Não é só contra a Rússia que governos estão impondo sanções

1
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Os governos “sancionam” seus próprios cidadãos todos os dias. As sanções da Rússia são apenas uma evolução natural.

A invasão da Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin na última semana de fevereiro de 2022 foi o culminar de décadas de expansão estatal transnacional.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), que os administradores do império centrado em Washington do pós-guerra estabeleceram para combater o imperialismo comunista coordenado a partir de Moscou, tornou-se obsoleta quando a União Soviética entrou em colapso na época de Natal em 1991. Mas, em vez de se alegrar com a queda de um império adversário e recuar a aliança da OTAN, os estatistas transnacionais liderados por Washington a expandiram. Um por um, os países do Leste Europeu e do Báltico, muitos deles ex-membros do bloco do Pacto de Varsóvia, apoiado pelos soviéticos, juntaram-se às fileiras ocidentais.

Vladimir Putin deixou claro que não toleraria a adesão da Ucrânia ou da Geórgia à OTAN e até invadiu partes de ambos os países à medida que seu envolvimento com o Ocidente se aprofundava. Em fevereiro de 2022, a barragem finalmente se rompeu e Putin invadiu a Ucrânia no que parece ser uma tentativa de dominar todo o país, ou pelo menos o suficiente para fornecer uma zona tampão entre o campo da OTAN em constante expansão e a Federação Russa. O estatismo transnacional do Ocidente foi recebido com o estatismo nacional do leste.

Por sua vez, os Estados Unidos, como quase todos esperavam em tal eventualidade, atingiram a Rússia e muitos de seus líderes com sanções. Muitas empresas privadas – bancos, empresas de cartão de crédito e equipes esportivas, por exemplo – e organizações internacionais, como o Comitê Paralímpico Internacional, também anunciaram proibições gerais de fazer negócios com russos. Em questão de horas, as sanções começaram a incomodar. Houve corridas aos bancos russos, a taxa de câmbio do rublo russo despencou e os preços da energia em todo o mundo dispararam à medida que os futuros suprimentos de petróleo e gás russos se tornaram incertos.

Não é preciso dizer aos leitores deste instituto que essas sanções são imorais e injustas. Em primeiro lugar, é errado punir civis comuns, incluindo, é claro, crianças e deficientes, pelas ações de seu governo. Além disso, a aplicação de sanções é arbitrária e até caprichosa: o governo dos Estados Unidos invadiu as nações soberanas do Afeganistão e do Iraque há cerca de duas décadas, e antes disso vinha impondo sanções ao povo iraquiano à custa de grande perda de vidas inocentes, mas Washington não sofreu nenhuma punição por essas ações.

Além disso, nenhum governo deve ter controle sobre a atividade econômica entre cidadãos e empresas privadas. Para começar, sanções são uma arma que nenhum Estado deveria ter à sua disposição. Ver com que facilidade Washington alavancou o sistema financeiro mundial para travar uma guerra econômica contra um rival (que Washington, segundo muitos relatos, provocou desnecessária e unilateralmente) deveria fazer todos pararem para pensar. Isso é algo que Washington poderia fazer a qualquer um, a qualquer hora, por qualquer motivo ou mesmo por nenhum motivo.

Mas a escala das sanções que Washington impôs à Rússia (e aos russos) não deve nos distrair de um fato crucial. O que Washington está fazendo contra Moscou não é raro. É algo que acontece todos os dias. E é algo que acontece não apenas com países e pessoas a milhares de quilômetros da pátria americana, mas em todos os cantos habitados dos Estados Unidos. Washington não está apenas sancionando a Rússia. Washington está sancionando todos os americanos, o tempo todo.

Considere que quando um americano compra um galão de gasolina ou um maço de cigarros, Washington o pune por fazê-lo com a imposição de impostos especiais de consumo e outras restrições estatais ao comércio. Quando alguém ganha dinheiro em seu trabalho, Washington também faz parte disso. Não apenas Washington – estados e cidades também impõem sanções. Existem sanções por possuir propriedade, sanções por alugar propriedade (mesmo por uma noite – taxas de hotel), sanções por ganhar juros sobre capital, sanções por não ganhar juros sobre capital, sanções por empregar pessoas, sanções por repassar o que resta depois de tudo isso para seus herdeiros quando você morrer.

Não é apenas os EUA, é claro. Eu moro no Japão, um país muito agradável que também toma meu dinheiro como bem entende. Todos os governos fazem isso. Todos os governos se beneficiam, em graus variados, da propriedade privada. Dentro de apenas alguns instantes, estarei caminhando até a loja da esquina para comprar meu almoço. Vai me custar 10% logo de cara sair com um sanduíche e uma bebida – pelo privilégio, suponho, de andar na calçada do governo e respirar seu ar.

Dizem-nos que os governos nos sancionam para nosso próprio bem, que recebemos calçadas, e também estradas, escolas e hospitais, em troca do dinheiro que nos é tirado. A qualidade dos bens e serviços fornecidos é altamente discutível, mas para fins de argumentação, vamos supor que os impostos resultam em amenidades de alta qualidade. Isso ainda nos deixa com o problema do inchaço e fraude do governo, uma sobretaxa sobre uma sobretaxa e uma réplica a qualquer um que argumente que sancionar os cidadãos é a maneira mais eficiente de alcançar objetivos comuns. A loja da esquina onde vou comprar meu almoço não tem lobistas e funcionários nos fundos do estabelecimento tentando fazer com que o dono aumente os preços dos sorvetes e das garrafas de saquê para que os lobistas e funcionários possam ficar com uma parte. O homem que administra a loja precisa oferecer preços baixos e alta qualidade ou ficará fora do negócio — exatamente o oposto do modo como o governo opera.

Depois, há o próprio dinheiro, o meio da sanção. O governo japonês define os orçamentos com um mínimo de atenção à realidade, mas isso não impediu os políticos de acumular dívidas mais de duas vezes e meia maiores do que o que a nação inteira produz em um ano. O banco central de Tóquio cria dinheiro ex nihilo conforme desejar, com o efeito de que todos são sancionados duas vezes – uma quando sua atividade econômica é tributada e outra quando a inflação que o governo causa diminui o valor do dinheiro que sobra após a primeira rodada de sanções. Nenhum negócio funciona dessa maneira. Nenhuma gangue opera dessa maneira, aliás. Somente os governos podem cometer assaltos à mão armada com tanta impunidade (a prisão é a recompensa por resistir ao fisco) e depois dar meia-volta e cometer furtos contínuos via inflação após o assalto à mão armada ter sido realizado.

Considere Washington agora. Washington, ao contrário de Tóquio, tem a vantagem de ter o privilégio de imprimir moeda fiduciária estendido para cobrir praticamente todo o mundo. A moeda de reserva preferida do planeta é o dólar americano. O sistema de Bretton Woods do pós-guerra, que tornou a OTAN fiscalmente viável em primeiro lugar, é o segredo da onipotência econômica de Washington. Washington pode sancionar praticamente qualquer pessoa, em qualquer lugar, a qualquer hora. Pode pressionar o grupo SWIFT nominalmente privado a cortar transações financeiras, e pode fazer isso porque Washington controla não apenas a mesa SWIFT, mas todo o cassino, todos os cassinos, na verdade. Esta é uma grave caricatura moral. Isso é uma pilhagem em uma escala inédita antes da era moderna. E continua sem que a maioria de nós perceba.

Vladimir Putin está bombardeando centros civis e usinas nucleares na Europa Oriental. Este é um grande crime, mas ainda é um crime localizado. Washington está estrangulando toda a economia russa e, por extensão, as economias de todos os outros países do mundo. Mas está fazendo mais do que isso. Não nos deixemos distrair pelos acontecimentos atuais, por mais terríveis que sejam. A expansão da OTAN é certamente a causa próxima da atual guerra e das sanções de retaliação, mas sob a rodada de notícias diárias há um desafio estrutural muito mais pernicioso à liberdade em todos os lugares. Washington e todos os governos estão sancionando a todos nós, o tempo todo. Não é apenas que o dinheiro dos russos não esteja seguro – é que a propriedade privada de todos, incluindo o dinheiro, está à mercê do Estado. Em outras palavras, se Washington não estivesse sancionando Moscou agora, Moscou estaria sancionando russos comuns. É um perde-perde para todos, exceto para o estado.

Não há problema em apoiar o povo da Ucrânia e pedir que a Rússia não se meta na vida desse país. É ainda melhor estar ao lado do povo de todos os países ao insistir que todos os governos fiquem de fora das cadernetas bancárias dos cidadãos. Se é moralmente errado sancionar os russos, então é pelo menos tão errado sancionar o resto de nós.

 

 

Artigo original aqui