Os perigos das leis de calúnia e difamação

1

Séculos atrás, aqueles que acreditavam ter sido prejudicados por palavras “caluniosas” podem ter tido que resolver o problema com as próprias mãos, talvez por meio de um duelo, ou tudo pode ter acabado com uma briga de bêbados entre o acusador e o acusado na taverna local. Às vezes, esses confrontos levavam à morte intencional ou acidental.

Com o tempo, no entanto, os tribunais foram encarregados de lidar com os danos supostamente causados ​​por esse tipo de difamação.

O historiador criminal Randolph Roth observa como as coisas mudaram a esse respeito do século XVII ao século XVIII. Roth relata como Alexander Stuart, um rico fazendeiro da Virgínia, concluiu que havia sido difamado quando o operário John Thompson e Thomas Paxton (outro rico fazendeiro) espalharam uma história na qual alegavam que Stuart havia se envolvido em atos sexuais com uma “garota negra”. Stuart processou Thompson e Paxton por calúnia, mas:

    Em meados do século XVII, um cavalheiro como Stuart teria chicoteado Thompson e desafiado Paxton, que era seu par, para um duelo. No século XVIII, o desejo de vingança era mais frequentemente satisfeito no tribunal, embora metade de todos os processos por difamação… fossem resolvidos ou arquivados antes do julgamento, e aqueles que terminavam em veredictos de culpado geralmente resultavam em pequenas indenizações por danos. A maioria dos processos destinava-se apenas a demonstrar que o queixoso era um homem que lutaria por seus direitos. Eles não visavam levar o réu à falência.”

Culpa e danos são muito difíceis de provar

Roth não diz como acabou o caso de Stuart. Mas, de um ponto de vista moral, parece que devemos considerar uma variedade de fatores antes que qualquer pronunciamento sobre culpa ou danos possa ser feito. Isso também se tornou cada vez mais importante à medida que as penalidades legais por difamação aumentaram desde o século XVII:

  • Os eventos da história contada por Paxton e Thompson eram verdadeiros?
  • Paxton e Thompson acreditaram que a história era verdadeira?
  • Stuart realmente sofreu danos?
  • Paxton e Thompson pretendiam fazer mal a Thompson?

Quando se trata de estabelecer esses fatos, as coisas são muito mais fáceis de dizer do que de fazer.

É verdade?

Pode ser relativamente fácil determinar se Stuart realmente fez ou não o que Paxton e Thompson disseram que ele fez. Mas estariam Paxton e Thompson apenas repetindo o que acreditavam ser fatos? Nesse caso, isso sugeriria conter menos malícia no que eles fizeram. Ou nenhuma.

Além disso, se Stuart fez o que foi relatado nas histórias de Paxton e Thompson, ele realmente tem o “direito” de ser imune aos efeitos das coisas que ele realmente fez?

Alguns podem dizer que Stuart tem direito à privacidade, mas como Murray Rothbard pergunta: “Como pode haver um direito de impedir Smith pela força de disseminar o conhecimento que ele possui? Claro que não pode haver tal direito.”

Em outras palavras, se Stuart está buscando um julgamento legal contra Paxton e Thompson – e se Paxton e Thompson acreditaram que a história é verdadeira – o que Stuart está realmente dizendo é que é certo o Estado usar violência contra pessoas que simplesmente relatam fatos.

Houve realmente algum dano?

Um segundo fator importante é determinar se Stuart realmente sofreu danos como resultado das ações de Paxton e Thompson.

Novamente, isso é mais fácil dizer do que fazer.

Para mostrar que ele foi significativamente prejudicado, Stuart deveria mostrar que:

  1. As pessoas acreditaram nas histórias relatadas por Paxton e Thompson.
  2. As pessoas se importaram o suficiente para agir com base nas novas informações.
  3. Essas ações causaram danos reais e significativos a Stuart.

Frequentemente, aqueles que apoiam as sanções do governo contra supostos caluniadores e difamadores assumem que as pessoas simplesmente acreditam em tudo o que lhes dizem, formam um juízo negativo contra a suposta vítima e, então, agem contra essa vítima.

Isso, é claro, não necessariamente ocorre. Por exemplo, mesmo depois de anos sendo perseguido por acusações de ser um molestador de crianças, os shows de Michael Jackson ainda eram muito demandados. Na época de sua morte, ele estava prestes a embolsar pelo menos 60 milhões de dólares de shows marcados em Londres. As vendas do álbum de Jackson também estavam aumentando na época. Algumas pessoas se recusaram a comprar os produtos e serviços de Jackson por causa da alegação? Possivelmente. Ou pode ter sido que as alegações foram prontamente acreditadas por aqueles que já não gostavam dele – enquanto seus fãs se recusavam a acreditar nas alegações. Além disso, as alegações podem significar que algum fã pode ter apoiado Jackson ainda mais em uma demonstração de solidariedade.

