Máscara COVID: a psicologia da submissão?

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Usar ‘a máscara’ é para aqueles que sofrem de sentimentos de medo e/ou culpa. Pense nisso.

Pode-se rejeitar tal noção “Não, não, só estou preocupado em não ser multado, é por isso que a uso”. Ou “Eu não quero correr nenhum risco, as autoridades de saúde não nos diriam para usar máscaras, a menos que houvesse algum benefício de proteção.”

Essas respostas são válidas? Ambas são baseadas principalmente no medo. Medo do que uma autoridade poderia fazer se alguém desobedecesse às regras e medo da doença caso alguém não seguisse as instruções das autoridades.

Mas quem são “as autoridades?” E suas demandas são apoiadas por evidências empíricas de que o uso de uma máscara é uma defesa comprovada contra a infecção por Covid? Nosso usuário da máscara fará essas perguntas? E se não, por que não?

“Bem, eu me pergunto o que significa tudo isso – mas não parece haver muito sentido em questionar isso, não é?”

Certo, na verdade, esta é uma admissão de preguiça intelectual associada a uma obediência flagrante aos comandos “da autoridade”. Este é o estado de espírito de quem não deseja pensar por si mesmo.

Permitir-se ser conduzido porque não quer questionar o comando é uma doença psicológica que confere uma carta branca para a disseminação desenfreada do autoritarismo fascista.

Eu me pergunto como a mesma pessoa reagiria se fosse instruída a rastejar até as lojas de joelhos, porque “a autoridade” disse que esses patógenos em particular só são encontrados na altura da cabeça?

Vamos voltar alguns passos e imaginar, por um momento, que essa pessoa apenas desconfie dos motivos da “autoridade” o suficiente para verificar os dados médicos em busca de evidências de que a máscara realmente funcione.

Vamos ver qual é a reação ao descobrir que não há evidência que confirme que a proteção à saúde foi alcançada – e isso inclui a vacina – mas que há evidências de riscos à saúde associados ao uso extensivo de máscara.

O que nosso companheiro faz então?

“Sim, eu vi isso, mas todo mundo está usando – e, bem, não quero incomodar os outros ao não usá-la…”

Portanto, agora devemos adicionar “deferência a outros humanos agrupados” à lista crescente de razões para não assumir o controle do próprio destino, mas, em vez disso, abaixar a cabeça e acompanhar a multidão.

Ser conduzido e não saber para onde está sendo conduzido, mas “confiando” que de alguma forma vai ficar tudo bem. Melhor não balançar o barco. Todo mundo está usando máscara, por que ser “diferente”?

Por que não ser diferente?

“Não quero chamar atenção para mim, sabe, e é ser responsável usar a máscara, para mostrar que você não gostaria de infectar mais ninguém.”

Sim, as contradições implícitas nesta falsa lógica são flagrantes. Você sabe que as máscaras não funcionam; podem deixá-lo doente; custam dinheiro; devem ser trocadas com frequência; lavadas, secas, desinfetadas – e assim por diante – mas mesmo assim você sente que deve usar uma – porque “essa é a única coisa responsável a fazer” e todo mundo está fazendo isso…

É este o ato final para um número significativo de espécies cognitivas supostamente sencientes conhecidas como homo sapiens?

Não sei sobre você, mas sinto um aperto no estômago ao ver tantos outros humanos se comportando como ovelhas.

Gosto de ver o rosto humano. Nem todos são bonitos, mas cada um é diferente e expressa personalidade. Então, o que sentir diante de bandos de ladrões de banco marchando nas ruas com mais da metade de seus rostos cobertos?

Eu olho em seus olhos, porque essa é a única parte animada que fica visível. O que eu vejo nesses olhos? Predominantemente vejo medo e submissão.

Talvez eu esteja errado. Talvez seja culpa, talvez vergonha. Talvez em alguns casos, um certo tipo de prazer doentio – como acontece com alguns jovens “Por que eu uso? É legal, algo diferente, você pode usar algumas máscaras de design descolado – bastante distintas. Sim, bacana.”

Você acredita que funciona?

“Claro, funciona se você sentir que funciona; um tipo de proteção contra os outros, não é …”

Claro que é, jovem narcisista. Proteção contra outras – claro – pessoas doentes em todos os lugares, você tem que se proteger; sobrevivência do mais apto – não vamos correr riscos.

Mas, principalmente, vejo medo e culpa nos olhos de homens e mulheres de máscara. Eu vejo um covarde, olhando para o mundo e tentando parecer e ser ‘normal’. Essa palavra infame ‘normal’. Sim, o ‘Novo Normal’ anunciado por Klaus Schwab do Fórum Econômico Mundial. Mein Herr ‘Great Reset’, pseudo-visionário totalitário de um pesadelo fascista.

Ele deve estar satisfeito, tantas pessoas se comportando “corretamente”, adaptando-se para se encaixar em seu Novo Normal. Ciborgues silenciosos, perdidos e ansiosos, mas ainda conseguindo manter a aparência de ‘normalidade’.

Tão determinado a não pensar, a não se destacar da multidão. Bucha de canhão para a Cidade Inteligente com Carbono Zero, New Deal Verde, campos de prisioneiros da Nova Ordem Mundial de amanhã.

Um futuro especialmente construído para os mortos-vivos, mentes perdidas por falta de uso, conectadas a um computador de última geração para que o ato de pensar possa ser feito por eles pelo programador mestre.

Uma raça subumana entregue às máquinas que fez para aliviá-la da necessidade de pensar. É esse o futuro que vejo nos olhos introvertidos do masoquista que usa a máscara? As pessoas inconscientemente querem sofrer? É um resquício da doutrina cristã de que se deve sofrer expiação pela crucificação de Jesus Cristo?

Seja qual for a causa, é para aqueles que humildemente se desviaram de trilhar o caminho da vida para entrar na esteira de um culto de escravos ciborgues.

Em meio aos embustes mais virulentos e sombrios perpetrados sobre a humanidade, há apenas uma alternativa que trará de volta a luz: ter a coragem de rejeitar totalmente este estado de obediência irracional – que colocou uma grande parte da humanidade em um estado abjeto sem precedentes de pobreza espiritual.

Encontrar um resquício de “fogo interno” para queimar os corpúsculos mortos da conformidade auto-afligida – essa é a chamada. Corajosamente rejeitar “a grande mentira” que está se proliferando por todos os cantos do mundo.

Salve-se. Tire a máscararetorne à humanidade – e permaneça firme pela verdade, minha boa gente do Planeta Terra!

 

Artigo original aqui.