Mostrar respeito?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Uma maneira ainda melhor do que ordenar que você faça algo é fazer você se sentir mal por não fazer algo. Então não é necessário ordenar que você faça isso.

Os comunistas se destacam nisso. Eles consideram um crime moral afirmar sua individualidade. Eles envergonham você por não estar – como diz o ditado atual – junto com todos nisso.

São eles que decidem o que é “isso”.

Seu dever é obedecer ao que eles dizem. Não porque seja a lei – mas porque se você não o fizer, você é uma pessoa má.

Isso pode ser visto em quase todos os lugares. Medidas não apenas para “usar máscara”, mas para “mostrar respeito” e que “você se importa”. A implicação óbvia é que se você não usar o Santo Pano, então você não se importa – e não está sendo respeitoso.

O que é, obviamente, verdade – e deve ser proclamado em voz alta.

Por que alguém deveria se importar com o que outra pessoa acredita se o que a pessoa acredita é absurdo? Em outras palavras, uma pessoa pode ter a obrigação de respeitar o direito da outra pessoa de fazer suas coisas como quiser, na medida em que não impõe suas crenças absurdas aos outros.

Michael Jackson não foi barrado das lojas; não disseram que não poderia entrar a menos que tirasse sua “máscara”. A maioria dos empregadores não demite um trabalhador competente simplesmente porque ele lava as mãos uma dúzia de vezes por dia.

As peculiaridades das pessoas não deveriam ser acionáveis ​​em um país livre.

Faça como quiser  . . . contanto que você me deixe em paz.

Michael Jackson era menos anormal do que muitas das pessoas que vemos por aí hoje, pois ele não gritou com as pessoas que não estavam usando uma “máscara” ou que chegaram a menos de um metro e oitenta de sua presença. Mesmo ele entendeu que a aberração não impõe obrigações ao não aberrante.

Claro, Michael Jackson não era comunista.

Os defensores de “máscara” são exatamente isso, mesmo que muitos daqueles que usam a “máscara” não entendam isso. Eles são Idiotas Úteis dos Últimos Dias – o termo usado por Lenin para descrever pessoas enganadas a acreditar em algo a fim de levá-los a fazer algo.

Lenin fez com que as pessoas acreditassem em “terra e paz” – os primeiros slogans de um movimento político determinado a tomar todas as terras e não dar paz a ninguém. Os Idiotas Úteis caíram nessa. Lenin – talvez o político prático mais brilhante de todos os tempos – diria qualquer coisa às pessoas para fazê-las acreditar.

Para fazê-los obedecer.

E então, era tarde demais para contestar.

Os Idiotas Úteis de Hoje acreditam que usar um pedaço de gaze ou algo ainda mais poroso – como uma bandana – pode protegê-los contra partículas virais tão pequenas que quase não são coisas físicas. É preciso ser um idiota para acreditar em tal coisa. Mas há muitos que acreditam que estão fazendo a coisa certa, mesmo que não esteja fazendo nada – a não ser servir como o símbolo de sua Idiotice Útil.

O perigo é que eles foram programados para considerar a descrença como uma espécie de afronta moral; que aqueles que não são Idiotas Úteis não “se importam” e não têm “respeito” pela “comunidade”. Exatamente – quase literalmente – a maneira como os comunistas (e são especificamente os comunistas) usam a linguagem para inverter a moralidade, perverter a inclinação natural de fazer a coisa certa que a maioria dos humanos tem e lançar as bases para a supressão brutal de qualquer um que se oponha ao seu governo caracterizando-os como. . . pessoas más.

O dissidente e escritor soviético Alexandr Solzhenitsyn explicou isso em sua obra mais conhecida, O Arquipélago Gulag. Nele – entre muitas coisas – ele descreve como quase entrou para a NKVD, a polícia política da União Soviética:

“E só para não sair por aí ostentando com muito orgulho o manto branco dos justos, que todos se perguntem: ‘Se minha vida tivesse sido diferente, será que eu mesmo não teria me tornado um desses carrascos?’ pergunta se alguém responde honestamente.”

Como comissário do NKVD, Solzhenitsyn teria o poder de prender pessoas e enviá-las para a morte; para matá-los ele mesmo, se quisesse (o NKVD era dotado de poderes de execução sumária) e ele o teria feito não porque fosse uma pessoa má em sua própria mente, mas porque sua mente lhe dizia que ele estava fazendo a coisa certa.

Mas sua consciência disse que algo estava errado.

Sua decisão de fugir do uniforme de boné azul da NKVD foi “… não fundamentada em argumentos racionais. . . . Certamente não derivou das palestras sobre materialismo histórico que ouvimos: estava claro a partir delas que a luta contra o inimigo interno era uma frente de batalha crucial, e participar dela era uma tarefa honrosa. . . . Não foram nossas mentes que resistiram, mas algo dentro de nossos peitos. As pessoas podem gritar com você de todos os lados: “Você deve!” Mas dentro do seu peito há uma sensação de repulsa, repúdio. Eu não quero. Isso me faz sentir mal. Faça o que quiser comigo. Eu não quero parte disso.”

Itálico no original.

Algo muito doente está acontecendo e – como na Rússia Soviética – sua etiologia provavelmente tem a ver com a mesma etiologia que levou ao sucesso da religião do Comunismo no que se tornou a Rússia Soviética a: Perda de fé, desespero e terror fomentado.

Salve-nos. Dê-nos um propósito. Algo para acreditar.

E malditos hereges, que são os culpados por nossa miséria.

Solzhenitsyn passou anos no Gulag, onde foi torturado por sua descrença. A União Soviética torturou um povo inteiro por 70 anos. O mundo agora está no fio da navalha de sucumbir ao mesmo destino, em prol de uma nova religião que pode destruir tudo em nome de fazer o bem.

A menos que um número suficiente de nós se importe o suficiente para colocar um fim nisso.

 

PS: Gostaria de desejar Boas Festas a todos. Itálico para enfatizar o ponto. Não deixe que esses chatos gaslightings lhe digam para se manter afastado da família e dos amigos, para evitá-los como doentes. São eles – os chatos – que estão doentes e é hora de parar de se importar com tudo o que eles dizem.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO