Precisamos acabar com a injustiça racial no basquete

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Existe uma diferença enorme, injustificada, injusta e indevida no basquete entre brancos e negros, para grande desvantagem dos primeiros. A justiça social elementar exige que essa divergência acabe o mais rápido possível; antes disso, se possível. Esta é uma situação que clama aos céus por reparação.

Quais são os fatos da questão? Em primeiro lugar, e mais contundente, cerca de três quartos dos jogadores da NBA são negros. Este grupo demográfico compreende apenas 13% da população geral. Por que escolher a NBA para ilustrar essa lacuna socialmente injusta? Porque seus jogadores são simplesmente os melhores do planeta. Sempre que um time americano disputa com o resto do mundo, como nas Olimpíadas, os outros normalmente jogam apenas pela medalha de prata.

Mas isso é apenas a ponta do iceberg proverbial. Mesmo dentro da NBA, a seleção dos melhores atletas pende ainda mais a favor da população negra. Considere o jogo All-Star recentemente realizado onde 27 dos melhores dos melhores, incluindo LeBron James, Stephen Curry e Kevin Durant se encontraram cara a cara. Destes 27 jogadores, apenas quatro eram brancos. Quatro, apenas 15%. A proporção inclina-se ainda mais fortemente se os jogadores mais valiosos de todos os jogos All-Star forem levados em consideração.

MVPs e números são semelhantes para equipes de faculdades e escolas secundárias. Uma breve leitura de March Madness, em que os melhores times de basquete universitário do país disputam uns contra os outros, descobre que a esmagadora proporção de jogadores é negra, apesar de representar apenas 13% da população universitária geral. Esse fenômeno atinge todo o nível do ensino médio. Acontece que lá também os afro-americanos dominam esse esporte.

O que causa essa disparidade? Em primeiro lugar, os homens brancos não sabem enterrar, e a elevação vertical é importante não apenas para bloquear e rebater, mas também para realizar um arremesso desimpedido. Os homens brancos também não sabem correr, como está bem documentado em corridas de 60 e 100 metros até a maratona; é difícil exagerar a importância da velocidade pura no basquete.

O que deve ser feito sobre essa disparidade astronômica? Ora, ação afirmativa, é claro. O primeiro passo, se quisermos uma NBA que “se pareça com a América”, seria demitir todos os jogadores negros que excedem os 13%. Mas isso só atingirá parcialmente nossos objetivos de equidade, pois os melhores jogadores ainda serão afro-americanos.

Aqui está outra possibilidade para nivelar o campo de jogo. Vocês sabem que uma cesta atrás da linha agora vale três pontos, enquanto os arremessos de curto alcance marcam apenas dois. Bem, vamos manter essa regra em vigor; mas valendo quatro e três para os brancos! Ou seja, se um jogador branco acerta um arremesso de três pontos, seu time recebe quatro pontos e, para as cestas de curta distância, ele recebe três pontos. Se isso não alcançar a nossa querida “equidade”, podemos sempre aumentar para cinco/quatro para os brancos, enquanto mantemos a pontuação de três/dois para os negros. Se você acha que isso não é justo, não entendeu: é equitativo.

Uma terceira mudança de regra possível: se um jogador branco atingir o aro, ele ganha dois pontos; se ele conseguir acertar a tabela, um ponto. Atletas negros não ganharão nada por erros como esse.

E um arremesso que nem toca no aro e nem na tabela? Meio ponto para brancos! O que poderia ser mais justo do que isso? Certamente, o departamento de admissões de Universidades saudaria essa pequena modificação da regra.

Mas ainda há mais coisas que podemos fazer. Os acampamentos de basquete de verão para negros deveriam ser proibidos e subsídios dados aos brancos que comparecessem em seu lugar. Deixe que os negros tenham aulas de natação; pois a disparidade na piscina é ainda mais terrível do que na quadra de basquete.

Já passou da hora de esse esporte acordar; precisa de uma boa dose de equidade. É insuficiente que os jogadores ajoelhem-se, usem uniformes especiais para promover a justiça social e que os estádios apoiem ​​ostensivamente o movimento Black Lives Matter. Para que os objetivos de “diversidade e inclusão” sejam alcançados, as modestas propostas aqui sugeridas devem ser implementadas imediatamente.

As peneiras de basquete, seja na NBA, na faculdade, no ensino médio ou no ensino médio, têm um “impacto díspar”. Se as pontuações em provas, exames para policiais e bombeiros, audições para músicos e várias outras avaliações podem ser descartadas como racistas ou sexistas, uma vez que têm um “impacto díspar”, bem, então, por bem ou por mal, isso também pode ser aplicado a avaliações de times de basquete.

 

(Observação: este artigo é satírico e foi escrito com o objetivo de destacar o absurdo das tentativas de controlar a composição racial entre associações voluntárias.)

Artigo original aqui