O canto de sereia do Estado

2
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

O estado é a instituição mais destrutiva que os seres humanos já criaram – um incêndio que, na melhor das hipóteses, pode ser controlado por apenas um curto período de tempo antes de ultrapassar seus confinamentos improvisados ​​e espalhar suas chamas por toda parte.

O que quer que promova o crescimento do estado também enfraquece a capacidade dos indivíduos na sociedade civil de se defenderem das depredações do estado e, portanto, aumenta a vitimização multifacetada do público nas mãos dos funcionários do estado. Nada promove o crescimento do estado tanto quanto a emergência nacional – a guerra e outras crises comparáveis ​​à guerra na seriedade das ameaças que representam.

Os Estados, por sua própria natureza, estão perpetuamente em guerra – nem sempre contra inimigos estrangeiros, é claro, mas sempre contra seus próprios súditos. O propósito mais fundamental do estado, a atividade sem a qual ele nem pode existir, é o roubo. O estado ganha seu próprio sustento com o roubo, que embeleza ideologicamente dando-lhe um nome diferente (tributação) e se esforçando para santificar seu crime intrínseco como permissível e socialmente necessário. Propaganda estatal, ideologias estatistas e rotina estabelecida há muito tempo se combinam para convencer muitas pessoas de que elas têm uma obrigação legítima, até mesmo um dever moral de pagar impostos ao Estado que governa sua sociedade.

Elas caem nesse raciocínio moral errôneo porque lhes dizem incessantemente que o tributo que elas pagam é na verdade uma espécie de preço pago por serviços essenciais recebidos, e que no caso de certos serviços, como proteção de agressores estrangeiros e domésticos contra seus direitos de vida, liberdade e propriedade, apenas o governo pode fornecer o serviço de forma eficaz. Elas não têm permissão para testar esta alegação recorrendo a fornecedores concorrentes de lei, ordem e segurança, no entanto, porque o governo impõe um monopólio sobre a produção e distribuição de seus supostos “serviços” e usa de violência contra possíveis concorrentes. Ao fazê-lo, revela a fraude que está no cerne de suas reivindicações insolentes e dá provas suficientes de que não é um protetor genuíno, mas um mero esquema mafioso de proteção.

Todos os governos são, como devem ser, oligarquias: apenas um número relativamente pequeno de pessoas tem um poder discricionário substancial para tomar decisões críticas sobre como o poder do estado será exercido. Além da própria oligarquia e das forças policiais e militares que compõem sua Guarda Pretoriana, grupos um tanto maiores constituem uma coalizão de apoio. Esses grupos fornecem suporte financeiro importante e outros para os oligarcas e buscam neles recompensas compensatórias – privilégios legais, subsídios, empregos, franquias e licenças exclusivas, transferências de renda financeira e riqueza, bens e serviços em espécie e outros espólios – canalizados para eles às custas da massa do povo. Assim, a classe política em geral – isto é, os oligarcas, a Guarda Pretoriana e a coalizão de apoio – usa o poder do governo (o que significa, em última análise, a polícia e as forças armadas) para explorar todos fora dessa classe, empunhando ou ameaçando usar violência contra todos os que deixam de pagar o tributo que os oligarcas exigem ou de obedecer às regras que eles ditam.

As formas e rituais políticos democráticos, como eleições e procedimentos administrativos formais, disfarçam essa exploração de classe e enganam as massas, levando-as a acreditar que a operação do governo lhes traz benefícios líquidos. Na forma mais extrema de equívoco, o povo em geral se convence de que, devido à democracia, eles próprios “são o governo”.

Indivíduos cruzando a fronteira entre a classe política e a classe explorada testemunham, no entanto, nada mais do que a flexibilidade e abertura astuciosamente planejadas do sistema. Embora o sistema seja inerentemente explorador e não possa existir em qualquer outra forma, ele permite alguma margem de manobra nas margens na determinação de quais indivíduos específicos serão os fodidos e quais os fodedores. No topo, um grau modesto de “circulação de elites” dentro da oligarquia também serve para mascarar o caráter essencial do sistema político.

É uma regra interpretativa válida, entretanto, que qualquer coisa que não possa ser realizada sem a ajuda de ameaças ou o uso real de violência contra pessoas inofensivas não pode ser benéfico para todos. A crença das massas na beneficência geral da democracia representa uma espécie de síndrome de Estocolmo em larga escala. No entanto, não importa quão amplamente esta síndrome possa se estender, ela não pode alterar o fato básico de que, devido à operação do governo como o conhecemos, isto é, governo sem consentimento genuíno, expresso e individual, uma minoria vive no lucro às custas do resto, e o resto, portanto, perde no processo, enquanto os oligarcas (eleitos ou não, pouco importa) presidem a enorme teia de organizações criminosas que conhecemos como Estado.

Apesar do encantamento ideológico com o qual altos sacerdotes oficiais e intelectuais estatistas enganam a classe saqueada, muitos membros desta classe retêm a capacidade de reconhecer pelo menos algumas de suas perdas e, portanto, às vezes resistem a novas incursões contra seus direitos expressando publicamente suas queixas, apoiando desafiadores políticos que prometem aliviar seus fardos, fugindo do país e, o mais importante, sonegando ou evitando impostos e violando proibições legais e restrições regulatórias sobre suas ações, como na chamada economia clandestina, ou “mercado negro”.

Essas várias formas de resistência juntas compõem uma força que se opõe à pressão constante do governo para expandir seu domínio. Essas duas forças, trabalhando uma contra a outra, estabelecem um locus de “equilíbrio”, uma fronteira entre o conjunto de direitos que o governo anulou ou apreendeu e o conjunto de direitos que a classe saqueada conseguiu manter de alguma forma, seja por restrições constitucionais formais ou por evasão fiscal cotidiana, transações no mercado negro e outras violações defensivas das regras opressivas do governo.

