Não seja um político. Foque no processo, não nos objetivos

0
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Eu li e ouvi: frases que começam com “É inacreditável que” É inacreditável que as companhias aéreas possam maltratar os passageiros, que os supermercados/postos de gasolina possam aumentar tanto os preços, que os sem máscara/não vacinados possam ameaçar aqueles que fizeram tudo certo, que a China esteja nos enganando, que não são tomadas medidas mais rigorosas contra os combustíveis fósseis. E assim por diante, as pessoas se enfurecem.

Motivada por reações emocionais, a incrédula multidão quer soluções imediatas; e para cada problema que eles percebem, há sempre um político pronto para resolve-los para eles. Toda vez que dizemos que eles deveriam fazer algo, um político ganha outro voto.

Quando sua preferência temporal é alta, você não valoriza estudar as nuances de um problema. Você não respeita um processo de mercado que leva tempo para descobrir soluções. Você quer “consumir” um remédio imediato. Os políticos prosperam quando nossa preferência temporal é alta. Sem a mentalidade de incredulidade de explorar, a maioria dos políticos, prometendo soluções ridículas e destrutivas, nunca seriam eleitos.

Em Ação Humana, Ludwig von Mises deixa claro: “não há um homem sequer que não leve em consideração a diferença entre ‘mais cedo’ e ‘mais tarde’.”. Mises escreve, “a preferência temporal ou o maior valor atribuído à satisfação de uma necessidade num futuro mais próximo
do que num mais distante, é um elemento essencial da ação humana. É um elemento determinante em toda escolha e em toda ação.”

Nossa preferência temporal pode mudar. À medida que abandonamos nossa preferência temporal, podemos parar de emocionalmente exigir gratificação imediata. O economista Saifedean Ammous explica a importância de diminuir nossa preferência temporal: “A redução da preferência temporal é o que inicia o processo de civilização humana e permite que os humanos cooperem, prosperem e vivam em paz”. Uma preferência temporal decrescente nos permite dar maior importância aos resultados futuros:

     À medida que os humanos reduzem sua preferência temporal, eles desenvolvem a capacidade de realizar tarefas em horizontes de tempo mais longos, para satisfação de necessidades cada vez mais remotas, e desenvolvem a capacidade mental de criar bens não para consumo imediato, mas para a produção de bens futuros, em outras palavras, para criar bens de capital.

Em suma, Ammous escreve: “A menor preferência temporal dos seres humanos nos permite conter nossos impulsos instintivos e animalescos, pensar no que é melhor para o nosso futuro e agir racionalmente em vez de impulsivamente”.

Mas e se as ações do governo funcionarem perversamente para aumentar nossa preferência temporal? E mais importante, e se muitos de nós, por meio de nossa mentalidade, estiverem torcendo pelo governo?

Uma das coisas mais destrutivas que os governos podem fazer é manipular a preferência temporal.

Políticas monetárias e fiscais imprudentes que resultam em inflação são a maneira mais óbvia pela qual o governo manipula nossa preferência temporal. Quanto mais experimentamos a inflação, mais o consumo presente parece melhor do que poupar para o futuro.

O governo subsidia o consumo de alimentos processados. No processo, os subsídios do governo promovem a obesidade e doenças crônicas como diabetes. Cada vez que nos valemos desse subsídio e consumimos calorias carregadas de farinha branca, xarope de milho e óleos de soja e canola altamente processados, escolhemos a agradável sensação dos alimentos reconfortantes sobre nossa saúde a longo prazo. Você pode optar por renunciar ao subsídio e comer alimentos integrais não processados, mas isso requer esforço. É uma escolha diminuir sua preferência temporal e investir na saúde de sua família, trocando calorias vazias por alimentos ricos em nutrientes. Em um mundo de fast food de alta preferência temporal, reservar um tempo para cozinhar alimentos integrais faz mais do que nutrir o corpo; dissocia você da manipulação destrutiva do governo.

As escolas estão cada vez mais dedicadas à doutrinação sobre raça e gênero. No processo, os alicerces da liberdade – liberdade de expressão e direitos individuais – são suprimidos. Os pais podem renunciar à educação do governo e recorrer ao homeschooling, o que pode exigir o sacrifício da renda atual. Os políticos estão contando que a maioria dos pais não sacrificará o consumo atual em troca de um futuro melhor para seus filhos.

Apesar dos incentivos governamentais para aumentar sua preferência temporal, você mantém sua capacidade de optar por diminuir sua preferência temporal. Quero apontar ao leitor algumas coisas fáceis de se fazer: escolhas que você pode fazer hoje para diminuir sua preferência temporal.

