O autoritarismo da vacina explicado

0
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Aviso: Estou vacinado contra a Covid-19. Portanto, permita-me inocular-me de qualquer acusação de que sou um “anti-vacina”. Não sou. No entanto, eu me junto a milhões de pessoas em todo o mundo que estão incomodadas com os decretos de vacina, como os emitidos pelo governo Biden e em estados como a Califórnia. Em primeiro lugar, devemos perguntar se os decretos fazem sentido do ponto de vista da saúde pública. Então, se não fazem, queremos tentar entender por que as autoridades fazem cada vez mais pressão para impor essas medidas com base em uma justificativa de saúde pública tão fraca.

Decretos vacinais não fazem sentido

Antes de entrarmos na economia política daquilo que foge da cama que se deitaram governo e a indústria farmacêutica, precisamos rapidamente examinar as razões pelas quais o atual argumento de “saúde pública” para decretos e passaportes de vacina não faz sentido.

1- Os alunos de escolas atualmente têm riscos insignificantes de Covid-19. Submeter crianças a riscos como miocardite, pericardite e trombose, por menor que sejam, não se baseia em nenhuma avaliação racional dos dados atuais sobre os riscos da doença de Covid para crianças. Portanto, o principal argumento para a vacinação infantil obrigatória é que ela protege os adultos. As vacinas Covid não apenas diminuíram a eficácia ao longo do tempo, mas também fazem muito pouco contra a transmissibilidade depois de apenas dois meses, especialmente contra as variantes que estão ocorrendo atualmente em todo o mundo. Os avanços de casos são legiões, e a diminuição da eficácia da vacina está bem documentada. (Aviso 2: Apesar de ter sido vacinado, contraí a Covid e a passei para minha companheira vacinada e crianças não vacinadas.) Claro, ninguém estudou os efeitos de longo prazo da vacinação em massa de mRNA em adultos ou crianças, e mesmo nos ensaios clínicos em crianças são duvidosas. Portanto, é estranho ouvir os impulsionadores usuais (sem trocadilhos) de um estado regulatório mais expansivo que querem mover-se a todo vapor ao forçar terapias experimentais em crianças.

2- Os decretos de vacinas introduzem riscos desnecessários para dezenas de milhões de pessoas que foram recuperados da Covid. Estudo após estudo (após estudos) demonstram que as pessoas que se recuperaram da Covid-19 têm imunidade robusta e durável, que é tão boa ou melhor do que a imunidade da vacina. Não há razão para que pessoas com imunidade natural sejam obrigadas a se submeter a qualquer terapia cujos efeitos de longo prazo sejam desconhecidos. Não importa que a magnitude dos riscos conhecidos ainda esteja sendo estudada. (Um professor de direito recuperado da Covid processou sua universidade exatamente por esse decreto.)

3- Os decretos de vacinas são questionáveis ​​mesmo para aqueles que ainda não contraíram a Covid-19. Porque? É muito simples: os adultos devem pesar os riscos conhecidos e desconhecidos de qualquer decisão médica por si próprios e buscar tratamento precoce comprovado, caso contraiam o vírus. Como mencionei acima, o argumento da proteção comunitária baseada em vacinas é fraco e fica mais fraco a cada dia. É francamente bizarro que estejamos vivendo em uma época em que as autoridades imaginam que não há problema em forçar qualquer pessoa a se submeter a terapias que ainda são consideradas experimentais. Isso não significa que as terapias experimentais mais arriscadas não devam ser uma opção para pessoas em uma pandemia; isto é simplesmente argumentar contra a compulsão.

A boa notícia é que milhões de pessoas em todo o mundo estão em rebelião declarada contra esses decretos e as autoridades que os emitem. E a aliança rebelde não é apenas um bando de anti-vacinas. Pessoas com consciência, tanto vacinadas quanto não vacinadas, acham que essas regras estão erradas. Os apparatchiks da grande mídia continuarão a disseminar pseudo-justificativas dessas medidas autoritárias, mas os bravos não-vacinados não estão caindo nessa. As descobertas científicas atuais e mais de 13.000 médicos apoiam sua intransigência.

Dado que a extensa pesquisa milita contra a suposta justificativa para os decretos de vacinas, temos que perguntar: Por que então? A resposta pode ter algo a ver com a dinâmica da economia política.

Siga o dinheiro

Correndo o risco de simplificar demais, vou contar uma história. Usarei informações acessíveis a todos para formar um cronograma aproximado e uma hipótese que evoca a Teoria da Escolha Pública tradicional. Para os não iniciados, a Teoria da Escolha Pública é um ramo da economia que lida com o comportamento dos atores que operam em uma matriz fora das condições normais de mercado, como na esfera política.

Nossa história começa em Wuhan, China: dezembro de 2019. Ou assim parece. Lá, um vírus misterioso começou a ceifar vidas. (Como você verá, teremos que voltar um pouco mais longe do que isso.) Ainda assim, em dezembro de 2019, o mundo começou a notar. O vírus logo se espalhou para além da China e, em fevereiro de 2020, a pandemia se alastrou globalmente.

Em janeiro de 2020, uma empresa pouco conhecida chamada Moderna desenvolveu sua vacina de mRNA com uma doação da BARDA (uma sub-agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA), mas em estreita colaboração com o NIAID, a agência federal de doenças infecciosas chefiada por Anthony Fauci. Na verdade, o NIH compartilha a patente com a Moderna. Ao todo, funcionários do governo gastaram US$2,5 bilhões para colocar a vacina da Moderna no mercado, com quase US$1 bilhão indo para pesquisa e desenvolvimento. Moderna/NIAID entrou em testes clínicos para sua vacina de mRNA em 15 de março de 2020, o que significa que essa pesquisa havia começado, ou foi acelerada, em um ritmo inédito para a maioria das burocracias.

Os leitores notarão que apenas seis semanas antes do início dos ensaios clínicos da Moderna/NIAID, o diretor do NIAID, Anthony Fauci, manteve contato próximo com as principais partes interessadas envolvidas em um programa plurianual que incluía pesquisas arriscadas de ganho de função. As trocas culminaram em uma agora famosa teleconferência do sábado de 1º de fevereiro de 2020. Essa teleconferência incluiu o microbiologista da Scripps Research Kristian G. Andersen, que avisou Fauci por e-mail alguns dias antes de que “Alguns dos recursos (potencialmente) parecem ter sido fabricados.” A Scripps Research não é uma desconhecida para usar e supostamente abusar da generosidade do NIH, então não é surpresa que Andersen se referisse a quaisquer teorias de vazamentos de laboratório ou fabricados como “teorias malucas”.

Também presente nessa teleconferência estava o diretor do NIH, Francis Collins, que, em meio a cada vez mais pedidos para demitir Fauci, recentemente renunciou ao cargo.

Junto com Fauci, no centro das questões que cercam a perigosa pesquisa de ganho de função está Peter Daszak. Sua organização sem fins lucrativos, Ecohealth Alliance, direcionou US$600.000 em doações do NIAID ao laboratório de Wuhan entre 2014 e 2019 como parte de uma bolsa para estudar coronavírus de morcegos. Daszak escreveu a Fauci dias após a teleconferência de sábado para agradecê-lo por usar sua seriedade para descartar a teoria do vazamento de laboratório e propagar a teoria das origens naturais do SARS-CoV2. Daszak também estava por trás da publicação de uma carta a venerável Lancet em que os signatários denunciavam a teoria do vazamento de laboratório e reforçavam a noção de uma origem natural. Antes da publicação da carta, Daszak havia escrito para um co-conspirador o seguinte:

“Vamos então apresentar de uma forma que não o vincule de volta à nossa colaboração, para maximizar uma voz independente.”

A Lancet posteriormente condenou essa carta, citando conflitos de interesse.

Conforme mencionado, a Ecohealth Alliance de Daszak também recebeu financiamento de pesquisa sob a supervisão de Fauci. Não só Daszak deixou de divulgar uma proposta de doação da Ecohealth Alliance à DARPA – negada porque sua pesquisa apresentava perigos assustadoramente semelhantes aos do vírus pandêmico atual – mas Daszak se permitiu ser instalado como um dos principais investigadores da OMS, comissionado para investigar o Laboratório de Wuhan como uma origem potencial.

A ralé comumente se refere a isso como a raposa que guarda o galinheiro.

A Conexão Moderna

Agora, desculpe a interrupção, mas o que diabos todos os itens acima têm a ver com os decretos da vacina?

Em uma das trocas de e-mail descobertas por um pedido da Judicial Watch FOIA, um e-mail de 20 de janeiro de 2020 iniciado por funcionários do NIH incluiu um “Relatório de Pneumonia de Wuhan” junto com um cronograma do surto inicial na China até aquele ponto. O relatório também detalha um portfólio administrado por ninguém menos que Peter Daszak, da organização sem fins lucrativos EcoHealth Alliance.

    Peter Daszak (R01A|110964-06) é financiado para trabalhar para entender como os coronavírus evoluem e saltam para as populações humanas, com ênfase em CoVs de morcegos e populações de alto risco na interface humano-animal. Os principais sites estrangeiros estão na China (incluindo co-investigadores do Instituto de Virologia de Wuhan).”

Os referidos “co-investigadores” incluíam o pesquisador Fang Li, da WIV, que realizaria pesquisas que soam conspicuamente semelhantes ao que os leigos agora chamam de “ganho de função”. Mas a troca também descreve outra concessão para “uma equipe de investigadores usando modelos de rato de SARS e MERS para investigar a patogênese do CoV e desenvolver vacinas e terapêuticas”. Camundongos quiméricos ou “humanizados” usados ​​na pesquisa da Wuhan/EcoHealth Alliance estão agora sob maior escrutínio como vetores de pandemia em potencial, desmentindo as declarações de Fauci perante o Congresso.

Em seguida, em uma seção do relatório simplesmente chamada de “Vacinas”, os autores do NIH escrevem:

    O CPV [Centro de Pesquisa de Vacinas] e colaboradores estabilizaram a proteína de pico MERS-CoV em sua conformação de pré-fusão. A proteína spike estabilizada é potentemente imunogênica e elicia anticorpos protetores para o domínio de ligação do receptor, domínio n-terminal e outras superfícies da proteína spike. A proteína de pico de coronavírus estabilizada e o mRNA que expressa a proteína de pico por meio da colaboração com a Moderna Therapeutics estão sendo avaliados no modelo de camundongo DPP4 humanizado na UNC. (Ênfase minha.)

Desnecessário dizer que é estranho que a startup Moderna tenha estado no centro de todas essas pesquisas paralelas sobre coronavírus de morcego por anos que antecederam o surto de Wuhan e, portanto, era unha e carne com o NIAID de Fauci.

A presunção fatal e os híbridos monstruosos

Para ser justo, a visão de “ganho de função”, que Anthony Fauci sempre apoiou aos quatros ventos, foi descobrir como desenvolver um arsenal de terapêuticas para combater qualquer vírus que pudesse saltar de um animal para um humano. Toda a premissa idealista era que os pesquisadores iriam coletar vírus e encontrar prováveis ​​candidatos para zoonoses no laboratório. Então, as autoridades poderiam financiar os fabricantes de medicamentos para criar vacinas. Como Fauci escreve em 2012:

    Os cientistas que trabalham nesse campo podem dizer – como de fato eu disse – que os benefícios de tais experimentos e o conhecimento resultante superam os riscos. É mais provável que uma pandemia ocorra na natureza, e a necessidade de se manter à frente dessa ameaça é o principal motivo para a realização de um experimento que pode parecer arriscado.

Uma interpretação mais cínica do que foi dito acima pode ser que essas partes interessadas se beneficiariam com um grave tiro de advertência como a pandemia de Covid-19. Mas uma compreensão mais caridosa dos eventos é que o desejo de Fauci de salvar o mundo dos patógenos foi justificado, na verdade acelerado, por um acidente em Wuhan que só eles poderiam limpar. Essa última interpretação só funcionaria se o vírus fosse pensado para surgir naturalmente. Caso contrário, o equivalente político de ‘Ei, deixamos um fósforo cair na floresta, então nós, bombeiros, vamos usar nossas mangueiras agora’ pousaria com o público como um balão de chumbo – e por razões que Fauci havia antecipado há muito tempo.

Eles sabiam que era melhor contar suas histórias direito.

Assim, nas mentes de executivos da Moderna como o supostamente cruel CEO da Moderna, Stéphane Bancel e seus sócios no NIAID, incluindo Fauci, o trem da vacina já havia deixado a estação. Era o sonho de um tecnocrata, uma parceria público-privada para toda a humanidade. A mídia crédula e piedosa continuou a bajular Fauci ao longo de 2020 e também em 2021. Lembre-se, até este ponto da história, nenhuma vacina de mRNA havia sido lançada para as massas. No entanto, a reputação de Fauci como papai da saúde pública o colocava na posição de Tecnocrata-chefe quando se tratava da pandemia e como controlá-la. A Moderna poderia ganhar uma tonelada de dinheiro além da generosidade de investimento que Fauci já havia direcionado para a start-up nos anos que antecederam a pandemia. Mas quem poderia invejar um herói que salva vidas se tornando um bilionário?

