu – em seu A ética da Liberdade[5] – integrar (por meio do conceito de propriedade privada) uma economia austríaca livre de juízo de valores e uma filosofia política libertária (ética) como dois ramos complementares de uma teoria social grandiosa unificada, criando um movimento filosófico radical – austrolibertário.”