Foque no processo, não nos objetivos

Ouça qualquer político e seu foco nos objetivos. Quem não é a favor de uma educação excelente, um ambiente limpo e assim por diante? Quase nenhuma atenção é dada ao processo de atingir a meta. Os políticos nos dizem que estão construindo pontes para o futuro e afirmam que devemos aprovar a lei antes que possamos saber o que está na lei. As táticas que os políticos empregam quase sempre suprimem a descoberta de soluções por meio de um processo de mercado.

Com foco no indivíduo, James Clear nos encoraja a pensar em processos e não em metas: “As metas são sobre os resultados que você deseja alcançar. Os sistemas são sobre os processos que levam a esses resultados.”

Ele adverte: “Você não se eleva ao nível de seus objetivos. Você cai ao nível de seus sistemas.”

Clear explica: “O verdadeiro pensamento de longo prazo é o pensamento sem objetivos. Não se trata de uma única realização. É sobre o ciclo de refinamento sem fim e melhoria contínua. Em última análise, é o seu compromisso com o processo que determinará o seu progresso.”

Uma mentalidade de alta preferência temporal leva a um foco excessivo nos objetivos, muitas vezes levando a ações convenientes, mas destrutivas. Precisamos de metas para definir nossa direção, mas precisamos da disciplina diária de um processo que funcione para realmente mudar nosso futuro.

Você está frustrado com a lentidão do seu progresso? Talvez seu processo precise mudar. Clear observa,

    Seus resultados são uma medida atrasada de seus hábitos. Seu patrimônio líquido é uma medida atrasada de seus hábitos financeiros. Seu peso é uma medida atrasada de seus hábitos alimentares. Seu conhecimento é uma medida atrasada de seus hábitos de aprendizagem. Sua bagunça é uma medida atrasada de seus hábitos de arrumação. Você obtém o que você repete.

Em meu ensaio, “Effort Matters”, explorei o trabalho de Anders Ericsson, cuja pesquisa nos aponta a considerar a importância do processo. “Desejo sincero e trabalho duro por si só levarão a um melhor desempenho”, é uma crença falsa. Ericsson escreve: “Esta é uma verdade fundamental sobre qualquer tipo de prática: se você nunca se esforçar além de sua zona de conforto, nunca melhorará”. Se você quer melhorar, sinta-se confortável com o desconforto.

Sinta-se confortável com o desconforto

O matemático e filósofo francês do século XVII Blaise Pascal, escreveu: “Todos os problemas da humanidade derivam da incapacidade do homem de se sentar quieto em uma sala sozinho”.

Se você duvida de Pascal, tente este experimento: sente-se sozinho em uma sala por 15 minutos sem gadgets, livros ou papéis. Eu sei por relatos de centenas de meus alunos de liderança que o exercício é surpreendentemente difícil. Sem distrações, seu nível de desconforto sobe para o alerta vermelho muito rapidamente.

Por quê? Sem distrações, nosso diálogo interno geralmente corre solto. Queremos escapar do ruído interno pelo nosso mecanismo de enfrentamento favorito: verificar nosso telefone para obter a atualização mais recente, comer alguma coisa etc.

Sua tagarelice interna muitas vezes o incomoda com pensamentos de que você não está progredindo rápido o suficiente. Thomas Sterner usa essa metáfora para nos ajudar a refletir:

     Você acha que uma semente de flor enterrada no chão diz: “Isso vai levar uma eternidade. Eu tenho que tirar toda essa terra fora do meu caminho só para chegar à superfície e ver o sol. Toda vez que chove ou alguém me rega, estou encharcada e cercada de lama. Quando eu começo a florescer? É quando serei feliz; é quando todos ficarão impressionados comigo. Espero ser uma orquídea e não uma flor silvestre que ninguém nota. As orquídeas têm tudo… não, espere; eu quero ser um carvalho. Eles são maiores do que qualquer um na floresta e vivem mais também”? Por mais bobo que possa parecer o monólogo da flor, é exatamente o que fazemos, e fazemos, como dizem, todos os dias e de todas as maneiras.

O ponto de Sterner é a frequência com que adotamos o pensamento de metas: “Consciente ou inconscientemente, escolhemos um ponto de referência em tudo o que fazemos e decidimos que nada estará certo até chegarmos a esse ponto”.

O conselho de Sterner é “recuar e observar seu diálogo interno de tempos em tempos durante o dia. Ele prevê: “você ficará surpreso com o quão duro você age contra si mesmo com esse tipo de pensamento”.