Mais recentemente, Johnny Depp processou sua ex-esposa por US$50 milhões por difamação. A ex-mulher alega que ele abusou dela. Poderia Depp provar que ela prejudicou sua renda? Certamente, pode não ser difícil mostrar que sua renda sofreu nos últimos anos. Depp sofreu uma série de mediocridades e fracassos de bilheteria nos últimos anos, incluindo The Lone Ranger, que deu um prejuízo de US$190 milhões para a Disney. Mas tudo isso aconteceu antes que as alegações de sua ex-esposa fossem divulgadas.

Então, se Depp agora está alegando que ele teve sua renda prejudicada como resultado dos comentários de sua ex-esposa, como sabemos que sua queda na renda não foi realmente devido à sua falta de sucesso nas bilheterias?

É difamatório chamar alguém de homossexual?

Um conceito especialmente prejudicial e questionável dentro da lei de difamação é o conceito de “difamação per se“. Nesses casos, a suposta vítima nem precisa demonstrar o dano. Simplesmente presume-se que os comentários difamatórios causaram danos.

No entanto, as suposições por trás da difamação per se são muitas vezes completamente divorciadas da realidade.

Por exemplo, em muitas jurisdições nos Estados Unidos, é considerado difamação per se acusar alguém de ser homossexual.

Mas isso é realmente difamatório?

Estudiosos jurídicos estão cada vez mais observando que não se pode presumir que uma suposta vítima sofra perdas econômicas devido a uma acusação de homossexualidade. Se é prejudicial ou não, depende inteiramente dos detalhes da comunidade e do ambiente social de uma pessoa.

Da mesma forma, a “falta de castidade” há muito é considerada um tipo de difamação per se. Em alguns lugares e culturas, notar que uma mulher foi estuprada pode ter despertado repulsa dirigida à vítima de estupro. Mas na maioria dos contextos modernos e ocidentais, pode-se certamente argumentar que saber que uma mulher foi estuprada é mais provável de atrair simpatia pela vítima do que qualquer outra coisa. Além disso, chamar uma mulher de “vagabunda” em público dificilmente pode levar ao seu exílio social. Há, francamente, aproximadamente zero evidência disso fora de pequenos bolsões ultraconservadores no Ocidente moderno.

A arbitrariedade dessas declarações de difamação per se demonstra algumas das muitas suposições perigosas por trás da lei de difamação.

Assim, no mínimo, qualquer discussão legal sobre difamação deve estar intimamente ligada à capacidade da suposta vítima de demonstrar que o dano real resultou de supostos comentários difamatórios. Felizmente, pelo menos nos EUA, a maioria dos casos de difamação é baseada em “difamação per quod ”, que, como Matthew Bunker, et al observam, “exige prova de danos especiais – perda econômica ou pecuniária real. Esses danos podem ser difíceis de provar, e sua ausência cria uma barreira para a restituição.”

A Primeira Emenda e a Difamação

Bunker, et al, também concluem:

   Provar a difamação nos tribunais dos Estados Unidos tornou-se uma tarefa cada vez mais complicada. Juntamente com um substrato de requisitos de direito consuetudinário, a Suprema Corte dos EUA impôs várias camadas adicionais do firmamento da Primeira Emenda, começando com o caso histórico New York Times Co. v. Sullivan. Requisitos adicionais decorrentes da liberdade de expressão constitucional do Estado e proteções à imprensa também chegaram às leis de difamação de cada estado.

Isso representa uma espécie de reversão da tendência de disseminação de soluções legais para supostas difamações, conforme descrito por Roth. Embora o uso da lei comum contra a difamação possa ter se espalhado nas colônias britânicas dos Estados Unidos no século XVIII, a adoção da Primeira Emenda no final daquele século introduziu algumas barreiras significativas, que desde então foram fortalecidas.

Os benefícios dessas barreiras podem ser vistos quando a lei de difamação dos EUA é comparada com a lei de outros lugares.

Usando a Lei de Difamação para Silenciar os Críticos

Considere, por exemplo, o caso de Rachel Ehrenfeld. A NPR reporta:

    Em 2003, ela [Ehrenfeld] escreveu um livro chamado Funding Evil: How Terrorism is Financed, and How to Stop It. O livro acusava um rico empresário saudita de financiar a Al Qaeda. O empresário, Khalid bin Mahfouz, processou Ehrenfeld em um tribunal britânico.

