Não é preciso uma maioria para a liberdade prevalecer – apenas uma minoria armada com a verdade

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

O homem é livre, o que significa que ele pode escolher buscar o que é verdadeiro e alinhar sua vida com isso; ou pode resistir ao que é verdadeiro e lutar tolamente contra isso.

Visto que é verdade que o homem é livre, aqueles que lutam contra ele procuram exterminar a liberdade dos outros. Para quem escolhe este caminho, o objetivo final é sempre o mesmo: “governar o mundo”, “consertar o mundo”, “controlar o mundo”, “dominar o mundo”, etc., etc.

Em vez de se fixar na única coisa que realmente têm o poder de fazer: “governar” a si mesmos, “consertar” a si mesmos, “controlar-se”, eles fixam seu olhar para fora. É sempre “o mundo” que deve ser “refeito”.

Em um mundo de mais de 7 bilhões de indivíduos singulares e primorosamente únicos, o objetivo máximo que os “controladores” se esforçam para alcançar é “um governo mundial” para governar todos eles, como se fosse possível (ou mesmo desejável) para criar um conjunto de leis feitas pelo homem para cada pessoa no planeta.

Claro, obstáculos maiores e intransponíveis se interpõem no caminho. Indivíduos livres formam suas próprias comunidades, criam suas próprias tradições e costumes, adotam crenças compartilhadas, seguem suas próprias religiões e formam suas próprias instituições políticas.

Portanto, quando um grupo de pessoas se propõe a dominar outro grupo de pessoas, este último se defenderá e arriscará suas vidas ao fazê-lo. A guerra irrompe para lutar e repelir os agressores.

A raiz da guerra é sempre uma ideia falsa – o desejo de dominar os outros. O único verdadeiro poder que temos é dominar a nós mesmos, não aos outros.

E assim, ao longo da história, lemos sobre um império após o outro, (ou seja, um grupo de pessoas que estende seu domínio sobre vastas extensões de terra) apenas para acabar quebrado, falido, sobrecarregado, exausto e no caos tanto econômica quanto moralmente.

Aqueles que lutam por “um governo mundial” procuram eliminar as diferenças entre as pessoas. Eles querem abolir tradições, costumes e crenças compartilhadas. Eles querem abolir as religiões. Eles querem abolir as fronteiras nacionais e as instituições políticas. Eles querem abolir a lógica e o pensamento crítico; e desejam apenas reações emocionais controladas e obediência.

E onde tudo isso vai parar? No mesmo lugar que sempre acaba – falência, sofrimento em massa; acompanhados por decadência econômica e moral.

Com a Covid, tivemos um gostinho extremamente amargo do que acontece quando há uma narrativa que se espera que todo o planeta siga. Para começar, tudo o que se opõe a uma narrativa é suprimido e censurado.

Em seguida, quando as “soluções” prescritas são erradas, elas são erradas para todos!

As quarentenas e os lockdowns estavam errados … e todos afundaram com o navio (exceto os politicamente conectados, é claro).

Máscaras e distanciamento social? Errado! … todo mundo afunda.

É preciso a coragem e a firmeza de uma pequena minoria, que está armada com a verdade, para ir contra a tendência e quebrar a única narrativa em pedaços.

No caso da Covid, uma das maiores estrelas foi o governador da Flórida Ron DeSantis. Em um estado populacional denso, com muitos idosos, DeSantis optou pela liberdade e venceu!

Por quê? Porque a liberdade nunca vai decepcionar você. A verdade nunca falha. Se assim fosse, não seria verdade! A liberdade individual é a verdade.

Multidão na Flórida durante as festas de Springbreak em março 2021.

DeSantis foi seguido por outros, notavelmente o governador do Texas Greg Abbott. Depois que a Flórida e o Texas (apesar das implacáveis ​​previsões apocalípticas) optaram pela liberdade, tudo começou a mudar para melhor.

Apenas os teimosos autoritários continuam a resistir, provavelmente por despeito.

Onde estaríamos hoje sem a Flórida e o Texas provando que a única narrativa oficial e suas “soluções” estavam erradas? Estaríamos experimentando um nível ainda mais profundo e sombrio de sofrimento, com certeza.

As lições neste episódio de tomada de poder sem precedentes são as mesmas de sempre. Uma narrativa oficial e uma prescrição de políticas para todo o mundo é uma ideia ridícula e mortal. Por que todos devem seguir o caminho errado?

Com Covid, nós agora (depois que o estrago foi feito) vemos que a narrativa oficial e as prescrições estavam terrivelmente erradas.

“Um governo mundial” não é apenas impraticável, mas totalmente indesejável. Não deixa espaço para divergências, para discussão, para debate, para que as pessoas escolham seu próprio caminho.

É um pesadelo mundial!

A outra lição importante é que nunca é necessária uma maioria para prevalecer. O governador DeSantis não estava em maioria. A maioria seguia uns aos outros para o penhasco. DeSantis pisou fundo no freio e se recusou a pular com eles. Ele certamente tinha que saber que tomaria flechadas da maioria ao optar por seguir a verdade.

As f flechadas vieram de toda parte e se foram, e DeSantis e o estado da Flórida saíram vitoriosos.

Defender a liberdade, mesmo que seja feito por um único indivíduo, é tudo o que é necessário para virar a maré autoritária.

Que cada um de nós, em nossos pequenos círculos de influência, seja esse defensor.

 

Artigo original aqui