Contrabandistas, batistas e decretos de vacinas

Eu não iria tão longe a ponto de especular que Anthony Fauci possa estar representando Munchhausen por procuração em uma escala social, embora alguns tenham feito isso. Ainda assim, não acho exagero dizer que Fauci e seus funcionários se comportaram de uma forma que dá plausibilidade à Teoria da Escolha Pública ortodoxa, especificamente a teoria dos Contrabandistas e Batistas.

Em 1983, o economista Bruce Yandle desenvolveu a abordagem dos Contrabandistas e Batistas para explicar sua crença de que a ação governamental duradoura tende a acontecer com o apoio de dois tipos de grupos de interesse: aqueles com interesses morais e aqueles com interesses financeiros. Yandle apela às leis azuis do início do século XX, que proibiam a venda de álcool aos domingos. Os batistas, os moralistas, eram motivados por suas crenças de que os domingos deveriam ser respeitados como um dia de oração e descanso, não de bebida. Os contrabandistas apoiaram a proibição também, mas apenas porque eles desfrutariam de um próspero mercado negro naqueles dias e lucrariam com as vendas ilegais de álcool. A ação governamental duradoura, de acordo com Yandle, tende a surgir com o apoio de coalizões que compartilham um objetivo comum, mesmo que não compartilhem motivações comuns.

Em uma pandemia global, não foi difícil encontrar uma infinidade de devotos de saúde pública. Nem foi difícil encontrar aproveitadores, especialmente farmacêuticos. Duvido que Anthony Fauci tenha qualquer interesse financeiro na vacina Moderna/NIAID – embora os investigadores devam olhar. Ele está nisso pela glória. Ainda assim, a parceria Moderna/NIAID coloca os contrabandistas e os batistas no mesmo time.

Fauci, o presidente Biden e todas as sentinelas da mídia mainstream são os moralistas nesta equação, isto é, se o Prof. Yandle permitir uma linha não tão clara entre o moralismo e o complexo de salvador. Eles querem ser conhecidos como aqueles que venceram a pandemia. Pode-se até dizer que Fauci planejou tudo isso durante toda a sua carreira. Agora ele nos agracia com sua presença diária em programas de tv vespertinos como o The View, se deliciando sob os holofotes, nos lembrando de usar nossas máscaras e tomar nossas vacinas.

O decrépito Biden, embora precise de ajuda para subir naquele cavalo alto, uma vez que o cavalga, ergue sua poderosa caneta executiva e ordena as multidões para tomar a vacina ou então… À espreita estão figuras corporativas sombrias, como Bancel da Moderna, preparadas para executar esses planos tecnocráticos usando bilhões de dólares manchados de vermelho. Embora uivos contra a Big Pharma já tenham sido proeminentes na cartilha progressista, eles foram misteriosamente eliminados como os e-mails FOIA de Anthony Fauci. Quando paramos para pensar que esses bilhões terão de ser pagos pelas próprias crianças que não terão escolha a não ser tomar essas vacinas, elas podem achar a ideia nauseante, muito mais que o Covid. Um pensamento consideravelmente mais perturbador, porém, é que Fauci provavelmente suspeitou o tempo todo que o financiamento do NIH levou à criação e liberação (acidental) de um vírus que matou 5 milhões de pessoas até o momento desta redação.

Anthony Fauci é um monopsônio do financiamento da pesquisa de doenças infecciosas. Ele claramente não quer ser conhecido como o cara encarregado de financiar a pandemia, mesmo inadvertidamente. Sua atitude defensiva, suas inverdades perante o Congresso e sua atração como traça pelas luzes das câmeras – tudo parece revelar um homem que, em seu moralismo, se recusa a reconhecer que sua agência teve alguma influência no dano que o Covid causou. Ele quer ser o médico da América e seu grande plano sempre foi vacinar o mundo. Em seu cenário perfeito, ele não seria visto não como um burocrata negligente, mas como um salvador. E ele quer manter assim. Os pesquisadores? Os intermediários? Os executivos farmacêuticos? Eles estão nisso pelo dinheiro de que dependem suas carreiras.

Minha hipótese, portanto, provisória, mas ousada, é que o economista Bruce Yandle deve ter visto isso chegando a um quilômetro de distância. Os decretos da vacina de 2020-2021 são a história de Contrabandistas conspirando com batistas. A única questão que permanece, então, é se vamos deixá-los escapar impunes.

 

Artigo original aqui