O dólar americano enfraquecerá em relação a outras moedas?

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

No artigo de 26 de julho do Financial Times intitulado “O dólar está prestes a dar uma guinada?”, Barry Eichengreen escreve que o dólar americano teve um desempenho espetacular, tendo subido mais de 10% em relação a outras moedas importantes desde o início do ano. De acordo com Eichengreen, a principal razão por trás do espetacular fortalecimento do dólar americano é que o Federal Reserve vem aumentando as taxas de juros mais rapidamente do que outros grandes bancos centrais, atraindo fluxos de capital para os EUA.

No entanto, dada a probabilidade de recessão e queda da inflação, Eichengreen acredita que o Fed pode começar a suavizar sua postura, enfraquecendo o dólar nos próximos meses. Observe que Eichengreen, ao tentar explicar a determinação da taxa de câmbio, não faz distinção entre fatores fundamentais e fatores não fundamentais que impulsionam a taxa de câmbio da moeda.

Causas Fundamentais versus Causas Não Fundamentais

Vários fatores são percebidos como cruciais na determinação de uma taxa de câmbio. Por exemplo, um aumento na dívida externa do governo é considerado um sinal de uma provável deterioração nos fundamentos econômicos à frente, fornecendo a justificativa para a venda da moeda em questão.

A maioria dos comentaristas econômicos acredita que a balança comercial é outro fator-crucial nas taxas de câmbio. Tudo o mais constante, um aumento nas importações, que leva a um déficit comercial, dá origem a um aumento na demanda por moeda estrangeira. Para obter moeda estrangeira, os importadores a compram com moeda nacional. Como resultado, isso causa um fortalecimento na taxa de câmbio da moeda estrangeira em relação à moeda doméstica – ou seja, mais moeda doméstica por unidade de moeda estrangeira.

Por outro lado, tudo o mais constante, um aumento nas exportações leva a um superávit comercial. Uma vez que os exportadores trocam seus ganhos em moeda estrangeira por moeda doméstica, isso desencadeia um fortalecimento na taxa de câmbio da moeda doméstica em relação à moeda estrangeira. (Menos moeda nacional por unidade de moeda estrangeira).

Alternativamente, considere o caso em que o banco central restringe sua postura de taxa de juros. O aumento da taxa de juros doméstica, tudo o mais constante, atrai a demanda estrangeira por moeda doméstica. Consequentemente, isso eleva o preço da moeda local em termos de moeda estrangeira.

Esses fatores, incluindo a dívida do governo, o diferencial das taxas de juros, o estado da economia e a balança comercial são fatores importantes na determinação da taxa de câmbio. Podemos também acrescentar a esses vários fatores psicológicos que parecem ser importantes na determinação da taxa de câmbio. Assim, é provável que uma mudança nas percepções dos indivíduos sobre o estado da economia influencie as taxas de câmbio.

Em vez de se concentrar em vários fatores, faria mais sentido identificar o fator crucial ou essencial que determina a taxa de câmbio da moeda. Por exemplo, a essência das ações dos indivíduos é a conduta consciente e intencional, e o dinheiro é um meio de troca. Os indivíduos trocam bens e serviços por dinheiro.

O poder relativo de compra da moeda – a essência da taxa de câmbio

As taxas de câmbio são determinadas pelas mudanças relativas no poder de compra de várias moedas. Um preço de uma cesta de mercadorias é a quantidade de dinheiro paga por essa cesta. Também podemos dizer que a quantidade de dinheiro paga por uma cesta de bens é o poder de compra da moeda em relação à cesta. Se nos EUA o preço de uma cesta é de um dólar e, na zona do euro, uma cesta idêntica de mercadorias é vendida por dois euros, então a taxa de câmbio entre o dólar americano e o euro provavelmente será de dois euros por dólar.

Um fator importante na definição do poder de compra da moeda é a oferta de moeda. Se ao longo do tempo a taxa de crescimento da oferta monetária dos EUA exceder a taxa de crescimento da oferta monetária europeia, tudo o mais constante, isso pressionará o dólar americano.

Como o preço de um bem é a quantidade de dinheiro por bem, isso significa que os preços dos bens em dólares aumentarão mais rapidamente do que os preços em euros, tudo o mais constante. Como resultado, uma cesta idêntica de mercadorias agora custa, digamos, dois dólares contra um dólar anteriormente, enquanto na zona do euro agora custa 2,5 euros contra 2 euros anteriormente.