A política no sentido mais amplo pode ser vista como a luta para empurrar esse limite de um jeito ou de outro. Para os membros da classe política, a questão crucial é sempre: como podemos empurrar a fronteira, como podemos aumentar o domínio do governo e saquear, com ganho líquido para nós mesmos, os exploradores que vivem não da produção honesta e da troca voluntária, mas de extorquir aqueles que o fazem?

A emergência nacional – guerra ou uma crise ameaçadora semelhante – responde à questão crucial da classe política de forma mais eficaz do que qualquer outra coisa, porque tal crise tem uma capacidade única e eficaz de dissipar as forças que de outra forma obstruiriam ou se oporiam à expansão do governo.

Praticamente qualquer guerra servirá, pelo menos por um tempo, porque nos Estados-nação modernos a eclosão da guerra invariavelmente leva as massas a “se unirem em torno da bandeira”, independentemente de sua postura ideológica anterior em relação ao governo.

Não precisamos ir longe para encontrar a causa desta tremenda e racionalmente injustificada “mobilização” em torno da bandeira. Essas reações públicas são sempre impulsionadas por uma combinação de medo, ignorância e incerteza com um contexto de intenso nacionalismo chauvinista, uma cultura popular predisposta à violência e uma incapacidade geral de distinguir entre o estado e o povo em geral.

Porque o governo canta incessantemente o canto da sereia, propagandeando incessantemente o público para considerá-lo seu protetor – tal suposta proteção é a principal desculpa para seu roubo rotineiro e violação de seus direitos naturais – e porque a mídia de massa incessantemente amplia e espalha a propaganda do governo, não será surpresa nenhuma se essa propaganda vier a penetrar profundamente no pensamento de muitas pessoas, especialmente quando elas estão em um estado de quase pânico. Incapazes de pensar com clareza de uma forma informada, a maioria das pessoas recorre a um estilo infantil nós-contra-eles de compreender a ameaça percebida e o que deve ser feito a respeito.

A chamada guerra ao terrorismo deu origem a uma enorme indústria que surgiu quase do zero durante os últimos anos. De acordo com um relatório da Forbes de 2006, o Departamento de Segurança Interna e suas agências predecessoras pagaram aos empreiteiros privados pelo menos US$ 130 bilhões após o 11 de setembro, e outras agências federais gastaram uma quantia comparável. Assim, além do complexo militar-industrial-parlamentar (CMIP), passamos a contar com um complexo de segurança-industrial-parlamentar paralelo (CSIP).

Entre 1999 e 2006, o número de contratantes federais de segurança interna aumentou de nove empresas para 33.890, e uma indústria multibilionária que vende bens e serviços relacionados à segurança surgiu completa, com boletins especializados, revistas, sites, consultores, feiras de negócios, serviços de busca de emprego e um verdadeiro exército de lobistas trabalhando sem parar para alargar o rio de dinheiro que flui para esses oportunistas. Como Paul Harris escreveu: “Os EUA estão nas garras de um negócio baseado no medo”. A última coisa que esses abutres querem, é claro, é uma redução da ameaça terrorista percebida, e podemos contar com eles para exagerar qualquer sinal de um aumento de tais ameaças e, claro, para encher o canal, alegremente sugando o dinheiro dos contribuintes.

Que chance tem a paz quando milhões de oportunistas abastados e politicamente conectados de todos os matizes dependem da continuação de um estado de guerra para seu sucesso financeiro pessoal? Para os membros do Congresso, o Departamento de Segurança Interna rapidamente se tornou o distribuidor de benesses mais magnífico em décadas. Todos estão felizes aqui, exceto para os cidadãos comuns sitiados, cujos bolsos estão sendo furtados e cujas liberdades estão sendo revogadas por políticos e predadores do setor privado com total desprezo pela inteligência e pelos direitos do povo. No entanto, enquanto as pessoas continuarem a ser consumidas pelo medo e a caírem no velho embuste de que o governo busca apenas protegê-los, esses abusos nunca terão fim.

Um estado de paz é uma impossibilidade. Mesmo um estado que se abstém de lutar contra os estrangeiros continua lutando contra seus próprios súditos continuamente, para mantê-los sob seu controle e suprimir concorrentes que possam tentar entrar no domínio de sua rede de proteção. As pessoas clamam por segurança, mas não assumem a responsabilidade por sua própria proteção e, como os marinheiros da mitologia grega, saltam ao mar imediatamente em resposta ao canto da sereia do estado.

Quando os israelitas fugiram de seu cativeiro no Egito, viveram durante séculos apenas com juízes, mas não ficaram satisfeitos e, por fim, exigiram um rei, clamando:

“Queremos ter um rei. Seremos como todas as outras nações; um rei nos governará, e sairá à nossa frente para combater em nossas batalhas”. – Samuel 8: 19–20

Bem, eles têm um rei, sim, assim como nós adotamos um dos nossos, embora chamemos o nosso de presidente. Os israelitas, como o profeta Samuel advertira, não estavam em melhor situação por terem um rei: o rei Saul apenas os conduziu de uma matança para outra (1 Samuel 14: 47–48).

Da mesma forma, nossos governantes nos conduziram de uma matança desnecessária a outra; e, para piorar as coisas, eles exploraram cada uma dessas ocasiões para apertar suas correntes ao nosso redor com mais força. Como os antigos israelitas, nós nunca teremos uma paz real e duradoura enquanto dermos nossa lealdade a um rei – isto é, em nosso caso, a todo o conglomerado de exploradores e assassinos institucionalizados que conhecemos como o estado.

 

Artigo original aqui.