Resistência: O decreto da vacina de Biden está desmoronando

1
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O mandato da vacina de Joe Biden parece estar se desintegrando antes mesmo de estar em vigor. De socorristas a motoristas de caminhão e todas as outras profissões, a mensagem é clara: muitos milhares estão dispostos a ser demitidos de seus empregos, em vez de serem forçados a realizar um procedimento médico que não desejam.

Eles têm um poder de barganha e o estão usando. Devemos apoiá-los.

As prateleiras dos supermercados estão vazias, os contêineres continuam no mar, os bombeiros em Nova York estão fechados, o xerife do condado de Los Angeles avisa que, no meio de uma onda de crimes, metade de seus policiais pode pedir demissão ou ser demitida. As companhias aéreas estão citando “problemas climáticos” inexistentes para desculpar o fato de que seus funcionários estão se rebelando contra as picadas forçadas.

O país está à beira de um abismo econômico e o governo Biden está aumentando sua pressão. A única questão é até que ponto o presidente está disposto a afundar seu partido e seus próprios números de aprovação para continuar a pressionar uma vacina forçada inconstitucional, profundamente impopular e totalmente tirânica sobre a população.

Se a vacina fornecesse um alto nível de imunidade ao vírus que não diminuía com o tempo, encorajar as pessoas a tomar a vacina – que usa tecnologia experimental – poderia fazer algum sentido, embora obrigar ainda seja imoral e ilegal.

Mas os próprios funcionários do alto escalão de saúde de Biden, como a diretora do CDC Wallensky, têm nos dito desde agosto que a injeção não previne contra a infecção do vírus e não previne a transmissão do vírus. Portanto, não é uma “vacina” por qualquer definição do termo. É por isso que o próprio CDC em setembro mudou sua definição oficial do termo “vacina” para excluir o termo “imunidade”. O embuste é tão transparente.

Eles dizem que você deve tomar a injeção porque pode prevenir doenças graves causadas pelo vírus. Mas sabemos que há muitas outras coisas que podem prevenir doenças graves causadas pelo vírus. O fenômeno midiático do Youtube Joe Rogan foi amplamente ridicularizado por usar ivermectina e outras drogas e procedimentos para tratar seu acometimento por Covid-19. Mas parece que funcionaram. Da mesma forma, o lendário quarterback do Green Bay Packers, Aaron Rodgers, tratou com sucesso sua Covid com ivermectina e outros procedimentos. Apesar de agora ter imunidade natural ao vírus, ele foi atacado pela grande mídia por não seguir as exigências de Fauci. O sucesso não significa nada. Apenas a obediência importa.

Um novo estudo sobre a eficácia das picadas de Covid não é uma boa notícia para o governo Biden. Publicado em 4 de novembro na revista científica Nature, os pesquisadores acompanharam 800.000 veteranos dos EUA por seis meses após receberem a injeção. Entre março e novembro, a eficácia da Moderna caiu de 85% para 58% — um pouco melhor do que um cara ou coroa. A das duas doses Pfizer/BioNTech caiu em eficácia de 87% para 45%, e a Johnson & Johnson caiu em eficácia de 86% para 13%!

Como o Washington Times escreveu sobre o importante novo estudo da Nature, “Considere a imunidade natural e um argumento poderia ser feito de que essas vacinas são praticamente inúteis.”

Então, por que o governo está buscando essa política de terra arrasada sobre os mandatos de vacinas? Talvez devêssemos ver quantos lobistas a Big Pharma tem no Capitólio. Talvez devêssemos dar uma olhada na porta giratória entre o FDA, o CDC e a Big Pharma. A palavra é “corrupção” e, se o próprio banco de dados de reações adversas do CDC for preciso, ela está matando milhares de americanos. Seja firme e resista ao decreto!

 

Artigo original aqui

 

Artigo anteriorSobre apaziguar a inveja
Próximo artigoA anarquia urbanística
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

1 COMENTÁRIO