Isso implicaria que a taxa de câmbio entre o dólar americano e o euro deveria agora ser de 1,25 euros por dólar. Como as mudanças na oferta monetária doméstica afetam seu poder de compra geral com um intervalo de tempo, isso significa que as mudanças na oferta de moeda relativa afetam as taxas de câmbio também com um intervalo de tempo.

Desvio da taxa de câmbio do poder de compra relativo aciona a arbitragem de movimento

Qualquer desvio da taxa de câmbio em relação ao poder de compra relativo da moeda provavelmente criará oportunidades de lucro, que com o tempo desfarão esse desvio. Por exemplo, o desvio pode surgir por causa da resposta do mercado aos dados da conta comercial ou por causa de uma mudança no diferencial da taxa de juros na economia doméstica versus outras economias. Esses desvios colocarão em movimento as oportunidades de lucro em movimento, o que acabará por desfazer essas diferenças.

Suponha que o Fed aumente sua taxa básica de juros enquanto o Banco Central Europeu (BCE) mantém sua taxa básica inalterada. Isso aumenta a demanda por dólares dos detentores de euros. Consequentemente, os detentores de euros estão agora trocando mais deles por dólares, e esses dólares, por sua vez, são colocados nos depósitos em dólares para ganhar taxas de juros mais altas.

Se o preço de uma cesta de bens nos EUA for um dólar e na zona do euro o preço de uma cesta idêntica for dois euros, então, de acordo com a estrutura do poder de compra, a taxa de câmbio da moeda deve ser de um dólar por dois euros. Por causa de um aumento no diferencial das taxas de juros entre os EUA e a zona do euro, um aumento na demanda por dólares empurra a taxa de câmbio no mercado para um dólar por três euros.

Como resultado, o dólar agora está supervalorizado em relação à taxa de câmbio, conforme ditado pelo poder de compra relativo do dólar em relação ao euro (deveria ser de dois euros para um dólar e não de três euros para um dólar). Nessa situação, vale a pena vender a cesta de mercadorias por dólares, trocar dólares por euros e depois comprar a cesta de mercadorias por euros – obtendo assim um claro ganho de arbitragem.

Por exemplo, os indivíduos podem vender uma cesta de mercadorias por um dólar, trocar um dólar por três euros e depois trocar três euros por 1,5 cesta, ganhando 0,5 extra de uma cesta de mercadorias. (Observe que o preço da cesta de mercadorias na zona do euro é de dois euros.)

O fato de os detentores de dólares aumentarem sua demanda por euros para lucrar com a arbitragem tornará os euros mais caros em termos de dólares – empurrando a taxa de câmbio na direção de um dólar por dois euros. A arbitragem é sempre acionada quando a taxa de câmbio se desvia, por qualquer motivo, da taxa de câmbio ditada pelo poder de compra relativo da moeda.

Com base no diferencial desfasado do crescimento monetário, é provável que o crescimento anual do preço do euro em termos de dólares dos EUA se fortaleça mais à frente. A taxa de crescimento anual do preço do dólar em termos de ienes provavelmente enfraquecerá visivelmente (veja o gráfico).


O fator determinante por trás do fortalecimento do dólar americano em relação ao euro e ao iene é o diferencial defasado do crescimento monetário. O uso desse diferencial nos diz que o dólar americano provavelmente enfraquecerá em relação às principais moedas (veja o gráfico). Mais uma vez, é provável que o enfraquecimento do dólar ocorra por causa do diferencial defasado do crescimento monetário e não tanto por causa de uma recessão emergente e uma reversão esperada na postura da taxa de juros do Fed.

Resumo e conclusão

Ao contrário da visão popular, o estado do balanço de pagamentos não determina as taxas de câmbio. Nem o diferencial da taxa de juros nem várias considerações psicológicas são os fatores determinantes da taxa de câmbio, sendo o fator-crucial o poder de compra relativo da moeda.

Quando a taxa de câmbio da moeda de mercado se desvia da taxa de câmbio, conforme ditado pelo poder de compra relativo de várias moedas, isso ativa uma arbitragem, que trabalha para a convergência da taxa de câmbio para o poder de compra relativo da moeda. Além disso, o poder de compra relativo da moeda, tudo o mais constante, é acionado pela oferta relativa defasada de várias moedas. Isso, por sua vez, significa que a taxa de câmbio da moeda é impulsionada pela oferta relativa defasada de várias moedas, tudo o mais constante.

Usando o diferencial defasado do crescimento monetário, podemos sugerir que o dólar americano provavelmente ficará sob pressão em relação ao euro e ao iene.

 

 

 

Artigo original aqui