Podemos desenvolver paciência para manter nosso processo. Sterner escreve,

     O primeiro passo para a paciência é ter consciência de quando seu diálogo interno está correndo solto e arrastando você com ele. Se você não está ciente disso quando está acontecendo, o que provavelmente acontece na maioria das vezes, você não está no controle. Sua imaginação o leva de uma circunstância para outra, e suas diferentes emoções simplesmente disparam dentro de você à medida que você reage a cada problema que sua mente visita.

Os políticos contam com o público tendo a absurda mentalidade de “semente de flor” que Sterner descreve. Quando um problema percebido não é resolvido imediatamente – eles renunciam à descoberta no processo de mercado e se voltam para soluções contraproducentes. Os políticos são tão hábeis em seus truques que a maioria das pessoas não percebe que as soluções reais não são descobertas quando o processo de mercado é abandonado.

A alegria de perder a chance

Nos mercados financeiros, comprar na alta e vender na baixa é muitas vezes a experiência daqueles tomados pelas poderosas emoções do rebanho. Quando o preço do Bitcoin subiu para seu recorde histórico de US$69 mil em 2021, o medo de perder a chance de obter riquezas prometidas atraiu alguns para o mercado. À medida que o preço atual do Bitcoin gira em torno de US$20 mil, o interesse diminuiu; o medo da queda dos preços domina o rebanho. Em contraste, se o preço de um bem econômico cair, como um iPad caindo de US$690 para US$200, as pessoas fariam fila para comprar.

O medo de perder a chance pode desencadear emoções poderosas que colorem nossa tomada de decisão diária. Podemos perceber um mundo de experiências e estilos de vida ilimitados, atraindo nossos desejos. Oliver Burkeman observa que “em vez de enfrentar nossas limitações, nos engajamos em estratégias de evitação, em um esforço para continuar nos sentindo sem limites”. Ele prossegue,

    Nós nos esforçamos mais, perseguindo fantasias de equilíbrio perfeito entre vida profissional e pessoal; ou implementamos sistemas de gerenciamento de tempo que prometem dar tempo para tudo, de modo que não sejam necessárias escolhas difíceis. Ou procrastinamos, que é outro meio de manter a sensação de controle onipotente sobre a vida – porque, obviamente, você não precisa arriscar passar pela experiência perturbadora de fracassar em um projeto intimidador se nem mesmo o começar.

Pular de uma distração para outra é uma ótima garantia de que não faremos nada. Todas as decisões têm um custo de oportunidade e, à medida que nossa preferência temporal cai, nos tornamos mais conscientes de como usamos o tempo. Burkeman escreve: “Cada decisão de usar uma parte do tempo em qualquer coisa representa o sacrifício de todas as outras maneiras pelas quais você poderia ter gasto isso, mas não o fez – e fazer esse sacrifício voluntariamente é tomar uma posição, sem reservas, no que mais importa para você.”

Burkeman fornece o antídoto para o medo da mentalidade de perder a chance:

    Uma vez que você realmente entende que é garantido que perderá quase todas as experiências que o mundo tem a oferecer, o fato de que existem tantas que você ainda não experimentou deixa de parecer um problema. Em vez disso, você se concentra em aproveitar totalmente a pequena fatia de experiências para as quais realmente tem tempo – e mais livre você fica para escolher, a cada momento, o que mais importa.

Perceber a finitude do tempo, escreve Burkeman, leva à “alegria de perder a chance” em contraste com o medo de perder a chance. Burkeman explica: “É o emocionante reconhecimento de que você nem gostaria de poder fazer tudo, já que se você não tivesse que decidir o que perder, suas escolhas não poderiam realmente significar nada”.

Assim como existe um processo de mercado descobrindo soluções para problemas em nível social, existe um processo emergente que resolve problemas em sua vida. Você não colherá os benefícios desse processo de descoberta pessoal se, como um político, procurar uma solução rápida que provavelmente piorará seus problemas.

Apesar dos incentivos que o governo oferece, opte por diminuir sua preferência temporal. Lembre-se, os políticos prosperam quando os eleitores com preferência temporal, fixados em problemas, estão impacientes e prontos para apoiar soluções políticas. Quanto maior nossa preferência temporal, maior a probabilidade de acreditarmos nas falsas promessas de um político. Quanto mais acreditamos em suas mentiras orientadas a objetivos e deixamos de questionar seus processos, mais liberdade e prosperidade perdemos.

 

 

Artigo original aqui