Embora Ehrenfeld seja uma americana escrevendo nos Estados Unidos, bin Mahfouz a processou no tribunal britânico porque os requisitos legais britânicos para difamação são mais frouxos. Consequentemente:

     “Vigaristas e bandidos de todo o mundo vêm [para o Reino Unido] para lavar suas reputações, pois não poderiam ser absolvidos nem em seu país de origem nem nos Estados Unidos da América”, diz Mark Stephens, um advogado de Londres que frequentemente representa empresas de mídia nesses casos. … Nos tribunais americanos, o ônus da prova recai sobre a pessoa que apresenta uma ação por difamação. Nos tribunais britânicos, o autor ou jornalista tem o ônus da prova e normalmente perde. “Então você tem o rico e poderoso calando e intimidando os discursos que os criticam”, diz Stephens.

Não surpreendentemente, Ehrenfeld perdeu no tribunal e, antes de 2010, um tribunal americano poderia ter aplicado a multa de $250.000 do tribunal britânico contra ela. Mas, graças ao “Speech Act” aprovado pelo Congresso naquele ano, os tribunais dos EUA agora são instruídos a não aplicar as decisões internacionais de difamação, a menos que estejam em conformidade com os padrões dos EUA sob a Primeira Emenda.

Em outras palavras, os padrões apáticos de difamação empregados por grande parte do mundo não têm mais validade nos EUA.

Não surpreendentemente, muitos juristas britânicos ainda pensam que encontraram o “equilíbrio” certo entre os interesses dos supostamente difamados e daqueles que são acusados ​​de difamação.

Mas eles estão errados.

O equilíbrio correto é ser desequilibrado em favor dos acusados ​​de difamação.

Afinal, o caso de bin Mahfouz ilustrou como os casos de difamação podem ser propensos a abuso quando envolvem pessoas ricas e poderosas. Poucas pessoas comuns podem se defender contra bilionários como bin Mahfouz, ou mesmo regimes estrangeiros que são conhecidos por processar seus críticos em vários tribunais.

O resultado é uma situação em que os impotentes têm menos probabilidade de criticar os poderosos. Murray Rothbard observa:

     [O] sistema atual [que permite processos por difamação] discrimina as pessoas pobres de outra forma; pois seus próprios discursos são restritos, já que eles têm menos tendência a disseminar uma informação verdadeira, mas depreciativa, sobre os ricos, por medo de verem instaurado contra eles custosos processos por calúnia e difamação.

Outros perigos surgem no horizonte

É possível conceber casos futuros em que a lei de difamação poderia ser usada para impor noções modernas do politicamente correto.

Por exemplo, acusar outra pessoa de doença mental costuma ser considerado um tipo de difamação per se. Então, o que acontece quando uma pessoa afirma que as pessoas trans sofrem de um tipo de doença mental? Potencialmente, aqueles que expressam essa opinião podem ser processados ​​por difamação no tribunal por aqueles que afirmam ter sido prejudicados por serem considerados doentes mentais.

De fato, na Itália, uma médica se envolveu em um processo por difamação ao afirmar que a homossexualidade é “uma doença”. Ela acabou sendo exonerada de difamação, mas somente após uma longa batalha legal.

Felizmente, o respeito pela liberdade de expressão torna isso menos provável nos Estados Unidos. Mas não é algo impensável.

A resposta: Combata o discurso com mais discurso

Nada disso quer dizer que as pessoas comuns não possam sofrer perdas verdadeiras como resultado da divulgação de informações difamatórias. Mas o custo das leis de difamação também é significativo em termos de abuso dos poderosos e também nos casos em que as pessoas simplesmente disseram coisas que pensavam ser verdade sem qualquer intenção maliciosa ou mesmo negligência.

A resposta, no entanto, é sugerida por Rothbard, que observa que em um sistema de liberdade de expressão irrestrita, ” todos saberiam que histórias falsas são legais, haveria muito mais cepticismo por parte dos leitores e ouvintes, que iriam exigir muito mais provas e acreditar menos em histórias depreciativas do que acreditam hoje.”

Isso, claro, já é a realidade para pessoas com recursos médios. Especialmente em uma era de mídia social, onde qualquer um pode ser acusado publicamente de atos hediondos a qualquer momento, os não-ricos devem confiar no ceticismo do público como defesa contra declarações difamatórias e potencialmente prejudiciais.[1] Afinal, se vivemos em uma sociedade onde as pessoas acreditam automaticamente em qualquer um que acuse um terceiro de ser um estuprador, então nossa sociedade tem problemas muito além de leis de difamação insuficientemente robustas.

 

 

 

Artigo original aqui

Leia também A verdade sobre fake news

 

[1] Felizmente, algumas evidências sugerem que os jovens são menos crédulos do que os velhos – provavelmente como resultado do vale-tudo que é a internet.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.